Como parar de se importar com o que as pessoas pensam?

Publicado em 27.02.2014

nao ligar para o que os outros pensam

Já vou começar esse tema falando a verdade nua e crua: não é fácil para ninguém. Mas parar de se importar com o que as pessoas pensam é um grande atalho para a liberdade. E, com os conselhos que você vai ler aqui hoje, essa mudança de vida vai parecer até receita de bolo de caixinha, de tão fácil de seguir.

Vamos lá?

Bom, vamos começar falando porque é tão insuportavelmente chato se importar com o que as pessoas pensam sobre a gente. O motivo principal é bastante óbvio: esse negócio de ficar pensando o que as pessoas estão pensando sobre tudo o que você faz, fez ou vai fazer pode acabar tomando proporções tão absurdas a ponto de controlar sua vida e todas as suas atitudes. Aí você acorda e vai dormir todos os dias mais angustiado que vestibulando em dia de prova, se perguntando “ó céus, ó dor, ó vida, o que será que estão pensando de mim?”.

Quando você desgasta sua preciosa energia se preocupando com a opinião alheia, você passa a tomar atitudes com base no que pensa que as outras pessoas vão achar, e não no que você acredita que seja a melhor coisa a ser feita. O que é uma grande loucura.

E quem sofre as consequência desse comportamento insano? Você mesmo. A principal consequência é se tornar um tipo de pessoa que não toma posição nenhuma sobre nada nunca, e fica ali ocupando espaço em um dos lugares mais lotados do mundo: em cima do muro.

Hoje deve ser seu último dia nessa vida. E eu vou dizer o porquê.

Primeiro porque ninguém realmente se importa. Garanto. Ou você realmente acha que as pessoas têm tempo para pensar na roupa que você escolheu usar hoje? Um estudo realizado pela National Science Foundation – um órgão dos Estados Unidos destinado à promover a ciência e a engenharia através de programas de pesquisa e projetos de educação -, fez um estudo que alega que uma pessoa tem mais de 50 mil pensamentos em um dia. O que significa que, mesmo que alguém pensar em você mais de 10 vezes por dia, isso será equivalente a apenas 0,02% de todos os pensamentos que ela teve naquele dia. Acredite ou não: você não é tão especial assim.

Em segundo lugar, ninguém no mundo é capaz de agradar todo mundo. Nem o sol, nem o mar, nem o Einstein conseguiram, então não seria sábio da nossa parte tentar.

Terceiro porque você colhe o que planta. Quanto mais você pensar no que os outros estão pensando, mais todo mundo vai pensar alguma coisa de você. E mais você vai se tornar essas pessoas obcecadas por aprovação – aquelas que ninguém gosta – e, o pior, complacente com todo mundo, achando que isso vai impedir qualquer tipo de julgamento sobre você. Não vai.

E quarto porque ninguém merece viver assim. Mas chega de falar dos sintomas. Vamos à cura! Com vocês, 5 conselhos práticos de como parar de se importar com o que as outras pessoas pensam sobre você:

1. Conheça seus valores

Primeiro e mais importe é saber reconhecer o que realmente importa para você. Porque uma vez que isso esteja bem claro para você mesmo, a opinião dos outros se torna insignificante. E é nesse momento em que você para de dizer “sim” para tudo e começa a fazer suas próprias escolhas, sem se curvar a pressões externas, de quem quer que seja.

2. Mostre sua cara

Agora que você sabe quais são seus valores, é hora de colocá-los em prática. Chegou a hora de você aprender a falar o que pensa. A única regra aqui é ser honesto consigo mesmo.

3. Escolha bem suas companhias

É aquela história: me diga com quem andas e te direi quem és.

Fique perto de pessoas autoconfiantes que vivem suas próprias vidas sem comprometer seus valores; elas são sempre boas companhias. E o exemplo delas será passado para você rapidamente, sem você nem perceber.

4. Crie uma lista de medos a serem superados

Funciona assim: você faz uma lista com todas as coisas que fazem você se sentir desconfortável. Medos, inseguranças, tudo. Depois, começa a fazer essas coisas, uma por uma. O crescimento vem do fato de você encarar seus medos e, principalmente, superá-los.

Por exemplo: banho gelado. Odeia tomar banho gelado? Coloque na lista. No começo, até o cabelo vai sair do chuveiro tremendo. Mas da segunda vez, não vai ser assim tão difícil. Na terceira, menos ainda. E assim até que fique fácil e isso não seja mais desconfortável para você. Você passa por cima de um medo.

É um jeito simples de se obrigar a sair da sua zona de conforto. Porque uma coisa é verdade: não importa o quanto você leia sobre confiança, se você não tomar atitudes, as coisas não vão mudar sozinhas.

5. Viaje sozinho

Se você quer um jeito de combinar todos os conselhos anteriores em um só e ainda se divertir um bocado, esse é o caminho. Viaje sozinho. Você será exposto a culturas diferentes, vai quebrar normas sociais que nem conhecia e sair da sua bolha. Leve o mínimo de bagagem e coloque o essencial em uma mochila. Não faça planos e apenas deixe as coisas acontecerem. Acredite, essa experiência será mais reveladora do que você imagina – você estará só consigo mesmo, e vai acabar honrando só os seus valores o tempo todo.

