Será que as evidências garantem a existência de Jesus?

Publicado em 12.04.2012

Jesus Cristo provavelmente é o homem mais famoso da Terra. Mas como sabemos que ele realmente caminhou por aqui? Apesar da insistência dos teólogos, as evidências científicas ainda não conseguiram garantir essa teoria.

Os pregos sagrados

De tempos em tempos, alguém chega dizendo que descobriu o que seriam os pregos da cruz de Jesus. Mas isso não é novidade. Ainda em 1911, o professor Herbert Thurston contou quantos pregos eram venerados como os legítimos: 30, espalhados pela Europa.

Além disso, muitos pedaços de madeira aparecem como pertencentes à cruz sagrada, o suficiente para fabricar um barco sagrado.

Manto sagrado

Talvez a relíquia religiosa mais famosa do mundo, o Sudário de Turim representaria o manto que encobriu Jesus após a morte. Com a imagem “fantasma” de um homem, ele é venerado por milhões de peregrinos que vão até a catedral de Turim, na Itália. Mas cientificamente falando, o manto é falso.

Análises de carbono realizadas no Sudário revelaram que ele não data do tempo de Cristo, mas do século 14. Coincidentemente, foi a época em que apareceu para o público. Em um documento do bispo Pierre d’Arcis, da França, de 1390, ele afirma que o Jesus do manto foi pintado e inclusive assinado pelo artista.

Bandana de sangue

Uma relíquia similar é o Sudário de Oviedo, um pano com machas de sangue que foi supostamente enrolado na cabeça de Cristo quando ele morreu, e que desde o ano 718 fica na catedral da Espanha. O sangue no sudário é do tipo AB, comum no Oriente Médio, mas não na Europa, levando muitos a acreditar que não é de Cristo. Também, Joe Nickerll, autor do livro “Relíquias de Cristo”, afirma que o Sudário foi datado com carbono muitas vezes, e sempre aparece como do ano 695, não muito antes de aparecer em Oviedo.

Escritas mentirosas

Setenta livros de metal foram descobertos em uma caverna no Jordão, no ano passado, e aclamadas como os documentos cristãos mais antigos. Supostamente datando de poucas décadas após a morte de Jesus, os religiosos as chamaram os códigos de a descoberta arqueológica mais importante da história.

Mas os códigos são falsos – uma série de dialetos anacrônicos e imagens forjadas nos últimos 50 anos. “A imagem que eles dizem se tratar de Cristo é o deus solar Hélio de uma moeda que veio da ilha de Rhodes”, afirma o arqueólogo de Oxford, Peter Thonemann. “Há também algumas inscrições sem sentido em hebraico e grego”.

Manuscritos sagrados

Uma das descobertas arqueológicas mais importantes realmente data da época de Jesus, e pode ou não evidenciar sua existência, dependendo de para quem você pergunta. Os Manuscritos do Mar Morto, encontrados em uma caverna de Israel, na década de 40, foram escritos entre 150 antes de Cristo e 70 depois de Cristo. Em um dos pontos, os documentos se referem a um “professor do caminho correto”. Alguns dizem se tratar de Jesus. Outros argumentam que poderia ser qualquer um.

Coroa de Cristo

De acordo com os textos sagrados, antes de Jesus ser crucificado, os soldados romanos colocaram uma coroa de espinhos em sua cabeça. Muitos cristãos acreditam que o instrumento de tortura ainda existe hoje, dividido em pedaços pela Europa. Uma coroa quase completa está na Catedral de Notre Dame, em Paris. A história dessa coroa data de pelo menos 16 séculos, mas não chega até Cristo. E, além do mais, a de Notre Dame não possui espinhos.

O famoso livro

O melhor argumento em favor de Jesus como pessoa viva é, claro, a Bíblia Sagrada. Existem muitos detalhes diferentes em vários evangelhos, mas com o tempo, os teólogos conseguiram criar um perfil de Jesus.

“Nós sabemos algumas coisas sobre o Jesus histórico – menos do que alguns cristãos pensam, porém mais do que os céticos acham”, afirma Marcus Borg, estudioso da Bíblia, autor e professor aposentado de religião e cultura. “Apesar de alguns livros recentes argumentarem que Jesus nunca existiu, as evidências de que ele viveu são persuasivas para a maior parte dos estudiosos, sejam cristãos ou não”. [Life'sLittleMysteries]

Autor: Bernardo Staut

é estudante de jornalismo e interessado por povos, culturas e artes.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

441 Comentários

  1. Se Jesus é um personagem real ou fictício, a mim muito pouco impota.
    Como espiritualista independente, posso navegar por todas as religiões, doutrinas e mitologias, delas tirando as lições que me acrescentam.
    Nas parábolas e ensinamentos atribuídos a Jesus, Ramacrishna, Yogananda, Blavatski, Sócrates, “Doma Maria da Silva, lavadeira da barranca do rio São Francisco” entre muitos, há tantas lições de vida.
    Pouco me importa a fonte, desde que que a mensagem seja racional e ética. O resto é discussão infindável ao gosto da escolástica medieval.

    A parábola do bom samaritano, atribuída à Jesus, é um belíssimo ensinamento a ser seguido e pouco me interessa a fonte, mas sim, o seu conteúdo.
    É o que penso.

    Thumb up 57
    • É isso aí Sílvio, estou com você e não abro. Não li os 400 e tantos comentários porque tem muita baboseira.
      Quantos índios e negros nos deixaram belíssimas mensagens racionais e não são citados por serem considerados inferiores, não é mesmo?

      Thumb up 10
    • Que pena que vc. pensa assim, Silvio…
      É por isto que muitos irão SURPREENDER-SE
      extremamente no futuro… Jesus está muito
      acima de todos os personagens que vc. citou
      e dos que não foram citados tbm. > Jesus
      tinha descido do céu e retornou em glória
      para a presença de DEUS PAI. Ele adquiriu
      com o Seu sangue; o direito de acentar-se
      à direita de Deus e todo o poder foi-lhe
      dado em todos os lugares. É óbvio que Ele
      ainda não está exercendo a plenitude do
      Seu poder, pois terá que tomar parte dele
      que ainda encontra-se nas mãos dos
      usurpadores do poder. EM TEMPO… As
      palavras ditas pelo Mestre, não se perdem
      nem misturam-se com as tantas vozes que já
      passaram ou ainda irão passar sobre este
      mundo, pois elas contém: ESPÍRITO e VIDA!
      As pessoas deste mundo e os espíritos das
      trevas, não gostam de ouvir isto que digo
      agora, mas; é a verdade: “Todo olho verá
      à Cristo, todo joelho se dobrará diante
      dEle e toda a lingua confessará que Jesus
      Cristo é O Senhor!” > Eu e meus irmãos,
      já fazemos isto com muita alegria em
      nossos corações.

      Thumb up 15
    • É verdade, você encontrará ainda muitas histórias que te façam refletir, a diferença é que essas pessoas de alguma forma falharam em suas vidas, porém JESUS foi o único que não falhou, é por isso que vale muito apena ler as passagens bíblicas uma por uma sem dispensar nada, por que elas foram totalmente inspiradas por um homem que foi perfeito.
      Ese tratando de reflexões de alguém, essa feita por vc é algo que não vale a pena ler.

      Thumb up 5
  2. O Cristo dos Pagãos

    Tom Harpur (por Assis Utsch). Tradução: Henrique Amat Rêgo Monteiro
    Editora Pensamento – SP – 2008 – 240 p

    Sobre o autor:Tom Harpur, um ex-pastor, além de professor de grego e de Novo Testamento na Universidade de Toronto, é escritor de renome internacional sobre temas religiosos e éticos, sendo autor de oito best-sellers.

    Comentário de capa do livro:
    “Muito tempo antes do advento de Jesus Cristo, os egípcios e outros povos acreditavam na vinda de um messias, …, na concepção por uma virgem, e na encarnação do Espírito na carne. A Igreja cristã primitiva adotou essas verdades antigas como dogmas próprios da religião cristã, mas repudiou as origens [dos dogmas]”.

    A ideia central do livro é a de que muito antes do cristianismo já se acreditava em um Cristo, um Messias, um Salvador herdado de outras crenças, particularmente, das religiões egípcias. Tom Harpur, um ex-pastor, confessa que ainda assim mantem-se religioso, é um cristão. É até paradoxal, pois segundo ele o Novo Testamento é uma montagem de religiões antigas, um arranjo vindo principalmente dos livros do antigo Egito.

    Além de uma bibliografia expressiva, ele se fundamenta sobretudo nas obras de Godfrey Higgins (1771-1834), Gerald Massey (1828-1907) e Alvin Boyd Kuhn (1880-1963).

    Fragmentos do livro – colhidos por Assis Utsch:

    “o pensamento de grande parte do Ocidente civilizado tem se fundamentado em uma “história” que nunca aconteceu, e … a Igreja cristã teria sido fundada sobre uma série de milagres que literalmente nunca se deram”. (p.17)
    “As semelhanças existentes entre as crenças cristãs e as primeiras religiões pagãs sempre eram rapidamente desprezadas [pelos cristãos]”.
    “Ninguém jamais sugeriu … que a Bíblia em geral e o Novo Testamento em particular na realidade copiam ou repetem temas ou ideias estabelecidas ao longo de muitos séculos …”.
    “Eu [já] tinha conhecimento do comentário impiedoso de Sigmund Freud de que a Bíblia era um “plágio total” das mitologias sumérias e egípcias, mas o desconsiderara”.
    “Também cheguei a tomar conhecimento da opinião da doutora Anna Bônus Kingsford, de que os “livros sagrados hebraicos” eram todos “de origem egípcia”. (p.19)

    Este livro – O Cristo dos Pagãos – em seus vários capítulos oferece farta documentação sobre a criação mitológica do Cristo.
    Abaixo transcrevo mais um texto:
    “Seria uma novidade para mim (Tom Harpur) que … houvesse um Jesus nas tradições egípcias”. “O nome dele era Iusu, ou Iusa (aparecem as duas versões), com o significado de “o Filho divino que virá para curar ou salvar”.
    Eu não sabia nada então sobre um Khristós egípcio, ou Cristo, chamado Hórus.
    Ele e a mãe, Ísis, foram os predecessores da Madona com o Filho dos cristãos e juntos constituíam uma imagem dominante … antes dos Evangelhos. Como teria sido diferente a minha pregação e o meu ministério se entendesse que esse Hórus mítico antecipou … a maior parte das palavras e dos milagres de Jesus Cristo – … e que em um de seus papéis fora “um pescador de homens com doze seguidores”.” (p.19/20)
    “Marta e Maria figuram em uma história sobre a ressurreição de El-Asar, ou Lázaro, dentre os mortos, em uma Betânia egípcia cerca de 4 mil anos atrás”. (p.20)

    “ … as letras KRST que aparecem em caixões de múmias egípcias … na realidade Karast ou Krist, significando Cristo”. “o fundamento da doutrina cristã no início: a encarnação do espírito na carne humana”. (p.20)
    “Vou documentar claramente que não há nada do que o Jesus dos Evangelhos alguma vez disse ou fez – desde o Sermão da Montanha até os milagres, desde a fuga de Herodes, … até a própria Ressurreição – que não possa ser mostrado como tendo se originado … nos ritos de mistérios egípcios e em outras liturgias sagradas, como o Livro dos Mortos egípcio”. (p.24)

    “Tudo – da estrela no Oriente até a “caminhada” de Jesus sobre as águas, do pronunciamento do anjo até o suposto massacre dos inocentes por Herodes, da tentação no deserto à conversão da água em vinho – já existia nas fontes egípcias. O Egito e o seu povo já se ajoelhavam ante a visão da Madona com o Filho, Ísis e Horus, … antes de qualquer Maria … amparar nos braços o seu Jesus”. (p.24)

    “Hoje, desde a tradução dos livros do Egito antigo – o Livro dos Mortos, os Textos da Pirâmide, o Amduat e o Livro de Tot … há provas irrefutáveis”. “todo o corpo da doutrina cristã é simplesmente um egipcismo adaptado e mutilado”. (p.24)
    “a Igreja dos séculos III e IV, quando questionada pelos críticos pagãos quanto às verdadeiras fontes dos evangelhos, dogmas e rituais, reagiu com hostilidade feroz, caçando e eliminando sistematicamente todos os vestígios do seu passado pagão. Ela exterminou a todos, cristãos ou não, que ousassem testemunhar as antigas verdades. … perseguiu os envolvidos nas diversas religiões de mistérios greco-romanas, queimou … livros e arrojou a acusação de heresia – com a pena de excomunhão – a todos os que ameaçassem questionar a linha do partido ortodoxo. Muitos foram mortos.

    A herança pagã foi negada ardorosamente em todos os lugares. Esse foi o começo de um processo violento que se repetiria ao longo dos séculos e redundaria em um cristianismo que Frye uma vez caracterizou com lucidez como “um fantasma arrastando atrás de si as correntes de um registro histórico de crueldade louca”. (p.25/26)

    Jesus Exsitiu?
    Leia mais em: http://irreligiosos.ning.com/main/search/search?q=Geral+Massey

    Lembrete (leia sobre Mitologias): O mérito da antiguidade desses contos não vem só dos Egípcios, mas dos Sumérios, muito antes deles, pela crença no Deus Sol.
    Colaborou Oiced Mocam

    Thumb up 17
  3. Devemos lembrar que quem acabou com os deuses mitológicos foi o próprio cristianismo; tanto que os primeiros cristãos eram considerados ateus pelos romanos porque não acreditavam em seus deuses.

    E onde estão agora os deuses egípcios, gregos e romanos?

    Quantos hoje são seus seguidores?

    Além disso, não podemos esquecer das profecias bíblicas sobre Cristo.

    No artigo da Wikipedia sobre ‘CRISTO’ mostra dezenas de passagens do Antigo Testamento (escritas séculos antes do nascimento de Cristo) que se cumpriram na pessoa de Cristo, inclusive: que ele nasceria de uma virgem, falaria em parábolas, faria milagres, seria rejeitado e traído por trinta moedas de prata, seria acusado injustamente, seria rejeitado e ferido por nossas iniquidades, seria cuspido e esbofeteado, teria os pés e mãos transpassados, oraria pelos inimigos,lançariam sorte para repartir suas vestes, o fariam beber vinagre, não teria os ossos quebrados, um rico o sepultaria, ressuscitaria no terceiro dia, etc., etc., etc.

    Alguns céticos argumentam que Jesus poderia ser um charlatão que aproveitou-se de algumas dessas profecias do Antigo Testamento. Porém, poderia ele ter forjado a profecia de sua própria crucificação, um instrumento de pena de morte usado pelos Romanos?

    “E Iahweh respondeu-lhe: Faze uma serpente abrasadora e coloca-a em uma haste. Todo aquele que for mordido e a contemplar viverá.” (Números 21,8)

    “Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que seja levantado o Filho do Homem.” (João 3,14)

    “Porquanto cães me cercaram; a assembléia de malfeitores me rodeou; traspassaram-me as mãos e os pés. Posso contar todos os meus ossos; eles estão-me encarando e mirando. Repartem entre si os meus vestidos, e deitam sortes sobre a minha vestidura.” (Salmos 22,16-18)

    “Então o crucificaram. E repartiram as suas vestes, lançando sorte sobre elas, para saber com o que cada um ficaria.” (Marcos 15,24)

    “Ele, então, lhes disse: “Insensatos e lentos de coração para crer tudo o que os profetas anunciaram! Não era preciso que o Cristo sofresse tudo isso e entrasse em sua glória? E, começando por Moisés e por todos os Profetas, interpretou-lhes em todas as Escrituras o que a ele dizia respeito.” (Lucas 24,25-27)

    Quanto aos evangelhos apócrifos, na sua grande maioria, são textos gnósticos (que acreditavam que existia o deus do bem e o deus do mal, e que o deus do mal é que criou a matéria e a carne e que nosso espírito deveria se libertar dela, etc.) escritos bem depois e baseados nos evangelhos canônicos e que também contem muita fantasia. Nem por isso, a Igreja, embora não os considere como inspirados por Deus, despreza sua importância histórica; ela até mesmo retira alguns dados de tais evangelhos, como os nomes dos avós de Jesus “São Joaquim” e “Santa Ana” (que não tem na Bíblia).
    Veja um pouco sobre o que o catolicismo pensa sobre os livros apócrifos:

    http://www.cleofas.com.br/ver_conteudo.aspx?m=doc&cat=90&scat=155&id=4820
    e
    http://www.cleofas.com.br/ver_conteudo.aspx?m=doc&cat=90&scat=155&id=448

    Sinceramente, eu não entendo como você, que parece ser uma pessoa tão culta, ainda leva a sério o “Código Da Vinci” e Dan Brown. Se você ainda não leu, leia esse esclarecimento da CNBB sobre CDV:

    http://www.cnbb.org.br/documento_geral/CodigoDaVinciPresbiteros.doc

    Se Jesus não existiu ou não fez milagres quando veio ao mundo e nem ressuscitou, com certeza, também não faz milagres agora; e, portanto, todos (repito: todos) os milagres da Igreja têm de ser falsos! Por isso, insisto tanto no estudo dos grandes milagres da Igreja (como Lanciano, Guadalupe, Santo Sudário, Sangue de São Genaro, Santa Casa de Loreto, Coxo de Calanda, corpos e órgãos incorruptos de santos e tantos outros).

    Mesmo porque, segundo alardeia o Pe. Quevedo e outros estudiosos do assunto, milagres autênticos (que passam pelo crivo da própria ciência) só ocorrem na Igreja Católica e em nenhuma outra religião do mundo. Isso é um fato espantoso que ocorre no mundo e que não deveria ser ignorado por ninguém. Pois, tais milagres, são a maior prova objetiva da existência de Deus, da autenticidade da Igreja e da veracidade de suas doutrinas.

    E, convenhamos, que é muito mais fácil estudar os milagres permanentes (que existem de fato e podem ser investigados pela ciência) do que tentar adivinhar se Jesus existiu ou não, se fez milagres ou não, ou o que ocorreu de fato há mais de dois mil anos atrás!

    Pois, se Jesus faz milagres agora, por quê não teria feito quando veio ao mundo? Se ele é capaz de fazer um milagre tão espantoso como o de Guadalupe, por quê não seria capaz de andar sobre as águas ou mesmo de ressuscitar?

    Thumb up 2
  4. Oiced,

    há sim sérias suspeitas entre os historiadores modernos de que o texto original de Flávio Josefo sobre Jesus tenha sido interpolado por algum copista cristão; porém, mesmo retirando tais interpolações (em colchetes), ainda assim se confirma a existência histórica de Jesus Cristo:

    “…

    Flávio Josefo, que viveu de 37 d.C. até o ano 100, de acordo com os textos que chegaram até nós teria se referido a Jesus como o Cristo em seu livro Antiguidades Judaicas, livro 18, parágrafos 63 e 64, escrito em 93 em grego koiné:

    “Havia neste tempo Jesus, um homem sábio [, se é lícito chamá-lo de homem, porque ele foi o autor de coisas admiráveis, um professor tal que fazia os homens receberem a verdade com prazer]. Ele fez seguidores tanto entre os judeus como entre os gentios.[Ele era o Cristo.] E quando Pilatos, seguindo a sugestão dos principais entre nós, condenou-o à cruz, os que o amaram no princípio não o esqueceram;[porque ele apareceu a eles vivo novamente no terceiro dia; como os divinos profetas tinham previsto estas e milhares de outras coisas maravilhosas a respeito dele]. E a tribo dos cristãos, assim chamados por causa dele, não está extinta até hoje.

    …”

    FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Testimonium_Flavianum

    Obs.: Vale a pena ler o artigo completo da wikipedia!

    —–

    Mas, já que é para especular, por quê não indagar:

    - Se Jesus não existiu ou foi um falso profeta por quê seus discípulos (que conviveram com ele e fugiram quando ele foi crucificado) deram a própria vida pela fé cristã?

    - Se Jesus não existiu ou foi um falso profeta por quê o apóstolo Paulo – Saulo de Tarso (cuja existência não se nega), um culto fariseu convicto e perseguidor de cristãos, se converteu ao cristianismo (durante uma perseguição aos cristãos) após ter tido uma visão e acabou também dando a vida por Cristo?

    - Se Jesus não existiu por quê os romanos e judeus da época nunca negaram sua existência e sua crucificação para impedir o avanço do cristianismo?

    - Se Jesus não existiu ou não era Deus por quê existem milagres autênticos (comprovados pela ciência) na Igreja fundada por ele?

    —–


    EXISTÊNCIA HISTÓRICA DE JESUS CRISTO É INQUESTIONÁVEL, AFIRMAM ESPECIALISTAS:

    Fontes cristãs, judaicas e pagãs evidenciam historicidade do homem.
    Menções lacônicas fora do Novo Testamento mostram desimportância.

    Viciados em teorias da conspiração adoram a idéia: Jesus nunca teria existido. As histórias sobre sua vida, morte e ressurreição que chegaram até nós seriam mera colagem de antigos mitos egípcios e babilônicos, com pitadas do Antigo Testamento para dar aquele saborzinho judaico. Na prática, Cristo não seria mais real do que Osíris ou Baal, dois deuses mitológicos que também morreram e ressuscitaram.

    No entanto, para a esmagadora maioria dos estudiosos, sejam eles homens de fé ou ateus, a tese não passa de bobagem. A figura de Jesus pode até ter “atraído” elementos de mitos antigos para sua história, mas temos uma quantidade razoável de informações historicamente confiáveis sobre ele, englobando pistas de fontes cristãs, judaicas e pagãs.

    De Paulo a Tácito

    Começamos, no Novo Testamento, com as cartas de São Paulo, escritas entre 20 anos e 30 anos após a crucificação do pregador de Nazaré.

    Cerca de 40 anos depois da morte de Jesus, surge o Evangelho de Marcos, o mais antigo da Bíblia; antes que o século 1 terminasse, os demais Evangelhos alcançaram a forma que conhecemos hoje. A distância temporal, em todos esses casos, é a mais ou menos a mesma que separava o historiador Heródoto da época da guerra entre gregos e persas, que aconteceu entre 490 a.C. e 479 a.C. – e ninguém sai por aí dizendo que Heródoto inventou Leônidas, o rei casca-grossa de Esparta.

    Outra fonte crucial é FLÁVIO JOSEFO, autor da obra “Antigüidades Judaicas”, também do século 1. O texto de Josefo sofreu interferências de copistas cristãos, mas é possível determinar sua forma original, bastante neutra: Jesus seria um “mestre”, responsável por “feitos extraordinários”, crucificado a mando de Pilatos, cujos seguidores ainda existiam, apesar disso. Duas décadas depois, o historiador romano Tácito conta a mesma história básica, precisando que Jesus tinha morrido na época de Pilatos e do imperador Tibério (duas referências que batem com o Novo Testamento).

    Esses dados mostram duas coisas: a historicidade de Jesus e também sua relativa desimportância diante das autoridades romanas e judaicas, como um profeta marginal num canto remoto e pobre do Império.

    “.

    FONTE: http://g1.globo.com/Noticias/0,,MUL730858-9982,00-EXISTENCIA+HISTORICA+DE+JESUS+CRISTO+E+INQUESTIONAVEL+AFIRMAM+ESPECIALISTAS.html

    Thumb up 3
  5. Como um site que se diz científico pode ser tão parcial e esconder outras provas? O que vocês fizeram se aproxima da molecagem pondo objetos de cultos católicos como “provas”.

    Não citaram o historiador Flávio Josefus da época de Cristo que o citou. Também ignoraram que mesmo e com a perseguição implacável de judeus aos cristãos e Jerusalém ter sido destruída pelo romanos depois, a mensagem de Cristo foi tão forte que décadas depois havia mais e mais seguidores da mensagem de Cristo. Seria impossível isso acontecer se ele não houvesse existido e sido testemunhado por tanta gente numa época que pouca gente sabia ler e escrever.

    Thumb up 4
  6. Caramba! vocês se “estapiaram” uns aos outros com 447 comentários de um tema, que ao meu ver incomoda mesmo! Não me refiro aos que acreditam na existência de Jesus, mas principalmente aos que, mesmo não acreditando, não conseguem ver o tema com uma certa tranquilidade. Eu acho que o que incomoda mais em tudo isso é a incerteza que a própria vida produz em nós face a certeza da morte e a incerteza do que está além dela. Por essa razão aconselho a aqueles que não encontraram a resposta em Deus ou na existência como fato, que se desprendam de tanto ódio contra as religiões, porque isso é uma forma sutil de demonstrar suas frustrações pessoais quanto ao exercício da verdadeira fé, que não se basea em mitos, mas em fatos, com uma sutil inclinação ao transcendente. Pois é o equilibrio entre o aqui-agora e o além-porvir que faz com que tenhamos paz interior.

    Thumb up 13
    • Parabéns, belo e sensato comentário!

      Thumb up 2
    • Com todo o respeito, você está imaginando coisas que não existem.

      Thumb up 1
    • Como você afirma que o correto é seguir a “VERDADEIRA FÉ, que não se basea em mitos, mas em fatos, com uma sutil inclinação ao transcendente.” – incrível, com bilhões de galáxias, cada um delas contendo trilhões de estrelas, você que está em um minúsculo e pálido ponto azul acredita conhecer a VERDADE? A VERDADEIRA FÉ? HA HA HA

      Os humanos NÃO são o motivo do Universo!
      Quanto arrogância…

      Thumb up 9
  7. Você pode ter lido a Bíblia e muitos livros, mas você nunca teve experiência com Deus. As suas teorias e de todos os MARXISTAS e DARWINISTAS já caíram por terra no auge do comunismo idiota implantado na antiga URSS. Essa revolta contra o cristianismo surgiu com muita força no século XIX devido ao mal testemunho de vários falsos cristãos da época (não que hoje não exista muitos falsos cristãos), mas o verdadeiro cristão segue os ensinamentos de JESUS CRISTO, e jamais ensinamentos de homens. Nós, cristãos seguimos os ensinamentos de Deus, o CRIADOR, vocês seguem os ensinamentos de homens arrogantes.NÓS RECEBEMOS UMA LAVAGEM CEREBRAL PELO O ESPÍRITO SANTO DE DEUS, E VOCÊS RECEBERAM UMA LAVAGEM CEREBRAL POR ESSES IDIOTAS: POBRES DE TUDO. Qual a diferença de ter uma lavagem cerebral por Deus ou pelos os ideais utópicos de HOMENS arrogantes? É simples; Deus se responsabiliza pelos seus ensinamentos e o homem está sempre ou quase sempre equivocado. Por acaso, você nunca leu na Bíblia que todos os mistérios da ciência estão ocultos em Deus? E que Deus só revela para os seus servos? Você que já estudou tanto nunca chegou ao conhecimento de que os maiores cientistas do mundo (estou falando dos maiores, aqueles que fizeram as maiores descobertas científicas) que todos eles eram tementes ao DEUS CRIADOR? As suas ideologias são somente ressacas de um mundo utópico de político parasita. Pois em todas as nações que foram implantadas essas babaquices o povo gemeu e geme; como é o caso de CUBA E DA COREIA DO NORTE. É ISSO QUE VOCÊ CHAMA DE PADRÃO DE VIDA? Então vá morar lá que você vai ver o que é bom pra tosse. QUER SABER? O MEU COMENTÁRIO NÃO VAI SER POSTADO PORQUE EU ESTOU CONTRA AS IDEOLOGIAS IDIOTAS; SEM APREÇO PELO O SER HUMANO. E PESSOAS QUE PENSAM COMO VOCÊ EXCLUI QUALQUER OUTRA QUE NÃO PENSA COMO VOCÊ. JESUS NUNCA EXCLUIU NINGUÉM, MAS NOS ENSINOU O VERDADEIRO MANDAMENTO.SE EU SENTAR COM VOCÊ EM UMA MESA DE DEBATE, VOCÊ VAI APANHAR TANTO QUE VAI FICAR ZONZO.

    Thumb up 2
  8. Você pode ter lido a Bíblia e muitos livros, mas você nunca teve experiência com Deus. As suas teorias e de todos os MARXISTAS e DARWINISTAS já caíram por terra no auge do comunismo idiota implantado na antiga URSS. Essa revolta contra o cristianismo surgiu com muita força no século XIX devido ao mal testemunho de vários falsos cristãos da época (não que hoje não exista muitos falsos cristãos), mas o verdadeiro cristão segue os ensinamentos de JESUS CRISTO, e jamais ensinamentos de homens. Nós, cristãos seguimos os ensinamentos de Deus, o CRIADOR, vocês seguem os ensinamentos de homens arrogantes.NÓS RECEBEMOS UMA LAVAGEM CEREBRAL PELO O ESPÍRITO SANTO DE DEUS, E VOCÊS RECEBERAM UMA LAVAGEM CEREBRAL POR ESSES IDIOTAS: POBRES DE TUDO. Qual a diferença de ter uma lavagem cerebral por Deus ou pelos os ideais utópicos de HOMENS arrogantes? É simples; Deus se responsabiliza pelos seus ensinamentos e o homem está sempre ou quase sempre equivocado. Por acaso, você nunca leu na Bíblia que todos os mistérios da ciência estão ocultos em Deus? E que Deus só revela para os seus servos? Você que já estudou tanto nunca chegou ao conhecimento de que os maiores cientistas do mundo (estou falando dos maiores, aqueles que fizeram as maiores descobertas científicas) que todos eles eram tementes ao DEUS CRIADOR? As suas ideologias são somente ressacas de um mundo utópico de político parasita. Pois em todas as nações que foram implantadas essas babaquices o povo gemeu e geme; como é o caso de CUBA E DA COREIA DO NORTE. É ISSO QUE VOCÊ CHAMA DE PADRÃO DE VIDA? Então vá morar lá que você vai ver o que é bom pra tosse.

