7 coisas tóxicas que você não deveria jogar no lixo

Por , em 29.04.2011

Muita gente não pensa duas vezes em jogar no lixo algo que parece não prestar. O problema é que o lixo não é um sumidouro, ele é a primeira parada de algo que foi descartado. Substancias tóxicas contidas no nosso lixo podem ser muito prejudicial à saúde e ao meio ambiente. Veja abaixo uma lista de 7 coisas que deveriam ser destinadas com cuidado.

1 – Óleo de motor

Não só o óleo de motor, mas também o óleo de cozinha podem entupir tubulações de esgoto e atrapalhar os processos de tratamento de água e esgoto das empresas de saneamento. Além disso, óleo de motor derramado no chão pode contaminar águas subterrâneas. “Um galão de óleo pode contaminar um milhão de galões de água pura”, explica a representante do site Earth911, Jennifer Berry. A maneira correta de se livrar do óleo é colocá-lo em uma garrafinha com tampa e levar para centros de reciclagem, postos de gasolina ou oficinas de carros.

2 – Eletrônicos

Um problema que o mundo está tendo que lidar atualmente é o lixo eletrônico, mas não aquele spam que você recebe por e-mail, mas a quantidade de aparelhos de TV, DVD, computadores, celulares, câmeras, impressoras, videogames, iPods que são jogados por aí. Alguns países da Europa e os EUA produzem tanto e-lixo que precisam mandar para outros países. “Estes objetos contêm metais pesados como cádmio e chumbo que podem contaminar o meio ambiente”, disse Jennifer. É melhor encontrar alguém que esteja precisando destes aparelhos e fazer uma doação.

3 – Tinta

Tintas à base de óleo, revestimentos, corantes, vernizes, removedores de tinta são lixos extremamente perigosos porque contêm produtos químicos que podem ser prejudiciais a humanos, animais e ao meio ambiente. Eles nunca devem ser jogados no lixo ou em ralos. Latas que não foram usadas devem ser estocadas com cuidado ou devolvidas, ou você pode doar para escolas ou organizações.,

4 – Pilhas e baterias

Diferentes tipos de baterias devem ser destinadas de diferentes maneiras, mas nenhuma delas deve ser jogada no lixo tradicional, nem nas lixeiras de reciclagem. Elas devem ser destinadas para reciclagem. Muitas lojas têm lixos especiais para pilhas. Elas contêm materiais tóxicos e corrosivos, por isso devem ser descartadas com cuidado. A bateria do carro também faz parte deste grupo.

5 – Lâmpadas

Lâmpadas fluorescents contém minúsculas partes de mercúrio (cerca de 5 mg) que podem vazar caso ela se quebre. Por isso, elas devem ser descartadas em lugares que recolham lixo tóxico.

6 – Detector de fumaça

Este aparelho não é muito comum no nosso dia-a-dia, geralmente os vemos em hospitais ou hotéis, mas eles também são tóxicos. Os dispositivos contêm uma quantidade pequena de radiação para detecção da fumaça. É extremamente importante que não sejam atirados em qualquer lixeira. Deve-se retirar suas pilhas (que também devem ser encaminhadas, como dito anteriormente) e, em seguida, devolvê-lo ao fabricante.

7 – Termômetros

Os termômetros tradicionais contêm em média 500 mg de mercúrio e representa um risco à saúde em caso de quebra, principalmente para mulheres grávidas e crianças, porque prejudica o crescimento do sistema nervoso do bebê e dos pequenos. É preciso mandá-lo para o lixo tóxico. [LifesLittleMysteries]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 3,00 de 5)

66 comentários

  • edu rodri:

