Google diz que sua nova ferramenta de tradução com inteligência artificial é praticamente idêntica a tradutores humanos

A partir de hoje, o Google vai confiar mais em inteligência artificial para traduzir frases de uma língua para outra.

O novo método, chamado de “Google Machine Neural Translation” (em português, algo como “Tradução Neural de Máquina do Google”), reduz os erros em 80% em comparação com o algoritmo atual.

De acordo com a companhia, o novo Google Translate se provou quase indistinguível da tradução humana em testes padronizados.

O que mudou

Essa é uma mudança radical da forma como Google traduz agora, um método conhecido como “tradução baseada em frase”, o padrão para a indústria.

Segundo esse método, um algoritmo corta uma frase e tenta corresponder palavras a um grande dicionário. Já a nova técnica utiliza esse mesmo grande dicionário para treinar duas redes neurais. Uma quebra a frase para descobrir o que ela significa, e a outra gera texto no segundo idioma.

Como algoritmos de inteligência artificial não contam com a lógica humana, eles podem muitas vezes encontrar melhores maneiras de realizar a tarefa do que os seres humanos que codificam algoritmos.

A própria rede aprende como traduzir, em alguns casos derrubando as regras que os humanos achavam serem as melhores, e se concentrando apenas no resultado.

Muito melhor

É em grande parte por esse motivo que a rede neural do Google faz um salto tão radical na precisão. Por exemplo, a rede não tem mais que gastar tempo dividindo frases em palavras.

Nos testes em que uma pessoa e a máquina traduziam um texto, anteriormente, o Google Translate fazia uma pontuação de 3,6 de um total de 6 (que seria uma tradução perfeita), em frases do espanhol para o inglês. Seres humanos geralmente tiravam 5,1. O novo método do Google atinge 5.

A companhia vai lançar a nova ferramenta para chinês mandarim primeiro, e depois ampliar para novas línguas ao longo dos próximos meses. [QZ]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta