Vênus pode ter sido habitável

Por , em 30.06.2010

Em suas mais absurdas fantasias, cientistas espaciais podem pensar em formar colônias humanas na Lua ou em Marte, mas não cogitam Vênus. Hoje em dia o planeta é inóspito, devido à altíssima temperatura da superfície e sem ter praticamente nenhuma umidade. Mas não foi sempre assim.

Cientistas da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) afirmam que Vênus pode já ter sido possuidor de largos oceanos e rios caudalosos, que permitiriam a vida de uma população tão variada quanto a que temos aqui na Terra.

A teoria é que a água foi se esvaindo devido à radiação ultravioleta do sol, que quebrava as moléculas de água (sim, separava o “H2” – Hidrogênio – do “O” – Oxigênio – e fazia os átomos evaporarem e se perderem no espaço), o que foi minando a água pouco a pouco, ao longo de milhões de anos. No entanto, isso é uma teoria, os cientistas afirmam que não se pode dizer, com certeza, que de fato havia oceanos.

De qualquer maneira, o planeta foi se modelando, e aquela superfície que supostamente continha água em abundância foi completamente derretida. Assim, o magma teria coberto totalmente essa estrutura, e hoje o plantes está dessa forma: mais quente e seco do que Brasília, e, ao contrário da capital federal, inabitável. [msnbc]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 3,67 de 5)

11 comentários

  • Eduardo Harguindeguy:

    Acho que tem uma informação errada nessa matéria, é impossível que ” os átomos evaporarem e se perderem no espaço” . Tudo o q esta no campo gravitacional de um planeta só pode fugir dele se atingir uma velocidade de escape ,q varia de acordo com a intensidade do campo. No caso da Terra (e imagino q Vênus deve ser quase igual pela massa similar) é de 11 km/s.

    • Cesar Grossmann:

      Quando uma molécula aquece, o que muda, se não a sua energia cinética, ou velocidade? A leitura da temperatura de uma substância não é mais que a medida da energia cinética média de suas moléculas.

      Qualquer gás tem moléculas muito frias, frias, na temperatura média, quentes, e muito quentes, segundo uma distribuição conhecida como curva de Gauss. Se você trocar a temperatura por velocidade, vai ver que a qualquer momento sempre terão algumas moléculas com velocidade alta, superior à velocidade de escape. Estas moléculas, se estiverem viajando na direção certa, podem se perder no espaço.

      Se você aquecer o gás, então mais moléculas estarão com a velocidade igual ou superior à velocidade de escape. E mais moléculas estarão se perdendo no espaço.

      Uma consequência interessante é que sempre você terá moléculas com velocidade inferior à velocidade de escape. Se for um corpo como a Lua, então a velocidade de escape é baixa, e são muito poucas as moléculas com velocidade inferior à velocidade de escape. Mas elas estão lá. A consequência disto é que a Lua possui uma “atmosfera”, composta de poucas moléculas com velocidade inferior à velocidade de escape.

      Qualquer corpo tem moléculas presas a ele? Bom, todos os corpos têm uma velocidade de escape, mesmo eu ou você temos. Mas será que isto é suficiente para a gente “segurar uma atmosfera”? Eu não sei. Mas esta é uma dúvida interessante, se alguém tiver oportunidade de perguntar isto a um cientista e compartilhar conosco a resposta…

  • Denis:

    A história em torno do planeta Vênus é uma coisa muito complexa! Apenas há especulações!
    Vejam, Vênus é coberto por núvens de ácido Sulfurico de mais de 38 KM de espessura. Se chovesse todo aquele ácido no planeta formaria um oceano mais vasto que na Terra! Estranho não? Os cientistas cogitam que tais núvens são formadas peja injeção desse acido na atmosfera, porem há 2 pontos divergentes nessa hipóteses no meu ponto de vista: 1º Quem conhece um pouco de quimica sabe que tal ácido em temperaturas acima de 220ºC se dissocia em dioxido de enxofre (SO2) e água o que faria com que houvesse uma separação de gases e por ser o hidrogênio mais leve, logo ele iria embora da atmosfera pois se dissociaria do oxigenio muito rápido enquanto que o dioxido de enxofre ficarai mais tempo “abaixo” e então tais núvens não tenderiam ser tão espessas! 2º A quantidade de ácido súlfurico exalada por um vulcão é infimia e juntando com a instabilidade do próprio ácido sulfurico em se dissociar em temperaturas elevadas não tornaria a camada de nuvens do planeta tão espessas. Das duas, uma: ou aquelas nuvéns NÃO são compostas em sua totalidade de acido sulfurico (apenas uma pequena porcentagem) ou o tal oceano do planeta se combinou com o dioxido de enxofre (que aliás é o principal gas exalado pelos vulcões) para formar aquelas nuvens! E um outro fato curioso é que o cientistas dizem que o ocenano do planeta evaporou devido estar mais proximo do sol: O planeta está 27% mais proximo do sol, o que elevaria a um aumento de no máximo 20ºC e se o oceano começou mesmo a evaporar, tal fato torna a atmosfera mais densa e com uma atmosfera mais “pesada” o ponto de ebulição da água sobe dos 100ºC para cima, fato que equilibraria a ebulição da mesma!

    • RebeloFernandes:

      Com a expansão do universo a densidade de energia potencial diminui na proporção inversa dessa expansão.
      Esse fenómeno provoca o aumento da “constante” gravítica universal, agora variável e provoca também o aumento da permeabilidade magnética do vácuo. ´Quanto maior a densidade de energia potencial, maior a resistência à propagação das ondas gravíticas e electromagnéticas.
      Com a diminuição da densidadade de energia potencial, devido à expansáo do universo, aumenta a propagação da radiação gravítica e da radiação electromagnética.
      O aumento da variável gravítica provoca o afastamento das massas relativamente à massa geradora do campo, logo o afastamento implicito das massas que gravitam o campo, entre elas. Os planetas estão a afastar-se do Sol, as luas a afastar-se dos seus planetas, o Sol do centro da Via-láctea, etc. O afastamento é proporcional à expansão do universo.
      O aumento da permeabilidade magnética do vácuo vai fazer reduzir o raio atómivo dos elementos, logo vai fazer diminuir a dimensão da matéria pois é esta é constituida por átomos.
      A terra e todos os planetas, as luas, as estrelas estáveis estão a encolher. O sol está a encolher. A retracção do raio atómico é inversamente proporcional à expansão do universo. O encolher do Sol provoca o aumento da sua temperatura e a potencia radiada.
      A potencia radiada aumenta na proporção do quadrado da expansão do universo.
      Vénus já se encontrou mais perto do Sol mas sujeito a uma menor temperatura.
      Vénus teve a mesma temperaura que hoje temos na Terra há 4.240.000.000 anos.
      Sobre este assunto podem saber a minha opinião em:
      http://rebelofernandes.com/pdf/venus.pdf
      http://rebelofernandes.com/pdf/3_Um_novo_Universo.pdf
      http://rebelofernandes.com/pdf/5_Um_novo_Universo.pdf
      http://rebelofernandes.com/pdf/13_Um_novo_Universo.pdf
      Abraço

  • Diogo:

    O homem é um ser egoísta e hipócrita, acha que está no centro do universo e que só há vida na Terra. Jamais será explicado os fenômenos que ocorrem no espaço com a física antiquada e errônea da Terra, que se aplica e se baseia em conceitos antigos e que a física quântica desmente um atrás do outro. Pobre daquele que só acredita no que os olhos enxergam.

  • Cesar:

    Não gosto quando dizem “é só uma teoria”. Na verdade, é só uma hipótese, as teorias geralmente tem provas – pelo menos as teorias científicas. Vejam, por exemplo, a teoria gravitacional (que fala que as massas se atraem), ou a teoria celular (que diz que os corpos macroscópicos de seres vivos são constituídos de células), ou a teoria da evolução e a do Big Bang. São “só teorias”, mas todas elas tem um corpo enorme de evidências, dando aos cientistas muita certeza de sua realidade.

  • David Quirino dos Santos:

    Pode até ser que Marte tenha passado pelo estado de fertilidade em que a Terra encontra-se no momento… quando digo momento, refiro-me ao último aeon (bilhão de anos), pois em determinado momento de sua existencia, enquanto esfriava, deve ter tido temperaturas parecidas com as que tem a Terra, agora. …Vale especular se a Terra não seria, à esta altura, tão, ou mais quente que o Vênus atual. Esta linha de raciocínio nos levaria a não menos que um trilhão de anos no futuro, e ainda assim, o Sol teria que ter esfriado tanto que irradiaria na faixa do vermelho, para que a temperatura de Vênus tivesse baixado tanto. Temos que considerar ainda a constituição química das massas planetárias, pois não sabemos ao certo como surgiram, nem por quais processos físico-químicos passou cada um deles enquanto condensavam-se e solidificavam crostas (os que já tem crostas solidificadas)… Talvez tenham se formado por matéria atraída por nosso Sol; quando de sua formação, que ficou retida em sua órbita, como estrelas pequenas e fugazes que se teriam apagado muito mais rapidamente que este. Mas, isto é assunto para o qual não temos ainda condições de sequer buscar uma explicação… e, talvez, durante a breve existencia de nossa espécie, não cheguemos a tê-las. Mas, cada um segue sua própria linha de raciocínio, e se alguém quer pensar que Vênus terá sido, um dia, menos quente que é hoje, não posso contestar isso, pois o que exponho aquí, não passa de pensamentos meus, sem bases para fundamentá-los. Nefas, em 02/07/2010

  • Genivaldo:

    O ruim dos cientistas é fazer explicações deles e acha que todos devem acreditar na sua viagem de maionese

  • Mars:

    Mars, só encontram planetas extrasolares semelhantes ou maiores aos “nossos” gigantes gasosos por que nossa tecnologia não permite [ainda] enxergar, ou captar, algo menor.

  • Igor:

    O termo “habitável” é muito vago, sabe-se lá que tipo de vida pode haver no Universo!
    Você sabia que as nuvens da Terra tem bactérias? A especulação sobre vida em Vênus está centrada nas nuvens do planeta que poderiam sustentar algum tipo de bactéria extremófila.

  • Fernando Sávio:

    Falou, falou, falou mas não disse nada..
    Apenas especulações essa matéria..

Deixe seu comentário!