    Ainda bem não citou as “malditas sacolinhas de plástico do supermercado, feita com plástico virgem, e portanto sem toxidade para a natureza. A campanha da rede globo, repórter Bonner, fez com que por força de lei, sermos obrigados a poluir a natureza com metal pesado, incluindo o chumbo, ao sermos obrigados a usar exclusivamente o “saco preto” de material reciclado, e não descontaminado previamente, pelo seu custo. Agora Sr. Bonner, nos faz todo dia a poluir mais o planeta, campanha totalmente equivocada. É a história do modismo, porque alguém falou, sem ter um mínimo conhecimento científico. Só para ficar na moda, e no caso do Sr. Bonner, vendar sua mídia que está na moda o assunto eco, os eco-maníacos da moda. Isto inflamou o ego do Sr. Bonne, mas acabou prejudicando ainda mais a natureza. Por isso, cuidado em se lidar com este tema da moda. Não acredite no que estão falando. Muito disso é só para se faturar e se enriquecer com a moda burra da propaganda e market televisivo. Poderia fazer uma boa campanha, como separar o resíduo do excrementício (coco),da privada (wc) da água de gordura, óleo, sabão e detergente da pia que não deixam haver a degradação rápida do mesmo, o que resulta na poluição dos rios. Cousa simples e eficaz. Pesquisem se quiser saber, é muito importante e de custo irrisório, mas 100% eficiente, acabando até com os rios poluídos, por este processo em particular. Como sempre cito, o Sr. Bone tem a maior satisfação de ter acabar com a sacolinha do super mercado, mas infelizmente, vai acabar morrendo com a poluição do próprio excremento.
    Parabéns por esta reportagem.
    Abraços de eduardo de sbc ( o que inventou a expressão “Risco de Morte”)

  • giulia:

    eu acho isso pessimo,eu vou fazer a atividade e estu fazendo aqui,sacooo!

    • giulia:

      Eu achei isso aqui muito legal,mas isso é muito i8mportante para o nosso ambiente principalmente temos que aprender isso!

  • Reynaldo Andrade:

    Esqueceram da oitava coisa. O filho, muitas mães estão jogando seus filhos no lixo, a policia descobriu, e agora estão jogando, ou na caçamba ou no rio.

  • barrigudo:

    OOOOHHH Dany,porque voce frisou bem ‘…eu não moro na roça heim???…’Mas come produto de lá né?Qual o problema??/…

  • ZEUS:

    Dany,descartar na roça não é uma boa idéia já que é lá que se produz alimento o que vai contaminar a plantação e consequentemente que os consumir,lembre-se,hortifrutigranjeiros depedem da “roça”,como VC diz…

  • miqueias charles:

    RECEITA PRA TRANSFORMAR ÓLEO DE COZINHA E GORDURA EM SABÃO:4 litros de óleo ou gordura,1kg de soda 90%(graus),2 litros de água,e uma vasilha quadrada de plástico(qualquer outro material vai provocar reação química desastrosa)..1-disolva a soda nos 2 litros de água usando uma colher de madeira ou um pedaço de madeira limpo(objetos metálicos não podem ser usados),depois de bem dissolvida a soda acrescente o óleo ou gordura e continue misturando até notar que está se tornando viscosa e homogênea,(faça essa mistura em um balde à parte protegendo as vias respiratórias e evitando respingos e longe de crianças e animais domésticos),despeje tudo na vasilha quadrada pra dar forma ao sabão em barras,antes de secar faça os cortes pra separar em tabletes já podendo usar uma faca pois a reação já concluiu,deixe 24hrs pra acabar de separar as barras e está pronto o sabão ecológicamente correto,não se usa nem fogo…usar após 8 ou 10 dias.

    • jodeja:

      Obrigado miqueias, vou experimentar fazer este sabão, depois te falo.

  • Vinicius:

    Achei esta materia muito interessante pois descobri que dentro do detector de fumaça existe radiação e andei pesquisando se trata de radiação ionizando que de uma certa forma pode ser nocivo ao ser humano até mesmo o mercúrio de termômetro e das lampâdas as pessoas que fica nos chamados lixoes.

  • Danny:

    Lá em casa eu tenho um estoque de garrafas pet cheias de óleo, lâmpada queimada, pilha sem energia… só não tem onde jogar.
    Ninguém aqui recolhe essas coisas, é um absurdo!!!
    E não moro na roça não hein… é capaz da roça ter onde descartar essas coisas.

  • dielson:

    Vamos dar mais atenção ao Meio Ambiente!

  • Escolas de Surf:

    Muito bom artigo, parabéns.
    Obrigado por compartilhar.
    Devemos criar o hábito de separar estes produtos e dar um descarte correto. 😉

  • Magda Patalógica:

    Luana:

    Concordo com você em gênero, número e grau.

    As leis sempre foram paternalistas e nós sempre fomos acomodados ao extremo.

    Votamos e depois sequer lembramos o nome dos políticos que apoiamos. Seja vereador, deputado ou senador.
    Não temos a cultura de propor ou cobrar dos políticos as promessas de campanha.

    Mas somos especialíssimos em culpá-los, como se isso fosse resolver as questões.

    Até mesmo nas reuniões de condomínio, quase ninguém aparece, pois são marcadas no horário da novela.