    Thumb up 9
    • Este Irair está irado e é leitor de VEJA. Não enxerga mais nada.

      Thumb up 3
  9. Eu questiono o porquê de um assunto no qual nos é permitido fazer comentários ter se tornado algo tão competitivo entre pessoas que parece ser muito cultas. Eu percebo que quando disseram que “Há mais mistério entre o céu e a terra do que a Vã Filosofia consegue explicar” é a maior verdade, pois, assuntos que são apenas para se fazer comentários se tornam uma verdadeira guerra de palavras. Penso que poderíamos usar o espaço e a oportunidade para falar daquilo que estamos tentando conhecer e aprender ao invés de criarmos uma guerra virtual.
    Este é um assunto muito polêmico e que tenho certeza cada um de nós, seres humanos estamos muito distantes de termos certeza de alguma coisa, a única certeza que tenho é que estamos passando por processos no qual o ser humano parece mais uma barata tonta ou quem sabe um beija-flor, cada dia está tentando alicerçar os próprios pés, mais quase sempre encontra-se em solo escorregadio, já não consegue se quer manter-se de pé, e se não existe o alicerce então começamos a mergulhar em busca de algo que nos sustente e é nesse momento que podemos descobrir uma nova vida, um novo sentido para tudo.

    Thumb up 9
  10. Sônia,

    Se você também precisa VER PARA CRER, aconselho a estudar (se ainda não o fez) os grandes milagres da Igreja.

    Pois acredito que os milagres autênticos são a maior prova objetiva da existência de Deus e da veracidade da Igreja. São o elo entre a razão e a fé, entre a ciência e a religião, entre Deus e os homens. São como que a assinatura de Deus para provar sua existência, sua Igreja e sua verdadeira doutrina.

    Pesquise você mesma e veja se alguma outra religião ou entidade do mundo (mesmo cristã) tem milagres permanentes como um SANTO SUDÁRIO (que nada mais é do que a foto radiográfica e tridimensional de um homem ressuscitando), uma IMAGEM DE GUADALUPE (cujo olho reflete a cena do milagre e cuja pupila dos olhos reage à presença de luz como se fosse um olho VIVO, cuja imagem mantem a temperatura de um corpo humano e têm batidas de coração, etc.), uma SANTA CASA DE LORETO (a casinha onde viveu a Virgem Maria milagrosamente transportada de Nazaré até Loreto, passando por outras cidades, durante a invasão islâmica à Terra Santa), um MILAGRE EUCARÍSTICO DE LANCIANO (cuja hóstia e vinho virou carne e sangue de uma pessoa viva atualmente), um COXO DE CALANDA (cuja perna reapareceu após enterrada por quase três anos), um ESPINHO DA COROA DE CRISTO (cujo sangue coagulado se liquefaz a cada 11 anos, toda vez que a sexta-feira da paixão ocorre num dia 25 de março, o suposto dia da crucificação de Cristo), CORPOS E ÓRGÃOS INCORRUPTOS DE SANTOS (que exalam perfume e destilam água e óleo por séculos) e tantos outros ESPANTOSOS MILAGRES?

    Já que você parece gostar tanto de ler, indico:

    - http://cienciaconfirmaigreja.blogspot.com.br/

    - http://oepnet.sites.uol.com.br/milagres.htm

    - Documentário do History Channel “GUADALUPE: UMA IMAGEM VIVA” http://www.youtube.com/watch?v=7yTwabUjgYQ

    - Documentário do Discovery Channel “O Mistério do Santo Sudário” e sua continuação “O Sudário de Turim”:
    http://www.youtube.com/watch?v=M9j38PmEGWA
    http://www.youtube.com/watch?v=h_1_ag_H6Kk

    - Os livros: “Milagres – A Ciência Confirma a Fé” ou “Os Milagres e a Ciência”, do Pe. Oscar Quevedo.

    Thumb up 4
    • É verdade, somente a Igreja Católica tem uma indústria de milagres.

      Só que, ao contrário das falsificações, quem produz esses milagres autênticos não são os padres da Igreja, mas o próprio Deus!

      Thumb up 9
  11. Infelizmente o sr.Oiced só rebate e debate olhando apenas por uma direção… Esquecendo que há muito trabalho pela frente quando deparado com os enigmas desse Planeta.
    Não precisando ir longe para mostrar que mesmo a ciência Não pode responder as mais simples questões de grande relevância!
    Agora, negar a existência de um Mentor é até fácil… difícil é provar à falta de respostas para todos sistemas de coisas.
    Pelo que vejo, sua “bíblia” também não explica Is, Dn e Ez.
    Fazer o quê?…
    Contudo, isso não chega à beira que quero chegar!

    Thumb up 13
  12. A BÍBLIA COMO VOCÊ NUNCA LEU

    INCESTO no Livro Sagrado

    Incesto é errado, certo? Pois nos primeiros livros da Bíblia, lá no Antigo Testamento, não faltam casais entre parentes. Enquanto algumas uniões foram pacíficas e formaram casais felizes, algumas histórias de incesto do Livro Sagrado são de arrepiar os cabelos.

    E ainda tem gente aqui,afirmando que que o iludido e insano sou eu! Cesai de afirmar que “a Bíblia é de inspiração divina e que deuses existem”, e eu cessarei de contestar e negar as outras idiotices e crueldades inventadas pelo religioso, que tambem são fáceis de identificar.

    Segundo a lógica da Bíblia, como a humanidade surgiu de um único casal (Adão e Eva), no início todas as relações eram incestuosas! Irmãos com irmãos e quem sabe até os pais com os filhos. Isso é óbvio!

    O primeiro de todos, Caim e Eva (ou Caim e suas irmãs, a desculpa inventada pra ele não ter dormido com a própria mãe)… é, melhorou muito!
    Refletindo sobre a história absurda da “Queda” de Adão ( o caso original de alguém ser criado livre e então sufocado com proibições impossíveis de obedecer). Que se Adão foi condenado à morte por pecar, sua morte deve ter sido adiada, já que ele conseguiu criar uma grande posteridade antes de realmente morrer!

    Abraão e Sara
    Eram filhos do mesmo pai, mas com mães diferentes. Permaneceram juntos até a morte de Sara, aos 127 anos (Gên. 20:12)

    Nahor e Milca
    O irmão de Abraão se casou com a sobrinha, filha do seu irmão morto, Harã. Milca é irmã de Ló, que também teve uma relação incestuosa. Mas sobre essa, a gente fala daqui a pouco (Gên. 11:27, 29)

    Anrão e Joquebede
    Joquebede era tia de Arão por parte de pai. Eles tiveram três filhos juntos: Aarão, Moisés e Miriã. Sim, aquele Moisés, o do Egito (Êxo. 6:20)

    Amnon e Tamar
    Amnon estuprou Tamar. Ambos eram filhos de David, mas de mães diferentes. Dois anos após o estupro, Absalom, irmão de Tamar por pai e mãe – e meio-irmão de Amnom – finalmente vingou sua irmã. Para isso, ele preparou uma festança para a qual todos os filhos do rei David foram convidados e mandou seus servos matarem Amnom quando ele estivesse muito bêbado (II Sam. 13:2, 14, 28-29)

    Ló e suas duas filhas (aí são dois casais – e uma história bizarra)

    Não é só incesto, é menage? Não, cada uma dormiu com o pai um uma noite. Mas poderíamos classificar as duas noites como abuso sexual. E o pai foi a vítima!

    Mas calma, vamos do começo: Ló, sobrinho de Abraão, morava em Sodoma com sua família. Antes de Sodoma e Gomorra serem destruídas pela fúria de Deus, dois anjos foram enviados dos céus para tirarem Ló, sua mulher e duas filhas virgens (a Bílbia não fala seus nomes) de lá, pois eles não eram pecadores como o resto dos habitantes da região.
    Eles deveriam fugir sem olhar para trás. Mas a mulher de Ló não resistiu, olhou e virou uma estátua de sal – pã! Uma vez longe das “cidades do pecado”, Ló e suas filhas se escondem em uma caverna.
    E é aí que a coisa perde os limites: as filhas de Ló o embebedam – uma em cada noite – e dormem com ele. Ló não se lembra de nada. Mas, depois de nove meses, vê o resultado: nascem os netos-filhos Moabe e Ben-Ami (Gên. 19:30-38)
    Bem, se tudo o que acontece é com permissão de Deus, e então Deus é conivente com a suruba das filhas de Ló, que sacanearam com o pai, se fosse honestidade não era preciso embebedar ninguém. A lição que fica? Desconfie do vinho, mesmo que ele seja oferecido pelo seu irmão ou pelas suas filhas.
    Aaaaa sim, já estava me esquecendo que existe o “Livre Arbítrio” e que aí Deus em alguns casos não se mete. É verdade, sempre há uma saída pela tangente !

    O OUTRO LADO DO LIVRO SAGRADO
    SEXO NA Bíblia:
    Você pode ler aqui:
    http://www.bibliadocetico.net/sexo.html

    E aqui:
    http://www.bibliadocetico.net/index.html

    Thumb up 26
    • E os alienígenas(Gn 6:4)?!?! rsrs

      Thumb up 1
    • Oiced,

      é por isso que, tirando os poucos eventos sobrenaturais, a história da Bíblia parece muito realista mesmo. Bem diferente dos escritos sagrados de outros povos que se apresentam bem mais fantasiosos, como a Epopeia de Gilgamesh, os Vedas, etc.

      Se essa fosse apenas um estorinha inventada pelos judeus, dificilmente incluiriam esse episódio vergonhoso do incesto e a fraqueza de seus heróis; pelo contrário, ela mostra a realidade da fraqueza humana e as vitórias e fracassos de um povo muito sofrido e provado por Deus.

      Por incrível que pareça, esses dias atrás assisti um documentário (acho que no NATGEO) de um arqueólogo que, duvidando dos atuais locais atribuídos por outros cientistas às cidades de Sodoma e Gomorra, encontrou duas ruínas de cidades cuja localização batia exatamente com a descrição bíblica. Após escavações no local, encontraram evidências de uma destruição em massa daquelas cidades.

      O mais interessante em tudo isso é que os pesquisadores encontraram (se não me engano) amostras de rochas calcárias vitrificadas.

      E o que isso tem a ver com o relato bíblico?

      É que incêndios comuns ou mesmo lava de vulcões não produzem calor suficiente para vitrificar tal tipo de rocha.

      Segundo documentário, até hoje só encontraram rochas semelhantes em dois únicos lugares do mundo: HIROSHIMA E NAGASAKI, após a explosão da bomba nuclear!

      Por isso, não adianta querer ficar adivinhando o passado ou ficar fazendo especulações sobre ele baseando-se em nossas crenças e preconceitos; é preciso esperar e procurar por evidências históricas e científicas concretas e sérias!

      Lembrando que o próprio Jesus Cristo cita SODOMA quando disse:

      “…

      Com quem vou comparar esta geração? São como crianças sentadas nas praças, que se dirigem aos colegas e dizem:

      ‘Tocamos flauta e não dançastes; cantamos uma música triste e não batestes no peito’.

      Veio João, que não come nem bebe, e disseram: ‘Está com um demônio’.

      Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizem: ‘É um comilão e beberrão, amigo dos cobradores de impostos e dos pecadores’. Mas a sabedoria foi justificada pelas suas obras.

      Então Jesus começou a falar contra as cidades onde havia realizado a maior parte dos seus milagres, porque elas não se tinham convertido.

      Ele dizia: Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e Sidónia tivessem sido realizados os milagres que foram feitos no meio de vós, há muito tempo que elas teriam feito penitência, vestindo-se de cilício e cobrindo-se de cinza. Pois bem! Eu digo-vos: no dia do julgamento, Tiro e Sidónia terão uma sentença menos dura que vós.

      E tu, Cafarnaum! Serás erguida até ao céu? Serás precipitada no inferno! Porque, se em SODOMA tivessem acontecido os milagres que em ti se realizaram, ela ainda hoje existiria! Eu te digo: no dia do julgamento, SODOMA terá uma sentença menos dura do que tu.

      …” (Mateus 11, 16-24).

      Thumb up 2
  13. Pelo jeito, “Zeitgeist” e “O Código Da Vinci” (CDV) fizeram ‘escola’ mesmo!

    Uma hora JESUS é Horus, outra é Tamuz, outra é Mitra, outra hora é Buda, outra é Baco, depois é Krishna, depois ainda é Esculápio, agora é CRESTUS?

    Será que os ativistas ateus não percebem que esse argumento se contradiz a si mesmo? Deveriam, pelo menos, decidir de qual personagem histórico ou mitológico JESUS foi copiado e não fazer uma verdadeira salada deles.

    “O OUTRO LADO DA MOEDA”:

    5- OS LIVROS APÓCRIFOS

    No CDV há algumas referências sobre os livros apócrifos. Os livros apócrifos são aqueles que não estão contidos na Bíblia, mas contam a história do povo de Deus (já os livros canônicos são aqueles que foram inseridos na Bíblia). Alguns dos apócrifos são fantasiosos, outros até podem ser verdadeiros, mas fogem demais da idéia central da Bíblia: a mensagem de Jesus Cristo. Por isso a Igreja não os colocou na Bíblia. Em CDV, no entanto, Brown afirma que a Igreja ignorou totalmente esses livros porque eles seriam a prova de que Jesus não era divino, foi casado com Maria Madalena e não quis fundar nenhuma religião.

    Mais uma vez, o autor do CDV foge à realidade.

    Primeiro porque a Igreja Católica não ignora totalmente os apócrifos. Alguns deles, embora não considerados como divinamente inspirados, são a fonte de várias crenças da Igreja, tais como: a descida de Jesus aos infernos ou à mansão dos mortos (nos Evangelhos sobre a Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo), a virgindade perpétua de Maria (nos Evangelhos sobre a Natividade e a Infância de Jesus), a Assunção corporal de Maria (nos Evangelhos sobre a Dormição)… Além disto, os apócrifos transmitem os nomes dos genitores de Maria – Joaquim e Ana – venerados como Santos aos 26 de julho; a Apresentação de Maria no Templo aos três anos de idade, celebrada na Liturgia aos 21 de novembro; o nascimento de Jesus numa gruta com a presença do boi e do burro; os nomes dos três magos, tidos como reis – Gaspar, Belquior e Baltasar; os nomes dos dois ladrões crucificados com Jesus, a saber: Dimas e Gesta; o nome do soldado ou centurião que abriu o lado de Jesus: Longino (o que vem do grego logchos, lança); a história de Verônica, que enxugou o rosto de Jesus…

    A arte cristã valeu-se muito dos apócrifos. Sejam recordados os ícones bizantinos, a Divina Comédia de Dante Alighieri, o Paraíso Perdido de Miíton, a Messíade de Klopstock.

    É de lembrar ainda que até o fim do século IV houve cristãos que atribuíram a alguns apócrifos (a Didaqué, as epístolas do pseudo-Barnabé, o Pastor de Hermas…) o valor de palavra inspirada. As dúvidas cessaram em 393, quando o Concílio regional de Hipona definiu o catálogo (cânon) sagrado como ele é hoje na Igreja Católica, com seus 73 livros; a mesma definição foi repetida pelos Concílios de Cartago III (397), Cartago IV (419), Trulos (692), pelo Concílio geral de Florença (1442), pelo de Trento (1546) e pelo do Vaticano I (1870).

    Mas há ainda apócrifos que desmerecem qualquer credibilidade. Um exemplo seria o Evangelho de Barnabé. Estudos provam sua falta de autenticidade, revelando características medievais neste livro, com diversos trechos idênticos aos escritos de Dante, mostrando que provavelmente esse apócrifo foi escrito na Idade Média e se baseou em Dante (são inúmeras as coincidências entre os 2 autores).

    Outra prova da não contemporaneidade desse apócrifo e Jesus é a afirmação que o autor faz de que o jubileu judaico era comemorado a cada 100 anos. Na verdade sabe-se que tal jubileu era comemorado a cada 50 anos. Ora, Barnabé, sendo judeu, deveria saber disso! Logo, não foi Barnabé quem escreveu esse livro.

    Há ainda no apócrifo de Barnabé inúmeros erros geográficos e históricos em relação a palestina. Tal livro fala de Jesus chegando a Nazaré e Jerusalém de barco! Não há oceano, nem lagos navegáveis nestas cidades! Será que Barnabé, que viveu na palestina, iria se esquecer disso? O autor desse apócrifo também fala que de Nazaré, Jesus subiu a Cafarnaum, quando na verdade sabemos que o caminho de Nazaré a Cafarnaum é uma descida! E foi em Cafarnaum que Jesus chegou de barco. Será que Barnabé, sendo palestino, não saberia em quais destes lugares haveria mar? Mesmo que ele não tenha ido com Jesus a estes lugares, todos naquela região sabiam que não há mar em Jerusalém! O autor do livro de Barnabé (que acabamos de ver não pode ter sido Barnabé, nem ninguém que viveu na palestina) também registra erros históricos: erra sobre a história de Daniel; afirma que houve uma grande revolta em toda a Judéia por causa de Jesus (o que ninguém mais registrou. Nenhum outro historiador da época registraria uma revolta tão grande?); afirmou que o chefe dos sacerdotes judeu reverenciou Jesus, quando sabemos que tal chefe era um dos inimigos de Jesus, etc.

    Este é apenas um dos exemplos que mostram como nem todo apócrifo é autêntico. Há ainda apócrifos que falam que Jesus, quando criança, incinerava seus coleguinhas quando estes esbarravam nele. Outros, como o apócrifo de Tomé, afirmam que Jesus teria dito que transformaria Maria Madalena em um homem, para que ela pudesse fazer parte da Igreja: “Simão Pedro disse a eles: Que Maria se afaste de nós, pois as mulheres não merecem viver.

    Jesus disse: Ó conduzi-la-ei, para eu possa torná-la homem, para que ela possa também tornar-se espírito vivente, à semelhança de vós, homens. Pois toda mulher que se fizer homem entrará no reino do céu”. (Apócrifo de Tomé)

    Será que estes apócrifos merecem estar na Bíblia?

    O autor de CDV menciona em especial, dois apócrifos: O evangelho de Felipe e o evangelho de Maria Madalena. Primeiro erro: Brown afirma que estes escritos foram descobertos em Nag Hammadi, próximo ao Mar Morto na década de 50. Esperava-se que pelo menos nas datas Dan Brown fosse capaz de acertar. Mas não. O nosso grande pesquisador errou na data! Esses evangelhos apócrifos foram descobertos na década de 40 e não na década de 50.

    Outro fato interessante que prova como Brown manipula os dados: ele cita os 2 já mencionados evangelhos apócrifos, mas não cita que um outro evangelho apócrifo, o de Tomé, que também foi encontrado em Nag Hammadi na mesma época. Porquê? Como já vimos é neste evangelho que Jesus teria dito que “toda mulher que se fizer homem entrará no reino do céu.” Obviamente, se Brown mencionasse este escrito, toda a sua teoria de que Jesus quis elevar Maria Madalena como deusa feminina cairia por terra. A saída de Brown para apagar esta contradição entre os apócrifos foi simplesmente esquecer o apócrifo de Tomé.

    Mas no livro CDV há referências de que todos os apócrifos podem ser verdadeiros. Mas como, se entre eles há muitas contradições?

    Dan Brown fala do apócrifo de Felipe como sendo referência para o “casamento” de Jesus e Maria Madalena. Cita trechos do apócrifo de Maria Madalena que provavelmente também é falso, mas este não fala que Jesus e Maria Madalena eram “casados”, apenas relata que Madalena conhecia segredos de Jesus. Se os apócrifos que Dan Brown cita são verdadeiros, como num deles pode haver referência sobre o “casamento” de Jesus e em outro (escrito pela suposta “esposa” de Jesus) não haver alusão clara a isso? Será que Maria Madalena não citaria em seus escritos (se é que ela sabia escrever) que ela era casada com Jesus, se assim o fosse? Bom, isso só mostra que esses apócrifos são muito contraditórios, portanto nem todos podem ser verdadeiros.

    Dan Brown vai ainda mais longe. Ele afirma que no apócrifo de Felipe está escrito que Jesus provocava ciúmes nos apóstolos, pois beijava Maria Madalena constantemente na boca. Pura invenção! O apócrifo de Felipe foi danificado pela ação do tempo, faltando fragmentos neste pergaminho. Desta forma não aparece a palavra boca nesta citação. A única coisa que podemos ler neste trecho deste apócrifo é (as partes entre colchetes são ilegíveis no original): “E a companheira de [...] Maria Madalena [amou] a ela mais que a [todos] os discípulos e [costumava] beija-la [sempre] na [...]“. A partir deste texto Dan Brown, e outras pessoas inventam o resto e escrevem: “E a companheira de [Jesus foi] Maria Madalena. [Ele amou] a ela mais que a [todos] os discípulos e [costumava] beija-la [sempre] na [boca]“. Onde Brown afirma estar escrito boca, poderia muito bem estar escrito face, testa, mão. Mas claro, se Brown não usasse a palavra boca, ele não criaria polêmica.

    Se não bastasse essa mentira, Dan Brown comete o erro de afirmar no CDV, ainda sobre este trecho do apócrifo de Felipe: “Como qualquer estudioso do aramaico poderá lhe explicar, a palavra companheira naquela época literalmente significava esposa” (p.233) Estudioso em aramaico? Mas o evangelho de Felipe foi escrito em copta (egípcio) e não aramaico. Que tipo de estudioso é Dan Brown? Sem contar que a palavra referida Koinonos, que é uma palavra grega e não aramaica, significa amizade; comunidade; companheirismo. Se a intenção fosse afirmar um casamento a palavra mais usada seria Gyné, que significa esposa.

    O apócrifo de Felipe também é um livro duvidoso. Este escrito afirma que Jesus mudava de aparência para se apresentar a certas pessoas; diz que não se deve rezar no inverno, porque o inverno é o mundo, e o verão é o outro mundo e pior; afirma que só as mulheres virgens entrarão no paraíso (o que impede a reprodução humana!). É este livro que Dan Brown queria que a Igreja colocasse na Bíblia como palavra inspirada por Deus? Sobre ele, Philip Jenkins, professor de História e Estudos Religiosos da Penn State University, afirma em seu livro, Hidden Gospels (Evangelhos Secretos): “O Evangelho de Felipe não data de jeito nenhum do século I, os estudiosos o datam do século III, cerca de 200 anos após Jesus ter vivido, e, portanto, não é produto do discípulo Felipe do livro de Atos, a menos que ele tenha vivido pelo menos 310 anos! Isto seria tão distante do nosso tempo como a Revolução Americana, e certamente este é um Evangelho não preferencial em relação aos canônicos, os quais mesmo designados com datas tardias por alguns estudiosos (80-100 D.C.) são muito mais próximos da sua fonte. O documento de Nag Hammadi, por sua vez, não foi escrito antes de 350 D.C.”

    Outro apócrifo citado no CDV, como já dito, é o apócrifo de Maria Madalena. Mas este livro também não é um dos mais confiáveis. Ele é um documento gnóstico que não reflete a realidade encontrada entre os judeus palestinos do século I (o gnosticismo acredita que Jesus não se encarnou, mas que o espírito de Cristo se apossou dele no seu batismo e o abandonou na sua morte). Jenkins nota que os fragmentos mais antigos datam do século III, e a maioria dos estudiosos não o datam de antes de 180-200 d.C. Logo, não foi escrito por Madalena.

    É óbvio que Dan Brown não se ateve a estes dados que mostram como esses apócrifos não são confiáveis. Aliás, qual teria sido a intensidade de estudo sobre os apócrifos feitos por Brown? Afinal, até a data de sua descoberta, como já vimos, ele desconhece e mostra claramente isso ao afirmar: “Felizmente para os historiadores [...] alguns dos evangelhos que Constantino tentou erradicar conseguiram sobreviver. Os pergaminhos do mar morto foram encontrados nos anos 1950 escondidos em uma caverna próxima a Qumran, no deserto da Judéia.” (p.234). Se Brown estudasse 3 anos a mais talvez saberia que estes pergaminhos foram descobertos em 1947 e não na década de 50.

    Todos esses erros cometidos em CDV sobre os apócrifos bastam? Não. Brown conseguiu errar ainda mais. No livro há a afirmação de que a Igreja Católica “tentou bastante suprimir a liberação desses pergaminhos” e impede que estudos sejam realizados sobre eles. É, mais uma vez o autor mentiu, ou desconhece os fatos, pois os textos de Nag Hammadi estão sob custódia do Estado de Israel e pesquisadores de todos os credos trabalham livremente com eles. A Igreja não tem nada a ver com isso.

    Disto tudo, só podemos concluir que os apócrifos não constituem uma fonte confiável sobre a vida de Jesus, diferentemente dos evangelhos canônicos, que, a crer nos estudiosos, são autênticos.

    FONTE:

    http://www.cnbb.org.br/documento_geral/CodigoDaVinciPresbiteros.doc

    Thumb up 2
  14. “O OUTRO LADO DA MOEDA”

    4- OS EVANGELHOS FORAM FRAUDADOS?

    Dan Brown comete o absurdo de afirmar que os evangelhos da Bíblia (Mateus, Marcos, Lucas e João) foram fraudados, de modo a divinizar Jesus, apagar a figura de Maria Madalena como líder dos cristãos e colocar os apóstolos como líderes da Igreja.

    Este absurdo se esfacela quando estudamos a origem dos evangelhos, o que prova sua autenticidade.

    Sabemos que os originais dos evangelhos foram perdidos devido a fragilidade do material em que foram escritos, o papiro (pele de ovelha).

    O que temos hoje dos evangelhos são cópias desses originais chamados papiros (os mais antigos), códices unciais (escritos em códigos maiúsculos), códices minúsculos (escritos em códigos minúsculos) e os lecionários (textos para a liturgia).

    São cerca de 5236 manuscritos comprovados como autênticos pelos especialistas. Estes manuscritos estão distribuídos pelo mundo em vários centros de pesquisas ou museus e a maioria deles não está sob poder da Igreja Católica. Existem escritos na Filadélfia, Florença, Viena, Paris, Londres, Estrasburgo, Berlim, Londres, Cambridge, Moscou, São Galo, Oxford, Gênova, Nova York, Cairo, etc. Só há um código, datado do século IV no Vaticano. Isso mostra que os evangelhos não estão sob poder da Igreja e que qualquer grupo de pesquisa pode estudá-los. A Igreja não tem o poder de decidir quem estuda sobre eles. Portanto, se há alguma fraude, ela pode ser descoberta. Os documentos estão à disposição para os pesquisadores.

    De todos estes manuscritos o mais antigo é o papiro de Rylands, conservado em Manchester (Inglaterra). Ele é do ano 120 d.C (aproximadamente) e contém os versículos de João 18, 31-33.37.38. O Evangelho de João (original) foi escrito por volta do ano 100. Desta forma, muito provavelmente, temos uma cópia do próprio original.

    Quanto aos outros escritos do novo testamento, eles datam dos séculos III ao VI (estamos falando das cópias, não dos originais, estes foram escritos por volta do século I, logo após a vida de Jesus). Desta forma, temos cópias muito próximas dos originais. Se comparamos com outros clássicos da literatura, vemos que as cópias que temos deles hoje estão muito mais distantes dos originais do que as cópias dos evangelhos. Por exemplo, os escritos de Virgílio distanciam-se da 1ª cópia em cerca de 350 anos; os de Júlio César, em cerca de 900 anos; os de Platão, em cerca de 1300 anos; os de Tucídedes, em cerca de 1300 anos, os de Eurípedes, em cerca de 1600 anos! Ninguém questiona se esses escritos foram fraudados, mas quando se trata da Bíblia…

    Mas Dan Brown não foi o único a levantar a hipótese falsa de que os evangelhos foram fraudados. Os racionalistas dos séculos XVII e XVIII se empenharam em destruir a autenticidade dos evangelhos. Querendo mostrar que os evangelhos eram uma farsa, estudaram-nos durante muito tempo, tendo a certeza de que iriam provar ao mundo que eram as grandes mentiras da Igreja. A que conclusões chegaram? Vejamos com suas próprias palavras:

    Renan, racionalista francês: “Em suma, admito como autênticos os quatro evangelhos canônicos”.

