Passar fome pode ser bom para você?

Publicado em 8.08.2012

Se você tem problemas para manter o peso, já deve ter ouvido dos médicos que dietas radicais, como pular refeições, são péssimos hábitos; você pode até perder peso, mas não vai conseguir manter a dieta por muito tempo, e quando abandonar a mesma, vai comer como um condenado e ganhar todo o peso que perdeu e ainda mais um pouco.

E o ganho de peso pós-dieta não é o único problema sério: a maioria das dietas radicais realmente prejudica o organismo, ao limitar ou excluir algum componente importante da nossa dieta. O resultado é que você fica mais gordo, e com pior saúde.

Muita gente pensa que a “ditadura da estética” é um exagero, mas longe de ser apenas sobre a aparência, pesquisas médicas têm ligado o excesso de peso ao câncer precoce, ao envelhecimento precoce e à demência também precoce. Dito de outra forma, se você for magro, tem menos tendência a desenvolver câncer, se conserva jovial por mais tempo, e evita toda uma gama de doenças causadas pelo excesso de peso.

Uma equipe de pesquisadores do Instituto de Longevidade, na Universidade da Califórnia do Sul (EUA), descobriu que períodos de jejum parcial ou completo são a chave para controlar os químicos produzidos pelo corpo e que estão ligados ao desenvolvimento de doenças e ao processo de envelhecimento.

Esta descoberta também se soma a vários estudos recentes em animais que foram alimentados com dietas de baixíssimas calorias, que apontam que os mais magros (sem sofrer de baixo peso ou subnutrição) são os mais saudáveis e vivem mais tempo.

Segundo o professor Valter Longo, a chave é o hormônio de crescimento semelhante à insulina Fator 1 (IGF-1). Este hormônio mantém as células constantemente ativas quando você está em crescimento e consumindo mais energia, mas com a idade adulta ele acaba causando problemas, como colesterol e pressão altos.

As pesquisas mostraram que uma das maneiras de baixar os níveis de IGF-1 na idade adulta é fazer jejum. A ligação entre o hormônio e os problemas de saúde foi demonstrada de forma dramática com ratos que foram geneticamente preparados para não responder ao IGF-1. Eles são pequenos, mas extremamente longevos, chegando a viver 40% mais que os outros. Isto seria como viver até os 160 anos para nós, humanos.

Além de magros e longevos, eles também são imunes a doenças cardíacas e ao câncer, e quando morrem, “eles simplesmente caem mortos”, diz o professor Longo.

O motivo pelo qual os médicos não promovem este tipo de dieta é por que é fácil escalá-la para distúrbios alimentares como anorexia (o que certamente não é bom), ou desmotivar pessoas com sobrepeso que estão tentando entrar para uma faixa de peso saudável. Mas talvez esta situação mude, por que as evidências estão se somando. Por exemplo, um estudo feito na Inglaterra com macacos mostrou que dietas restritivas atrasam o aparecimento do câncer, doença coronária e o aparecimento da demência.

Pelas estimativas de alguns cientistas, seguir uma dieta restritiva por alguns meses ou mesmo anos pode aumentar a longevidade em 15 a 30%.

Jejum e dietas restritivas

Dietas de jejum normalmente permitem que você coma o que quiser durante certos períodos, enquanto em outros você simplesmente não come nada, ou fica restrito a alimentos de baixa caloria, em pouca quantidade, e água. O repórter científico da BBC Michael Mosley passou alguns meses experimentando dietas de jejum, e conta a sua experiência.

A primeira dieta foi de jejum quase completo: durante 3 dias e meio ele não comeu nada, apenas um prato de sopa de baixa caloria por dia, e bebeu bastante água e também chá preto. Apesar do jejum severo, ele não se sentiu fraco, nem faminto, bem como não teve dores de cabeça, e dormia bem.

No fim do jejum de 3 dias, ele calculou que deixou de ingerir 7.500 calorias. Como é preciso cortar 3.500 calorias para perder 450 gramas de gordura, as 7.500 calorias não ingeridas devem representar uma perda de 900 gramas de gordura. Mas não foi só gordura o que ele perdeu: testes sanguíneos mostraram que seu nível do hormônio IGF-1 estava significativamente mais baixo que antes do jejum.

O problema é que ele não conseguia se visualizar fazendo jejuns de três dias regularmente. Então, resolveu uma abordagem menos extrema. Em entrevista com a dra. Krista Varady, da Universidade de Illinois, Chicago, ele conheceu a dieta do Jejum em Dias Alternados (JDA).

Em um dia, ele comia o que queria, e no dia seguinte, jejum. Mesmo nos dias de jejum ele tinha permissão de ingerir 600 calorias.

A dra. Krista fez um teste recentemente com dois grupos de 16 pessoas, utilizando a técnica JDA por dez semanas. Um dos grupos estava também em uma dieta de baixa gordura, comendo carnes magras, frutas e verduras. O outro grupo comia lasanha e pizza. Os dois grupos perderam peso, mas o surpreendente foi que o grupo de pessoas que comeu alimentos com bastante gordura perdeu o mesmo peso que o grupo que fez a dieta de baixa gordura, graças ao jejum.

E não foi só o peso que baixou, os dois grupos apresentaram quedas similares no colesterol “mau”, o LDL, e de pressão arterial.

Novamente, o repórter não conseguiu seguir a dieta, e optou por um jejum de 600 calorias um ou dois dias por semana. Ele começou a dieta pesando 85,7 kg. Depois de seis semanas de dieta, ele perdeu 9 kg. Seu colesterol, glicose e IGF-1 abaixaram também. Agora, ele pretende seguir essa dieta até quando der.

E você? Teria coragem de passar fome pelo bem da sua silhueta e saúde?[DailyMail]

Autor: Cesar Grossmann

Sou formado em Engenharia Elétrica, mas trabalho no setor público, gosto de xadrez e fotografia.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

3 Comentários

  1. Nada á haver os comentarios aqui. Desculpem o Glauco e o Daniel. Eu assiti o doc que fala destes jejuns. È da BBC. Um excelente documentario. O jejum é bom em todos os sentidos. Vc terá mais autodominio em outros aspectos do convivio social. No doc, há a comparação com um carro. Se vc ligar ele todo dia e pisar no acelerador 6 horas por dia 7 dias por semana, os desgastes das peças ao longo de 1 ano. será bem maior do que se vc deixar o carro na garagem 1 dia ou apenas liga-lo por 1 minuto naquele dia de descanço. Não tem muito segredo ou mistério nisto.. É simples. É preciso força de vontade. Mas principalmente: surgir uma boa motivação pra iniciar o jejum, seja de dias alternados ou uma ou duas vezes por semana…abs á todos(as).

    Thumb up 2
    • Religião acerta uma, mas erra cem!

      Thumb up 5

Envie um comentário

Leia o post anterior:
674897main_pia16013-43_1024-768
As primeiras fotos de Marte pela sonda Curiosity

Depois de pousar com...

Fechar