Primatas gigantes coexistiram com os humanos modernos

Publicado em 21.08.2012

Segundo um novo estudo de Jack Rink, um geocronologista da Universidade McMaster, em Ontário (Canadá), um macaco gigante coexistiu com os seres humanos por cerca de um milhão de anos, até 100 mil anos atrás.

Os cientistas já sabiam da existência do Gigantopithecus blackii desde a descoberta acidental, em 1935, de um molar amarelado entre os “ossos de dragão” à venda em uma farmácia de Hong Kong (fósseis antigos são considerados medicinais na tradição chinesa), feita pelo paleontólogo holandês G.H. von Koenigswald.

A partir de então, pesquisadores procuraram estabelecer quem era a criatura misteriosa, onde viveu e como viveu.
Porém, nesses 80 anos de conhecimento do animal, tudo o que os cientistas reuniram sobre ele foi alguns dentes e ossos de mandíbula. Sendo assim, ficava difícil determinar como o primata gigante tinha sido extinto.

Agora, usando métodos de datação de alta precisão, Rink determinou que este macaco, o maior primata que já existiu, vagou pelo sudeste da Ásia por cerca de um milhão de anos, antes da espécie ser extinta 100.000 anos atrás, durante o período Pleistoceno. A essa altura, os humanos já existiam há um milhão de anos.

“Este é um primata que coexistiu com os seres humanos em um momento em que eles foram submetidos a uma grande mudança evolutiva. A província Guangxhi, no sul da China, onde alguns dos fósseis Gigantopithecus foram encontrados, é a mesma região onde alguns acreditam que a raça humana moderna se originou”, disse Rink.

Pelo tamanho do molar do macaco (a coroa tinha cerca de 2,54 centímetros de diâmetro), os cientistas supõe que o primata gigantesco tinha cerca de 3 metros de altura e pesava até 544 quilos. Felizmente para os humanos da época, estudos mostram que ele era herbívoro, e sua dieta consistia principalmente de bambu. Porém, outras características – por exemplo, ele era bípede ou usava seus braços para ajudá-lo a ficar em pé, como chimpanzés e orangotangos modernos? – ainda não puderam ser determinadas.

Para saber mais sobre esses nossos incríveis parentes, os cientistas precisam encontrar mais ossos ou fósseis.

Quanto à sua extinção, o palpite dos pesquisadores é de que os seres humanos podem ter ajudado a destruir o macaco. Alguns sugerem que seu apetite focado em bambu, combinado com a crescente concorrência dos seres humanos (mais ágeis e aptos) eventualmente levou à morte da espécie.

Mas sua característica mais marcante – seu tamanho – já gerou algumas teorias mais extravagantes, como a de que o animal ainda está vivo, e pode estar ligado às lendas de Pé Grande, Yeti, Homem das Neves, etc.

Os cientistas não apostam nenhum centavo de que este macaco é a fonte dos contos de animais gigantes e peludos que vagam pelas florestas, mas as afirmações não são totalmente malucas: já houve outros casos em que criaturas foram conhecidas primeiro por restos fósseis, e, mais tarde, foram encontradas vivas, como o celacanto, um tipo de peixe que se pensava extinto há milhões de anos, até que foi descoberto nadando na costa da África em 1938.

O que você acha? Seria o Pé Grande um Gigantopithecus blackii?[LiveScience, ScienceDaily, NG, Foto]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 25 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

9 Comentários

  1. SE EXISTIA DINOSAUROS , E TEMOS PROVAS DISSO,PORQUE NÃO ACREDITAR QUE EXISTIA OS PRIMATAS GIGANTES? QUAL A DIFERENÇA? PELO QUE SEI , ATÉ NA ESCRITURA SAGRADA DIZ QUE EXISTIA HOMENS GIGANTES.

    Thumb up 0
  2. O interessante é que a maioria dessas lendas símias, foram criadas exatamente na Índia e Sri Lanka, na região do sudeste asiático, onde o fóssil foi encontrado.

    Thumb up 9
  3. Bom, se evoluímos e ele é um primata parente, a espécie pode ter se adaptado melhor e talvez evoluído para sobreviver ao meio das matas e montanhas de gelo, e desenvolvido a capacidade de ser Bípede por necessidade na alimentação… Talvez haja alguns últimos da espécie por ai onde realmente originou estas lendas!!!
    Até o ano passado acreditavam que apenas plantas faziam Fotossíntese e descobriram insetos que realizam também!!
    Não é impossível, pode ser MUITO difícil, mas impossível não… não é???

    Thumb up 6
    • Em ciências o termo possível x impossível é considerado obsoleto: usa-se provável x improvável, que deixa a margem da incerteza num patamar equilibrado.
      Assim, é possível haver presença recente desse gigante? sim.
      É provável? não.
      :)

      Thumb up 12
    • Legal… valeu! Realmente é bem Improvável mesmo, mas ainda é possível!! kkkkk

      Thumb up 3
    • Exato. Já aprendemos a duras penas que considerar algo impossível é que é uma impossibilidade. :)

      Thumb up 8
    • Pois é mesmo Jonatas!!
      E esta frase se encaixa nisso… eu acho: “Existem verdades, mais verdadeiras do que a própria verdade!!!” kkk

      Thumb up 4
  4. Nem king kong, nem pé-grande, mas o monstro extinto pode mesmo assim estar ligado a origem das nossas lendas símias: histórias contatadas de geração a geração geram as lendas mais duradouras, apesar de sofrerem constantes versões, poderíamos ter em nossas lendas uma lembrança passada de nossos antepassados que conviveram com esses seres? quem sabe. :)
    Daqui a pouco haverá alguém dizendo que é na verdade ossos do gigante Golias da bíblia, hehe

    Thumb up 26

Envie um comentário

Leia o post anterior:
caminh-600x339
A física de uma das mais insanas manobras realizadas por uma dublê

A equilibrista Faith...

Fechar