Rir é o melhor remédio, mas também pode ser perigoso

Publicado em 22.12.2013

rir é o melhor remédio

No espírito das festas de fim de ano, o periódico científico British Medicine Journal criou uma edição especial que traz uma “síntese narrativa” sobre o riso.

Trata-se de uma revisão dos trabalhos científicos que foram publicados sobre o assunto desde 1946 até junho deste ano. No levantamento bruto, haviam 4.961 entradas e, depois de remover duplicatas, estudos sobre animais, relatórios de conferências, trabalhos irrelevantes e acrescentar alguns que não estavam na fonte original, chegaram a 785 estudos.

Rir é o melhor remédio?

Entre os resultados, 85 estudos relatavam benefícios do riso à saúde, 114 estudaram prejuízos à saúde causados pelo riso, e 586 analisaram condições patológicas que causavam risadas.

Entre os benefícios, o riso pode reduzir a raiva, ansiedade, depressão e estresse, reduzir a tensão tanto psicológica quanto cardiovascular, aumentar a tolerância à dor, reduzir o risco de infarto do miocárdio, melhorar as funções pulmonares, aumentar o uso de energia, e reduzir a concentração de glucose no sangue.

Mas existe também o reverso da medalha: entre os perigos do riso estão incluídos a síncope, ruptura cardíaca e esofágica, protrusão de hérnias abdominais, ataques de asma, enfisema interlobular, cataplexia, dores de cabeça, deslocamento da mandíbula, e incontinência resultante de estresse. E isso não é tudo – o riso infeccioso pode se espalhar como uma infecção real, que pode ser prevenida rindo na sua manga.

Como se não bastasse, o riso também tem causas patológicas, ou seja, gente que ri de doente, como risadas causadas por epilepsia (convulsões gelásticas), tumores cerebrais, síndrome de Angelman, ataques, esclerose múltipla e esclerose lateral amiotrófica ou doença neuro-motora.

A equipe concluiu que o riso não apresenta apenas benefícios, e os danos que pode causar são imediatos e relacionados a intensidade, com os maiores riscos para quem tem risadas homéricas. Mesmo assim, o balanço entre benefício e prejuízo parece ser positivo.

Só não ficou esclarecido se piadas doentias fazem as pessoas passar mal, se humor seco causa desidratação, ou se piadas de mau gosto causam disgeusia. [LiveScience, MedicalXpress, PopSci, BMJ]

Autor: Cesar Grossmann

Sou formado em Engenharia Elétrica, mas trabalho no setor público, gosto de xadrez e fotografia.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

6 Comentários

  1. Sinceramente?
    Existe alguns estudos, pesquisas, que nem deveriam existir.
    Parece que não tem mais o que fazer e decidem tirar na moedinha qual vai ser a próxima pesquisa.
    Pô, claro que o riso em excesso faz mal. Praticamente tudo em excesso faz mal, até água.

    Thumb up 6
    • E quanto é o “excesso”? Você sabe quando rir pode ser prejudicial? Sem precisar de nenhum estudo para isto? Qual a margem de segurança para a tua afirmação?

    • Bem, não precisa ser de muito conhecimento, para ver em qual momento as coisas/ações se tornam em excesso ou se tornam malefício para você.
      Existem coisas na vida em que predominam o conceito. Não precisa depender de um estudo, que daqui algum tempo pode ser derrubado por outro estudo.

      Thumb up 2
    • O fato de que a água faz mal é fruto de um estudo, assim como todos os componentes cientificantes comprovados como causadores de algum tipo mal quando em excesso.

      É isso que separa o senso-comum (“Praticamente tudo em excesso faz mal” (sic) da ciência e é por isso que pesquisas como essa devem existir.

      Thumb up 1
    • E quanto conhecimento é “conhecimento suficiente”? E como você sabe que este estudo será “derrubado” por outro estudo?

      Por exemplo, a DL50 da água é de cerca de 10 litros (beba 10 litros e você tem 50% de chances de morrer intoxicado). Isto foi determinado por um estudo. Quando é que um outro estudo vai determinar que a DL50 da água é de 12 litros? Ou de 8 litros?

      Percebe que não dá para afirmar que o estudo vai ser algum dia superado por outro estudo? E não existe uma medida a partir da qual você está “fazendo estudo demais”.

  2. nossa hein,voces sao muito chatos,riso faz bem a saude sim nunca sofri nenhum problema com isso,e olha que eu do muitas risadas,ate demais,mas jamais aconteceu algum problema comigo ao contrario me beneficiou muito.

    Thumb up 0

Envie um comentário

Leia o post anterior:
kidney_2766748k
Cientistas criam rim a partir de células-tronco

Pesquisadores da Uni...

Fechar