Veja por que alguns cães têm orelhas caídas

Por , em 7.02.2018

Você já reparou que animais domesticados como cães, porcos, cabras e coelhos têm as orelhas caídas quando comparados com seus primos selvagens? Quantos lobos de orelhas caídas você já viu? A domesticação e a mudança na aparência dos animais não é coincidência, e existe uma explicação biológica para isso.

E não são só as orelhas que ficaram diferentes no passar dos séculos ao lado dos homens: os focinhos ficaram mais curtos e as cores ficaram mais claras, às vezes até malhado. Pense em um porco rosa com manchas cinza e o compare com um javali. Pense em um coelhinho malhado e no seu primo selvagem lebre. A mudança de todas essas características é chamada pelos cientistas de “síndrome da domesticação”.

Se você pensou que os animais domesticados ficaram com a aparência dessa forma porque foram selecionados pelos seres humanos, você não está errado. Mas essa seleção não foi proposital. Não havia a demanda por animais de orelha caída ou pele malhada. O que os homens de hoje e do passado precisavam era de animais dóceis. Esses animais menos assustados e agressivos foram selecionados geração após geração.

A chave para entender a ligação entre a agressividade e características físicas está nas células da crista neural. Animais com menos instinto de fugir ou lutar têm menos células de crista neural. Essas células são criadas no início do desenvolvimento embrionário dos vertebrados, e conforme o embrião cresce, elas viajam pelo corpo do feto e assumem funções diferentes. Além de influenciar a agressividade e medo dos animais, essas células também contribuem para a formação dos ossos, cartilagem e células de pigmentação da pele.

Ou seja, através de séculos de domesticação de animais, os seres humanos afetaram o nível e qualidade de células de crista neural nos animais. Ao atuar na formação dos ossos, a menor quantidade dessas células fez com que a formação facial dos animais mudasse; ao atuar nas cartilagens, as orelhas ficaram caídas; ao atuar na pigmentação da pele, os animais ficaram com cores mais claras ou malhados; e ao atuar nas glândulas adrenais, o instinto de fugir ou lutar ficou mais fraco.

Charles Darwin:10 fatos estranhos sobre o gênio

Foi um estudo de 2014 publicado na revista Genetics que ligou as células da crista neural com as características físicas dos animais. Quem primeiro observou a síndrome da domesticação, porém, foi Charles Darwin, na obra A origem das espécies. “A queda é causada pela falta de uso dos músculos das orelhas, já que os animais raramente ficam alarmados por perigo”, havia considerado ele na época, antes de lançar o livro The variation of animals and plants under domestication (que acaba de completar 150 anos de publicação, no último dia 30 de janeiro!). Foi nesta última obra que ele completou uma importante falha no trabalho anterior: a teoria da hereditariedade. O livro foi escrito décadas antes da ciência da genética, e tinha suporte de dados produzidos por criadores de plantas e animais. [Science Alert]

Confira no vídeo abaixo (com opção de legenda em português) a relação entre as células da crista neural e a personalidade e aparência física dos animais domesticados:

Os magníficos pombos de Darwin

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (19 votos, média: 4,47 de 5)

Deixe seu comentário!