Fonte “inesperada” de aumento do nível do mar é preocupante

Publicado em 4.08.2011

Quem – ou o quê – é o culpado por trás dos drásticos aumentos no nível do mar? Uma nova pesquisa mostra que nem tudo é o que nós pensávamos – pelo contrário, pode ser muito pior e ter implicações para a vida na Terra hoje.

A última vez que partes da Terra estiveram tão quentes quanto hoje foi há cerca de 100.000 anos. No período conhecido como o último período interglacial (128 a 116.000 anos atrás), as temperaturas de verão no hemisfério norte ficaram até 5 graus Celsius mais quentes e, em todo o mundo, os níveis do mar aumentaram em cerca de 6,5 metros do que são agora.

“As únicas formas de fazer isso são através de expansão térmica dos oceanos e derretimento do gelo”, explicou Anders Carlson, professor de geociência. “Os mares só ascendem ao longo de milhões de anos, impulsionados pelos movimentos de crostas e construção de montanhas, mas isso ocorreu a apenas alguns milhares de anos, o que é muito pouco tempo para ser explicado pela tectônica”, complementa.

Isso significa que, se os níveis dos mares estão aumentando novamente, não é só por causa de expansão térmica e derretimento de gelo. Ou, pelo menos, não da forma como nós contabilizamos.

É razoavelmente bem estabelecido que as temperaturas mais quentes contribuem com cerca de 0,4 metros de aumento do nível do mar – a água se expande à medida que fica mais quente.

Isso deixa o derretimento do gelo como o único fator restante. “As únicas fontes viáveis de derretimento são a Antártida ou a Groenlândia”, disse Carlson. “Quando começamos este estudo, eu realmente pensei que pudesse explicar a maior parte do aumento do nível do mar pela Groenlândia” – o que não ocorreu.

Carlson e seus colegas estudaram sedimentos que foram depositados ao longo do fundo do mar durante o último período interglacial, a sul da Groenlândia. O lodo foi recuperado por uma expedição de perfuração em 1999.

Isótopos – assinaturas atômicas dentro dos sedimentos – revelaram onde o sedimento se originou, e a presença ou ausência de depósitos de sedimentos em determinados pontos abaixo do fundo do oceano indicavam se a ilha estava sem ou com gelo durante o último período interglacial.

A pesquisa é uma das primeiras a oferecer evidências geoquímicas e sedimentares para a magnitude da perda de gelo na Groenlândia. Ela indica que, na metade sul da Groenlândia, o gelo na verdade recuou 125.000 anos atrás, mas não tanto quanto muitos cientistas estimavam.

Os resultados deste período antigo melhoram nossa compreensão do que poderia acontecer para a ilha de gelo no mundo de hoje, com o atual aquecimento. “Isso significa que a Groelândia não é tão sensível quanto as pessoas pensam”, disse Carlson. “Por isso, o nível do mar elevará no futuro, mas não tão rápido quanto se estimava”.

Essa é uma boa notícia, certo? Nem tanto. Isso significa que mesmo as estimativas mais conservadoras da altura do mar no passado não podem ser explicadas pelo derretimento do gelo apenas no hemisfério norte. “Você precisa que a Antártica esteja recuando, também, o que é mais assustador”, fala Carlson.

O gelo pré-histórico derretido em um continente no canto do mundo pode não soar assustador, mas o clima em todo o mundo pode estar a ponto de repetir o que ocorreu no passado. “Este período recente de verões mais intensos no hemisfério norte tem sido usado como uma analogia para o que o clima poderia ser no final do século”, disse Carlson.

Mais pesquisas são necessárias para entender melhor os detalhes do clima 100.000 anos atrás no hemisfério sul, e como ele coincide com o derretimento do gelo na Antártida. No entanto, a pesquisa indica que a Antártida parece ser mais propensa a derretimentos súbitos e imprevisíveis do que a Groelândia.

Na verdade, partes da Antártida já estão nas garras das mudanças de temperatura acentuadas. Pesquisas indicam que a Península Antártica, um dedo de terra que aponta para a América do Sul, é uma das áreas aquecendo mais rapidamente no planeta.

Nas últimas décadas, a área sofreu colapsos catastróficos, que aceleraram o derretimento das geleiras. Carlson disse que, embora sua pesquisa estude o passado distante, pode mostrar o que isso significa para o presente. “Eu acho que o aumento do nível do mar é definitivamente preocupante”, finaliza.[OurAmazingPlanet]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 25 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

12 Comentários

  1. eu tenho certesa que a terra esta sofrendo aumento de tenperatura ,e nos matematicamente somos culpados, varias razoes que acredito ser culpadas ,o planeta atigamente nao era coberto por uma camada de asfalto tipo uma manta termica , deve erradiar calor almentando assim as tenperaturas dos ventos ,emissao de gas carbonico , mega incendios anuais ,fazendeiros ,serralherias, estas muralhas de predios enormes que atrapalha os ventos de circularem determinada area com naturalidade , aumento da populaçao ,antes por haver menas gente se poluia menos ,esgotos do mundo todo sendo despejado nos oceanos,e rios, assoreamento de rios,aprisionamento e caça de passaros ,afinal eles ajudao a criar florestas.

    Thumb up 1
  2. # cientistas estão prevendo uma nova era do gelo a partir de 2030…..com baixa do nível do mar. Faz sentido já que estamos no fim duma era temperada intermediaria que dura de 8 000 a 12 000 anos.

    Thumb up 3
  3. NÃO SEI O PORQUE DO SEGREDO ENTRE OS PESQUISADORES!
    A CAUSA PRINCIPAL DO AUMENTO DAS ÁGUAS DOS MARES E OCEANOS É A CHAMADA AGUA DE COMBUSTÃO.
    SEMPRE QUE USA UM COMBUSTÍVEL, SEJA ELE QUAL FOR, NO MÍNIMO 30% DESTE COMBUSTÍVEL SE TRANSFORMA EM ÁGUA.
    NA DÉCADA DE 90, O MUNDO “QUEIMOU” 1.000 (MIL) BARRIS DE PETRÓLEO POR SEGUNDO. IMAGINEMOS O AUMENTO DESSA QUEIMA PROGRESSIVA…
    É SÓ FAZER AS CONTAS…
    MAS ESTE FATO É “TABU” NOS MEIOS CIENTÍFICOS!

    Thumb up 3
    • Muito bem, Antonio, agora calcula qual o aumento do nível dos oceanos por causa desta “água de combustão”. Mas primeiro tem que determinar quanto desta água se torna líquida.

      Este “fato” não é “tabu” nos meios científicos. Qualquer 10mm de chuva no estado do RS inteiro corresponde a uma quantidade imensa de água, muito mais água que a tal da “água de combustão”.

      Se achar que eu estou errado, faça as contas…

      Thumb up 8
  4. O mar não está aumentando. Onde foi que o mar subiu? O mar pode estar “comendo” as praias devido o movimento das marés, mas subir, não está não. E o gelo, aumenta a água que tem no copo?

    Thumb up 2
    • Esse gelo não está sobre o mar e sim sobre a terra e realmente não mudaria nada se estivesse diretamente no mar,mas não é o caso.

      Thumb up 5
    • Roberto, existem maneiras de medir o nível do mar, e verificar se ele está de fato aumentando ou não. Quem fez estas medições chegou à conclusão que o nível está aumentando. Tudo bem não concordar com uma afirmação, mas tem que fazer direito: mostra aí tuas medições e o trabalho que você fez para chegar à conclusão que o mar não está subindo.

      Thumb up 10

Envie um comentário