    E por falar em novela, assistimos atônitos aquela enxurrada de pornografia despejada em nossas casas e não tomamos nenhuma providência. Apenas criticamos.

    Deveríamos nos perguntar todos os dias:
    “Que futuro estamos preparando para deixar aos nossos filhos e netos? Será um mundo melhor do que encontramos?”

    Fui

  • luana:

    é muito facil jogar a responsabilidade e a culpa nos politicos,gente eles so querem saber do dinheiro,nos é que temos que fazer alguma coisa,pois seremos nos que vamos sofrer,ficar culpando a sociedade como se estivessemos falando de um ser distante??quando vao se dar conta de que essa “sociedade” de que tanto fala é vc mesmo?enquanto ficamos culpando os orgaos politicos pela falta disso e daquilo o planeta esta se acabando…
    vamos pensar nele com carinho,com simples atitudes no dia a dia ja estamos ajudando muito,nao sejamos egoistas.

  • Luiz:

    A COMUNIDADE EM GERAL ENCARA A ESTA QUESTÃO AMBIENTAL COMO POLÍTICA, TODOS FALAM MAL DOS POLÍTICOS MAS ELEGEM OS MESMOS TODOS OS ANOS, POR PIOR QUE SEJAM.
    QUERO FALAR QUE TODOS ESTÃO PREOCUPADOS COM O MEIO AMBIENTE MAS POUQUÍSSIMAS PESSOAS FAZEM ALGUMA COISA NO DIA/DIA, SÓ PREOCUPAÇÃO NÃO RESOLVE.

  • Ozana:

    Ótimo tema, porém a sociedade apresenta tantos hábitos poluidores,que particularmente, considero muito reduzido falar em 7 coisas tóxicas!! As vezes fico pensando na quantidade de metais pesados que são lançados, sem preocupação, nas pias dos salões de belaza, após tantas tinturas de cabelo, alisamentos, etc…Quanta poluição!! E as pias dos consultórios de dentista? Não que eu pense que as mulheres vão parar de pintar os cabelos por respeito ao meio ambiente, o que me preocupa é a falta de busca para soluções ou alternativas para as nossas atitudes destruidora do planeta.
    Abraços.

  • adnaildo:

    concordo com você antonio, o que falta é consciência humana,
    temos que “acordar para a vida”, enquanto ainda estamos em tempo. devemos no conscientizar de que vivemos em um planeta que esta se acabando aos poucos. por mera ignorância dos seres “racionais” que somos, e não demonstramos ser……
    pensem nisso e vamos lutar por um planeta melhor; adotem os três r’s(Reduzir; Reciclar; Reutilizar).

  • ANTONIO SILVA:

    Talves no dia em que o ser humano se der conta de que
    realmente è humano as coisas irão melhorar em todos os
    sentidos,principalmente no que se refere a preservação
    ambiental,escensilamente a água que será o bem mais pre-
    cioso para as futuras gerações.

    • ANTONIO SILVA:

      Talves no dia em que o ser humano se der conta de realmente é ser
      humano as coisas irão melhorar em todos os sentidos,pricipalmente
      no que se refere a preservação ambiental,excencialmente a agua
      que sera o bem mais precioso para as futuras gerações

    • jeff:

      na minha opiniao deveria haver incentivo. esses produtos mesmos estando quebrados ou ultrapassados(eletronicos),ou usados, gastos e contaminados(oleo,pilha,bateria,etc)eles valem dinheiro,podem ser filtrados,tratados,derretidos, e feito novos produtos atraves desses residuos. o que eles querem e que devolvamos de graça. acreditem, em circuitos eletricos de lixo eletronico tem metais nobres valiosos, pode-se encontrar ate o ouro.tudo isso pode ser reutilizado em novos produtos.por mais que o produto esteja ruim, quebrado, sujo, eles tem valor comercial, e alto, mas nao e repassado para o povo e sim para poucos.