Para finalizar, tenha um conselho extra sempre em mente: o mundo está cheio de pessoas que obedecem o status quo. Mas as pessoas que fazem alguma diferença são as que não se importam com isso. Qual das duas você vai ser? [Medium]

Autor: Gabriela Mateos

é publicitária e não passou sequer um dia de seus 25 anos sem procurar alguma coisa nova para fazer.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

18 Comentários

  1. Pessoal um dia lendo sobre Steve jobs e suas palestras li uma frase que mudou em muito minha vida. O texto e mais ou menos assim; não tenha medo de se arriscar, você nasceu sem nada e quando morrer tb não levará nada, o que ele quis dizer com essas palavras? Que não deixe suas frustrações lhe impedir de alcançar o topo, porque o mais importante que temos neste mundo e a vida e vc a perde. Então o porque de não arriscar com cautela e dar o máximo de si.
    Segue link muito bom que fala mais…

    Thumb up 31
    • Sobre o câncer que ele menciona: foi o que matou-o. Simplesmente porque ele foi teimoso demais para fazer a cirurgia que salvaria sua vida e ficou tentando curas alternativas. A teimosia dele foi possivelmente uma das características que o permitiu fazer produtos tão revolucionários, mas também o matou.

      Thumb up 12
  2. melhor matéria do hyperscience; nunca comento, mas essa matéria foi a melhor pra mim até hoje, dai fica o registro aqui.

    Thumb up 8
  3. O que li vale por uma consulta na procura de como fazer nessa vida tão cheia de venturas e desventuras. Realmente é sair da zona de conforto, coisa que todos nós… milhares deixam de fazer. Muito… bom para todos essa descoberta HypeScience. Conhecer e vivenciar – Sabedoria.

    Thumb up 3
  4. Eu tenho 55 anos. O que não tenho é tempo, paciência e nem cabelos para me importar com o que os outros pensam. Gosto de rock and roll, de Pink Floyd, Stones, Creedence e Iron Maiden.
    As pessoas estranham.
    – Mas isso não é coisa para jovens?
    – É sim, senhora! Eu ouvia Pink Floyd quando tinha 13 anos, lá nos idos de 72. O Maiden, quando tinha 16.
    – Nossa!!!
    Segundo Reich, as pessoas ocupadas com a vida alheia são aquelas incapacitadas para o orgasmo pleno.
    Recorrer a Reich nunca falha…

    Thumb up 17
    • Adorei! Quero pensar assim quando envelhecer… Obrigada por compartilhar isso conosco!

      Thumb up 1
  5. Hoje estou com 20 anos, mas antes era muito inseguro, mas aprendi a superar bastante coisa e ainda tenho mais um punhado de coisas a superar. Creio que seja meio normal no começo devido a grande quantidade de responsabilidades que você já toma de cara ao começar a ver como o mundo funciona.
    Hoje tenho algumas inseguranças, mas só terei certeza de supera-las quando eu estiver mais estável financeiramente e profissionalmente, sou do tipo que pensa 2 vezes antes de tomar alguma decisão.

    Thumb up 2
    • #1 Talvez seja isso que o texto reflete. Você tem tanto medo de sair da sua zona de conforto(que segundo você, nem é assim uma zona de conforto, é só uma situação financeira que ainda não está totalmente estável), que você acaba pensando duas vezes antes de tomar alguma decisão. E não vai ser quando você tiver em uma situação totalmente estável que você vai começar a tomar atitudes. Digo isso por experiência. Tenho uma situação financeira estável e quantas vezes já pensei duas vezes [cont...]

      Thumb up 5
    • #2 [cont...] antes de fazer algo e no final o resultado não foi gratificante. E em outra vez na qual além de pensar duas vezes fui pego de surpresa na decisão de uma companheira que me fez pensar diferente e ir, e cara…hoje eu sou muito grato por esse dia em que eu decidi fazer tudo diferente do que eu havia pensado. Então minha dica para você é: Não espere, planeje e faça…e não pense!

      Thumb up 7
  6. Excelente matéria do HypeScience, como sempre são todas as demais já vistas por mim!
    Não lembro de ter feito chacota, zombaria, agora chamam de Bullying, termo norte-americano,
    mas tenho a consciência triste até hoje, quando lembro de ter participado inadvertidamente do
    mesmo para com um colega, que sitou a vítima de (Vidraça), usava uns óculos muito grossos,
    e cai na rizada… depois me arrependi muito pelo fato da revolta da vítima! Participação impensada
    minha e irresponsável…

    Thumb up 3
  7. Mandou muito bem, Gabriela!
    Não se trata nem de seguir na “contra-mão” , como alguns possam pensar e às vezes até é. É estar convicto de que temos compromisso somente conosco mesmo e com quem amamos. Esses, já sabemos que já nos conhecem e nada precisa ser feito para “provar” qualquer coisa.
    Um texto desses, se assimilado por quem lê, com certeza tornará o mundo e a vida em sociedade muito melhores.
    Valeu!!!!!

    Thumb up 2
  8. Eh isso aí, pratico há anos e devo dizer que não há nada mais justo consigo mesmo. Na verdade, nem eh se importar com a opinião dos outros, eh não querer nem saber qual eh essa opinião.

    Thumb up 6
    • Concordo…é de nem ao menos querer saber qual é essa tal opinião. O texto retrata bem isso, só pelo fato de que as “curas” em nenhum momento diz: “Não procure nem saber qual é essa opinião…” pois o autor já se referia à esse fato de “Opinião? Tem isso? Ok!”.

      Thumb up 1

Envie um comentário

Leia o post anterior:
fingers-crossed
Precisando de criatividade? Minta!

Os cientistas dizem ...

Fechar