    Harnack, racionalista alemão: “O caráter absolutamente único dos evangelhos é, hoje em dia, universalmente reconhecido pela crítica.”

    Streeter, grande crítico inglês: “Os evangelhos são, pela análise crítica, os que detém a mais privilegiada posição que existe.”

    Hort e Westcott, os mais exigentes críticos do século XIX: “As sete oitavas partes do conteúdo verbal do Novo Testamento não admitem dúvida alguma. A última parte consiste, preliminarmente, em modificações na ordem das palavras ou em variantes sem significação. De fato, as variantes que atingem a substância do texto são tão poucas, que podem ser avaliadas em menos da milésima parte do texto.” E eles ainda disseram: “Trabalhamos febrilmente durante 50 anos para extrair as pedras da cantaria que servirão de pedestal à Igreja Católica?”

    Sim, os críticos trabalharam para destruir os evangelhos durante 10, 20, 30, 40, 50 anos para desmentir os evangelhos canônicos, mas só conseguiram construir um pedestal para a Igreja. Como agora, Dan Brown em apenas alguns anos de estudos, conseguiria descredibilizar a Bíblia?

    FONTE:

    http://www.cnbb.org.br/documento_geral/CodigoDaVinciPresbiteros.doc

    Thumb up 3
  15. Caro Oiced, respeito seu ponto de vista.
    Mas, gostaria de ter sua opinião aos capítulos que mencionei…
    Também gostaria de lhe dizer que, seu conceito de “Não existir um Arquiteto” é muito vazio e sem fundamento científico.
    Sua negação, como deve saber, não tem nenhum respaldo científico.
    …Por não provar sua existência, não afasta a lógica e à existência de Um.

    Tudo teve princípio e teve sua razão… E posso lhe garantir que não conhecemos 0,01% na sua forma absoluta.
    Sendo assim, se não posso provar por métodos, menos ainda poderá negar por esses mesmos métodos.

    E,Poderia dá-lhe mil motivos para isso.

    Saiba também que minha primícia não está enraizada a pontos religiosos, mesmo porque não preciso desse apego para apresentar o conceito de Um.
    Todavia, gostaria de ter uma resposta às minhas perguntas referidas, já que me parece um narrador quase traumático.

    Aguardo retorno ou encerro por aqui mesmo!

    Grato.

    Thumb up 6
  16. Já se mostra muito sabedor dos históricos bíblicos,Oiced; Poderia nos dizer algo referente de Isaías 53, Ezequiel 28 e Dn 7:25?

    Thumb up 2
  17. Sobre os autores dos Evangelhos – IRINEU -TERTULIANO

    D.R. comentou:
    - “…No entanto, não há qualquer registro sobre tal fato, pelo contrário, autoria dos Evangelhos nunca foi questão de disputa entre os primeiros cristãos.O testemunho mais antigo e portanto o mais significativo é do Pápias (já respondido e contestado). Vejamos: Santo IRENEU de Lião, no final do séc II também pôe por escrito o testemunho dos antigos quanto à autoria dos Evangelhos…”

    Comentário e esclarecimentos de Oiced, sobre:

    Os TESTEMUNHOS DE IRINEU um dos Pais da Igreja e OUTROS
    Por que os Evangelhos são tão diferentes uns dos outros!

    Durante muito tempo houve um debate acalorado sobre quais dos “Evangelhos” deveriam ser considerados divinamente inspirados. Alguns defendiam esses, e alguns, outros, e muitas vidas se perderam de forma horrível em função disso. Ninguém se deu ao trabalho de dizer que todos foram escritos pelo homem muito depois do suposto drama ter terminado, e o “Apocalipse” de São João parece ter sido contrabandeado para o cânone por causa do nome (bastante comum) de seu autor.

    A primeira referência aos quatro Evangelhos está nos escritos de IRINEU, um dos Pais da Igreja. Em um ataque em cinco volumes às heresias cristãs, ELE NOMEIA OS QUATRO Evangelhos da IGREJA como Mateus, Marcos, Lucas e João. Não surpreende que na época de Irineu (180 d. C.) os Pais da Igreja quisessem saber quem tinha escrito esses livros anônimos. Havia muitos outros Evangelhos circulando nos primórdios da Igreja – a maioria deles na verdade alegando terem sido escritos por discípulos de Jesus, como Pedro, Tomé e Filipe.

    COMO DECIDIR quais Evangelhos seriam considerados apostólicos?
    Era um problema espinhoso, já que a maioria desses “outros” Evangelhos representava perspectivas teológicas consideradas heréticas por gente como Irineu.
    COMO alguém poderia saber quais eram os verdadeiros ensinamentos de Jesus?
    Apenas aceitando Evangelhos que tivessem sido escritos por seus seguidores ou por companheiros íntimos de seus seguidores.
    Mas os Evangelhos considerados confiáveis no círculo de Irineu eram originalmente anônimos.

    A SOLUÇÃO para o problema de validar esses textos era óbvia: eles precisavam ser atribuídos a autoridades reais estabelecidos. Havia décadas circulava uma tradição de que Mateus tinha escrito um Evangelho; então aquele que é hoje nosso primeiro Evangelho passou a ser aceito como esse livro. Achava-se que Marcos tinha sido amigo de Pedro: nosso segundo Evangelho passou a ser associado a ele, disponibilizando a visão de Pedro da vida de Jesus.
    O autor de nosso terceiro Evangelho escreveu dois volumes, o segundo dos quais, Atos, retratava Paulo como um herói. Os líderes da Igreja insistiram em que ele tinha de ser escrito por um companheiro de Paulo, portanto o atribuíram a….Lucas.
    E, para terminar, o quarto Evangelho, que diz explicitamente não ter sido escrito por uma testemunha ocular, ainda assim foi atribuído a uma, João, um dos discípulos mais próximos de Jesus (ele na verdade nunca é citado no quarto Evangelho).

    NENHUMA dessas atribuições remonta aos próprios autores. E NENHUM DOS EVANGELHOS FOI ESCRITO POR UM DOS SEGUIDORES DE JESUS, que eram todos galileus de classe baixa que falavam aramaico, não cristãos falantes de grego altamente educados de uma geração posterior.

    E, assim, temos uma resposta para nossa grande questão:
    Por que esses Evangelhos dão tão diferentes uns dos outros?
    Eles não foram escritos por companheiros de Jesus ou por companheiros de seus companheiros. FORAM ESCRITOS DÉCADAS DEPOIS POR PESSOAS QUE NÃO CONHECERAM JESUS, viviam em um país diferente ou em países diferentes do de Jesus e falavam em língua diferente da dele.
    Eles são diferentes uns dos outros em parte porque seus autores também não conheciam uns aos outros, em certa medida tinham informações distintas (embora Mateus e Lucas sejam baseados em Marcos ) e porque MODIFICARAM SUAS HISTÓRIAS em função de suas próprias compreensões de quem Jesus era.

    O FATO de que os Evangelhos na verdade não foram escritos pelos apóstolos não os torna incomuns no Novo Testamento. Muito pelo contrário: os torna típicos. A maioria dos livros do Novo Testamento leva nomes de pessoas que não os escreveram. E as Epístolas forjadas de Paulo e as epístolas pastorais… Sobre as fontes históricas sobre Jesus (e seus milagres públicos foram escritos por pessoas que não tinham visto nenhuma dessas coisas acontecer, que se baseavam em histórias da tradição oral) produzidas 35 a 65 anos depois, amplamente inconsistentes e contraditórias e divergentes. E o nascimento virginal, o batismo, quanto tempo durou o ministério de Jesus, narrativas da Paixão, o julgamento perante Pilatos, a morte de Judas em Marcos e de Lucas, encarnação? E quanto as narrativas da Ressurreição?… Se você acredita, não é como historiador, mas sim como crente. Pessoas não ressuscitam, para nunca mais morrer, depois de estarem completamente mortas. Mas se Jesus fez isso? Se ele fez, violando as leis da natureza, é um milagre, e está além da demonstração histórica.

    Os escribas não conseguem sequer concordar sobre os elementos míticos:
    eles discordam abertamente sobre o Sermão da Montanha, a unção de Jesus, a traição de Judas e a obsedante “negação” de Pedro. Ainda mais chocante, eles não conseguem produzir um mesmo relato da Crucificação ou da Ressurreição. O livro no qual todos os quatro podem ter se baseado, especulativamente conhecido pelos estudiosos como “Q”, se perdeu para sempre, o que parece algo claramente descuidado da parte do deus que alegadamente o “inspirou”.

    Há sessenta anos, em Nag Hammadi, no Egito, foi descoberto um tesouro de “Evangelhos” esquecidos perto de um sítio cristão copta muito antigo. Os pergaminhos eram do mesmo período e da mesma origem de muitos dos posteriores Evangelhos canônicos e “autorizados” e havia muito tinham recebido o nome genérico de “gnósticos”. Esse foi o título dado a eles por um certo IRINEU, um dos primeiros pais da Igreja, QUE OS BANIU como sendo heréticos. Entre eles estão aos “Evangelhos” ou a narrativas de personagens secundários, mas significativos, do “Novo” Testamento aceito, como o “Tomé Dídimo” e Maria Madalena. Há também o Evangelho de Judas, que havia séculos sabia-se que existia, mas que agora foi revelado e publicado pela Natinal Geographic Society em 2006.
    O livro é basicamente baboseira espiritualista, como era de esperar, mas oferece uma versão dos “acontecimentos” que é um pouco mais crível do que o relato oficial. Para começar ele sustenta, assim como os outros textos de seu conjunto, que o suposto deus do “Velho” Testamento deve ser evitado, uma emanação horripilante de mentes doentias. (Isso torna fácil entender por que ele foi tão categoricamente banido e atacado: o cristianismo ortodoxo não passa de uma realização e conclusão daquela história cruel). O Vaticano mantendo sua tradição de enganar os fiéis, tentou com todas as forças evitar que esses manuscritos – falsos testemunhos – fossem divulgados. E por quê? Acontece que os manuscritos apontam certas discrepâncias e invencionices históricas, confirmando claramente que a Bíblia moderna foi compilada e revisada por homens com um objetivo político – promover a divindade do homem Jesus Cristo e usar Sua influência para solidificar a própria base de poder desses mesmos homens.

    Isso é bem conhecido dos estudiosos desde o século passado e é amplamente ensinado (ou não é?) nos principais seminários e faculdades de teologia. Consequentemente, a maioria dos pastores também sabe disso. Mas para muitas pessoas nas ruas e bancos de igrejas isso é “novidade”. E por que isso não é mais conhecido? Seu palpite é tão bom quanto o meu!
    Quando são oferecidas duas explicações, é preciso descartar aquela que explica menos, explica nada ou que produz mais perguntas que respostas.

    TERTULIANO um dos muitos Pais da Igreja que acharam difícil dar um relato convincente do paraíso, talvez tenha sido inteligente ao buscar o mínimo denominador comum e prometer que um dos prazeres mais intensos da outra vida seria contemplar eternamente as torturas dos condenados. Ele estava sendo mais verdadeiro do que sabia ao evocar as características humanas da fé.
    Credible est, quia ineptum est, – como disse o “pai da igreja” Tertuliano, conciliadora ou irritantemente, dependendo, de suas preferências. “Sua própria improbabilidade torna-se crível”.
    É impossível discutir seriamente tal visão. Se é preciso ter fé para acreditar em “algo”, então a probabilidade de esse algo ter verdade ou valor é consideravelmente reduzida. O trabalho duro de investigar, provar e demonstrar é infinitamente mais recompensador, e revelou a nós descobertas muito mais “milagrosas” e “transcendentes” que qualquer teologia.

    Todos nós queremos as mesmas coisas: verdade, honestidade, valores, beleza, significado “Nós dois queremos o que é bom”,¨
    Fui criado com a religião, então imagino que estou falando com a pessoa que eu era anos atrás. E respeito a sua opinião, embora discorde de dogmas e doutrinas.

    Thumb up 18
    • REPETINDO:

      4- OS EVANGELHOS FORAM FRAUDADOS?

      Dan Brown comete o absurdo de afirmar que os evangelhos da Bíblia (Mateus, Marcos, Lucas e João) foram fraudados, de modo a divinizar Jesus, apagar a figura de Maria Madalena como líder dos cristãos e colocar os apóstolos como líderes da Igreja.

      Este absurdo se esfacela quando estudamos a origem dos evangelhos, o que prova sua autenticidade.

      Sabemos que os originais dos evangelhos foram perdidos devido a fragilidade do material em que foram escritos, o papiro (pele de ovelha).

      O que temos hoje dos evangelhos são cópias desses originais chamados papiros (os mais antigos), códices unciais (escritos em códigos maiúsculos), códices minúsculos (escritos em códigos minúsculos) e os lecionários (textos para a liturgia).

      São cerca de 5236 manuscritos comprovados como autênticos pelos especialistas. Estes manuscritos estão distribuídos pelo mundo em vários centros de pesquisas ou museus e a maioria deles não está sob poder da Igreja Católica. Existem escritos na Filadélfia, Florença, Viena, Paris, Londres, Estrasburgo, Berlim, Londres, Cambridge, Moscou, São Galo, Oxford, Gênova, Nova York, Cairo, etc. Só há um código, datado do século IV no Vaticano. Isso mostra que os evangelhos não estão sob poder da Igreja e que qualquer grupo de pesquisa pode estudá-los. A Igreja não tem o poder de decidir quem estuda sobre eles. Portanto, se há alguma fraude, ela pode ser descoberta. Os documentos estão à disposição para os pesquisadores.
      De todos estes manuscritos o mais antigo é o papiro de Rylands, conservado em Manchester (Inglaterra). Ele é do ano 120 d.C (aproximadamente) e contém os versículos de João 18, 31-33.37.38. O Evangelho de João (original) foi escrito por volta do ano 100. Desta forma, muito provavelmente, temos uma cópia do próprio original.

      Quanto aos outros escritos do novo testamento, eles datam dos séculos III ao VI (estamos falando das cópias, não dos originais, estes foram escritos por volta do século I, logo após a vida de Jesus). Desta forma, temos cópias muito próximas dos originais. Se comparamos com outros clássicos da literatura, vemos que as cópias que temos deles hoje estão muito mais distantes dos originais do que as cópias dos evangelhos. Por exemplo, os escritos de Virgílio distanciam-se da 1ª cópia em cerca de 350 anos; os de Júlio César, em cerca de 900 anos; os de Platão, em cerca de 1300 anos; os de Tucídedes, em cerca de 1300 anos, os de Eurípedes, em cerca de 1600 anos! Ninguém questiona se esses escritos foram fraudados, mas quando se trata da Bíblia…

      Mas Dan Brown não foi o único a levantar a hipótese falsa de que os evangelhos foram fraudados. Os racionalistas dos séculos XVII e XVIII se empenharam em destruir a autenticidade dos evangelhos. Querendo mostrar que os evangelhos eram uma farsa, estudaram-nos durante muito tempo, tendo a certeza de que iriam provar ao mundo que eram as grandes mentiras da Igreja. A que conclusões chegaram? Vejamos com suas próprias palavras:

      Renan, racionalista francês: “Em suma, admito como autênticos os quatro evangelhos canônicos”.

      Harnack, racionalista alemão: “O caráter absolutamente único dos evangelhos é, hoje em dia, universalmente reconhecido pela crítica.”

      Streeter, grande crítico inglês: “Os evangelhos são, pela análise crítica, os que detém a mais privilegiada posição que existe.”

      Hort e Westcott, os mais exigentes críticos do século XIX: “As sete oitavas partes do conteúdo verbal do Novo Testamento não admitem dúvida alguma. A última parte consiste, preliminarmente, em modificações na ordem das palavras ou em variantes sem significação. De fato, as variantes que atingem a substância do texto são tão poucas, que podem ser avaliadas em menos da milésima parte do texto.” E eles ainda disseram: “Trabalhamos febrilmente durante 50 anos para extrair as pedras da cantaria que servirão de pedestal à Igreja Católica?”

      Sim, os críticos trabalharam para destruir os evangelhos durante 10, 20, 30, 40, 50 anos para desmentir os evangelhos canônicos, mas só conseguiram construir um pedestal para a Igreja. Como agora, Dan Brown em apenas alguns anos de estudos, conseguiria descredibilizar a Bíblia?

      FONTE:
      http://www.cnbb.org.br/documento_geral/CodigoDaVinciPresbiteros.doc

      Thumb up 3
  18. O TESTEMUNHO DE PÁPIAS
    Deus existe? Jesus existiu? A Bíblia por testemunha!
    Podemos confiar nos autores dos Evangelhos?

    Apesar das evidências de que nenhum dos discípulos escreveu um Evangelho, temos de lidar com a tradição dos primórdios da Igreja que indica que alguns deles o fizeram. Como lidar com essa tradição?

    Sua mais antiga fonte, um antigo Pai da Igreja chamado PÁPIAS, trata apenas de dois antigos Evangelhos cristãos, Marcos e Mateus.
    Pápias, é um personagem enigmático que escreveu uma obra em cinco volumes chamada “Exposição dos oráculos do Senhor”. Estudiosos dataram a obra em algum ponto entre 110 e 140 d.C., de quarenta a setenta anos após o primeiro Evangelho ter sido escrito.
    O livro de Pápias não sobreviveu: uma série de autoridades cristãs posteriores considerou as visões de Pápias ofensivas ou insuficientemente sofisticadas, de modo que não foi extensivamente copiado para a posteridade. Tudo o que sabemos sobre a obra vem de citações feitas por posteriores Pais da igreja.
    Ainda assim, Pápias com freqüência foi apresentado como uma fonte útil para estabelecer a tradição dos primórdios da Igreja, em parte como ele diz ter recebido as informações. Em algumas das citações preservadas da Exposição, ele afirma ter conversado pessoalmente com cristãos que tinham conhecido um grupo de pessoas identificadas por ele como “os anciãos”, que conheciam alguns dos discípulos, e que estavam repassando informações que recebera deles. Assim, ao ler Pápias, temos acesso a informações de terceira ou quarta mão de pessoas que conheciam companheiros dos discípulos….
    Sobre, Mateus:
    “E assim Mateus,compôs os ditos na língua hebraica, e cada um os interpretou (traduziu?) segundo o melhor de sua capacidade (Eusébio, História da Igreja, 3,39).

    Isso não é prova de que Mateus realmente escreveu Mateus (e de que Marcos realmente escreveu Marcos?)

    Há algumas complicações muito sérias na tentativa de saber o valor das observações de Pápias. Vamos começar com Mateus.
    A princípio, no caso de Mateus – diferentemente de Marcos – , nós não sabemos qual é a informação de Pápias, ou mesmo se ele tinha uma fonte . É de terceira mão? Quarta mão? Quinta mão? Se Pápias estava escrevendo, digamos em 120 ou 130, seria cerca de quarenta ou cinqüenta anos após Mateus ter sido escrito anonimamente. O Evangelho estava circulando anonimamente havia décadas. Não é possível que a tradição que Pápias apresenta tenha sido criada nesse meio-tempo?

    Nesse sentido, é importante observar que as duas informações concretas que Pápias nós dá sobre Mateus não são verdadeiras para o “nosso Mateus. Nosso Mateus não é apenas uma coletânea de ditos de Jesus, e o Evangelho certamente foi escrito em grego, não em hebraico. Será que Pápias simplesmente recebeu uma informação errada? Ou está falando sobre algum outro livro escrito por Mateus – por exemplo, uma coletânea de ditos de Jesus – de que já não dispomos?

    SE PÁPIAS NÃO É CONFIÁVEL em relação a Mateus, será confiável quanto a Marcos?
    Nesse caso ele indica que estamos recebendo informações de terceira ou quarta mão. E, mais uma vez, um dos pontos que ele enfatiza certamente está errado: ele alega que um dos dois objetivos de Marcos era contar “tudo” o que tinha ouvido de Pedro sobre Jesus. Simplesmente não há como isso ser verdade. O Evangelho de Marcos leva cerca de duas horas para ser lido em voz alta. Após Pedro ter passado todos aqueles meses, ou anos, com Jesus, e depois de Marcos ter escutado Pedro pregar sobre Jesus dia e noite, devemos imaginar que Marcos só ouviu duas horas de informações importantes?
    Seja como for, Pápias não parece nos dar o tipo de informação em que possamos confiar muito. Quanto a isso, Bart D. Erhman afirma e diz que os estudiosos quase unanimamente rejeitaram todo o restante do que Pápias teria dito nas referências sobreviventes à sua obra.

    Se os estudiosos tendem a descartar o que Pápias diz em praticamente todos os outros casos, por que algumas vezes apelam ao seu testemunho para provar que temos uma antiga tradição que relaciona Mateus a um dos nossos Evangelhos e Marcos a outro?
    Por que esses estudiosos aceitam parte do que Pápias disse, mas não tudo?
    Suspeito de que seja porque eles precisam de embasamento para seus próprios pontos de vista (Mateus realmente escreveu Mateus) e decidiram confiar em Pápias quando ele confirma suas interpretações e não confiar quando ele não confirma.

    O RESULTADO desse rápido estudo de PÁPIAS é que ele transmite histórias QUE OUVIU E AS ATRIBUI A PESSOAS QUE CONHECERAM OUTRAS PESSOAS QUE AS CONTARAM. Mas, quando ele pode ser verificado, APARENTA ESTAR ERRADO.
    É possível confiar nele nos momentos em que ele não pode ser confirmado?
    Se você tem um amigo que quase sempre está errado quando lhe dá as indicações para chegar a lugares com os quais você está familiarizado, vai confiar nele quando lhe fornecer a direção para algum lugar no qual você nunca esteve?

    Não há registro de Pápias ter dito algo sobre Lucas ou João. Não sei por quê. Mas o resumo é o seguinte: NÃO TEMOS QUALQUER REFERÊNCIA SÓLIDA SOBRE OS AUTORES DE NOSSOS QUATRO EVANGELHOS EM QUE POSSAMOS CONFIAR (por exemplo, que o autor realmente está se referindo ao nosso Mateus e ao nosso Marcos) até quase o fim do século II – quase cem anos depois de os livros terem começado a circular anonimamente.

    E, assim, temos uma resposta para a nossa grande questão. Eles não foram escritos por companheiros de Jesus ou por companheiros de seus companheiros de seus companheiros. Foram escritos décadas depois por pessoas que não conheceram Jesus!
    Mas para muitas pessoas nas ruas e nos bancos de igrejas, nunca ouviram falar, isso é “novidade”. Espero que sua mente esteja aberta para ler a Bíblia de forma inovadora, crítica, histórica, horizontal! Mesmo que não tenhamos os originais dos livros do Novo Testamento, mas cópias que foram de carpintaria ruim feitas muito depois, séculos depois.

    Um teste saudável para sua fé, mesmo que a mão de Deus não esteja por trás de tantas discrepâncias, contradições, plágios, falsificações, afirmações impossíveis e ideologias prejudiciais. Enfim, DEUS NÃO ESCREVEU ou PSICOGRAFOU A BÍBLIA, pessoas escreveram!

    Colaborou, Oiced Mocam
    consultorcomercial@gmail.com

    Fonte de isnpiração, para conhecer mais revelações inéditas sobre as contradições da Bíblia, leia o livro best-seller, “Quem Jesus foi? Quem Jesus não foi?” (Ediouro)

    Thumb up 11
    • REPETINDO:

      A CONFIABILIDADE HISTÓRICA DOS EVANGELHOS

      E o que dizer sobre o Evangelho de João? Ora, João era um dos 12 e era um dos três apóstolos mais íntimos de Jesus. “O mais interessante é que o evangelho de João é o único sobre o qual paira uma certa dúvida quanto à autoria. (…) Não há dúvida quanto ao nome do autor: era João mesmo. A questão é que não se sabe se foi João, o apóstolo, ou se foi outro. Segundo o testemunho de um escritor cristão chamado Pápias , em aproximadamente 125 d.C., havia João, o apóstolo, e João, o ancião, mas o contexto não deixa claro se ele se referia a uma única pessoa de duas perspectivas distintas ou a pessoas diferentes. Fora essa exceção, todos os demais testemunhos afirmam unanimemente que foi João, o apóstolo, o filho de Zebedeu, quem escreveu o evangelho.”

      É importante notar que os Evangelhos na verdade são anônimos. Ora, se assim são, como é que lhes foi atribuída alguma autoria? A autoria dos Evangelhos foi transmitida ao longo do tempo através da Tradição da Igreja Católica. São testemunhos tão antigos, que remontam o tempo em que ainda estavam vivas pessoas que conheceram os Evangelistas, ou apóstolos. Qual é a importância disto? Ora, se fosse a autoria dos Evangelhos fosse falsamente atribuída a Mateus, Marcos, Lucas e João, as pessoas que viveram entre eles contestariam tal coisa. No entanto, não há qualquer registro sobre tal fato, pelo contrário, autoria dos Evangelhos nunca foi questão de disputa entre os primeiros cristãos.

      O testemunho mais antigo e portanto o mais significativo é do Pápias. Vejamos:

      Sobre o Evangelho de Mateus: “Mateus reuniu, de forma ordenada, na língua hebraica, as sentenças [de Jesus] e cada um as interpretava conforme sua capacidade”. (Pápias de Hierápolis, Fragmentos. Séc. II).

      Sobre o Evangelho de Marcos: “O presbítero também dizia o seguinte: ‘Marcos, intérprete de Pedro, fielmente escreveu – embora de forma desordenada – tudo o que recordava sobre as palavras e atos do Senhor. De fato, ele não tinha escutado o Senhor, nem o seguido. Mas, como já dissemos, mais tarde seguiu a Pedro, que o instruía conforme o necessário, mas não compondo um relato ordenado das sentenças do Senhor. Portanto, Marcos em momento algum errou ao escrever as coisas conforme recordava. Sua preocupação era apenas uma: não omitir nada do que havia ouvido, nem falsificar o que transmitia’”. (Pápias de Hierápolis, Fragmentos. Séc. II).

      Santo Ireneu de Lião, no final do séc II também pôe por escrito o testemunho dos antigos quanto à autoria dos Evangelhos:

      “Mateus, no entanto, publicou entre os hebreus em sua própria língua um Evangelho escrito, enquanto Pedro e Paulo anunciavam a boa nova em Roma e lançavam os fundamentos da Igreja. Mas, após a morte deles, Marcos, discípulo e intérprete de Pedro, transmitiu-nos por escrito igualmente o que Pedro pregara. Lucas, porém, companheiro de Paulo, deixou num livro o Evangelho pregado por este último. Enfim, João, o discípulo que reclinou sobre o peito do Senhor [cf. Jô 13,25. 21,20], publicou também ele um evangelho, enquanto residia em Éfeso, na Ásia” (Contra as Heresias, séc II)

      Portanto temos aqui o testemunho de Pápias (que foi discípulo pessoal de São João e companheiro de São Policarpo outro discípulo pessoal de São João) e de Santo Ireneu, que fora discípulo pessoal de São Policarpo. Os estudiosos consideram seus testemunhos muito confiáveis devido à proximidade que possuíam com a era apostólica.

      As datas estabelecidas no meio acadêmico, mesmo nos círculos mais liberais, situam Marcos nos anos da década de 70, Mateus e Lucas na década de 80, e João na década de 90 (2). Há estudiosos como o já mencionado Dr. Craig Blomberg que defendem uma data mais recente para os Evangelhos. Segundo ele: “Atos termina, aparentemente, sem um conclusão. Paulo é a personagem principal do livro, e se encontra preso em Roma. É assim, abruptamente, que o livro acaba. O que acontece com Paulo? Atos não nos diz, provavelmente porque o livro foi escrito antes da morte dele. (…) Isso significa que o livro de Atos não pode ser posterior a 62. d.C. Assim, podemos recuar a partir desse ponto. Uma vez que Atos é o segundo tomo de um volume duplo, sabemos que o primeiro tomo – o evangelho de Lucas – deve ter sido escrito antes dessa data. E ja que Lucas inclui parte do evangelho de Marcos, isto significa que Marcos é ainda mais antigo. Se trabalharmos com a margem aproximada de um ano para cada um, chegaremos à conclusão de que Marcus foi escrito por volta de 60 d.C., talvez até mesmo em fins da década de 50. Se Jesus foi morto em 30 ou 33 d.C., temos aí um intervalo de, no máximo, 30 anos aproximadamente.”

      Nestas datas ainda viviam testemunhas oculares da vida de Jesus, tanto aquelas que gostavam Dele, quanto àquelas que lhe foram hostis. E estas últimas serviriam de parâmetro de contestação caso houvesse nos Evangelhos algo estranho à vida de Jesus. Pouca gente sabe mas as duas biografias mais antigas sobre Alexandre, o Grande, foram escritas por Ariano e Plutarco depois de mais de 400 anos de sua morte, ocorrida em 323 a. C. E no entanto, os historiadores as consideram muito confiáveis. Se compararmos estes dados com as datas aceitas pela Academia em relação aos Evangelhos, podemos afirmar que os Evangelhos são notícia de última hora.