  • Roberto Brasil:

    procurem saber quem são os principais dono das empresa de coletas de lixo, e vocês ter uma surpresa , então não ha interesse de adotarem uma lei para os consumidores reciclagem os lixo Uma das empresas de coleta de lixo ou a maior de são paulo a enterpa perterce a familia do ACM OU ANTONIO CARLOS MAGALHÂES ( SERÁ QUE HÁ ALGUM INTERESSE NISSO)

  • O Holandês Voador:

    Tarde demais…

  • Fatima R.:

    É imprescindível que os governos criem as condições para que os cidadãos possam agir correctamente, mas isso é apenas a base do edifício e não tem grande significado se a população não estiver pelos conformes.
    Em Portugal, os cidadãos são sensibilizados para a separação de resíduos e de resíduos perigosos,como óleos, pilhas, lâmpadas fluorescentes, etc; existem os locais próprios parta os depositar e as entidades que fazem essa recolha e tratamento; e mesmo assim muitos portugueses juntam todos os resíduos. Isto quando não os atiram para onde calha. É caso para dizer que há gente que comparada com símios são apenas projectos mal enjorcados.
    http://www.youtube.com/watch?v=x9Frmy9oqE8

  • nelio huster:

    Muito se fala, pouco se faz. Os poderes públicos se “lixam”, na maioria das vezes, para o problema de reciclagem., ou é fácil achar lixeira para baterias, por exemplo, nas frandes cidades? Se podessemos reciclar políticos, ou descartá-los…

    • joao matos:

      Essa era uma boa,sobre os politicos.Aqui Portugal!
      Tentem saber sobre as mordomias,as demissoes milionárias,reformas idem,o peso do Estado e vão ficar abismados,como isto é possivel num País sem recursos como Portugal.Os politicos são sempre os mesmos.Só rodam.
      Vejam o caso da Suécia.Aí sim!

  • idpol:

    Sempre alguém pronto para termos um mundo melhor,rsss…
    Os contaminantes como: óleos e sabões, são sem dúvida os mais comuns e fáceis de lançarmos ralo abaixo. E “ecologicamente” aproveitando óleo de cozinha para fazer sabão como forma de preservação do ambiente não é uma forma correta, pois além óleo, adicionamos mais um elemento contaminante, a soda cáustica. Melhor não usar óleo (NOSSO ORGANISMO JÁ PRODUZ O BASTANTE) de espécie algum no cardápio. No caso das frituras, substituir por “assaduras”. Tubérculos e frutas assados são melhores dos que “fritos”; churrasco então… As gorduras e óleos vegetais e animais, são insolúveis em água, mas solúveis em solventes orgânicos – isto não quer dizer, biodegradáveis – e isto não quer dizer absorvido pela natureza. Que dilema! Entre a saponificação da gordura pela soda é preferível com a cinza. Só que aqui, temos que derrubar floresta para fazer sabão., rssss. INFELIZMENTE NA NATUREZA NADA SE CRIA, TUDO SE TRANSFORMA – falta nos transformarmos para acompanhar a natureza. O RETOS É BALELA.

    • Glauco:

      Ue, mas como eu vou lavar minha louca??

    • idpol:

      Vc conhece a palavra “areiar”, pois bem. O que a areia ou cinza fazem, é mesmo que o sabão ou detergente fazem – servem de meio de transporte, envolvem a gordura, a “sujeita” e transporta-os para fora. Como os sabões tem gorduras animais ou vegetais – prejudiciais a nós e ao ambiente. Resta-nos AREIAR, rs… lavar e colocar no sol. Ruim, só no inverno.

    • websurffer:

      Boa, precisamos de meios eficientes para transformar uma coisa nociva em algo útil e ao mesmo tempo que tenha um impacto menor ao meio ambiente.

      Não é que eu discorde, sacam?
      Mas eu dou risada de coisas assim, porque é hipocrisia.

      Ninguém fez ou faz algo para melhorar, o que nós resta, é continuar com nosso estilo de vida, que é, totalmente, incompatível com nossos anseios de um estilo vida mais sustentável.

    • @AtomicBlue:

      O que nos resta não é isso não. Você está sendo cômodo.

      Aqui em casa, estocamos o óleo de cozinha em garrafas e não jogamos pela pia; substituimos a sacolinha plástica do supermercado por sacolas de lona, e nas compras do mês, colocamos nossos produtos todos em caixas de papelão (ou de plástico, usada em supermercados) reaproveitadas, e assim as compras vem na mala do carro. São hábitos simples que precisamos mudar e já fazem uma diferença ENORME pro planeta.
      Precisamos perder o medo e a presunção e COMEÇAR. Começar a mudar hábitos que dizem respeito a desperdício, a utilização de produtos desnecessários ou despejo de químicos no meio ambiente.

