Empregados mais bem-educados são também os mais estressados

Por , em 15.06.2011

Segundo uma nova pesquisa, americanos mais educados também são mais estressados no local de trabalho.

O estudo considera que, embora os detentores de doutorado sejam os funcionários mais engajados no trabalho, o que significa que gostam mais de seus empregos e suas empresas, eles estão experimentando mais estresse.

E os níveis elevados de estresse, que se referem a uma variedade de assuntos laborais, incluindo equilibrar o trabalho e a vida familiar, podem levar a alta rotatividade de funcionários muito bons em empresas, o que pode não ser tão bom assim.

Segundo os pesquisadores, esses trabalhadores, conhecidos como “trabalhadores do conhecimento” e “classe criativa”, são as pessoas de quem as empresas dependem mais. Mesmo assim, eles têm mais preocupações sobre a segurança no emprego, bem como recursos para fazer o seu trabalho de forma eficaz e manter um equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

“É muito importante que as empresas estejam conscientes de que um terço de seus funcionários podem se sentir assim”, diz Thomas Hartley, pesquisador do estudo.

Funcionários engajados são o bem mais valioso de uma empresa, e conhecer suas dificuldades e pressões é fundamental para mantê-los e evitar que eles procurarem emprego em outro lugar.

Thomas Hartley disse que os empregadores precisam ser ainda mais conscientes das necessidades de seus funcionários quando a economia começa a melhorar.

Durante as recessões, os empregados são muito menos propensos a mudar de emprego, enquanto os empregadores, buscando reduzir suas despesas gerais, tendem a diminuir seus investimentos em treinamento e desenvolvimento.

“Quando a economia começa a melhorar, os trabalhadores bem-educados são as primeiras pessoas a ir embora”, disse Hartley. Mudanças de emprego podem ser uma forma de negociar mudanças para o estilo de vida que eles buscam.

O estudo analisou ainda quais indústrias têm mais ou menos funcionários engajados. Os cinco setores com os funcionários mais engajados nos EUA foram construção, serviços profissionais, serviços de negócios, tecnologia da informação e utilitários públicos.

Os funcionários menos engajados foram relatados mais no setor de varejo, imobiliária, administração pública, educação e fabricação.

O estudo também descobriu que idade desempenha um papel significativo no nível de engajamento: trabalhadores com 60 anos ou mais são os mais engajados, enquanto os mais jovens, com 18 a 29 anos, são os menos engajados. Segundo Hartley, os jovens são mais propensos a sentir que estão em um emprego que não queriam, o que pode ter consequências negativas. [LiveScience]

CONTINUA EM “ESTRESSE PODE TORNÁ-LO BIPOLAR

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

1 comentário

  • Hugo:

    Os mais educados tem cargos mais altos, cargo alto significa responsabilidade.

    Quem tem um papel não muito significativo numa empresa apenas faz seu trabalho e vai embora. Alguém bem educado (o engenheiro principal de uma indústria, por exemplo) tem que levar a responsabilidade do seu cargo aonde for, logo é mais estressado.

    Meio óbvio…

Deixe seu comentário!