      Neste intervalo de 30, ou -no pior das hipóteses- 40 anos entre os acontecimentos e a redação dos Evangelhos, será que foi possível o surgimento de lendas acerca de Jesus? Novamente retomando o caso de Alexandre, o Grande, todo material considerado lendário sobre ele só apareceu após as duas biografias antes mencionadas. Isso significa que por 500 anos a história de Alexandre ficou intacta.

      Podemos ainda comparar os Evangelhos com outras literaturas.

      Por exemplo, embora as Gathas de Zoroastro, que datam de 1000 a.C. sejam consideradas autênticas pela maioria dos estudiosos, grande parte de suas escrituras do zoroatrismo só foram postas por escrito no séc. III d.C. A biografia pársi mais popular de Zoroastro foi escrita em 1278 d.C. Buda que viveu no séc VI a.C., só teve sua doutrina e vida registrados no séc. I d.C. E ainda, as palavras de Mamoé foram registradas no Alcorão entre 570 e 632 d.C., mas sua biografia só foi escrita em 767, mais de um séc. depois de sua morte. Não é sem motivo que diante destas informações da Academia, o Dr. Edwin M. Yamauchi (um dos mais conceituados especialistas sobre história antiga da atualidade) declara: “O fato é que temos uma documentação histórica de melhor qualidade sobre Jesus do que sobre o fundador de qualquer outra religião.” (4).

      Há ainda aqueles que afirmam que os evangelistas fantasiaram os relatos sobre a vida de Jesus fazendo empréstimos de lendas. Por exemplo, acusam os evangelistas de basearem os milagres e ressurreição de Jesus na biografia do fabuloso Apolônio. Segundo esta biografia, Apolônio de Tiana, foi um homem que viveu no séc. I, que teria curado pessoas e exorcizado demônios, ressuscitado uma jovem dentre os mortos, e ainda que teria aparecido a alguns de seus seguidores depois de ter morrido. Impressionante não a semelhança com Jesus não?

      Filostrato redigiu a biografia de Apolônio a mais de um século e meio depois da sua morte, enquanto os Evangelhos foram escritos por pessoas contemporâneas de Jesus, e num intervalo de tempo pelo menos 3 vezes menor. Os relatos sobre os milagres de Jesus e sua ressurreição são corroborados por diversas fontes como os escritos do Apóstolo Paulo (que datam entre 35 a 40 d.C, por tanto anteriores aos Evangelhos), Flávio Josefo (historiador Judeu do séc. I) , o Talmude (obra que compila toda a doutrina judaica, não nega os milagres de Jesus, no entanto atribuía tais práticas à magia.) entre outros. No caso de Apolônio, nenhuma outra fonte corrobora seus relatos.

      FONTE: http://www.veritatis.com.br/apologetica/106-biblia-tradicao-magisterio/591-a-confiabilidade-historica-dos-evangelhos

      Thumb up 4
  19. “O OUTRO LADO DA MOEDA”:

    A CONFIABILIDADE HISTÓRICA DOS EVANGELHOS

    Os 4 Evangelhos são comumente conhecidos como autoria de Mateus, Marcos, Lucas e João. Mas será que alguém não teria algum motivo para mentir e atribuir a autoria dos Evangelhos àquelas pessoas, quando na verdade não o fizeram? Na opinião do estudioso Craig L. Blomberg (1) isso é pouquíssimo provável por se tratar de pessoas bem singulares. “Marcos e Lucas nem sequer pertenciam ao grupo dos 12. Mateus sim, mas era odiado porque fora coletor de impostos; portanto, depois de Judas Iscariotes (que traiu Jesus!), seria ele a figura mais abominável. Compare isso com o que aconteceu quando os fantasiosos evangelhos apócrifos foram escritos muito tempo depois. As pessoas atribuíram sua autoria a personagens conhecidos e exemplares: Filipe, Pedro, Maria Madalena e Tiago. Esses nomes tinham muito mais prestígio que os de Mateus, Marcos e Lucas. (…) não haveria por que conferir a autoria a esses três indivíduos menos respeitáveis se não fossem de fato os verdadeiros autores.”

    E o que dizer sobre o Evangelho de João? Ora, João era um dos 12 e era um dos três apóstolos mais íntimos de Jesus. “O mais interessante é que o evangelho de João é o único sobre o qual paira uma certa dúvida quanto à autoria. (…) Não há dúvida quanto ao nome do autor: era João mesmo. A questão é que não se sabe se foi João, o apóstolo, ou se foi outro. Segundo o testemunho de um escritor cristão chamado Pápias , em aproximadamente 125 d.C., havia João, o apóstolo, e João, o ancião, mas o contexto não deixa claro se ele se referia a uma única pessoa de duas perspectivas distintas ou a pessoas diferentes. Fora essa exceção, todos os demais testemunhos afirmam unanimemente que foi João, o apóstolo, o filho de Zebedeu, quem escreveu o evangelho.”

    É importante notar que os Evangelhos na verdade são anônimos. Ora, se assim são, como é que lhes foi atribuída alguma autoria? A autoria dos Evangelhos foi transmitida ao longo do tempo através da Tradição da Igreja Católica. São testemunhos tão antigos, que remontam o tempo em que ainda estavam vivas pessoas que conheceram os Evangelistas, ou apóstolos. Qual é a importância disto? Ora, se fosse a autoria dos Evangelhos fosse falsamente atribuída a Mateus, Marcos, Lucas e João, as pessoas que viveram entre eles contestariam tal coisa. No entanto, não há qualquer registro sobre tal fato, pelo contrário, autoria dos Evangelhos nunca foi questão de disputa entre os primeiros cristãos.

    O testemunho mais antigo e portanto o mais significativo é do Pápias. Vejamos:

    Sobre o Evangelho de Mateus: “Mateus reuniu, de forma ordenada, na língua hebraica, as sentenças [de Jesus] e cada um as interpretava conforme sua capacidade”. (Pápias de Hierápolis, Fragmentos. Séc. II).

    Sobre o Evangelho de Marcos: “O presbítero também dizia o seguinte: ‘Marcos, intérprete de Pedro, fielmente escreveu – embora de forma desordenada – tudo o que recordava sobre as palavras e atos do Senhor. De fato, ele não tinha escutado o Senhor, nem o seguido. Mas, como já dissemos, mais tarde seguiu a Pedro, que o instruía conforme o necessário, mas não compondo um relato ordenado das sentenças do Senhor. Portanto, Marcos em momento algum errou ao escrever as coisas conforme recordava. Sua preocupação era apenas uma: não omitir nada do que havia ouvido, nem falsificar o que transmitia’”. (Pápias de Hierápolis, Fragmentos. Séc. II).

    Santo Ireneu de Lião, no final do séc II também pôe por escrito o testemunho dos antigos quanto à autoria dos Evangelhos:

    “Mateus, no entanto, publicou entre os hebreus em sua própria língua um Evangelho escrito, enquanto Pedro e Paulo anunciavam a boa nova em Roma e lançavam os fundamentos da Igreja. Mas, após a morte deles, Marcos, discípulo e intérprete de Pedro, transmitiu-nos por escrito igualmente o que Pedro pregara. Lucas, porém, companheiro de Paulo, deixou num livro o Evangelho pregado por este último. Enfim, João, o discípulo que reclinou sobre o peito do Senhor [cf. Jô 13,25. 21,20], publicou também ele um evangelho, enquanto residia em Éfeso, na Ásia” (Contra as Heresias, séc II)

    Portanto temos aqui o testemunho de Pápias (que foi discípulo pessoal de São João e companheiro de São Policarpo outro discípulo pessoal de São João) e de Santo Ireneu, que fora discípulo pessoal de São Policarpo. Os estudiosos consideram seus testemunhos muito confiáveis devido à proximidade que possuíam com a era apostólica.

    As datas estabelecidas no meio acadêmico, mesmo nos círculos mais liberais, situam Marcos nos anos da década de 70, Mateus e Lucas na década de 80, e João na década de 90 (2). Há estudiosos como o já mencionado Dr. Craig Blomberg que defendem uma data mais recente para os Evangelhos. Segundo ele: “Atos termina, aparentemente, sem um conclusão. Paulo é a personagem principal do livro, e se encontra preso em Roma. É assim, abruptamente, que o livro acaba. O que acontece com Paulo? Atos não nos diz, provavelmente porque o livro foi escrito antes da morte dele. (…) Isso significa que o livro de Atos não pode ser posterior a 62. d.C. Assim, podemos recuar a partir desse ponto. Uma vez que Atos é o segundo tomo de um volume duplo, sabemos que o primeiro tomo – o evangelho de Lucas – deve ter sido escrito antes dessa data. E ja que Lucas inclui parte do evangelho de Marcos, isto significa que Marcos é ainda mais antigo. Se trabalharmos com a margem aproximada de um ano para cada um, chegaremos à conclusão de que Marcus foi escrito por volta de 60 d.C., talvez até mesmo em fins da década de 50. Se Jesus foi morto em 30 ou 33 d.C., temos aí um intervalo de, no máximo, 30 anos aproximadamente.”

    Nestas datas ainda viviam testemunhas oculares da vida de Jesus, tanto aquelas que gostavam Dele, quanto àquelas que lhe foram hostis. E estas últimas serviriam de parâmetro de contestação caso houvesse nos Evangelhos algo estranho à vida de Jesus. Pouca gente sabe mas as duas biografias mais antigas sobre Alexandre, o Grande, foram escritas por Ariano e Plutarco depois de mais de 400 anos de sua morte, ocorrida em 323 a. C. E no entanto, os historiadores as consideram muito confiáveis. Se compararmos estes dados com as datas aceitas pela Academia em relação aos Evangelhos, podemos afirmar que os Evangelhos são notícia de última hora.

    Neste intervalo de 30, ou -no pior das hipóteses- 40 anos entre os acontecimentos e a redação dos Evangelhos, será que foi possível o surgimento de lendas acerca de Jesus? Novamente retomando o caso de Alexandre, o Grande, todo material considerado lendário sobre ele só apareceu após as duas biografias antes mencionadas. Isso significa que por 500 anos a história de Alexandre ficou intacta.

    Podemos ainda comparar os Evangelhos com outras literaturas. Por exemplo, embora as Gathas de Zoroastro, que datam de 1000 a.C. sejam consideradas autênticas pela maioria dos estudiosos, grande parte de suas escrituras do zoroatrismo só foram postas por escrito no séc. III d.C. A biografia pársi mais popular de Zoroastro foi escrita em 1278 d.C. Buda que viveu no séc VI a.C., só teve sua doutrina e vida registrados no séc. I d.C. E ainda, as palavras de Mamoé foram registradas no Alcorão entre 570 e 632 d.C., mas sua biografia só foi escrita em 767, mais de um séc. depois de sua morte. Não é sem motivo que diante destas informações da Academia, o Dr. Edwin M. Yamauchi (um dos mais conceituados especialistas sobre história antiga da atualidade) declara: “O fato é que temos uma documentação histórica de melhor qualidade sobre Jesus do que sobre o fundador de qualquer outra religião.” (4).

    Há ainda aqueles que afirmam que os evangelistas fantasiaram os relatos sobre a vida de Jesus fazendo empréstimos de lendas. Por exemplo, acusam os evangelistas de basearem os milagres e ressurreição de Jesus na biografia do fabuloso Apolônio. Segundo esta biografia, Apolônio de Tiana, foi um homem que viveu no séc. I, que teria curado pessoas e exorcizado demônios, ressuscitado uma jovem dentre os mortos, e ainda que teria aparecido a alguns de seus seguidores depois de ter morrido. Impressionante não a semelhança com Jesus não?

    Filostrato redigiu a biografia de Apolônio a mais de um século e meio depois da sua morte, enquanto os Evangelhos foram escritos por pessoas contemporâneas de Jesus, e num intervalo de tempo pelo menos 3 vezes menor. Os relatos sobre os milagres de Jesus e sua ressurreição são corroborados por diversas fontes como os escritos do Apóstolo Paulo (que datam entre 35 a 40 d.C, por tanto anteriores aos Evangelhos), Flávio Josefo (historiador Judeu do séc. I) , o Talmude (obra que compila toda a doutrina judaica, não nega os milagres de Jesus, no entanto atribuía tais práticas à magia.) entre outros. No caso de Apolônio, nenhuma outra fonte corrobora seus relatos.

    FONTE: http://www.veritatis.com.br/apologetica/106-biblia-tradicao-magisterio/591-a-confiabilidade-historica-dos-evangelhos

    Thumb up 9
  20. Sinceramente fico surpreso com vossas paciências!
    Pelo que percebo, somente as fonte do Oiced são verdadeiras!
    Seus estudiosos não cometem erros e fraudes… Sendo absolutos seus tratados!
    Elas(fontes) não receberam influência de suas épocas.
    Que império levantaria questão contra si?

    Por qual motivo esses historiadores não acusaram o Cristianismo de farsas… Mesmo que fosse revelada após suas mortes?
    Todos escritos sofreram influências e Jamais podem ser colocados como verdades absolutas!
    Toda história têm sua dose de pretensão!

    O que me chama atenção é razão do “Existencialismo”, de como seu deu, etc e tal!
    Alguém encarrega de responder sem rodeios?

    Pelo que vejo Oiced, seus estudos também é uma questão fé (acreditar em história).
    Que também reservou seu restante de vida para apresentar que “Cristo é mesmo uma invenção de homens” e isso é suficiente para explicar que não existe arquiteto, Design e tal. Apesar de narrar como acreditasse nelas.
    …Morrerá dizendo isso, e pior, chegando do outro lado; levantará a questão de aquilo não ser verdade ou que esteja evidenciando ser alguma forma de morte irreal… E que a morte é um pesadelo eterno!

    Como sou flexível,acredito que, Se somos meramente átomos; esse mundo é mesmo confuso e por isso não é digno de uma explicação lógica e nem mesmo pode conceber uma… Parecendo que o Cosmo se diverte a nossas custa!

    Igualmente, coloco em dúvida esse Universo gastar tanto tempo nessa obra fabulosa(tornando-nos “átomos falantes”) afim de mais tarde retornarmos ser átomos fragmentados!
    Considerando de forma sádica, sermos simplesmente objetos de diversão do próprio Cosmo!
    Será que nossos intelectos pode enxergar o mundo como realmente é?

    É muita pretensão de meros mortais tentar decifrar um enigma de 13,77777777777777777…. Bilhões de anos! (considerando ser sua real idade).

    Meu caros colegas, entenda que há mais mistérios no céu que suponha nossa filosofia …de homens que acabara de sair das cavernas ou deixara de comer brotos e bananas!

    (“Então o homem passou ser como um de nós, conhecedor do bem do mal…”)

    Entenda também que é tão tolo aquele que acredita em tudo como aquele que não acredita em nada!

    Não vejo outra explicação que não seja dizer que “esse galinheiro tem dono!”
    No fundo, no fundo não sabemos nada!

    Thumb up 14
  21. Oiced,

    Isso tudo o que você disse também tem muita especulação. Pode até ser que alguns livros não foram escritos por tais autores (como se sabe dos evangelhos apócrifos, que foram escritos bem depois da morte de seus supostos autores), já que era prática comum na antiguidade usar nomes de pessoas importantes em títulos de livros.

    Mesmo assim, já que você considera as epístolas de Paulo como autênticas, então, tem que reconhecer a existência do seu autor e também do seu testemunho, que confirma os evangelhos.

    Pelo jeito, você ainda acredita no pseudo-documentário Zeitgeist e suas variações. Esse negócio de tentar dizer que Jesus é um mistura de deuses mitológicos e agora até Javé ser mistura de deuses de Canaã, também não passa de pura especulação sem sentido; já que a própria Bíblia condena o culto a Baal e a todos os deuses pagãos.

    Basta ler a história de tais deuses mitológicos (como Ísis, Horus, Osíris, Seth, Baal, Mitra, etc.) para ver o quanto são fantasiosos e mudam de acordo com o tempo e o lugar onde são cultuados, ao contrário do Deus bíblico. Compare a história do Antigo Testamento com a Epopeia de Gilgamesh para ver a diferença.

    Se até sobre a Segunda Guerra Mundial (onde há vários filmes e documentos históricos) ainda há controvérsias e tem quem negue o próprio HOLOCAUSTO, imagina sobre fatos ocorridos há milhares de anos atrás!? Cada um especula o que quiser!

    Querer negar o ÊXODO (cuja passagem os judeus comemoram até hoje na páscoa judaica, com pão ázimo e ervas amargas) é o mesmo que negar o HOLOCAUSTO.

    Thumb up 6
  22. A BÍBLIA NÃO É UM LIVRO DE INSPIRAÇÃO DIVINA !!!

    A Bíblia está repleta de discrepâncias e contradições, muitas delas contradições inconciliáveis. MOISÉS não escreveu o Pentateuco (OS CINCO PRIMEIROS LIVROS DO Antigo Testamento). E Mateus, Marcos, Lucas e João não escreveram os Evangelhos. Há outros livros que não fazem par da Bíblia, mas em que um momento ou outro foram considerados canônicos – outros por exemplo, supostamente escritos por seguidores de Jesus, como Pedro, Tomé e Maria. O ÊXODO PROVAVELMENTE NÃO ACONTECEU COMO DESCRITO no Antigo Testamento. A CONQUISTA DA TERRA PROMETIDA PROVAVELMENTE É BASEADA EM UMA LENDA.

    E o que pensar, quando lemos na Bíblia: “Feliz de quem agarrar e esmagar teus bebês (babilônios) contra a rocha! “. ESMAGAR OS MIOLOS DE BEBÊS babilônios para se vingar do que seus pais soldados fizeram? ISSO ESTÁ NA BÍBLIA? Isso é inspiração divina? é digno de um Deus bíblico?

    E o que pensar de 1 Timóteo 2:11-5, 1 Coríntios 14:35-36(, falsificado em nome de Paulo por alguém que viveu depois e que se opunha com tal veemência a que a mulher participasse ativamente da Igreja. Que ordenou que ela ficasse calada e não “ensine ou domine o Homem”. ISSO É ÓTIMO -

    AS MULHERES DEVEM SER CALADAS, SUBMISSAS e GRÁVIDAS. Não é exatamente uma visão liberal e FEZ MUITO MAL AO MUNDO AO LONGO DOS ANOS. E bem atual ainda no mundo islâmico. Outras idiotices e crueldades inventadas pelo religioso também são fáceis de identificar. E não vejo a mão de nenhum Deus, por trás de tudo. Isso não foi obra de intervenção divina. Foi o resultado de simples mortais (todos eles homens), fazendo de tudo para decidir o que era certo ou errado. DEUS NÃO ESCREVEU A BÍBLIA, pessoas escreveram.

    Os Evangelhos se contradizem em muitos e incluem material não histórico. É DIFÍCIL SABER SE MOISÉS UM DIA EXISTIU OU O QUE EXATAMENTE O JESUS DISSE e FEZ. As narrativa históricas do Antigo Testamento estão REPLETAS DE INVENÇÕES LENDÁRIAS . O livro de Atos dos Apostólos do Novo Testamento contém informação histórica não confiável sobre a vida e a pregação de Paulo.

    Muitos dos livros do Novo Testamento são assinados por pseudônimos – escritos não pelos apóstolos, mas por autores posteriores “alegando” serem os apóstolos. E A LISTA CONTINUA.

    Mas Deus (hipótese) permitiu falsidade e inconsistências em seu livro dito sagrado? Se Deus queria que tivéssemos suas palavras, por que não as preservou?

    Com cada vez mais evidências sobre as discrepâncias (genealogia, do nascimento a vida e relatos sobre Jesus…), muitos descobrem que sua fé na inequivocidade e na absoluta fidelidade histórica da Bíblia começa a fraquejar. O relato da ressurreição de Jesus no Evangelho de Marcos só foi acrescentado muitos anos depois. Simplesmente há evidências demais, e conciliar todas as centenas de diferenças entre as fontes bíblicas demanda tanta especulação e tamanhas complexas artimanhas interpretativas que isso acaba sendo demais para eles. NÃO HAVENDO TESTEMUNHAS CONFIÁVEIS ou consistentes no período do tempo necessário para atestar alegação tão extraordinária , finalmente podemos dizer que temos o direito, quando não a obrigação, de nos respeitarmos, o suficiente para desacreditar da coisa toda. Ou seja, a não ser que , ou até que, sejam apresentadas provas superiores, o que não aconteceu. E alegações excepcionais demandam provas excepcionais.

    No Novo Testamento, o autor de Mateus não está dizendo a mesma coisa que Lucas. Marcos é diferente de João. Paulo pode não se entender com Tiago. Quando são oferecidas duas explicações, é preciso descartar aquela que explica menos, explica nada ou que produz mais perguntas que respostas. O autor do Apocalipse parece ser diferente de todos os outros.

    E quando se joga o Antigo Testamento nessa mistura, AS COISAS FICAM MUITO CONFUSAS.

    Os autores de Jó AFIRMAM explicitamente QUE NÃO HÁ VIDA APÓS A MORTE .

    Durante muito tempo houve um debate acalorado sobre quais os “Evangelhos” deveriam ser considerados divinamente inspirados. Alguns defendiam esses, e alguns , outros, e muitas vidas se perderam de forma horrível em função disso. Ninguém se deu ao trabalho de dizer que todos foram escritos pelo homem muito depois do suposto drama ter terminado. Este é um dos melhores argumentos para a altamente questionável existência de Jesus. Discípulos sobreviventes analfabetos não nos deixaram qualquer registro, e de qualquer forma nunca poderiam ter sido “cristãos”, já que nunca iriam ler esses livros posteriores em que os cristãos , precisam afirmar a crença, e de qualquer forma não teriam qualquer ideia de alguém iria um dia fundar uma igreja com base nos pronunciamentos do seu mestre. Também não há só uma palavra em qualquer dos Evangelhos posteriormente montados que indique que Jesus queria ser o fundador de uma Igreja. Religião é criação é criação do homem e os Evangelhos são a prova disso.

    Ou os Evangelhos são de certa forma essencialmente verdade, ou toda a coisa é fundamentalmente uma fraude e talvez uma FRAUDE MORAL. Bem, pode ser afirmado com certeza, que os Evangelhos quase certamente NÃO SÃO VERDADE LITERAL. Isso significa que muitos dos “ditos” e ensinamentos de Jesus são ouvir dizer em cima de ouvir dizer. A disse a B, que ouviu de C, que aprendeu com D. O que ajuda a explicar a sua natureza truncada e contraditória.

    Alguns se recusam a ouvir – É QUASE COMO SE TAPASSEM OS OUVIDOS E CANTAROLASSEM ALTO PARA NÃO TER DE ESCUTAR NADA QUE OS FAÇA DUVIDAR DE SUAS ESTIMADAS CRENÇAS SOBRE A Bíblia e os mitos da caverna

    Outros estão ansiosos por se libertar inteiramente dos limites da igreja e da religião, devorando as informações que dou como se isso fosse uma licença para desacreditar. Mas a maioria das pessoas nas ruas e nos bancos das igrejas nunca ouviu isto antes. Isto é uma vergonha, e chegou o momento de fazer algo para resolver esse problema.

    Assim, portanto, deixemos os defensores e partidários da religião confiarem apenas na fé, e que eles sejam corajosos o bastante para admitir que é isso o que estão fazendo.

    “Conhece a si mesmo”, disseram os gregos, gentilmente sugerindo os consolos da filosofia.

    De “brinde” com um pequeno incentivo para conscientizar e se livrar de vez do vício da religião, de qualquer crença em um Deus sobrenatural-superpoderoso que existiu, exista ou ainda venha a ser inventado. Com a entrevista de SAM HARRIS, em:

    http://veja.abril.com.br/261207/p_084.shtml

    e o vídeo de DANIEL DENNETT

    http://personalogia.wordpress.com/2011/05/01/daniel-dennett-fofo-sensual-doce-e-engracado/

    Oiced Mocam,
    colaborou sobre as confusões mentais acerca de Deus e seu apego a um Deus imaginário. E, talvez, com um pouquinho de esperança.

    Thumb up 11
    • Oiced,

      isso tudo que você disse por acaso é prova de que Deus não existe ou de que Jesus não existiu, fez milagres e ressuscitou?

      Se existe tais relatos na Bíblia (muitas vezes constrangedores ao povo hebreu, a Cristo e ao próprio Deus) é só mais uma prova de que a Bíblia não é um mero “conto de fadas” feito para enaltecer um povo ou os feitos de um deus mitológico. Aliás, a veracidade da inspiração divina da Bíblia se comprova pelas suas profecias cumpridas e não por algumas supostas contradições; muitas delas realizadas na pessoa de Jesus Cristo.

      Basta ver o artigo da Wikipedia sobre ‘Cristo’ que mostra dezenas de passagens do Antigo Testamento (escritas séculos antes do nascimento de Cristo) que se cumpriram na pessoa de Cristo, inclusive: que ele nasceria de uma virgem, falaria em parábolas, faria milagres, seria rejeitado e traído por trinta moedas de prata, seria acusado injustamente, seria rejeitado e ferido por nossas iniquidades, seria cuspido e esbofeteado, teria os pés e mãos transpassados, oraria pelos inimigos,lançariam sorte para repartir suas vestes, o fariam beber vinagre, não teria os ossos quebrados, um rico o sepultaria, ressuscitaria no terceiro dia, etc., etc., etc.

      Não podemos comparar a sociedade da nossa época com o contexto daquela época. Mesmo assim, tanto a religião judaica como a religião cristã era muito mais coerente, culta, sábia, justa, misericordiosa e avançada do que as outras religiões pagãs da época. Enquanto o cristianismo aboliu o sacrifício de animais que havia no judaísmo, muitas religiões pagãs sacrificavam crianças e até mesmo seus próprios filhos!

      Vocês céticos, às vezes, se parecem mais com um crítico invejoso diante da obra prima de um grande artista; que, em vez de apreciar a beleza total da obra e o talento do autor, fica procurando defeitos em alguns pequenos detalhes.

      Mas não se engane:

      Deus é bom, mas não é bobo!

      A misericórdia de Deus é infinita, mas sua justiça não é menor!

      O Deus do Novo Testamento é o mesmo Deus do Antigo Testamento.

      Se, na sua primeira vinda, Jesus veio na humildade e na misericórdia para nos salvar a todos; na sua segunda vinda, ele virá na glória e na justiça como terrível juiz para nos julgar a todos!

      A própria Bíblia ensina que o princípio da sabedoria é o temor a Deus.

      A quem você, infelizmente, parece não ter o menor temor!

      Thumb up 3
  23. Oiced

    Sobre Constantino (que só se batizou cristão no fim de sua vida), temos que ver qual era o contexto da época e o que é fato comprovado ou não. O que importa para os cristãos é que ele, através do Edito de Milão, acabou com três séculos de perseguição e extermínio de cristãos pelo Império Romano.

    E se os homens fizeram tantas barbaridades em nome de Deus, a história mostrou que são capazes de fazer atrocidades bem piores quando deixam de acreditar e sequer temer a Deus e um juízo eterno. E muito dessas tragédias (como a do flagelo do Comunismo) se deveu à influência desses pensadores laicistas dos últimos séculos.

    Diferentemente dessas estorinhas de conversão de ateus que vemos na internet; essa do arrependimento de Voltaire foi feita por um catedrático de filosofia, Carlos Valverde, baseado numa declaração publicada em uma antiga revista laicista de Filosofia da época; declaração essa assinada pelo próprio Voltaire e outras testemunhas. Como mostra o próprio artigo da WIKIPEDIA sobre VOLTAIRE:

    “…

    As ideias presentes nos escritos de Voltaire estruturam uma teoria coerente, mas por vezes contraditória, que em muitos aspectos expressa a perspectiva do Iluminismo.

    Defendia a submissão ao domínio da lei, baseava-se em sua convicção de que o poder devia ser exercido de maneira liberal e racional, sem levar em conta as tradições.

    Por ter convivido com a liberdade inglesa, não acreditava que um governo e um Estado liberais, tolerantes fossem utópicos. Não era um democrata, e acreditava que as pessoas comuns estavam curvadas ao fanatismo e à superstição. Para ele, a sociedade deveria ser reformada mediante o progresso da razão e o incentivo à ciência e tecnologia. Assim, Voltaire transformou-se num perseguidor ácido dos dogmas, sobretudo os da Igreja Católica, que afirmava contradizer a ciência, no entanto, muitos dos cientistas de seu tempo eram padres jesuítas.

    Sobre essa postura, o CATEDRÁTICO DE FILOSOFIA Carlos Valverde escreve um surpreendente artigo, no qual documenta uma suposta mudança de comportamento do filósofo francês em relação à fé cristã, registrada no tomo XII da FAMOSA REVISTA francesa Correpondance Littérairer, Philosophique et Critique (1753-1793). Tal texto traz, no número de abril de 1778, páginas 87-88, o seguinte RELATO literal de Voltaire:

    ‘Eu, o que escreve, declaro que havendo sofrido um vômito de sangue faz quatro dias, na idade de oitenta e quatro anos e não havendo podido ir à igreja, o pároco de São Suplício quis de bom grado me enviar a M. Gautier, sacerdote. Eu me confessei com ele, se Deus me perdoava, morro na Santa Religião Católica em que nasci esperando a misericórdia divina que se dignará a perdoar todas minhas faltas, e que se tenho escandalizado a Igreja, peço perdão a Deus e a ela. Assinado: Voltaire, 2 de março de 1778 na casa do marqués de Villete, na presença do senhor abade Mignot, meu sobrinho e do senhor marqués de Villevielle. Meu amigo.’