      O que minha família faz pode não ser todo o necessário (principalmente porque nosso governo não nos provém de meios mais eficientes, como coleta seletiva e reciclagem), mas é, certamente, o começo de mudanças que precisam acontecer nos próximos anos, pra que as próximas DÉCADAS não revelem uma mudança tão dolorosa no cenário mundial.

  • DEMOLIDOR ALVIVERDE:

    Eu jogo pilhas e baterias no rio enterro oleo e quebro lampada no mato td em nome do meio ambiente
    ahh adoro furar latas que contenham CFC para ver o gás sair na atmosfera

  • NILSON NOGUEIRA:

    Muito bom esse artigo, meus parabens!!

    Agora imagine quantas pessoas jogam no lixo: pilhas, lâmpadas, tintas, óleo de carro e etc. sem imaginar o impácto que a natureza sofrerá.

    isso é um sério caso a se refletir!

  • José Calasans:

    Tá faltando vontade política e esforço do poder público em desenvolver estrarégias para reciclagem do lixo doméstico.
    Está faltando vontade e interesse em se fazer campanhas nos meios de comunicaçâo em geral sobre os riscos e as consequências da poluiçâo ambiental,para reduzir as catástrofes que estâo ocorrendo no dia a dia.

    • @AtomicBlue:

      Concordo completamente. Nosso governo cômodo (e nossa mídia por ele controlada) não se move pra implementar coleta seletiva, incentivo à reciclagem, arborização urbana…

    • joao matos:

      Pois é meu caro,tudo o que disse é verdade.Há apenas um pequeno problema.Portugal NÃO TEM DINHEIRO!Cump.

  • Magda Patalógica:

    O texto é excelente e motivador.

    A coleta desses materiais deveria ser implantada nas escolas.
    Para mim, a escola o melhor lugar para iniciar a conscientização.
    O orgão responsável da prefeitura passaria de tempos em tempos para recolher.

    Mas aí surge o problema:
    As prefeituras ainda não possuem estrutura para direcionar esses materiais.

    Como vemos, tudo é uma questão de vontade política para a implantação, que acredito, terá ampla adesão da população.

    Fui.

    • idpol:

      Mas as escolas conscientizam, “nós” é que não praticamos. Vc deve ter assistido nos noticiários sobre as sacolas de plásticos e as biodegradáveis – estas, não são bem assim, pois apenas fragmentam-se e estes, velam anos e anos para terem alguma serventia para natureza. Pois bem, sem sacola plástica (usadas para descarte do lixo e diluídas nos preços do que compramos), não serão mais “gratuitas”. Na realidade um negócio de ocasião para os “lobistas” da indústria de sacos plásticos para lixo, ou seja, 6 por 12 dúzias. Se emplacar vamos comprar sacos plásticos de lixo. Para o ambiente, nenhum retorno, já para os fabricantes é só alegria, rss

  • Cesar:

    Ao contrário, Rodolfo, é uma lâmpada fluorescente, sim.

    Uma outra dica, se o termômetro quebrou e espalhou o mercúrio, jogue enxôfre sobre o mercúrio. Isto vai evitar que o mercúrio evapore e contamine o ar. O enxofre acho que pode ser encontrado em qualquer loja veterinária. Não precisa mais que uma colherinha de chá para um termômetro quebrado.

    Boa dica, Glauco, transformar o óleo de cozinha usado em sabão, mas faltou a receita. Aqui vai uma que eu peguei na Internet:

    http://belasiaocelestial.blogspot.com/2010/04/sabao-feito-com-sobras-de-oleo-de.html
    Ingredientes:

    2 litros de óleo de cozinha usado
    350 g de soda cáustica em escama
    350 ml de água

    Modo de preparo:

    Dissolva a soda cáustica na água em uma vasilha reforçada, pode ser uma lata de tinta de 18 litros. Reserve.
    Coloque o óleo, já coado, em um recipiente e leve ao fogo até aquecer em temperatura aproximada a 60ºC. Apague o fogo e, em seguida, acrescente a soda, já dissolvida, e mexa até engrossar por 20 a 30 minutos. Despeje o conteúdo em fôrmas de sabão e aguarde a secagem.

    Aqui tem outras receitas de sabão feito com sobras:
    http://www.bonscursos.com/solidario/downloads/oleodefritura.pdf

    Só não encontrei a receita da minha vó, ela usava restos de gordura (até torresmo estragado, restos de churrasco) e em vez de soda cáustica, usava cinzas.

    • Glauco:

      Hehe, ainda não tive a oportunidade de ver como minha vó faz, mas tenho quase certeza que é desse jeitinho q vc passou.

