Unesp vai desenvolver “plástico de fibra de frutas”

Por , em 29.03.2011

Uma equipe de pesquisadores da Universidade Estadual Paulista, a Unesp, está trabalhando em um projeto que pode revolucionar a produção de componentes plásticos para carros. Você pode achar que é ficção científica transformar bananas e abacaxis em um material resistente o suficiente para ser parte de um automóvel, mas é justamente disso que trata a iniciativa.

Quem explica é Alcides Leão, um dos cientistas envolvidos. Ele conta que é possível extrair fibras vegetais, de casacas de frutas comuns como banana e abacaxi, e trabalhar quimicamente para criar um plástico super-forte. “As propriedades deste plástico são incríveis. São muito leves, mais fortes: 30% mais leves e de três a quatro vezes mais fortes do que o plástico comum”.

Além disso, há uma vantagem ambiental. Enquanto a maioria dos compostos plásticos atuais são feitos de petróleo, não-renovável, o plástico de cascas de frutas é feito de uma fonte que não tira nada do meio ambiente. [Live Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

5 comentários

  • Maya:

    Ja vi uma reportagem sobre a sacola de fribra de banana a um bom tempo,vamos ver se vai ser colacado em prática mesmo.Em Jundiaí a sacola de mercado leva amido na composição e leva bem menos tempo para se decompor….

  • paulo:

    Não retira nada do meio ambiente? Vejamos; A casca de banana volta para a natureza em forma de adubo, tratada e transformada em um tipo de plástico, voltará à natureza? Não precisará de um processo que reverta esse tratamento químico para voltar ao meio ambiente?

  • paulo:

    ….

  • HUGO SM:

    Não fica claro se é um plastico ou apenas fibras de reforço para substituir as de vidro ou carbono em combinação com uma resina.Se isso for não tem novidade nenhuma,existem ate produtos industrializados elaborados com fibras de bananeira e resina epoxi.

  • Rodolfo:

    Isso é muito bom! Espero que o projeto prospere.
    O único problema é achar incentivo governamental, muito mais quando conversamos sobre petróleo 🙁

Deixe seu comentário!