    Este relato foi reconhecido como AUTÊNTICO por alguns, pois seria confirmado por OUTROS documentos que se encontram no número de junho da mesma revista, esta de CUNHO LAICO, decerto, uma vez que EDITADA por Grimm, Diderot e outros enciclopedistas. Já outros questionam a necessidade de alguém que já acredita em Deus ter que se converter a uma religião específica, como o catolicismo. No caso de Voltaire não teria ocorrido reconversão.

    Voltaire morreu em 30 de maio de 1778. A revista lhe exalta como ‘o maior, o mais ilustre e talvez o único monumento desta época gloriosa em que todos os talentos, todas as artes do espírito humano pareciam haver se elevado ao mais alto grau de sua perfeição’.

    A família quis que seus restos repousassem na abadia de Scellieres. Em 2 de junho, o bispo de Troyes, em uma breve nota, proíbe severamente ao prior da abadia que enterre no Sagrado o corpo de Voltaire. Mas no dia seguinte, o prior responde ao bispo que seu aviso chegara tarde, porque – efetivamente – o corpo do filósofo já tinha sido enterrado na abadia. Livros históricos afirmam que ele tentou DESTRUIR a IGREJA a favor da MAÇONARIA.

    A Revolução trouxe em triunfo os restos de Voltaire ao Panteão de Paris – antiga igreja de Santa Genoveva – , dedicada aos grandes homens. Na escura cripta, frente a de seu inimigo Rousseau, permanece até hoje a tumba de Voltaire com este epitáfio:

    ‘Aos louros de Voltaire. A Assembléia Nacional decretou em 30 de maio de 1791 que havia merecido as honras dadas aos grandes homens’.

    … “.

    FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Voltaire

    QUEM SERÁ QUE ESTÁ MENTINDO?

    Thumb up 4
  24. Prezado FLAMARION/ Evaldo,

    Perguntou: Quando os cristãos passaram a adotar
    o dogma da ressurreiçao da carne em lugar da reencarnação do espírito ?

    Cometário de Oiced:

    - ” Com o passar do tempo, a noção apocalíptica de ressureição do corpo é transformada na doutrina da imortalidade da alma. O que surge é a crença em céu e inferno, uma crença não encontrada nos ensinamentos de Jesus ou Paulo, mas inventada tempos depois por cristãos que se deram conta de que o Reino de Deus nunca seria implantado nesta Terra.
    Essa crença se tornou um ensinamento básico cristão, o mundo sem fim. Paulo não foi o único responsável por esse conjunto de inovações teológicas, essas invenções do que consideramos cristianismo… em termos de significado histórico e cultural, pode ser considerado a maior invenção da história da civilização ocidental”. (pág. 286-288- Quem Jesus foi? Quem Jesus não foi? )

    No Livro, “O PROBLEMA COM DEUS” também de BART D. ERHMAN (pág.226)

    “…os cristãos depois desenvolveram detalhadamente a DOUTRINA DO CÉU e do INFERNO como os locais para onde as almas individuais vão quando morrem. Esse ensinamento não é muito encontrado na Bíblia. A maioria dos autores da Bíblia hebraica, quando acreditava em vida após a morte, pensava que a vida a pós a morte envolvia uma existência indistinta no Xeol para todos os seres humanos, fossem eles iníquos ou justos. A maioria dos autores do Novo Testamento achava que a vida após a morte envolvia uma existência ressuscitada na Terra quando da chegada do Reino de Deus. As noções cristãs de céu e inferno refletem o desenvolvimento dessa idéia de ressureição, mas é uma ideia transformada – transformada por causa da expectativa apocalíptica frustrada de Jesus e seus primeiros seguidores .”

    Evaldo, para uma compreensão melhor sobre essa sua pergunta e mais ampla interpretação, sugiro a leitura dos dois livros acima. O autor de mais de 20 livros, autoridade nos estudos da origem do Cristianismo e da vida de Jesus. Leituras que motiva pessoas, sejam elas de fé ou não – a enfrentar suas perguntas mais profundas sobre, se Deus se ocupa do mundo e de cada um de nós.

    Thumb up 4
    • Oiced e Flamarion,

      Diferentemente de outras igrejas cristãs que, às vezes, interpretam literalmente algumas passagens da bíblia, a Igreja Católica sempre interpreta a bíblia no todo. Pois, ela acredita que não se pode considerar apenas umas passagens bíblicas e ignorar outras; e também que em Deus não há contradições e que ele inspirou toda a bíblia. Portanto, a Igreja tenta compreender a mensagem de Deus do começo ao fim da bíblia.

      Por exemplo, sobre imagens, há passagens que Deus proíbe fazer e há passagens que Deus manda fazer imagens, o que parece ser uma contradição. Porém, a Igreja Católica procura entender o que Deus, como um verdadeiro pedagogo, queria ensinar ao povo em cada momento. Assim, quando proíbe (como em Êxodo), é porque o povo ainda estava muito ligado à idolatria de deuses pagãos; e quando Deus vê que eles se livram da idolatria, ele permite as imagens como ornamentos (por exemplo, no Templo de Salomão e na Arca da Aliança).

      Algumas passagens da bíblia são literais e de fácil interpretação, mas há outras muito difíceis de se entender qual a mensagem que Deus quer passar, pois tem que se saber o estilo de escrita e da língua usada, o contexto histórico da época, se era um texto simbólico, profético, poético, histórico, etc. Por isso, um bom exegeta tem de estudar anos e anos para conseguir entender as mensagens da bíblia; não é qualquer pessoa semi-analfabeta ou apenas com curso médio, metido a exegeta, que consegue entender a bíblia só porque decora algumas passagens dela. Daí esse caos de tantas doutrinas cristãs contraditórias, que surgiram após Lutero ter ensinado a doutrina da sola escritura e da livre interpretação bíblica.

      Assim, o Magistério da Igreja considera várias passagens da bíblia para retirar delas sua doutrina escatológica da ressurreição e sobre o céu, inferno e purgatório.

      Por exemplo, sobre a doutrina da reencarnação na bíblia, isso eu desconheço; mas sei que ela é totalmente incompatível com a doutrina da ressurreição.

      Primeiro, se a doutrina da reencarnação fosse a verdadeira, não teria porque Cristo ter morrido pelos nossos pecados; já que, segundo a doutrina da reencarnação, a salvação e evolução da alma depende somente de nós.

      Segundo, que Cristo ressuscitou em carne e osso e não reencarnou; e a bíblia diz que, após a ressurreição, teremos corpos gloriosos semelhantes a ele. Portanto, se houvesse reencarnação e ressurreição, com qual corpo ressuscitaríamos no juízo final?

      Outro questionamento sobre a doutrina da reencarnação é por quê, então, que o número da habitantes da terra aumenta exponencialmente se os espíritos ficam reencarnando inúmeras vezes?

      Sei que os saduceus não acreditavam na ressurreição; sei também que Elias foi arrebatado ao céu em corpo e alma e parece que Moisés, após morto, teve seu corpo arrebatado.

      E na passagem da transfiguração de Jesus no monte, aparecem Moisés e Elias; simbolizando a Lei e os Profetas.

      Outra coisa, Jesus diz ao bom ladrão que este estaria com ele naquele mesmo dia no Paraíso.

      Outra passagem que mostra que existe um juízo particular (diferente do Juízo Final) após a morte e não reencarnação: “Como está determinado que os homens morram UMA SÓ vez, logo EM SEGUIDA vem o juízo” (Hb 9,27)

      Não existe a palavra “PURGATÓRIO” na bíblia, mas a Igreja deduziu teologicamente a sua existência pelo seguinte:

      Primeiro, que sabemos que no Céu só se entra perfeitamente santo; mas sabemos que a grande maioria das pessoas morrem com um ou outro pecado.

      Segundo, por várias passagens da bíblia que dá a entender que existe um lugar de purificação antes de se entrar no Céu:

      - No livro de Macabeus (que não tem na bíblia protestante), fala que é bom rezar pelos mortos (2Mc 12,42-45). Daí que se induz que seus pecados também podem ser perdoados após a morte. E para quê rezar pelos mortos se eles se reencarnam ou não vão para o Purgatório?

      - PECADOS PERDOADOS NA OUTRA VIDA: “Todo o que tiver falado contra o Filho do homem será perdoado. Se porém, falar contra o Espírito Santo, não alcançará perdão nem neste século nem no século vindouro. ” (Mt 12,32)

      - PALAVRAS INÚTEIS: “Eu vos digo que de toda palavra inútil, que os homens disserem, DARÃO CONTA NO DIA DO JULGAMENTO” (Mt 12,36)

      - O SERVO IMPIEDOSO: “Então o senhor o chamou e lhe disse: Servo mau, eu te perdoei toda a dívida porque me suplicaste. Não devias também tu compadecer-te de teu companheiro de serviço, como eu tive piedade de ti? E o senhor, encolerizado, entregou-o aos algozes, até que pagasse toda a sua dívida. ” (São Mateus 18,34)

      - PASSANDO PELO FOGO: “… a obra de cada um aparecerá. O dia (do julgamento) demonstrá-lo-á. Será descoberto pelo fogo; o fogo provará o que vale o trabalho de cada um. Se a construção resistir, o construtor receberá a recompensa. Se pegar fogo, arcará com os danos. Ele será salvo, PORÉM passando de alguma maneira através do fogo.” (1 Cor 3,13-15)

      - PENA MAIOR E PENA MENOR: “Aquele servo que conheceu a vontade de seu senhor, mas não se preparou e não agiu conforme sua vontade, será açoitado muitas vezes. Todavia, aquele que não a conheceu e tiver feito coisas dignas de chicotadas, SERÁ AÇOITADO POUCAS VEZES” (Lc 12,47).

      - TABERNÁCULOS ETERNOS: “Eu vos digo: fazei-vos amigos com a riqueza injusta, para que, no dia em que ela vos faltar, eles vos recebam nos tabernáculos eternos.” (São Lucas 16,9)

      - QUEM PECA HÁ DE PAGAR: “Quem cometer injustiça, PAGARÁ PELO QUE FEZ injustamente; e não haverá distinção de pessoas. ” (Colossenses 3,25)

      - SANTIDADE (perfeição): “… procurai a paz com todos e ao mesmo tempo a santidade, SEM A QUAL NINGUÉM PODE VER A DEUS”. (Hb 12,14)

      - ESPÍRITOS DETIDOS: ” … mas [Cristo] foi vivificado quanto ao espírito. É neste mesmo espírito que ele foi pregar aos espíritos que ERAM DETIDO NO CÁRCERE, àqueles que outrora, nos dias de Noé, TINHAM SIDO REBELDES…” (I São Pedro 3,19)

      - PURIFICAÇÃO DE TODA MANCHA: “Nela (na Jerusalém Celeste) jamais entrará ALGO DE IMUNDO e nem os que praticam abominação e mentira” (Ap 21,27).

      Etc.

      Há também o testemunho dos primeiros padres da Igreja:

      TERTULIANO – (160-220) na carta (De Monogamia 10) prega o purgatório;

      CLEMENTE DE ALEXANDRIA – em 202, um dos teólogos mais importantes de Alexandria, explicou o Purgatório (Stromata, 6:14,in ANF,II:504);

      SÃO CIPRIANO – em 249 já dizia: ”…uma coisa é penar muito tempo e purificar-se nas chamas do Purgatório e outra coisa é ter removido todos os pecados, pelo martírio”. (Na luz Perpétua, 5ª. ed., J. B. Lehmann, Ed. Lar Católico, MG,1959).

      EPITÁFIO DE ABÉRCIO, BISPO DE HIERÁPOLIS – Século II – A oração pelos mortos faz supor a crença do PURGATÓRIO.

      Etc.

      FONTE: http://caiafarsa.wordpress.com/purgatorio-%E2%80%93-inventado-em-503-593-787-1438/

      Por isso e por vários outros motivos que a doutrina cristã é incompatível e inconciliável com a doutrina espirita, já que esta nega mais de quarenta verdades da fé católica. Ou se acredita numa ou se acredita na outra!

      “Conhecereis a VERDADE e a VERDADE vos libertará!” (J.C.)

      “Eu sou o CAMINHO, a VERDADE e a VIDA…” (J.C.)

      Thumb up 3
  25. Prezado,Flamarion.

    A oposição entre corpo e alma não existia em tempos bíblicos, ou ao menos na linguagem bíblica.
    Mas a versão em latim antigo das escrituras que Santo Agostinho lia usava “anima” para traduzir “nefesh”, que em hebraico não quer dizer alma, mas algo como sopro vital, ser, uma forma exaltada do “eu”.
    E foi nesse engano que tudo começou.

    A alma e o corpo se separaram e nunca mais se encontraram. E nunca mais se pode ler o Velho Testamento a não ser como Agostinho o lia, não como um relato da aventura do corpo humano no mundo como Deus o fez, cheio de som, fúria, sangue e sacanagem, mas como uma alegoria espiritual, em que até os cantares eróticos de Salomão queriam dizer outra coisa: a luta da alma para transcender o corpo, que para Agostinho significava a sexualidade. Tudo culpa de um mau tradutor.
    Freud tentou, de certa maneira, retransformar “anima” em “nefesh”, mas como muito do que ele escreveu em alemão também foi mal traduzido em outras línguas, a confusão só aumentou.
    No fim, a grande danação sob a qual vive a humanidade não é a história nem da carne, é a insanável danação da Babel. Deus disse “que haja muitas línguas, e que cada língua tenha muitos dialetos”
    E depois, para ter certeza que os homens nunca mais se entenderiam, completou: E que haja muitos tradutores! Virando tudo anetoda.

    Ressurreição da carne ou do espírito?
    Esse assunto é abordado no site, l Espíriink abaixo:
    http://www.espirito.org.br/portal/artigos/jose-chaves/ressurreicao-da-carne.html

    Thumb up 7
    • Caro amigo OICED MOCAM, muito obrigado pela aula particular sobre o conceito judaico a respeito de ressurreição e reencar
      nação. Quanto ao PORTAL DO ESPIRITO, já tinha visto falar, mas
      ainda não tina acessado. Vou fazêlo doravante. O texto do José Reis Chaves, não conhecia, mas leio sempre suas crônicas
      em um jornal aqui de Belo Horizonte. Em parte respondeu o meu
      questionamento de quando o cristianismo aboliu a ideia de re
      encarnação para adotar o dogma da ressurreiçao da carne, que
      é físicamente e cientificamente absurdo. A reencarnação é mui
      to mais lógica e não fere o bom senso, uma vez que uma vida
      de 60 ou 80 anos é insufuciente para desligarmo-nos de todos
      os sentimentos negativos e preconceitos que ainda nos prendem
      neste mundo de provas e expiações, e ppermitam-nos “vetir ” a
      túnica Nupcial de que nos fala Jesus, para entramos no festim
      de bodas ( espíritos puros )
      Parabens ao H S por trazer reportagens como esta quue suscitam
      àqueles que já têm mais conhecimentos encorajarem àqueles que
      buscam a VERDADE a continuar nesta busca infinita, já que o
      espírito é eterno
      Obrigado, abraços
      FLAMARION

      Thumb up 0
  26. Ontem cheguei à conclusão de que as pessoas desprezam o lado intelectual das religiões, mas não os grandes nomes das doutrinas. Eu vi um debate com um líder brasileiro evangélico, um espírita, um budista e um católico. Quatro linhas de pensamento altamente divergentes presentes na população brasileira, e muitas vezes motivos de discussões. O que eu poderia esperar dum debate desses? um puro engalfinhamento.

    Mas, não vi. O que eu vi foi uma lição de desenvoltura, respeito e troca de ideias mútuas que serviriam de modelo não só pra nós nesse site, mas até para debates políticos de governáveis e presidenciáveis, que na última eleição me envergonharam de ser brasileiro e ter que escolher um deles. Houve questionamentos, respostas e comparações de forma totalmente civilizada e coerente, sem nenhuma rotulagem ou dogma, e nenhum dos líderes se declarou dono da verdade em relação ao outro ou aos outros, eu nunca tinha visto um debate religioso entre pessoas tão inteligentes. Entre as conclusões, pude perceber que, mesmo com princípios e históricos tão diferentes, as três doutrinas cristãs ocidentais e a oriental tinham visões muito similares sobre o porquê do sofrimento, da sorte, do azar, da vida e da morte, o pós morte ficou mais similar entre a Espírita e o Budismo. Se eu fosse sem doutrina e assistisse essa conversa, não saberia qual delas escolher, pois cada um deles foi simplesmente perfeito e muito claro nas ideias, todos mostraram muito valor no que falaram, e apresentaram de forma bem positiva a sua corrente de crença. Eu vi na TV, no Canal Brasil, infelizmente não consegui achar na internet, mas gostaria de te-lo.

    Pra mim o mestre Budista foi melhor, mas essa é a minha visão e o meu jeito, eu sou Budista, mas na verdade todos foram muito bons representantes de suas doutrinas.

    Thumb up 5
    • Eu fico feliz com o seu comentário e com o seu equilibrio. Penso que as pessoas estão precisando descobrir algo que as alicerce. Estamos vivendo processos de desequilibrio em todos os setores, seja politico, religioso, familia, …É muito bom saber que existem pessoas com níveis de conhecimento diferenciado que ainda consegue compartilhar informações e respeito. Eu já tive a oportunidade de assistir um debate de três líderes regiosos de diferentes doutrinas e também fiquei impressionada com o respeito que havia entre eles.

      Thumb up 3
    • O meu comentário foi para o Jonatas.

      Thumb up 1
    • Isso é simplesmente… o máximo, sem palavras. Obrigado.

      Thumb up 2
    • Também gostaria de ter assistido o debate!

      Eu respeito todas as religiões que pregam o bem; e acredito que todas elas têm, pelo menos, uma parte da verdade que se encontra em plenitude na Igreja Católica fundada por Cristo.

      E, embora professando o catolicismo, acredito que todos que seguem tais religiões honestamente e mesmo muitos ateus se salvarão. Não pelos nossos méritos, mas pela misericórdia divina; pois acredito que, se Deus usar de muita severidade, acredito que somente os santos se salvarão. Mesmo porque, o sacrifício da missa expia os pecados do mundo inteiro e não apenas os dos católicos.

      Mas vocês têm que concordar que, após morrerem o evangélico, o espírita, o budista e o católico, somente um deles estará certo ou, então, nenhum deles. Pois, ou existe ressurreição da carne, ou reencarnação, ou renascimento, ou céu, inferno e purgatório; ou, então, não existe nada disso e nem vida após a morte.

      O que não pode é essas supostas verdades contraditórias serem todas verdades ao mesmo tempo. Ou que o evangélico irá ressuscitar no juízo final e ir para o céu ou inferno; o espírita irá reencarnar; o budista irá renascer; o católico será julgado após a morte e sua alma irá para o céu, inferno ou purgatório e ressuscitar no juízo final; e o ateu deixará de existir; cada um de acordo com a sua fé.

      É por causa dessas contradições que acredito que deve existir uma única VERDADE e é essa verdade que devemos buscar a qualquer custo, seja ela qual for!

      Não é preconceito contra outras religiões ou contra o ateísmo, não é nada disso; é que eu não acredito no relativismo e nem gosto de me enganar!

      Thumb up 5
  27. Se você passa a vida toda louvando o deus bíblico e, ao morrer, descobre que estava louvando o deus errado?

    Acreditar em um ser superior é mais do que simples perda de tempo: pode ser uma tremenda irresponsabilidade. Em nome deste ou daquele deus, muita coisa errada acontece no mundo todos os dias. Da proibição do uso de preservativos à violação dos direitos humanos. O papa Bento 16 declarou que salvar as pessoas da homossexualidade é tão importante quanto proteger as florestas tropicais.

    E por que, então, tantas pessoas acreditam? Simples, por ignorância. É porque pela falta de informação científica, elas encontram na fé o caminho mais curto (ou mais fácil) para driblar o sofrimento. Diferentemente de outros tempos, quando foi fundamental para que os homens atingissem coesão social e pudessem dar sentido à própria existência, a crença em Deus perdeu suas funções positivas. Hoje, ela representa apenas uma barreira para o desenvolvimento humano.

    Se tivermos sorte, a crença em Deus vai desaparecer aos poucos, mas provavelmente nunca vai acabar. Muitas pessoas que dizem acreditar não têm qualquer compromisso com este ou aquele Deus, elas apenas acham que acreditar é bom. Ou porque outros indivíduos de seu convívio as tiveram antes e as pessoas passaram a acreditar. Trata-se daquilo que chamo de “crença na crença”. Mas acreditar é ruim, porque atravanca a evolução humana. Quando a maioria entender isso, a ideia de Deus tenderá a se extinguir. Quando a crença em deuses não existir, a humanidade será mais feliz e menos torturada pela culpa.

    Hoje sabemos que não existe um agente sobrenatural que responde às nossas preces ou supervisiona e guia a evolução das coisas. A humanidade acredita em Deuses há milhares de anos. Só que, agora, já sabemos por quê. Até aqui, foi natural para o homem acreditar em algo divino, uma espécie de infância da evolução humana. Mas nós nos tornamos mais sábios e maiores do que Deus.

    Antes da Teoria da Evolução, era compreensível atribuir a Deus a existência de um design inteligente na natureza. Depois dela, tudo mudou. Hoje, podemos provar como surgiram formas de vida tão variadas e complexas. A teoria de Darwin é uma explicação muito melhor para isso do que Deus. Não precisamos mais nos render à tentação de acreditar em um ser superior que criou tudo. Agora essa ideia é incoerente. Os conhecimentos científicos que temos neste século 21, ninguém é capaz de contrariar seriamente a ideia de que processos naturais, agindo ao longo de bilhões de anos, deram origem ao Universo, ao sistema solar, à Terra e à vida que existe nela. Não precisamos mais acreditar que um criador num sopro divino, deu vida até ao mais insignificante dos micro-organismos. Não há razão para crer em fantasias desse tipo. Não há provas de que Deus tenha interferido diretamente em nenhuma dessas etapas.

    Hoje sabemos que o objeto mais complexo do Universo, surgiu por meio da seleção natural, e o mesmo vale para todas as incríveis adaptações dos seres vivos ao nosso redor (do voo das aves aos tentáculos dos polvos). Essa complexidade foi sendo construída aos pouquinhos, passo a passo, começando com moléculas orgânicas e células extremamente simples que se tornaram cada vez mais elaboradas ao longo do tempo. Portanto, seria absurdamente improvável que coisas tão sofisticadas surgissem surgissem de repente, sem antecedente nenhum – como se tivessem sido criadas pelo sopro divino narrado nas Escrituras.Depois que você se informa, e tem as respostas da ciência, a hipótese de Deus torna-se incrivelmente improvável.

    Talvez isso explique, por que muita gente decide trocar livros de religião pelos de filosofia, que tentam encontrar um caminho para a paz interior por meio da razão. Um exemplo desse fenômeno é o best seller “Aprender a Viver” do filósofo francês Luc Ferry. Para ele, a família é a única entidade sagrada na sociedade moderna – a única coisa pela qual alguém arriscaria a própria vida. E que, “no Ocidente, ninguém mais aceita morrer por um deus, um país, ou um ideal. Há extremistas no islã. Há gente na Chechênia disposta a morrer pela nação. Mas garanto que não há ninguém com essa ideia na França ou nos EUA.”

    Colaborou, Oiced Mocam
    Livre Pensador, Cético, Racionalista, Humanista Secular e Ateu.

    Thumb up 6
  28. oiced,
    “Liberto da servidão em que o mantém a religião, o homem pode chegar à ataraxia”
    Percebe-se aqui que você não sabe o que é ‘RELIGIÃO’ e muito menos o que é ataraxia. O objetivo único da RELIGIÃO é o atingimento do estado de plenitude e bemaventurança pelo completo abandono de todos os conceitos e preconceitos filosóficos e por conseguinte de toda a atividade mental e racional. Muitos já alcançaram esse estado que pode ser chamado de Nirvana ou Iluminação. Só atravéz da RELIGIÃO é possível alcançar esses estados. Ataraxia nada mais é do que uma tentativa frustrada de plagiar os estados de Nirvana ou Iluminação, mas que no máximo podem desencadear uma ‘apatheia’ ou ‘apatia’.

    Thumb up 2
  29. Pelo que vejo meus caros colegas estão perdendo tempo… Essa cartilha do senhor Oiced é tão velha quanto ele, e por isso fica nessa mesmice de sempre.
    Tenho trocentos anos no HS e ele me parece “reencarnação” de alguns colegas ateus que aqui passaram.
    Acho mesmo que nossos nobres fazem vista grossa aos achados da arqueologia bíblica…
    …Preferindo encher a página com megas txt!
    Para quem gosta de ouvir todos os lados, eis uma das centenas de opções:

    http://novotempo.com/evidencias/2012/03/30/video-personagens-historicos-da-biblia-sagrada-2012/

    http://novotempo.com/evidencias/2011/12/16/video-os-mitos-da-biblia-2011/

    http://novotempo.com/evidencias/2011/11/11/video-o-deus-dos-cristaos-2011/

    Sejamos sinceros e humildes meus caros, qual de nós podem dizer algo conclusivo dessa vida e desse Universo “Infinito”?
    O velho Sopão por si já não explicar a origem da vida e menos ainda a razão de seu existencialismo e, portanto, são meras especulações… Precisando “emendar” fragmentos espaciais para completar a história sem pé e sem cabeça.

    Para alguns a vida é um construção complexa dada ao Caos…
    Sinceramente, não tem Ciência que explica isso! Achar que tudo é consequência de uma explosão é mesmo uma questão de fé e muita ingenuidade!

    Podem ignorar… Podem viver vossa fé… Podem (como o Oiced) negar o Cristianismo com argumentos que com isso, mais um motivo para não crer num Design(D-us). Acreditando piamente que Todas as coisas nasceram de forma ocasional, sem Sequer levantar à causa.

    Cansei de dá pipocas aos macacos! Darei Tipicamente bananas!
    Estamos aqui por algum motivo… E ninguém pode explicar e muito menos provar… Se não posso prova, vós muito menos negá-la.

    Pois, numa tentativa eterna e frustrante tentam explicar como Universo Complexo e “Infinito” Pôde se Construir e mais adiante formar vidas tão complexa como a nossa.
    Falar do Ovo é fácil. Impossível é explicar Sua Origem!

    Vocês (ateus) têm a missão de Negar Às razões das causas…
    Saiba que Não defendo Religiões e nem acho que ser ateu faz melhor ou pior… Pois no fundo e no silêncio, eles duvidam o que tanto defendem e saiba que não preciso da religião para mantém minha convicção.

    Está na hora de olhar o Horizonte e entender que somos formiguinhas contemplando o quintal de sua moradia!

    Pra fim de conversa (de minha parte):
    Pode o “Nada” existir ou tudo não passa de ilusão criada por nossas mentes, considerando sermos apenas átomos?

    A propósito: Reduzindo o átomo em sua menor essência, o que sobra além de energia e ainda, qual origem dessa?

    Não adianta caros ateus negar os fatos sem antes responder essas e outras questões Básicas.

    “Deus Existe e está fora do sistema de sua Criação…E Seus caminhos não são nosso caminho”.

    Entendeu “átomos falantes”?

    Para mim já basta e encerro por aqui!

    Thumb up 8
    • Valeu Jorginho, belas e sábias palavras!

      Eu também já desanimei um pouco de ficar debatendo sobre religião e fé; pois, vi que é muito difícil convencer alguém daquilo que nós acreditamos ser a verdade e como é difícil alguém nos convencer do contrário.

      No fim, tudo é uma questão de fé, tanto para o crente como para o ateu!

      Você pode mostrar estudos científicos extremamente sérios sobre milagres; mas, para o cético, é mesma coisa que nada. Pois, quando a Ciência confirma a Igreja, eles deixam de acreditar na própria Ciência, a qual tanto valorizam e até mesmo idolatram.

      Só continuo para mostrar que existe o “outro lado da moeda” e que há motivos bem razoáveis para crer em Deus e que não é coisa de gente ignorante.

      Principalmente, numa época em que o neo-ateísmo se tornou uma verdadeira (des)religião da desesperança; inclusive, com ‘sacerdotes’, ativistas e ‘apologistas’ que estão fazendo de tudo para destruir (não sei a troco de que, pois terão de pagar muito caro à justiça divina) o próprio Jesus Cristo histórico.

      Thumb up 5
  30. DEMOLINDO O MITO DE JESUS – Uma História

    Por mais de duzentos anos, uma minoria de corajosos pesquisadores têm ousado questionar a historicidade de Jesus. Apesar dos riscos de ataque físico, ruína profissional e ostracismo, eles duvidaram seriamente da veracidade da saga dos evangelhos, descascaram as camadas de fraude e engano e finalmente desafiaram a própria existência do homem-deus.