      O eskema top deve ser justamente usar cinzar ao invés de soda cáustica. Era assim que os primitivos faziam sabão antes do uso dela.

    • joao matos:

      Acha que com o nosso actual ritmo de vida stressante dá para fazer a sua receita.Os tempos são outros,e não posso dizer que são melhores.

  • Val:

    Tinha uma vizinha q enterrava as pilhas. Louca

  • Marte:

    Ótimo artigo.

  • Glauco:

    Em casa o óleo de cozinha vira sabão prá lavar louça.

  • Fátima:

    O brasileiro tem deveres que muitas vezes não pode cumprir.
    Há total descaso político em relação às estruturas de base para que possamos cumprir o que é imperioso. Gostei da matéria.

  • marcos:

    entao onde jogaremos esses materiais,..

    • Glauco:

      Guarda até encontrar onde jogar. Se vc mantive-los longe das intempéries, não vai te prejudicar.

  • luana:

    realmente poucas prefeituras tem estrutura para coletar e enviar para reciclagem certos produtos,mas isso nao é justificativa.nos devemos cobrar desses orgaos publicos,ja esta na hora de eles se atualizarem e cuidar do meio ambiente

  • Elizabeth:

    Rodolfo,
    essa imagem é sim de uma lâmpada fluorescente compacta, mais conhecida como lâmpada eletrônica.

  • Helio de Oliveira Alves:

    Muito boa materia, meus parabens. Se todos tivessem essa consciencia, o Planeta estaria em outra situacao,não estariamos enfrentando estas enchentes aqui no Brasil e a perda de tantas vidas, e o que não dizer Mundo afora. Materia muito boa, Nota 10.

  • Evandro:

    O sistema de lidar com lixo, aproveitamente de materiais e reciclagem, não só no Brasil, mas no mundo, é um caos! Até quando isso vai durar? Até quando o mundo vai suportar?

    Em Maua há um lixão. É uma montanha enorme em forma de piramide, deve ter 1km x 1km, e uns 50, 60m de altura. É enorme, é uma montanha feita só de lixo! É uma quantidade enorme de caminhões de lixo que chegam ao lugar, não para nunca. As vezes, um vento tráz um odor horrivel do lixo, até mesmo de metano. E nada daquilo é reciclado.

  • Mecholsky:

    Eu não jogo nada no lixo, quem faz isto são as empresas que produzem óleo, baterias, tintas, mercúrio, lâmpadas, enfim, tudo que polui.

  • Pedro dos Santos Mota:

    É sempre bom ter essas iniciativas, mas antes teem que sensilizar as pessoas, as empresas e toda a sociedade civil pelo mal que isso pode causar na vida das pessoas.

    se tivessémos lido o relatório o Nosso Futuro Comum, certo é que todos precavia de tais problemas, preparando um futuro mais seguro e limpo.

  • marcio:

    gostei muito dessa matéria só que aqui em minas gerais a lampada fluorecente é branca uai!

  • Thiago:

    Esclarecidos nós estamos, mas o problema é: como fazer coleta seletiva se nenhum lugar está preparado pra isso?

    • joao matos:

      exatamente!

  • Carlos Alberto:

    Assim como nos países desenvolvidos, os fabricantes poderiam de responsabilizar pelos produtos que fabricam, quando estes já não servem mais. Seria no mínimo uma questão de bom senso.

    • joao matos:

      Pois,os ditos Paises tem $,e não fazem isso a não ser incluindo-o no preço original do produto.

  • Carlos:

    Lamentavelmente, poucas prefeituras no Brasil dispõem de estrutura para coletar e enviar para processamento os recicláveis.

  • Pio Rambo:

    Aqui faltou um ítem muito importante e que todos jogam no lixo: a bagana do cigarro. No mais, fora a lâmpada incandescente representando a fluorescente o artigo está bom.

  • Orlando:

    Que coisa. Hj em dia jogam até bêbês no lixo…
    Jogar uma pilhazinha é bobagem.

    • lisete:

      Que comentário infeliz

    • Guilherme Euripedes:

      “O problema em ser irônico é que quando as pessoas não te entendem fica parecendo que o idiota é você.”
      Ilustre Desconhecido.

  • Rodolfo:

    Muito boa a matéria.
    Apenas um detalhe: a ilustração da lâmpada fluorescente não corresponde. Essa lâmpada aí não é fluorescente.

Deixe seu comentário!