    Hermann Samuel Reimarus (1694-1768).1778,
    Sobre a Intenção de Jesus e Seu Ensinamento. Pensador iluminista e professor de línguas orientais do Ginásio de Hamburgo, sua extensa obra — publicada após sua morte — rejeita a “religião revelada” e defende um deísmo naturalista. Reimarus acusou os escritores dos evangelhos de fraude proposital e inumeráveis contradições.

    Francois Marie Arouet (Voltaire) (1694-1778)
    A mais influente figura do Iluminismo, foi educado num colégio jesuíta e ainda assim concluiu “O cristianismo é a religião mais ridícula, absurda e sangrenta que jamais infectou o mundo… O verdadeiro Deus não pode ter sido dado à luz por uma garota, nem sido morto num cadafalso e nem ser comido numa porção de hóstia.” Preso, exilado, seus livros banidos e queimados, a grande popularidade de Voltaire na França assegurou-lhe um descanso final no Panteão, em Paris. Extremistas religiosos roubaram seus restos mortais e os atiraram numa pilha de lixo.

    Count Constantine Volney, 1787,
    As Ruínas; ou, Meditação sobre as revoluções dos impérios (Ruína dos Impérios). Pesquisador napoleônico, viu com seus próprios olhos evidências de precursores egípcios do cristianismo.

    Edward Evanson, 1792,
    A Dissonância dos Quatro Evangelistas Geralmente Recebidos e a Evidência de suas Respectivas Autenticidades. Racionalista inglês que contestou a autoria apostólica do Quarto Evangelho e denunciou como espúrias várias epístolas Paulinas.

    Charles François Dupuis, 1794,
    Origem de todos os Cultos ou a Religião Universal. Interpretação astrológico-mítica do Cristianismo (e de toda religião). “Um grande erro é mais facilmente propagado que uma grande verdade, porque é mais fácil crer que raciocinar e porque as pessoas preferem o maravilhoso do romance à simplicidade da História.” Dupuis destruiu a maior parte de seu próprio trabalho por causa das violentas reações que causou.

    Thomas Paine, 1795,
    A Idade da Razão. Panfleteiro que fez o primeiro apelo à independência dos Estados Unidos (Bom Senso, 1776; Direitos do Homem,1791) Paine derramou sátiras virulentas nas contradições e atrocidades da Bíblia. Como muitos revolucionários americanos, Paine era deísta:

    “Eu não creio na fé professada pela igreja judaica, pela igreja romana, pela igreja grega, pela igreja turca, pela igreja protestante ou por qualquer outra de que tenha notícia… Cada uma destas igrejas acusa a outra de descrença; e de minha parte eu descreio de todas.” – A Idade da Razão

    Robert Taylor, 1828,
    Sintagma de Provas da Religião Cristã; 1829, Diegesis.
    Taylor foi aprisionado por afirmar as origens míticas do cristianismo. “Os primeiros cristãos entendiam as palavras como nada mais que a personificação do princípio da razão, da bondade, ou daquele princípio, seja qual for, que pode ser mais benéfico à humanidade durante o curso de uma vida.”

    Godfrey Higgins (1771-1834).
    1836, Anacalipse – Uma Tentativa de Remover o Véu da Ísis Saíta ou um Inquérito da Origem das Línguas, Nações e Religiões. Pioneiro inglês da arqueologia e maçom.

    Bruno Bauer, 1841,
    Crítica da História Evangélica dos Sinóticos. 1877, Cristo e os Césares. A Formação da Cristandade entre os Romanos Helenizados. O iconoclasta original. Bauer contestou a autenticidade de todas epístolas paulinas (nas quais viu a influência de pensadores estóicos, como Sêneca) e identificou o papel de Fílon no cristianismo emergente. Bauer rejeitou a historicidade do próprio Jesus. “Tudo que se sabe sobre Jesus pertence ao reino da fábula.” Como resultado, em 1842, Bauer foi ridicularizado e removido de sua cátedra de Novo Testamento em Tübingen.

    Ralph Waldo Emerson, 1841,
    Ensaios. Inicialmente cristão trinitário e posteriormente ministro unitário, defendeu que Jesus era um “verdadeiro profeta”, mas que o cristianismo institucionalizado era um “despotismo oriental”: “Nossas escolas dominicais, igrejas e ordens monásticas são jugos sobre nossos pescoços.”

    Mitchell Logan, 1842,
    A Mitologia Cristã Revelada. “A opinião predominante, embora infundada e absurda, é sempre a rainha das nações.”

    Ferdinand Christian Baur, 1845,
    Paulo, o Apóstolo de Jesus Cristo. Estudioso alemão que identificou como “inautênticas” não apenas as epístolas pastorais, mas também Colossenses, Efésios, Filêmon e Filipenses (deixando apenas as quatro principais epístolas paulinas consideradas genuínas). Baur foi o fundador da assim chamada “Escola de Tübingen”.

    David Friedrich Strauss, 1860,
    A Vida de Jesus Examinada Criticamente. Vigário luterano que se tornou estudioso, expôs magistralmente os milagres evangélicos como mito e, no processo, reduziu Jesus a um homem comum, o que lhe custou sua carreira.

    Ernest Renan, 1863,
    Vida de Jesus. Educado como padre católico, escreveu uma biografia romanceada do homem-deus, sob a influência dos críticos alemães. Custou-lhe seu emprego.

    Robert Ingersoll, 1872,
    Os Deuses. Extraordinário orador de Illinois, seus discursos atacavam a religião cristã. “Sempre me pareceu que um ser vindo de outro mundo, com uma mensagem de infinita importância para a humanidade, deveria pelo menos ter escrito tal mensagem de seu próprio punho. Não é admirável que nenhuma palavra foi jamais escrita por Cristo?”

    Kersey Graves, 1875,
    Os Dezesseis Salvadores Crucificados da Humanidade. Quacre da Pensilvânia que viu um fundo pagão através das invenções cristãs, embora raramente citasse fontes para suas conclusões avançadas.

    Allard Pierson, 1879,
    O Sermão da Montanha e outros Fragmentos Sinóticos. Historiador de arte, literatura e teologia que identificou o Sermão da Montanha como uma coleção de aforismos da literatura sapiençal judaica. Esta publicação foi o começo da Crítica Radical Holandesa. Não apenas a autenticidade das epístolas paulinas, mas a própria existência histórica de Jesus foi trazida à baila.

    Bronson C. Keeler, 1881, Pequena História da Bíblia. Uma exposição clássica das fraudes cristãs.

    Abraham Dirk Loman, 1882, “Quaestiones Paulinae,” in Theologisch Tijdschrift. Professor de teologia em Amsterdã que declarou que todas as epístolas paulinas datam do segundo século. Loman explicou que o cristianismo era a fusão do pensamento judaico ao helenístico-romano. Ao perder a visão, Loman acabou enxergando através das trevas da história da igreja.

    Thomas William Doane, 1882, Os Mitos Bíblicos e seus Paralelos em Outras Religiões. Desatualizado, mas uma revelação clássica dos antecessores pagãos dos mitos e milagres bíblicos.

    Samuel Adrianus Naber, 1886, Verisimilia. Laceram conditionem Novi Testamenti exemplis illustrarunt et ab origine repetierunt. Classicista que viu mitos gregos escondidos dentro das escrituras cristãs.

    Gerald Massey, 1886, O Jesus Histórico e o Cristo Mítico. 1907, Antigo Egito-A Luz do Mundo. Outro clássico da pena de um inimigo precoce do clero. Esse egiptologista britânico escreveu seis volumes sobre a religião do antigo Egito.

    Edwin Johnson, 1887, Antiqua mater. Um Estudo das Origens Cristãs. Teólogo radical inglês, identificou os primeiros cristãos como os primeiros cristãos como os “crestianos”, seguidores de um bom (Chrestos, em grego) Deus que havia se apossado do mito de Dionísio Eleutério (“Dionísio, o Libertador”) para produzir um homem-deus altruísta que se sacrificou. Denunciou que os doze apóstolos eram uma completa invenção.

    Rudolf Steck, 1888, A Epístola aos Gálatas investigada quanto à sua pureza e uma Observação Crítica das Principais Epístolas Paulinas. Estudioso radical suíço que classificou todas as epístolas paulinas como falsas.

    Franz Hartman, 1889, A Vida de Johoshua: Profeta de Nazaré.

    Willem Christiaan van Manen, 1896, Paulus.
    Professor em Leiden e mais famoso dos Radicais Holandeses, um clérigo que não acreditava na ressurreição física de Jesus Cristo. Depois de resistir à conclusão por vários anos, van Manen admitiu que nenhuma das epístolas paulinas era genuína e que os Atos dos Apóstolos se baseiam nas obras de Josefo.

    Joseph McCabe, 1897,
    Porque Deixei a Igreja. 1907, A Bíblia na Europa: Investigação da Contribuição da Religião Cristã à Civilização. 1914, As Origens da Moral Evangélica. Monge franciscano que se tornou evangélico e depois ateu. McCabe, prolífico autor, destroçou muitas partes da lenda cristã – “Não há uma “figura de Jesus” nos Evangelhos. Há uma dúzia de figuras” – mas continuou a admitir a plausibilidade de um fundador histórico, apesar disso.

    Albert Schweitzer, 1901,
    O Mistério do Reino de Deus. 1906, A Busca pelo Jesus Histórico. O famoso teólogo e missionário alemão (35 Anos nos Camarões) ridicularizou o Jesus humanitário dos liberais e teve, ao mesmo tempo, coragem para reconhecer o trabalho dos Radicais Holandeses. Sua conclusão pessimista foi a de que o super-herói foi um fanático apocalíptico que morreu desapontado. Autor da célebre frase: “aqueles que buscam um Jesus histórico apenas encontram um reflexo de si mesmos.”

    Mikhail Aleksandrovitch Bakunin (1814 — 1876),
    também aportuguesado de Bakunine ou Bakúnine, foi um teórico político russo, um dos principais expoentes do anarquismo em meados do século XIX.
    Bakunin defendia que “a ideia de Deus implicava na abdicação da razão humana e justiça; esta é a mais decisiva negação da liberdade humana, e necessariamente termina na escravidão da humanidade, na teoria e na prática.” Consequentemente, Bakunin invertia o famoso aforismo de Voltaire de que se Deus não existisse, seria necessário inventá-lo, afirmando que “se Deus realmente existisse, seria necessário abolí-lo.

    Bertrand Russel, em seu livro,
    “Porque não sou Cristão”, é considerado um dos mais blasfemos documentos filosóficos jamais escritos. Se a religião fornece respostas às perguntas que sempre atormentaram a humanidade – por que estamos aqui, qual a razão da vida, como devemos nos comportar. Russel dissipa esse conforto, deixando-nos com alternativas mais perturbadoras: responsabilidade, autonomia e consciência do que fazemos. Coloca questões que nunca mais poderão ser ignoradas. Li a autobiografia de John Stuart Mill e lá encontrei a seguinte frase: “Meu pai me ensinou que a pergunta ‘Quem me fez?’ não pode ser respondida, já que imediatamente sugere a pergunta seguinte ‘Quem fez Deus?.” A obra completa dos pensamentos do escritor Prêmio Nobel de Literatura, professor universitário e livre pensador acerca de religião e sobre se “Deus existe” e as verdadeiras convicções de Bertrand Russel podem se encontradas em seus livros também em reedições recentes. Em Ensaios Céticos, Russel argumenta que devemos estar preparados para reconhecer a incerteza de nossa crenças. Quando especialistas em determinado campo não concordam, nos diz ele: é melhor suspender o julgamento.

    Marx, Nietzsche, Freud e Feuerbach levaram a crítica no século XVIII a conseqüências drásticas.

    Já, Epicuro e Lucrécio, na civilização greco-romana,
    propuseram modelos de explicação e refutação do fenômeno religioso. Segundo eles, os homens, tomados de terror diante dos fenômenos naturais que não podiam explicar (trovão, raio, eclipse do Sol, etc.), acreditaram encontrar aí a intervenção dos deuses.

    Com seu atomismo, Epicuro (341-270 a.C.) fornece uma explicação do mundo que prescinde dos deuses.
    A seu ver, o conhecimento das leis da natureza torna supérflua toda intervenção divina. Não chegando a negar os deuses, concede-lhes um retiro, isto é, vida imortal e pacífica longe da natureza e da humanidade.

    Por isso, não há razão para o duplo terror dos homens: o temor aos deuses e a obsessão da morte.

    Lucrécio (98-55 a.C.), continuador de Epicuro, saúda-o por ter libertado os pobres homens do pavor dos deuses: com ele, “chegou para a religião a hora de ser derrubada e pisoteada”.

    Liberto da servidão em que o mantém a religião, o homem pode chegar à ataraxia -

    Thumb up 6
    • OICED,
      ……da servidão em que o mantém a religião, o homem pode chegar à ataraxia”
      Percebe-se aqui que você não sabe o que é ‘RELIGIÃO’ e muito menos o que é ataraxia. O objetivo único da RELIGIÃO é o atingimento do estado de plenitude e bemaventurança pelo completo abandono de todos os conceitos e preconceitos filosóficos e por conseguinte de toda a atividade mental e racional. Muitos já alcançaram esse estado que pode ser chamado de Nirvana ou Iluminação. Só atravéz da RELIGIÃO é possível alcançar esses estados. Ataraxia nada mais é do que uma tentativa frustrada de plagiar os estados de Nirvana ou Iluminação, mas que no máximo podem desencadear uma ‘apatheia’ ou ‘apatia’.

      Thumb up 2
    • Oiced, e o que essas opiniões pessoais e meras especulações que você citou prova cientificamente que JESUS foi um MITO?

      Diferente dos verdadeiros grandes homens da ciência, tais como Galileu, Newton, Leibniz, Einstein, Max Planck, e tantos outros que realmente deram uma grande contribuição à humanidade, tenho dúvidas se a maioria desses filósofos iluministas e outros pensadores dos últimos séculos passados (como Karl Marx, esse com certeza) fizeram mais mal do que bem ao mundo. Pois, seus pensamentos, influenciaram muitos líderes de revoluções que provocaram milhões de mortes no mundo. Talvez, fosse melhor terem “calado a boca”.

      Confesso que não conheço a maioria desses pensadores, mas sei que Nietzsche (aquele mesmo que declarou que Deus estava morto) morreu louco, provavelmente, por causa de sífilis; que as idéias de Freud estão ficando ultrapassadas e consideradas como pseudo-ciência; que as idéias de Marx, colocadas em prática pelo Comunismo que tentou criar uma sociedade sem Deus, foi (junto com o Nazismo) a pior desgraça do século XX.

      E que há evidências (se é mesmo verdade eu não sei, mas há documentos) de que Voltaire, depois de tanto estrago ao cristianismo e de ter influenciado inúmeros pensadores e de ter levado tantos a perderem a fé, se converteu no seu leito de morte:

      “A CONVERSÃO DE VOLTAIRE

      O catedrático de filosofia Carlos Valverde escreve um surpreendente artigo em que documenta historicamente a conversão de um dos mais célebres inimigos da Igreja Católica.

      A investigação de documentos antigos sempre mostra surpresas. A última me veio ao folhear o tomo XII de uma velha revista francesa, Correspondance Littérairer, Philosophique et Critique (1753-1793), monumento riquíssimo para conhecer o século do Iluminismo e o começo da Grande Revolução.

      Todos sabemos quem foi Voltaire: o pior inimigo que teve o cristianismo naquele século XVIII, em que emitia críticas cruéis. Com os anos crescia seu ódio ao cristianismo e a Igreja. Era nele uma obsessão. Cada noite cria haver afastado a infâmia e cada manhã sentia a necesidade de voltar a declarar: o Evangelho só havia trazido desgraças sobre a Terra.

      Manejou como ninguém a ironia e o sarcasmo em seus inúmeros escritos, chegando até o inominável e o degradante. Lhe chamaram de o anticristo. Foi o mestre de gerações inteiras incapazes de compreender os valores superiores do cristianismo, cujo desaparecimento prejudica e empobrece a humanidade.

      Pois bem, no número de abril de 1778 da revista francesa acima citada (páginas 87-88) se encontra nada menos que a cópia da profissão de fé de M. Voltaire. Literalmente diz assim:

      «Eu, o que escreve, declaro que havendo sofrido um vômito de sangue faz quatro dias, na idade de oitenta e quatro anos e não havendo podido ir a igreja, o pároco de São Suplício quis de bom grado me enviar a M. Gautier, sacerdote. Eu me confessei com ele, se Deus me perdoava, morro na santa religião católica em que nasci esperando a misericórdia divina que se dignará a perdoar todas minhas faltas, e que se tenho escandalizado a Igreja, peço perdão a Deus e a ela.

      Assinado: Voltaire, 2 de março de 1778 na casa do marqués de Villete, na presença do senhor abade Mignot, meu sobrinho e do senhor marqués de Villevielle. Meu amigo ».

      Assinam também: o abade Mignot, Villevielle. Acrescenta:

      « Declaramos a presente cópia conforme a original, que foi entregue às mãos do senhor abade Gauthier e que ambos confirmamos e que ambos temos firmado, como firmamos o presente certificado. Paris, 27 de maio de 1778. Abate Mignot, Villevielle ».

      Que a relação pode estimar-se como autêntica o demonstram outros documentos que se encontram no número de junho da mesma revista – nada clerical, por certo-, pois estava editada por Grimm, Diderot e outros enciclopedistas.

      …”

      FONTE: ( http://www.cleofas.com.br/ver_conteudo.aspx?m=doc&cat=93&scat=178&id=883 )

      Seja o que for, todos eles já PASSARAM e suas palavras e idéias também estão passando. Mas, conforme prometeu, as PALAVRAS de Jesus Cristo ainda NÃO passaram e sua Igreja continua firme e forte!

      Thumb up 4
    • As mentiras que os religiosos divulgam na Internet somam um número assombroso! Mas, aqui derrubamos todas as bobagens que os religiosos costumam divulgar em fóruns da internet, sites, etc. no tocante a últimas palavras de pessoas que não professavam a religião mágica do Grão Cavaleiro do Burrico. Já pra preparar o vosso apetite, direi um segredinho: Nem todos eram ateus…!

      De início, fica a pergunta: Por que divulgar mortes trágicas de pessoas que não acreditam no Cristianismo?

      Simples: propaganda! É um recurso bastante utilizado por eles, religiosos, para infundir o medo nas pessoas, ou convencê-las da necessidade de uma crença em seres imaginários, de que precisam adorar um deus ou um jóquei de jegue para que não sejam punidos por pensar, raciocinar, blasfemar, duvidar, criticar, etc. Para cada relato duvidoso que você menciona, milhares de ateus morrem todos os dias sem terem problema algum, sem amarelarem e gozando plenamente de suas faculdades mentais.

      Mas de qualquer forma, essa sua ameaça velada deve ter um efeito especialmente eficaz naqueles que são mais propensos ao medo.
      Esses que sentem medo da “eternidade” encontram em suas palavras mais um “argumento para continuarem em suas crendices irracionais. Em nós ateus, não surte efeito algum essa ameaça. Os ateus superaram o medo da eternidade por que ela simplesmente não existe.

      Vamos analisar, então, as Famosas Últimas (e falsas) Palavras do “Ateu”.

      VOLTAIRE, o famoso zombador, teve um fim terrível. Sua enfermeira conta: “Por todo o dinheiro da Europa, não quero mais ver um incrédulo morrer!” Durante toda a noite ele gritou por perdão.

      François-Marie Arouet 1694 –1778), mais conhecido pelo pseudônimo VOLTAIRE, foi um escritor, ensaísta, deísta e filósofo iluminista francês conhecido pela sua perspicácia e espirituosidade na defesa das liberdades civis, inclusive liberdade religiosa e livre comércio.

      Voltaire foi um escritor prolífico, e produziu obras em quase todas as formas literárias, assinando peças de teatro, poemas, romances, ensaios, obras científicas e históricas, mais de 20 mil cartas e mais de 2 mil livros e panfletos.

      Ele foi um defensor aberto da reforma social apesar das rígidas leis de censura e severas punições para quem as quebrasse. Um polemista satírico, ele freqüentemente usou suas obras para criticar a Igreja Católica e as instituições francesas do seu tempo.

      Voltaire não aceitava o dogma do pecado original e a doutrina crista segundo a qual o deus cristão “deixou” o homem livre para escolher entre o bem e o mal, a fim de “testar” a sua alma. E lutou a vida toda pela Justiça, que para ele, dependia da liberdade intelectual de pensamento. E também, criticou a fé e pregava que o homem deveria resolver seus próprios problemas, pela esperança de uma sociedade melhor e pelo amor ao semelhante. E Voltaire acreditava na existência de um deus. Voltaire não era ateu e muito menos agnóstico. Voltaire era deísta.

      Voltaire foi um dentre muitas figuras do Iluminismo (juntamente com John Locke e Thomas Hobbes) cujas obras e idéias influenciaram pensadores importantes tanto da Revolução Francesa quanto da Americana. As últimas palavras de Voltaire, na verdade, foram estas:

      “Pelo amor de Deus, deixem-me morrer em paz !”

      Mas, também existem histórias apócrifas que ele estava entre um padre e um missionário protestante e pediu que ambos se pusessem um de cada lado dele porque ele queria morrer como Jesus. Quando os dois estavam posicionados, ele riu e disse “agora sim, posso morrer entre dois ladrões“, ou ainda a história (também apócrifa) que um padre estava tentando convertê-lo ainda no leito de morte e ele disse: “meu caro, lamento, mas não é hora de fazermos novos amigos“. Claro que nada disso ocorreu, porque Na verdade, Voltaire foi enterrado em segredo, porque senão ele não teria recebido permissão de ser enterrado num cemitério de Paris.

      Quanto à enfermeira, não há citação ao nome dessa suposta “enfermeira” que “relatou” as últimas palavras de Voltaire. Não há nenhuma menção a isso, em toda e qualquer biografia oficial de Voltaire, como a que foi escrita por André Maurois. Isso só existe em sites religiosos. Não há nem mesmo menção à causa do “fim terrível”, simplesmente porque Voltaire morreu aos 83 anos de idade.

      Assim, temos: Voltaire não era ateu e muito menos teve um final horrendo. De qualquer forma, eu nunca vi o que pode ser chamada de “morte bonita”. Você viu?

      Leia mais sobre VOLTAIRE, em:

      http://en.wikipedia.org.pt.mk.gd/wiki/Voltaire

      Thumb up 3
  31. OI amigos, esta reportagem está propiciando um debate muito ins-
    trutivo, apezar dos comentários ingênuos e inúteis que sempre apa
    recem. O OICED está se revelando um grande conhecedor da histó-
    ria das religiões. acredito que um bom professor.
    Mas ue tenho uma dúvida : fazia parte do conhecimento dos judeus
    a ideia da reencarnação que é a volta do espírito em um novo cor-
    po criado especialmente para atender às sua necessidades evoluti-
    vas, o que é diferente de ressurreição, que implica na volta à
    vida de um corpo que já estava morto. Temos no Evaangelho várias
    passagens qque demonstram este fato, como o diálogo de Jesus com
    Nicodemos, mestre dos sacerdotes, a confirmação por Jesus da volta de Elias, como estava previsto, porém como João Batista e
    muitas outras. Pergunto: Quando os cristãos passaram a adotar
    o dogma da ressurreiçao da carne em lugar da reencarnação do espírito ? teriia sido no Concílio de Niceia, por que o Impera-
    dor Constantino temiia reencarnar e sofrer o castigo por todos
    os seus crimes? já ouví isto em umma palestra a respeito do assun
    to. Abraços – EVALDO
    Vamos fazer a roda girar, está muito interessante

    Thumb up 0
    • flamarion,
      O concílio de Nicéia é uma das muitas falcatruas perpetradas pela igreja católica apostólica romana, entre proibir a crença da reencarnação até eleger Jesus como o próprio Deus. A volta de Elias como João Batista citada na Bíblia é uma prova de que naquela época a crença na reencarnação era comum e que passou a ser proibida pela igreja católica. Não sei se essa estória do imperador Constantino é real, mas o fato é que a crença na reencarnação acaba sendo uma faca de dois gumes. O propósito da reencarnação é a evolução da alma. Entretanto, após reencarnada, a pessoa pode preferir o gozo da carne em detrimento da elevação espiritual e usufruindo do livre arbítrio alegar que deixará a elevação espiritual para a próxima reencarnação. Por conseguinte, a proibição da crença na reencarnação pode até ter sido por motivos nobres. Quanto à ressurreição da carne, confesso que nunca me interessei pelo assunto. Finalmente, tais dogmas ou crenças não significam absolutamente nada enquanto o homem não aprender a amar ao próximo como a si próprio.

      Thumb up 5
    • Bovidino, também acredito que a ideia reencarnação pode desobrigar a pessoa de certas regras morais pela alegação por ti citada!

      No caso da reencarnação, se a igreja diz que morremos e vamos para o “céu”, e lá é tão bom, quem gostaria de voltar a terra e ter sofrimento de novo? Acho isso ilógico.

      Thumb up 4
  32. Isso não são evidências confiáveis! Poderiam pertencer a quaquer pessoa! Isso não chega perto, de explicar se Jesus realmente existiu! Nem com o Carbono eles conseguem encontrar evidênciais!

    Thumb up 2
  33. Em resposta, ao comentário:

    -Como você Oiced pode ter certeza que Deus NÃO EXISTE se nem a ciência provou isso?

    CIÊNCIA ou RELIGIÃO?

    MITO:
    Ateus adoram a ciência. A tecnologia é a sua igreja, a evolução é o seu credo, Darwin é o seu profeta, e os cientistas são os seus sacerdotes.

    Resposta de Christopher Hitchens:
    “Nós não nos baseamos unicamente na ciência e na razão, porque esses são fatores mais necessários que suficientes, mas desconfiamos de tudo o que contradiga a ciência ou afronte a razão. Podemos diferir em muitas coisas, mas respeitamos a livre investigação, a mente aberta e a busca do valor das idéias.”

    MAIS RESPOSTAS :
    Teístas religiosos que acreditam que todos adoram e tem algum tipo de religião que, por vezes, concluim que a religião dos ateus devem ser ciência. Ciência não é apenas humanismo secular e ateu, mas também foi responsável por derrubar muitos dos mitos, doutrinas e crenças que têm sido fundamentais para as religiões.
    Ciência tem conflitos com as religiões não porque é uma religião em si, mas porque as religiões conflitam geralmente com a realidade.

    A característica mais comum e fundamental da religião é a crença em seres sobrenaturais – geralmente, mas nem sempre, inclusive os deuses. Poucas são as religiões que não têm essa característica, mas a maioria das religiões são fundadas sobre elas.
    A ciência envolve a crença em seres sobrenaturais como deuses?
    Não – muitos cientistas são teístas e ou religiosos de diversas maneiras, enquanto muitos outros não são. A própria ciência como disciplina e profissão é ateista e secular, não promove nenhuma crença religiosa ou teísta. A diferença entre o Ateísmo e o Teísmo, tem grande significado. Do ceticismo, razão, lógica, e ciência de um lado e fantasia, intuição, submisão e tradição na outro.

    Ciência é provavelmente a instituição mais importante e influente no mundo moderno. Utilizando o método científico, que deu à humanidade, com mais conhecimento, mais benefícios e mais vantagens do que qualquer outra coisa no passado – incluindo a religião. Dado o grau em que as estruturas da ciência com a vida, o nosso futuro, e outras instituições sociais, não é surpreendente que alguns teístas religiosos viriam a ver paralelos entre as duas – mesmo para o ponto onde eles pensam que a ciência serve a totalidade ou parte as mesmas funções que a religião faz por eles e usado para fazer por toda a sociedade.

    Nenhuma das opções acima torna a ciência uma religião, no entanto. As definições da religião são geralmente divididos em duas categorias: materiais e funcionais. As definições de fundo procuram identificar uma “essência” básica que existe em todas as religiões, as escolhas mais comuns incluem a crença em deuses ou crença em algo “sagrado”. Embora essas definições sempre confiam em algo que não se aplica a algumas religiões, nenhuma delas descreve qualquer “essência” da religião que se aplica à ciência.

    Definições funcionais da religião buscam identificar as funções sociais, políticos ou psicológicos que as religiões servem para os seres humanos. Escolhas comuns para isso incluem fornecimento de estrutura social, o ensino moral, criar comunidades. Nenhum desses realmente descrevem a ciência, quer, no entanto eles podem vir um pouco perto Muitas das instituições sociais que criam a estrutura social ou criam comunidades estão fortemente influenciados pela ciência. Isso não é porque a ciência é intrinsecamente religioso, no entanto, mas porque a ciência no mundo moderno não pode ser ignorado.

    A idéia de que a evolução é um “credo” para os ateus e Charles Darwin um “profeta” é baseado na crença popular entre os conservadores cristãos evangélicos que a evolução é anti-cristã e anti-Deus. Nada disso é verdade, no entanto.
    Os ateus não colocam nenhuma importância maior na evolução do que em outros aspectos da ciência, é improvável que os ateus creditariam qualquer atenção especial para a evolução, se não fosse para os cristãos de passar tanto tempo e esforço tentando prejudicá-lo, a fim de promover a sua agenda teológico, político e social. Os sucessos científicos e técnicos, que melhoram a civilização e a qualidade de vida, se somam ao progresso científico e batem de frente com os dogmas religiosos em sua totalidade.

    As teorias da Física (principalmente a Teoria quântica) e da Biologia (com a Teoria da Evolução de Darwin), as descobertas da Psicologia (pela qual o sentimento religioso é um fenômeno interno ou mesmo neurológico), superam as explicações místicas e espirituais.

    É justo dizer que os ateus dão muita confiança na ciência, mas isso não é “fé” no sentido religioso e como religiosos teístas, deístas, panteístas, normalmente usam o conceito. Ateus colocam sua confiança na ciência porque ela tem demonstrado quão confiável ela é.
    A fé por séculos, foi mais forte e mais influente e mais poderosa que a ciência. O choque entre as duas tem raízes profundas na história da humanidade.

    O método científico tem provado ser um meio eficaz para separar a verdade da falsidade, durante o período relativamente curto que a ciência tem existido, ela tem conseguido muito mais do que qualquer coisa tem – inclusive as religiões.

    A ciência moderna é em grande parte uma conseqüência do Iluminismo, um período em que as instituições religiosas e as autoridades eclesiásticas começaram a realmente perder seu poder sobre a maioria dos aspectos da vida das pessoas. O Iluminismo foi totalmente secular em que não derivam seu ímpeto ou princípios de tradição religiosa ou de autoridade. Os valores mais fundamentais da ciência ateus são, portanto, também os valores da modernidade: o empirismo ceticismo e secularismo. Não é uma coincidência que a ciência e a modernidade desenvolvidos lado a lado: a ciência sem Deus(es) reforçou a modernidade secular, enquanto, desde que o ambiente em que a ciência ateísta poderia prosperar.

    A modernidade secular fornece a liberdade e espaço para as pessoas seguirem suas consciências e explorar as suas crenças e descrenças religiosas. A ciência sem Deus tem valor inestimável para a nossa sobrevivência como espécie.

    A ciência é muitas vezes criticada por ser ateísta, mas a impiedade é em grande parte porque a ciência é bem sucedida: ser ateu significa que a ciência não é devedora de qualquer ideologia religiosa ou perspectiva. Se fosse teísta, então não seria verdadeiramente livre para seguir a evidência onde ela leva.
    Ciência também é muitas vezes criticado por falta de valores, mas a ciência tem muitos valores – é só que eles são valores que são fundamentais para a nossa modernidade secular humanista e ateísta. É isso que incomoda a maioria dos críticos, porque esses valores estão provando sua superioridade sobre os valores religiosos que teólogos anti-modernos preferem promover.

    Estas são todas razões para pensar muito de ciência e tentar protegê-la contra possíveis ameaças. Nenhum deles, porém, com razões para pensar que as pessoas em qualquer ciência necessitam “adoração” forma ou de tratá-lo como uma religião. É até argumentável que a ciência é menos um sistema de crenças do que uma metodologia: um método e meios para a compreensão de que é a realidade em vez de um conjunto de doutrinas e dogmas que somos moralmente obrigados a acreditar em ameaças de punição. O discurso científico se opõe à superstição e ao obscurantismo e a pseudociência..

    É comumente alegado pela crítica e adeptos que a ciência moderna é livre de valores. Isso é falso, embora seja verdade que a ciência não possui muitos dos valores tradicionalmente atribuída à religião e não faz qualquer juízo de valor sobre o uso do conhecimento científico. Por outro lado, a capacidade da ciência para funcionar como ela faz, e com tanto sucesso, depende de um conjunto de valores muito importantes. Alguns desses valores são explicados aqui.

    Trabalho e Disciplina:

    A ciência é um campo difícil de ser bem sucedido. Nada é feito em ciência sem uma grande quantidade de trabalho duro, por longas horas, e muita disciplina é necessária para trabalhar essas horas de duração. Muito pouco em ciência pode ser descrito como “fascinante” – a maioria dos trabalhos científicos envolve se debruça sobre grandes quantidades de dados e pequenos detalhes que fazem os olhos da maioria das pessoas simplesmente perderem o interesse. Esse trabalho é necessário, no entanto, porque constrói as bases para novas descobertas.

    Honestidade:

    Toda profissão depende de seus membros serem honestos para a profissão funcionar. Na ciência, essa exigência pode ser ainda mais importante. Muitos cientistas trabalham de forma independente e os resultados são então incorporados ao trabalho de outros cientistas. Dados defeituosos podem, portanto, assumir uma vida própria, infectando o trabalho honesto de pesquisadores ao redor do mundo. Felizmente, existem sistemas adequados para capturar e eliminar a trapaça, mas nem sempre detectar os problemas imediatamente.

    Motivo:

    Um dos valores mais importantes da ciência é o uso da razão. Os problemas não são considerados para ser resolvido por tradição, a fé, ou simplesmente a palavra de alguém de confiança. O uso da razão ajuda a garantir que as explicações e as soluções são baseadas em realidade e não da preferência pessoal, o que é politicamente correto, ou o que é ideologicamente conveniente. A razão pode, naturalmente, ser abusiva, mas não mais do que qualquer outra coisa – e, até agora, a razão tem provado ser mais confiável do que qualquer outra coisa.

    Comunidade:

    Embora seja comum para os cientistas a trabalhar sozinho, a ciência não é realmente uma profissão solitária. Os cientistas fazem parte de uma comunidade científica mais ampla, uma que engloba tanto os do mesmo campo e aqueles envolvidos em outros aspectos da investigação científica. Todos estão interligados, de tal forma que os resultados alcançados por qualquer um pode ajudar o trabalho dos outros. É certo que estes se encontram dispersos através do mundo, mas nem por isso estão menos unidos por laços extremamente estreitos; lêem os mesmos jornais, feitos para e por eles e que são praticamente os únicos a consultar; têm o mesmo vocabulário e os mesmos interesses científicos; a sua educação vai muni-los de modelos e de critérios metodológicos comuns que determinam os problemas a resolver e as soluções admitidas pelo grupo. A comunidade também ajuda a garantir a confiabilidade do trabalho de todos porque, para ser adequadamente a investigação científica, devem ser revistos por pares.

    Questionar a autoridade e Pensamento Crítico:

    Apesar de existirem figuras de autoridade em ciência, como há em toda profissão, essa autoridade não é absoluta. Os cientistas são encorajados a questionar e desafiar as reivindicações e os resultados que a autoridade oferecer números. Afinal, o maior nome seguinte na ciência vai ser alguém que possa provar que uma teoria anterior estava errada, ou pelo menos incompleta, e, portanto, que as figuras de autoridade atual podem ter sido enganados. Cada cientista tem interesse em questionar a autoridade.

    Imaginação:
    É comum pensar dos cientistas, focado na lógica, mas uma imaginação muito boa pode ser mais necessário para ser um bom cientista. A imaginação é importante porque permite que se pense em novas possibilidades que podem não ser evidente a partir dos dados brutos sozinho. A imaginação também nos permite desenvolver novas explicações que também não são imediatamente apoiadas pelos dados, e isso dá um impulso de olhar para as descobertas.

    Progresso e Melhoria:

    Uma característica importante da ciência é que ela nunca é estática. Nenhuma explicação é definitiva ou completa e sempre há novos dados que tem de ser explicados, por isso nunca há qualquer sentimento de que o trabalho dos cientistas é concluída. Isto significa que os cientistas estão procurando sempre a melhoria e progresso em todos os momentos. A ciência trabalha para o aperfeiçoamento da humanidade e da sociedade, ajudando-nos a todos avançar ao invés de simplesmente estar satisfeito com onde estamos agora.

    Metodologia:

    Um valor da ciência que pode faltar é a ênfase no foco na metodologia adequada sobre as conclusões. O que isto significa é que o trabalho não deve ser feito por uma questão de se chegar a conclusões particulares e favorecidas. Em vez disso, deve-se concentrar em seguir a metodologia científica adequada e raciocínio. Isso ajuda a garantir qual é a mais provável para se chegar a conclusões corretas e explicações corretas, independentemente do que eles podem ser. Imagine se em outras áreas, como política, trabalhassem dessa forma.

    Mais conclusões:

    A ciência procura a verdade. E não descrimina. Para o melhor e para o pior compreende as coisas. A ciência é humilde. Sabe o que sabe e o que não sabe. Baseia as suas conclusões e crenças na evidência dura – evidência que constantemente é atualizada e melhorada. Não se sente ofendida quando os fatos aparecem. E abraça o corpo de conhecimento. Não se segura em práticas medievais porque são tradição. Se [a ciência] acreditasse nessas coisas, não conseguiria descobrir a vacina de penicilina, colocava uma sanguessuga pelas calças a dentro e começava a rezar. Independente do que se possa “acreditar”, isto não será efetivo como medicina. Uma vez mais pode-se dizer que “para mim, funciona”, mas também funcionam os placebos.

    O HUMANISMO está em sintonia com a ciência de hoje. Os humanistas reconhecem, portanto, que vivemos em um universo natural de grande tamanho e idade, que evoluímos neste planeta no decorrer de um longo período de tempo, que não existe uma evidência premente de “alma” dissociável, e que os seres humanos têm determinadas necessidades inatas que formam efetivamente a base de qualquer sistema de valores orientado para o homem.

    O Humanismo está em sintonia com novos avanços tecnológicos. Os humanistas têm boa-vontade em participar de descobertas científicas e tecnológicas emergentes, de modo a exercerem sua influência moral sobre essas revoluções à medida que surgem, especialmente no interesse de proteger o meio ambiente.

    “A ciência tem provas sem certeza. Os teólogos têm certeza sem qualquer prova.”

    Ashley Montagu

    Cientistas Criacionistas? Leiam em,

    http://www.evo.bio.br/layout/criacients.html

    Thumb up 5
    • “Nós não nos baseamos unicamente na ciência e na razão, porque esses são fatores mais necessários que suficientes, mas desconfiamos de tudo o que contradiga a ciência ou afronte a razão. Podemos diferir em muitas coisas, mas respeitamos a livre investigação, a mente aberta e a busca do valor das idéias.”

      Isso é algum tipo de enigma? Porque o resto é tudo besteirol.

      Thumb up 4
    • Oiced,
      Para tantas bobagens só há uma explicação:
      Opiniões defendidas apaixonadamente são aquelas para as quais não há boas justificativas. Bertrand Russel.

      Thumb up 4
    • Oiced,

      Se vocês materialistas dão tanta importância à ciência, então, por quê duvidam dela quando seus laudos são favoráveis aos milagres da Igreja?

      Por mais que você fale, no fim, tudo é uma questão de fé; seja ela em Deus, seja ela no criacionismo, seja ela no espiritismo, seja ela no naturalismo, seja ela no materialismo, seja ela no ceticismo…

      Por exemplo, sobre os milagres da Igreja como a Imagem de Guadalupe ou Santo Sudário, já foram feitas inúmeras pesquisas por cientistas de várias áreas (químicos, físicos, oftalmologistas, anatomistas, botânicos, médicos legistas, etc.), inclusive com artigos publicados com revisão por pares (peer review).

      Mas, para o cético fanático, a ciência só serve quando ela corrobora a sua “fé” no materialismo; quando ela vai a favor da religião, ele deixa de acreditar na própria ciência.

      Parece até que não buscam a VERDADE, mas fogem dela. Por isso, para mim, o ateísmo não passa da (des)religião da desesperança!

      Além disso, a ciência humana é limitada ao que pode ser observável e compreendido. Eis o porque que não devemos apostar todas as nossas fichas apenas na ciência:

      OS LIMITES DA CIÊNCIA

      (Autor: Prof. Mustafa Ali Kanso – HYPESCIENCE)

      “…

      Apesar do seu aparente sucesso, que se evidencia pelos fantásticos avanços tecnológicos vividos nas últimas décadas, este paradigma parece estar hoje vivendo seus últimos momentos. Os primeiros golpes contra um de seus principais pilares, a Física Newtoniana, foram desferidos pela Teoria da Relatividade de Einstein e pela Mecânica Quântica de Max Planck. Seguiram-se outros desenvolvimentos que tornam a derrocada, desta forma de ver o mundo, iminente. Podemos citar:

      Relatividade da Simultaneidade de Einstein
      Princípio da Incerteza de Heisenberg
      Teorema da Incompletude de Gödel
      Teoria da Complexidade em Sistemas Dinâmicos e não determinísticos.

      … ”

      http://hypescience.com/os-limites-da-ciencia/

      Thumb up 2
    • “por quê duvidam dela quando seus laudos são favoráveis aos milagres da Igreja?”

      Que laudo favorável a qual milagre?

      Thumb up 2
  34. Oiced,
    NADA É ORIGINAL NAS SUAS ARGUMENTAÇÕES.
    Suas observações de Livre Pensador dos pensamentos alheios são antigas e ultrapassadas e não vão mudar o curso da história e muito menos servem para esclarecer alguma coisa pois são argumentos viciados sem qualquer conteúdo digno de nota.

    Thumb up 5
  35. NADA É ORIGINAL NO CRISTIANISMO

    Uma das coisas mais inexplicadas à humanidade não é a construção das pirâmides, a estrutura do funcionamento do nosso cérebro. Mas essa abaixo “ Afff Maria”, essa é de doer! Embora a Igreja Católica Romana primitiva tenha feito tudo que estava ao seu alcance para evitar que o percebêssemos.
    Embora já percebido pelos pais da Igreja, como Justino, Tertuliano e Irineu que denunciaram o plágio antecipado, por copiar ardilosamente a história antes de ela acontecer, numa tentativa de iludir os crédulos. Descobrimos que a história do Cristianismo que nos foi legado pela Igreja de Roma era uma grosseira distorção da verdade (tomado emprestado) e “o maior acobertamento da história da humanidade”.

    Quando afirmo que nada é original no Cristianismo, vamos aprofundar o assunto sobre alguns fatos.

    1) Segundo os persas: Deus criou o mundo em seis dias, um homem chamado Adama, uma mulher chamada Eva, e então descansou.

    2) Os etruscos, gregos, egípcios, chineses e hindus tiveram seu Jardim do Edem e a árvore da vida. Todos tinham sua história da tentação do homem e da serpente astuta. Os chineses acreditavam que o primeiro homem fora criado da terra, e a primeira mulher, dos seus ossos.

    3)O Gênesis fora copiado dos caldeus. Aí se encontra tudo sobre a chuva, a arca, os animais, a pomba, a montanha. Sabemos que também a história é muito mais antiga que o Livro e sabemos além disso que ela não é verdadeira.

    4) A história de Jesus, nascimento, ressurreição e Juízo Final vem inspirada também dos persas e do Mazdeísmo.

    5) A história do nascimento de Moisés e os códigos de leis com os Dez Mandamentos são tão antigos quanto a sociedade humana. O Êxodo da forma como foi relatado nunca pode ter existido.

    6) A história da Torre de Babel não passa de uma fábula infantil.

    Foi publicado nos EUA , Why, the Jews rejected Jesus: the turning point in Western history – Por que os judeus rejeitaram Jesus, um ponto chave da história ocidental. O autor é judeu praticante, David Klinghoffer. Diz duas coisas interessantes:

    Lembra que o Talmude afirma que Maria concebeu Jesus em adultério, que ele praticava magia e incitava o povo em Israel. Essas passagens foram minimizadas ao longo da história por conta da perseguição cristã aos judeus. Dificilmente são acuradas historicamente, já que os textos são séculos posteriores a Cristo – provavelmente uma explicação por parte dos sábios, posteriores ao cristianismo. Mas o autor diz também que não enfrentá-los é desonesto e que a afirmação de que os judeus contribuíram para a condenação à morte de Cristo está de acordo com a tradição judaica.
    Diz também que não tinha como os judeus aceitarem Jesus, já que ele se permitia o direito de reinterpretar os textos sagrados além da tradição.
    No entanto, se Jesus tivesse sido aceito pelo grupo local de judeus entre os quais viveu, o cristianismo teria sido uma seita judaica. Portanto, seriam mantidos o Shabbath, a dieta kosher, a circuncisão.
    E, já que não é característica judaica a evangelização, o cristianismo jamais teria se espalhado pela Europa, criando um vazio. Uma Europa sem religião moderna, monoteísta, filosoficamente sofisticada, fatalmente se converteria à primeira que visse disposta a cativar novos adeptos: o Islã. E a história das Américas ficaria em aberto. Ao recusar Jesus, aquela pequena comunidade nos arredores de Jerusalém, sem saber, definiu o curso da história.

    Especialmente relevante no Cristianismo são a exclusão e supressão dos Evangelhos Gnósticos (“Escrituras Apócrifas”) atribuídos aos judeus eremitas os Essênios. Haviam também outras facções e seitas judaicas como os: Fariseus (para eles, o Reino de Deus deveria ser realizado no presente, sem aguardar por uma vida futura), Zelotas (de origem sacerdotal), Sicários (“homens com punhal”) e Saduceus (aristocráticos)…
    Esses textos registram fatos específicos e documentáveis sobre o início da história cristã, além de fornecerem uma idéia da diversidade de pensamentos religiosos e filosóficos que floresceram nos primeiros séculos de Cristo. Foram mantidos em segredo pelas Igrejas e seriam uma outra Bíblia.

    Os gnósticos buscavam o auto-conhecimento espiritual num sentido místico, cosmológico e oculto. Os gnósticos buscavam a verdade em si (“gnose” – sabedoria – em grego) num sentido pessoal mais amplo como livre-pensadores e criaram uma profusão de documentos, escrituras e evangelhos com elementos gregos, egípcios e até orientais. Praticavam o batismo no estilo de João Batista e se reuniam numa ceia litúrgica, de pão e vinho e suas comunidades eram dirigidas por 12 “homens de santidade” à semelhança dos 12 apóstolos cristãos.

    A partir de 1945 e 1947 começaram a vir a público misteriosos evangelhos não-canônicos, conhecidos como os Manuscritos do Mar Morto. Foi descoberta uma biblioteca de manuscritos judaicos de Evangelhos Gnósticos numa caverna nas imediações de Nag Hammadi, no Egito e nas cavernas do Deserto de Judéia. Os textos em rolos de pergaminho e papiro, envoltos em tecidos de linho, capa de couro e selados com betume (também foi achado um rolo de cobre) Quamrum , às margens do Mar Morto. Falam de um Jesus mais humano e sua história original, e os mais conhecidos são:

    O Evangelho de Maria Madalena – que tinha um relacionamento especial com Jesus. Esses evangelhos sugerem que as pessoas são capazes de tomar a iniciativa e encontrar o divino em seu íntimo. Podem prescindir da Igreja. Podem prescindir dos padres. Podem simplesmente meditar e ter suas próprias visões; o

    Evangelho de Filipe (63:34-35) – que Jesus costumava beijá-la com freqüencia na boca o que provaria que teriam certa intimidade e seriam casados (ou companheiros); o

    Evangelho de Tomé – Apresenta o mestre com uma sabedoria oculta. Contém muitos paralelos com os Evangelhos Ortodoxos do Novo Testamento, inclusive ditos ( Jesus disse, e Ele disse), frases de Jesus e provérbios extremamente parecidos com os que constam em outros textos, “fontes” para os textos canônicos Atribui, igualmente, grande importância ao autoconhecimento e ao crescimento pessoal, em passagens que lembram, de certa forma, verdades a semelhança com os aforismos budistas e taoistas; os pesquisadores consideram algumas de suas sentenças mais autênticas do que as equivalentes dos evangelhos canônicos; o

    Evangelho Sofia (Pistis Sophia) de Jesus Cristo – é um texto profundamente místico que fala sobre a criação de deuses, de anjos e do universo, com ênfase na existência de uma verdade infinita e mística. Trata de ensinamentos secretos que Jesus supostamente teria transmitido aos seus discípulos depois da ressurreição.

    Seguidores de uma variante do Cristianismo viviam no alto das montanhas, eram vegetarianos e respeitavam a natureza. Proclamavam saber os Mistérios Internos secretos do cristianismo, que os literalistas cristãos não possuíam. Foram declarados heréticos, combatidos e reprimidos. E assim uma grande variedade de documentos de outras formas de pensamento perdidos.
    Em nossos dias esse sistema de crença “na união com um “ser superior ou a descoberta desse eu, que é identificado com o divino ou equivale a ele”, continua vivo em nossos dias e existem sociedades gnósticas ou de gnosticismo.

    Proliferaram interpretações de que o Vaticano estaria manipulando os tradutores para evitar a divulgação de informações comprometedoras sobre a origem do Cristianismo.

    Apesar de considerados pelo Vaticano sem valor teológico, os Evangelhos Apócrifos são fonte para vários elementos da tradição, da liturgia e até da doutrina católica. Fora da Bíblia mas aceitos pelos fiéis, como a Perpétua Virgindade de Maria e a Assunção de Maria.
    Para ler sobre o assunto existem muitos livros como: Os Manuscritos do Mar Morto, O Mestre Antes de Jesus, Os Proscritos da Bíblia, Os Partidos Religiosos Hebraicos da Época Neotestamentária, Bíblia Apócrifa, Os Evangelhos Gnósticos (Elaine Pagels); A grande heresia: O Segredo da identidade de Cristo , O Outro Jesus, Além da crença: O Evangelho desconhecido de Tomé, Os Segredos do Código, Sábios Fariseus – Reparar uma injustiça. E para acessar e navegar, o site na web: http://www.essene.org

    Até que ponto são dignos de créditos os quatro pilares dos Evangelhos aceitos ( atribuídos a Mateus, Marcos, Lucas e João), dadas as suas discrepâncias narrativas?

    O que de se fazer com todos os demais relatos que não tiveram lugar no Novo Testamento?

    Quem foi Jesus e Maria Madalena, foram casados, tiveram um filho, e qual a sua verdadeira identidade?

    Maria Madalena era prostituta, discípula de Jesus que escreveu o seu próprio evangelho?

    E a figura de uma mulher na no quadro de Leonardo da Vinci na Santa Ceia?

    Por que a história de Moisés, o profeta fundador herói sem berço e sem túmulo, que teve o privilégio único, em vida, estar diante de Iahweh – aquele que é – o homem que deu ao mundo o Decálogo – as Tábuas da Lei gravadas pelo próprio dedo de Deus e selou a aliança entre Deus – a Potência Celeste – e o homem. Por que apesar de sua grandeza , a história de Moisés está mais cercada de dúvidas, hiatos, mistérios, controvérsias e contradições do que certezas ou de confirmações, chegando-se mesmo a se duvidar de sua existência?

    No dia em que Moisés desceu do Monte Sinai com as placas de pedra contendo os 10 Mandamentos, ele descobriu que os israelitas tinham criado um bezerro de ouro. Para punir as pessoas, Moisés juntou um grupo de homens e tomou as seguintes providências de acordo com Êxodo 32:27-28: Então ele lhes disse:
    Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: Cada um ponha a sua espada sobre a coxa; e passai e tornai pelo arraial de porta em porta, e mate cada um a seu irmão, e cada um a seu amigo, e cada um a seu vizinho. E os filhos de Levi fizeram conforme a palavra de Moisés; e caíram do povo naquele dia cerca de três mil homens.

    Então… um minuto nós temos Deus gravando na pedra “Não matarás”. Então no próximo minuto nós temos Deus mandando cada homem colocar uma espada em sua coxa e matar milhares de pessoas. Você não esperaria que o poderoso governador do universo fosse um pouquinho mais coerente que isso?
    Três mil pessoas é uma quebra considerável dos mandamentos. Obviamente isto é uma contradição total. A razão pela qual você encontra contradições como esta na Bíblia é porque Deus não existe.

    O que leva as pessoas a aceitarem as idéias da concepção sem pecado e da ressurreição?

    O que leva os muçulmanos a acreditarem que o Alcorão foi trazido do céu e trazidos por um anjo para ser escrito? E o livro dos Mórmons?

    O que leva cristãos com idéias tradicionais a acreditar que quaisquer coisas que ultrapassem os limites canônicos ou que não estão de acordo com a versão oficial da Igreja são provavelmente, heresias, mentiras e maldades que se originam ou do mal oculto nos corações humanos ou do próprio diabo?

    A verdade é que existe um abismo cada vez maior entre os resultados da pesquisa científica e relatos de teólogos, arqueólogos, filósofos, historiadores em torno da Bíblia do Talmude e Alcorão e o que dela sabe o cidadão comum, pertencente ou não a alguma religião judaica, católica e islâmica. Mas perfeitamente compreensível quando descobrimos pessoas que realmente acreditam que Adão e Eva tinham sido personagens reais.

    No Cristianismo, o ato humano por mais insignificante que seja, interfere com a vontade de Deus. O homem é livre para ser castigado e por isso é eterno escravo e joquete nas mãos de Deus e o Senhor criador e regulador Rei do Universo, que faz que tudo seja o que é.

    Sendo assim tudo o que nossos pais nos ensinaram é questionável, inclusive as suas crenças e os seus deuses. Podemos considerar seriamente que o mundo como nos foi apresentado e ensinado, deve ter chegado pelo correio de burro e estava marcado “Frágil” e “Perigoso”

    Thumb up 3
    • HAHAHAHA

      “Uma das coisas mais inexplicadas à humanidade não é a construção das pirâmides, ou a estrutura do funcionamento do nosso cérebro.”

      Então por que a ciência não explica? Explique você então já que é tão sabido e pensador dos pensamentos alheios.

      Thumb up 5
    • Ouvi falar que as piramides tem propriedades de, digamos, ser catalizadora de electromagnetismo…
      Você já ouviu falar em algo a respeito??
      Sabe de alguma pesquisa nessa área??

      Thumb up 0
    • Oiced Mocam, isso tudo também não passa de especulação. Ora, se há relatos sobre Adão e Eva em várias culturas e povos distintos; como saber quem copiou de quem ou se esses povos tiveram uma origem comum ou se as cópias dos seus escritos foram influenciadas pelas histórias de outros povos, etc.? Podemos supor qualquer coisa e ninguém pode provar nada!

      Por exemplo, falam muito que a bíblia copiou parte do conto sumérico Epopéia de Gilgamesh. Eu li Gilgamesh e a única parte com algumas coincidências reais é a do dilúvio; porém, dá para se ver claramente que é uma estória totalmente fantasiosa sobre o Rei Gilgamesh (que realmente existiu), embora bonita e até filosófica sobre a busca da vida eterna.

      No entanto, a história do dilúvio é muito mais antiga e faz parte da tradição de inúmeros povos; segundo li, há mais de 270 relatos do dilúvio em diversas culturas distintas e supostamente isoladas uma das outras. Mesmo antes de ser escrito a Epopéia de Gilgamesh, provavelmente, já se conhecia a história do dilúvio por tradição oral ou mesmo escrita. Mesmo porque, acredita-se que os hebreus também eram de origem mesopotâmica e daí a semelhança entre as mitologias e línguas.

      Temos que lembrar que Justino, Tertuliano, Irineu e os outros pais da Igreja morreram todos cristãos. Já que considera que o culto filósofo cristão Justino de Roma (ou São Justino Mártir) dizia a verdade; então, porque não considera o texto completo que ele escreveu por volta do ano 155 da era cristã, numa comovente carta apologética ao imperador Tito Élio e ao Senado Romano, onde tenta convencer o imperador da veracidade histórica da fé cristã sobre os mitos pagãos, em vez de considerar apenas um trecho?

      Se Justino fala de algumas coincidências dos deuses gregos, filhos de Zeus, com a história de Cristo, também demonstra que os poetas gregos que escreveram tais mitos é que provavelmente parodiaram (segundo ele, talvez influenciados por forças malignas) as profecias judaicas sobre o Messias, provando que elas eram muito mais antigas. E também, nesta mesma carta, ele cita o documento oficial romano “Atos de Pilatos” para que o imperador confirmasse a existência e a história da crucificação de Cristo.

      Vale a pena ler toda a maravilhosa carta, já que ele cita várias passagens do Velho Testamento e do Novo Testamento (aliás, BEM PARECIDAS com as narrativas de hoje) para provar ao imperador que JESUS CRISTO, ao contrário dos mitos pagãos, realmente EXISTIU, que ele era o logos e que nele foram CUMPRIDAS todas as PROFECIAS judaicas sobre o Messias escritas muitos séculos antes do nascimento de Jesus Cristo.

      Ali também mostra como a doutrina cristã da época era PARECIDA com a doutrina da Igreja Católica; como, por exemplo, sobre a eucaristia. Uma curiosidade é que, na época, os cristãos eram acusados de ATEÍSMO por não acreditarem nos deuses pagãos!

      Você citou o Talmude, o livro sagrado dos judeus, dizendo que ele “afirma que Maria concebeu Jesus em adultério, que ele praticava magia e incitava o povo em Israel”. Ora, essa é uma das MAIORES PROVAS históricas da existência histórica de Jesus Cristo e de que ele não foi um mito (como você quer tentar nos convencer a qualquer custo)! E, justamente, escrito por seus inimigos. O próprio texto que você citou já mostra que Jesus era filho de Maria mas não de José, a ponto dos fariseus a acusarem de adultério; e que Jesus realmente fazia milagres, a ponto dos fariseus o acusarem de fazer magia (já que eles acreditavam que Jesus fazia milagres pela força de Belzebu ou Satanás).

      Sobre a passagem de Moisés, temos que lembrar que primeiro eles violaram o mandamento de Deus, mesmo após verem todos os seus prodígios; e que Deus é infinitamente misericordioso, mas sua justiça não é menor.

      Não adianta querer interpretar a bíblia de forma literal, ela e cheia de metáforas e poesias e foi inspirada por uma inteligência muito superior. É pelas PROFECIAS e SABEDORIA nela contidas que sabemos que é inspirada por Deus.

      O próprio Gênesis tem profecias e sabedoria; por exemplo, referência à Santíssima Trindade quando Deus diz que ‘façamos o homem à nossa imagem e semelhança’, algo que só foi revelado depois. Em Gênesis Deus fala que porá ódio entre a mulher e a serpente e entre a descendência delas. Uma coisa interessante: a serpente também tem descendentes. No Apocalipse (escrito muitos séculos depois) fala que o Dragão (Satanás) é a antiga serpente e que persegue a mulher (Maria, a nova Eva) que é protegida no deserto; e que, então, o Dragão foi fazer guerra
      ao resto da sua descendência (sim, Maria é nossa mãe), que são aqueles que guardam os mandamentos de Deus.

      Aliás, em 1830 (portanto, vários séculos depois da profecia de Gênesis e Apocalipse), Sta. Catarina de Labouré (cujo corpo está incorrupto até hoje!!!) tem uma visão da Virgem Maria (que lhe manda cunhar a famosa Medalha Milagrosa), justamente, pisando na cabeça da serpente!

      A própria cruz (aos olhos humanos, um instrumento de tortura e pena de morte inventada pelos Romanos), escolhida por Deus como sinal de salvação, desde o Êxodo quando Deus manda fazer uma serpente de bronze e pendurar numa haste para que, quem olhasse para ela, fosse curado do veneno das serpentes; prefigurando já a morte de Cristo na cruz séculos antes do nascimento de Jesus. Sendo que a haste horizontal da cruz simboliza a humanidade e a haste vertical a ligação entre a Terra e o Céu.

      Quando Deus manda Abraão sacrificar seu filho para testar sua fé e depois o impede mandando um cordeiro no lugar; já prefigura o sacrifício de Cristo na cruz. Veja que Deus não permite o sacrifício do filho de Abraão, mas permite que seu único filho fosse sacrificado por nós. A passagem da páscoa no Exôdo (escrito séculos antes do nascimento de Jesus) também é uma prefiguração da páscoa de Cristo e da nossa: a passagem da morte para a vida.

      O artigo da Wikipedia sobre ‘Cristo’ mostra dezenas de passagens do Antigo Testamento (escritas séculos antes do nascimento de Cristo) que se cumpriram na pessoa de Cristo, inclusive: que ele nasceria de uma virgem, falaria em parábolas, faria milagres, seria rejeitado e traído por trinta moedas de prata, seria acusado injustamente, seria rejeitado e ferido por nossas iniquidades, seria cuspido e esbofeteado, teria os pés e mãos transpassados, oraria pelos inimigos,lançariam sorte para repartir suas vestes, o fariam beber vinagre, não teria os ossos quebrados, um rico o sepultaria, ressuscitaria no terceiro dia, etc., etc., etc.

      Assim, todo o Velho Testamento converge para Cristo, o Messias esperado; mas tais passagens referentes a Cristo, muitas vezes, não são de interpretação literal. Basta ver que os judeus esperavam um messias glorioso que os iria libertar da opressão romana. Mas, desde o início, o plano de Deus era muito maior: Ele queria libertar TODA a humanidade do pecado e da morte, a nossa VERDADEIRA escravidão!

      Portanto, embora pareça haver muitas contradições na bíblia aos olhos dos cépticos, ela é divinamente SÁBIA aos olhos da teologia e perfeitamente coerente do começo ao fim!

      Thumb up 3
  36. Cristianismo – CONSTANTINO

    A história do cristianismo primitivo é uma narrativa pontuada por incógnitas, heresia, intrigas políticas e pessoais, ironias e meandros. O que mais tarde veio a se tornar-se o cristianismo teve início com os judeus pregando a outros judeus uma forma cada vez mais distinta do judaísmo. A imagem que a civilização ocidental se acostumou a ver é uma progressão natural: começa com Jesus, segue com a pregação dos apóstolos tal como descrita no Novo Testamento, passa pela fundação da Igreja por Pedro, prospera sob a égide de Constantino e do Concílio de Nicéia e daí, por meio do Império Romano, chega à Europa e assim por diante, até o mundo moderno.
    Surgiu na Galiléia atual Israel, região da Palestina, no século 1 e o livro sagrado é a Bíblia. Segundo os Evangelhos o Cristianismo, tem sua origem no judaísmo com Jesus Cristo. Graças ao trabalho dos apóstolos difundiu-se pelo Império Romano.
    Recebeu influências de cultos gregos, egípcios, romano, nórdico e céltico. Gerou inúmeros ramos. O Oriente Médio foi berço das três maiores religiões: o Judaísmo o Cristianismo e Islamismo e professam suas origens no patriarca Abraão (comum um Deus).

    É uma religião que tem como base a vida, os ensinamentos e, principalmente, a crucificação e a ressurreição de Jesus Cristo, considerado o filho de Deus, o próprio Messias. As raízes da religião remontam ao Judaísmo, mas ela é baseada em uma “nova aliança” em relação àquela firmada entre Deus e Abraão. Essa aliança teria se concretizado na figura de Jesus, cuja vida, está registrada nos quatro evangelhos, livros que inauguraram o chamado Novo Testamento. O Cristianismo é a tradição religiosa com o maior número de fiéis em todo o mundo: 2 bilhões de pessoas.

    O imperador romano CONSTANTINO adotou o Cristianismo, mas também era devoto do Sol Invictus (“sol invencível”, derivado da Síria) e estava muito longe de se tornar um verdadeiro cristão. Foi, talvez, com exceção de Nero, o mais selvagem e perverso e ignorante de todos os imperadores romanos. Os homens que o seguiram, assassinaram, tiranizaram e morreram assassinados. Mudam os nomes e as datas mas os acontecimentos se repetem inúmeras vezes. Venceu a primeira batalha e atribuiu esse sucesso à suas orações, foi assim que Cristo o príncipe da paz, tornou-se o Deus da guerra do império romano.

    A fim de convencer os supersticiosos romanos de que Cristo o tinha auxiliado nas batalhas, inventou um milagre. Disse que tinha visto uma enorme cruz em fogo, onde se liam as seguintes palavras; “In hoc signo vinces –“ com este sinal vencerás!
    Não se usava mais o “para frente, guerreiros romanos”, mas o novo grito dos arrogantes lutadores agressivos. Passou a ser “para frente soldados cristãos”, e a sua frente marchava o suave judeu da Galiléia, com uma pesada cruz de madeira nas costas.
    Tendo adotado o Cristianismo como religião oficial de Roma, o imperador assassinou a sua esposa, seu filho mais velho e uma sobrinha e começou a dirigir Roma. Aumentou as já excessivas taxas de seus súditos e reduziu grande parte dos cidadãos romanos à escravidão. Reconstruiu a cidade de Bizâncio, dando-lhe o nome de Constantinopla (a cidade de Constantino).

    Constantino é mais conhecido e lembrado pela convocação do Concílio de Nicéia, na cidade de Nicéia, perto de Constantinopla. Para serem discutidas questões teológicas e as várias doutrinas sobre a divindade de Jesus. Já naquela época tinha vários fundamentalistas e modernistas, dispostos a se matarem mutuamente. Reuniu cerca de 2500 sacerdotes, incluindo 318 bispos e disse-lhes que apresentassem seus argumentos, na sua presença. A discussão foi toda em grego. Língua que Constantino não falava e não entendia e acompanhava certas partes com dificuldade. Os modernistas eram conhecidos como Arianos. Ário sustentavam que Cristo era o primeiro e o mais nobre de todos os seres sagrados, mas que não era um Deus e nem da mesma substância do Pai. Trinta anos após o início do reinado de Constantino, dois novos concílios foram realizados para discutir a mesma questão. Ambos foram incapazes de colocar um ponto final no assunto.

    No Concílio de Nicéia, Jesus foi votado e escolhido como de origem divina. Aproveitaram a mensagem de amor de Jesus e a crucificação para transformá-lo em salvador e filho de Deus. Os Evangelhos anteriores foram considerados heréticos, reunidos e queimados e muitas versões diferentes sobre Jesus ficaram fora da Bíblia. A Igreja Católica Romana e Constantino lançaram as bases do novo poderio do Vaticano e toda (ou quase toda) história passa a ser contada pelos vencedores no cânone bíblico considerados “inspirados”. Os apócrifos, cartas, coletâneas de frases, narrativas da criação e profecias apocalípticas e narrativas ligadas a Jesus Cristo e ao Antigo Testamento ficaram de fora.

    O Deus pré-cristão Mitra – chamado o filho de Deus e a Luz do Mundo – nasceu no dia 25 de dezembro, morreu, foi enterrado em um sepulcro de pedra e depois ressuscitou em três dias. Aliás, o dia 25 de dezembro é também o dia de celebrar o nascimento de Osíris, Adônis e Dioniso. Na época de Constantino a religião oficial de Roma era o culto de adoração ao Sol o dia santo semanal dos cristãos foi emprestada dos pagãos. Muitos cristãos não faziam uma clara distinção entre o culto do Sol e o seu próprio. Falavam em Cristo conduzindo sua biga pelo céu. A cristandade celebra o sabá judeu no sábado, mas Constantino ao resolver unificar Roma sob uma única religião, mudou isso de modo que a celebração coincidisse com o dia em que os pagãos veneram o Sol.
    E assim até hoje vamos a igreja para pagar tributos aos Deus Sol (Sol Invictus) semanal. E por isso em inglês o domingo é chamado de Sund-day, ou “dia do sol”. Os vestígios da religião cristã aparecem nos discos solares egípcios. Tornaram se auréolas dos santos católicos.

    Um tormento incessante para Constantino era a controvérsia com os seguidores do teólogo Ário (arianos), que contestavam o conceito de Jesus que era da mesma substância que o Pai. Somente o Pai era Deus, afirmavam Ário e seus seguidores; Cristo não era uma deidade e deveria ser subserviente ao Pai, subordinada a Deus. Afinal ele ora ao Pai e faz a vontade do Pai. Argumentavam que Jesus tinha, sem dúvida sido um líder e profeta notável, mas não era Deus tornado carne e não passava de um homem. Um mortal. Os arianos foram derrotados pelos cristãos e assim o arianismo se tornou uma heresia.

    Os fundamentalistas insistiam na Trindade (três divindades reunidas em Pai, Filho e Espírito Santo). Em Nicéia, não era a verdade, ou a veracidade, das visões religiosas ou morais que estava em xeque. A aceitação ou rejeição das concepções dizia respeito fundalmente à política e ao poder. Finalmente após uma tempestuosa discussão de dois meses, ajudou a organizar a Igreja e o Vaticano, segundo o modelo do Império Romano e os bispos com vantagens financeiras tornaram-se os chefes da Igreja. Acompanhavam o imperador em suas excursões militares.

    Muitos estudiosos alegam que a Igreja Católica Romana literalmente roubou Jesus de seus seguidores originais sufocando sua mensagem humana e usando-o para expandir o seu próprio império. A Igreja tornou-se rica, poderosa , profana, arrogante, opressiva, respeitável e corrupta. O papa (pai), tornou-se o espírito do Império Romano e o imperador romano pela espada era o ditador absoluto do seu corpo. O novo reinado do céu transformou-se numa trindade de reinados: Reinado do Céu, o Reinado de Roma e o Reinado da Igreja, numa época em que existiam seis milhões de cristãos.

    Os lugares “santos” cristãos começaram a surgir a partir da visita de Helena à cidade, ela era a mãe do imperador romano do Oriente Constantino. Após a adoção, por seu filho, do Cristianismo como prática religiosa, foi ela quem “localizou” em Belém o lugar do nascimento de Jesus e quem “encontrou” o túmulo de Cristo em Jerusalém e outros lugares passaram a ser tornar santos e sagrados.

    Jerusalém hoje congrega diferentes religiões, cada uma com seus próprios locais de adoração e peregrinação. Para cada povo a cidade possui um lugar santo. Desde a origem, Jerusalém estava destinada a ser uma cidade santa, mas a história das religiões não foi marcada pelo amor ao próximo.

    Roma ensinara aos bárbaros a arte de destruir, e 139 anos depois da morte de Constantino os bárbaros Hunos, Vândalos, Godos, voltaram a destruíram Roma. Seguiu-se o caminho de todas as outras nações agressivas que procuraram governar o mundo pela força. Grande parte do mundo havia sido batizada pelo sangue, mas já não era mais a primitiva religião de Cristo. A primeira cisão no Cristianismo ocorreu em duas: tendo de um lado, a Igreja Católica Romana, de outro, a Igreja Ortodoxa, e mais tarde numa segunda cisão surgiu o Protestantismo de Lutero, que por sua vez também se dividiu.

    Os vestígios da religião pagã na religião cristã são inegáveis. Foi no meio da mistura de religiões que se ergueu o cristianismo.
    As modernas imagens da virgem Maria com o Menino Jesus no colo, são pictogramas de Ísis – uma Madona – dando o seio a seu filho sagrado Hórus.
    Praticamente todos os elementos do ritual católico – a mitra, o altar, a doxologia e a comunhão, foram diretamente copiados de religiões pagãs místicas mais antigas.

    No coração dos Mistérios leitura interessante nos traz o livro: Os mistérios de Jesus: “O Jesus original” era um deus pagão? (The Jesus Mysteries:Was the “Original Jesus” a Pagam God?).
    Havia mitos a um Deus-Homem morto e ressuscitado, conhecido por diferentes nomes: Osíris no Egito, Dionísio na Grécia, Adônis na Síria, Baco na Itália, Mitra na Pérsia Átis na Ásia Menor. Todos esses deuses-homens eram fundalmentamente o mesmo ser mítico e salvador.

    Filósofos como Xenófanes (V a . C.) e Empédocles ridicularizavam a interpretação literal das histórias dos deuses e deusas, as quais consideravam alegorias criadas pelos seres humanos.
    O mito de Osíris-Dioniso permaneceu essencialmente o mesmo. As narrativas sobre os deuses-homens dos filósofos dos Mistérios Pagãos são fundalmentamente a mesma, ainda que assumam formas diferentes. E se torna óbvio que a história do homem Jesus um mero profeta mortal continha todas as características desse relato imortal, produto de uma imitação diabólica ou seja plágio que nos foi legado pela Igreja de Roma.

    A suposta biografia de Jesus e semelhança tem por base os temas míticos relacionados a Osíris-Dioniso, antecipados por sábios pagãos. Admitida até mesmo por alguns teólogos cristãos (extraído de: Os mistérios de Jesus; “O Jesus original” era um Deus pagão? – de Timothy Freeke e Peter Gandy).
    Como por exemplo, alguns temas comuns:

    O nascimento numa gruta ou lugar humilde diante de três pastores.
    Seu pai é Deus e sua mãe uma mortal virgem.
    Osíris-Dioniso é Deus tornado carne, o salvador e “filho de Deus”.
    Ele oferece a seus seguidores o renascimento através do batismo.
    Ele transforma água em vinho numa cerimônia de casamento.
    Ele entra triunfalmente na cidade montado num asno e as pessoas o saúdam com folhas de palmeira.
    Ele morre na Páscoa em sacrifício pelos pecados.
    Depois da morte, desce do ao inferno, ressuscita no terceiro dia e ascende aos céus.
    Sua morte e ressurreição são celebradas com uma refeição de pão e vinho, que simbolizam seu corpo e o seu sangue.
    Seus seguidores aguardam seu retorno como juízo dos Últimos Dias.

    Thumb up 6
    • O OUTRO LADO DA MOEDA:

      Sobre Constantino, temos que ver qual era o contexto da época e não compararmos a nossa sociedade atual com a sociedade daquela conturbada época; lembrando que essa época foi uma época de guerra civil e de transição do paganismo para o cristianismo.

      E o que importa para o cristianismo é que Constantino, com o Edito de Milão, acabou com três séculos de perseguição e martírio de cristãos.

      Agora, afirmar que Constantino inventou o milagre da visão da cruz é somente especulação tua, para não dizer, calúnia. O que se sabe é que ele afirmou ter tido uma visão ou sonho do sinal da cruz com a inscrição: “COM ESTE SINAL VENCERÁS!” e que, antes da batalha, mandou pintar uma cruz nos escudos dos soldados conseguindo uma vitória esmagadora sobre o inimigo.

      Se foi um fato histórico ou não e como realmente se deu, não temos como saber. Porém, após sua vitória, o fato é que ele liberou o cristianismo com o Edito de Milão; embora, só se batizou no fim da vida.

      Ele realmente convocou o Primeiro Concílio de Nicéia para unificar o cristianismo, porém não interferiu na decisão dos bispos. O arianismo era uma das muitas heresias da época e a Igreja, reunida em concílio e inspirada por Deus, tinha total autoridade (“… Tudo que abrires na Terra, será aberto no Céu; e tudo que fechares na Terra, será fechado no Céu…”) para resolver qual era a verdadeira doutrina a ser seguida. Tanto é verdade que o próprio Constantino era favorável ao arianismo; e, no entanto, o arianismo perdeu no concílio.

      Lembrando que as heresias na Igreja começaram desde os tempos dos apóstolos (“Houve, contudo, também falsos profetas no seio do povo, como haverá entre vós falsos mestres, os quais trarão heresias perniciosas…”).

      A página da Wikipédia sobre Constantino contém um bom resumo imparcial sobre sua vida e de sua relação com o cristianismo.

      Sobre o Mitraísmo, basta ler o artigo da Wikipédia a respeito para ver o quanto ele é fantasioso, assim como a história de outros deuses mitológicos. Por ele ter sido praticado no Império Romano, pode ter sido influenciado pelo cristianismo e não o contrário; mesmo porque, os rituais do cristianismo são derivados dos rituais judaicos que era totalmente avesso ao culto de deuses pagãos.

      Sobre a alegação de que Jesus é apenas uma mistura de lendas de deuses antigos (tão popularizada na internet através de pseudos-documentários como Zeitgeist), basta ver as críticas do Dr. Chris Forbes ao filme:

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Zeitgeist,_o_Filme

      E a Igreja, quando se tornou a religião oficial do Império Romano, sabiamente substituiu muitas festas, templos e cultos pagãos pelos do cristianismo como uma forma de fazer os novos cristãos esquecerem seus cultos pagãos antigos.

      Porém, até sobre a data do Natal há controvérsias:

      “…No entanto, resta interessante saber que a opção pelo 25 de dezembro é resultado das tentativas efetuadas pelos primeiros cristãos em investigar a data de nascimento de Jesus baseando-se em cálculos do calendário que nada tinham a ver com as festividades pagãs. Ao contrário, a festa pagã do “Nascimento do Sol Invicto” foi instituída pelo imperador romano Aurélio para ser comemorada em 25 de dezembro de 274, quase com toda certeza como tentativa de criar a alternativa pagã para uma data que já gozava de certa importância para os cristãos romanos. Com efeito, “as origens pagãs do Natal” são um mito sem fundamento histórico…”:

      http://www.veritatis.com.br/article/5677

      Já o artigo abaixo mostra o incrível e exaustivo trabalho de Dionísio, no ano 532 d.C., para corrigir o calendário ocidental a fim de determinar o verdadeiro dia e ano do nascimento de Cristo. Vale a pena ler para ver como era complicado o calendário dos povos antigos:

      http://www.veritatis.com.br/article/4688

      E esse abaixo também que fala sobre a incrível descoberta de um estudioso israelense baseado no sacerdote Zacarias pai de João Batista:

      http://www.bibliacatolica.com.br/blog/doutrina-catolica/jesus-nasceu-mesmo-num-dia-25-de-dezembro/

      Thumb up 3
    • Resposta às críticas

      Acharya S, autora do livro utilizado no filme Zeitgeist, e ridicularizado por Chris Forbes, rebate em seu site as afirmações de Forbes explicando ponto a ponto as dúvidas levantadas e dizendo que Forbes não é egiptólogo, classicista ou mitologista, demostrando falta de conhecimento em várias áreas relevantes do filme.

      Acharya também produziu um ebook de 105 páginas chamado “The ZEITGEIST Sourcebook” aonde explica mais detalhadamente as dúvidas geradas por Forbes. A autora também salienta que os seus livros e escritos fornecem milhares de páginas cuidadosamente citados com fontes primárias de obras de autoridades credenciados a partir de uma variedade de campos, fornecendo as provas que Forbes garante não existirem

      Peça tradução completa, sobre a refutação, lendo em:

      http://www.truthbeknown.com/chrisforbeszeitgeist.html

      Thumb up 3
    • Oiced, pelo jeito você também acredita mesmo em Zeitgeit.

      Eu dei uma lida na refutação ao Dr. Chris Forbes; alguns argumentos parecem convincentes e outros não; mas deu para ver que é assunto muito complicado e que exige um longo tempo de pesquisa para saber a verdade. Por exemplo, nos artigos da Wikipedia sobre Ísis, Horus, Osíris e outros deuses, dá para ver que são personagens totalmente fantasiosos (a maioria derivado do sol, da lua e das constelações) que mudam totalmente de acordo com o tempo e o lugar onde são cultuados; e até da interpretação de cada historiador. Por isso, tais mitos após Cristo podem ter sido muito influenciados pelo cristianismo e não o contrário.

      Mas, pelo menos naquilo que já tenho mais conhecimento, deu para ver que ele estava certo; por exemplo, sobre Constantino ter tornado o cristianismo obrigatório, enquanto ele apenas liberou o culto cristão (com o Edito de Milão); e desse ter criado o Jesus histórico, o que é absurdo. Sobre Flávio Josefo, Dr. Forbes também está certo. E também sobre a longa lista de historiadores contemporâneos de Jesus ( composta de geógrafos, escritores sobre jardinagem, poetas e filósofos ) é outro absurdo e desonestidade do filme.

      Só aí dá para ver o quanto o filme é especulativo, tendencioso e calunioso!

      A verdade é que o cristianismo, por ter sido derivado do judaísmo, era totalmente avesso aos deuses pagãos; e se ele copiou alguns cultos e rituais, foi do próprio judaísmo. E a existência do Jesus histórico é praticamente inquestionável entre os historiadores sérios.

      Outra evidência são as profecias sobre Cristo. Por exemplo, o artigo da Wikipedia sobre ‘Cristo’ mostra dezenas de passagens do Antigo Testamento (escritas séculos antes do nascimento de Cristo) que se cumpriram na pessoa de Cristo, inclusive: que ele nasceria de uma virgem, falaria em parábolas, faria milagres, seria rejeitado e traído por trinta moedas de prata, seria acusado injustamente, seria rejeitado e ferido por nossas iniquidades, seria cuspido e esbofeteado, teria os pés e mãos transpassados, oraria pelos inimigos,lançariam sorte para repartir suas vestes, o fariam beber vinagre, não teria os ossos quebrados, um rico o sepultaria, ressuscitaria no terceiro dia, etc., etc., etc.

      Ou seja, afirmar que Jesus Cristo é apenas um mito derivado de outros deuses, não só é um absurdo como é uma grande calúnia!

      Thumb up 1
  37. Oi, gente. Sou eu de novo. Não pensei que alguem ia se preocupar
    com o meu comentário despretencioso. Só para esclarecer, eu sou
    espírita e como todo espíritaa estudo o Evangelho em suas entre
    linhas a mais de cinquenta anos ( estou com 70) e como o próprio
    mestre disse “Meu reino não é deste mundo “, podemos concluir que não se preocupou em registrar sua presença na calçada da fama
    até as poucas palavras que ele escreveu foram na areia, para se-
    rem apagadas pelo vento. Os evangelhor foram escritos várias dé-
    cadas depois de sua “morte”(…)será que ele viveu fisicamente?
    Um abraço

    Thumb up 1
    • Jesus existiu?

      Acharya S, autora do livro utilizado no filme Zeitgeist, e ridicularizado por Chris Forbes, rebate em seu site as afirmações de Forbes explicando ponto a ponto as dúvidas levantadas e dizendo que Forbes não é egiptólogo, classicista ou mitologista, demostrando falta de conhecimento em várias áreas relevantes do filme.

      Acharya também produziu um ebook de 105 páginas chamado “The ZEITGEIST Sourcebook” aonde explica mais detalhadamente as dúvidas geradas por Forbes. A autora também salienta que os seus livros e escritos fornecem milhares de páginas cuidadosamente citados com fontes primárias de obras de autoridades credenciados a partir de uma variedade de campos, fornecendo as provas que Forbes garante não existirem.

      http://www.truthbeknown.com/chrisforbeszeitgeist.html

      Silêncio preocupante da História Sobre Jesus!

      Os fatos são que os não-cristãos judaicos, os escritores gregos e romanos das décadas seguintes os fatos alegados da crucificação e ressurreição de Jesus são praticamente silenciosas sobre qualquer pessoa chamada Jesus de Nazaré.
      Peça tradução completa no Google, sobre a refutação, lendo em.

      (DV) Salisbury: History’s Troubling Silence About … – Dissident Voice

      Thumb up 4
  38. Como bão filho a casa retorna; Eis me aqui, irmão ateus e não!!! Vou acompanhar “seus” sábios raciocínios, apesar de parece um plágio por mentes q n pensam por si, isso por parte de alguns!
    Espero que, depois de tantas mudanças no HS; as censuras também estejam mudadas.
    “É pau pra lamber sabão e, pau pra saber que sabão não se lambe!!!”
    Ainda: Quem foi que disse que somos centro do Universo, meu caro Oiced?
    Perai que vou tomar um banho e já volto!

    Thumb up 4
    • Quem foi que “disse que somos centro do Universo”, meu caro Oiced?
      Onde consta essa minha postagem Jorginho?

      Thumb up 1
    • Antes de lhes responder caro Oiced, devo cumprimentá-lo pelo esforço sem medida ao pregar seus “santos evangelhos” ateísta!
      Atreveria perguntar que progresso tem feito a respeito da vida, em minha ausência?

      Busquei e não encontrei nenhum “sábio” que pudesse provar a razão da vida que não fosse meras especulações. Seja na área religiosa ou científica.
      Quanto Seu questionamento, direi:
      “…A velha noção antropomórfica de que todo o universo se centraliza no homem — de que a existência humana é a suprema expressão do processo cósmico — parece galopar alegremente para o balaio das ilusões perdidas…” (Henry L. Mencken)

      O Velho Cristianismo já naquele tempo comentou a questão de outros mundos e, que somos únicos a pensar “o que somos e para onde vamos!”
      Mesmo porque a criação parece ser um “experimento” superior, entrelaçado entre espírito e matéria.
      E não pergunte como existe uma e outra. Pois a religião e ciência Não pôde responder de forma absoluta.

      Hoje a ciência especula universos paralelos e tantos outros universos, coisa Não estranha ao espiritismo nato!
      Pergunto: O que pode ser absoluto e único?

      Abraço a todos e desculpe pelo atrevimento.

      “A todo cientista minucioso deve ser natural algum tipo de sentimento religioso, pois não consegue supor que as dependências extremamente sutis por ele vislumbradas tenham sido pensadas pela primeira vez por ele. No universo incompreensível revela-se uma razão ilimitada. A opinião corrente de que sou ateu baseia-se num grande engano. Quem julga deduzi-la de minhas teorias científicas, mal as compreendeu. Entendeu-me de forma equivocada e presta-me péssimo serviço…” Albert Einstein – (Traduzido de H. Muschalek (Ed.) – Gottbekenntnisse moderner Naturforscher, quarta edição, Morus, Berlim, 1964).

      “O primeiro gole do copo das ciências naturais torna ateu; mas no fundo do copo Deus aguarda.” (Werner Heisenberg (1901 – 1976).

      Thumb up 7
  39. Os pensamentos comentados:

    1)-O cume da tolerância é mais rapidamente alcançado por aqueles que não andam carregados de convicções.
    — Alexander Chase
    Ex: Estar convicto de que Deus não existe e que a ciência tem a solução para tudo, deixa a pessoa intolerante.

    2)-Qualquer indivíduo que realmente acredite que seres supra-humanos concederam à nossa raça informações sobre os objetivos de sua existência e do mundo ainda está em sua infância. Não há outra revelação senão os pensamentos dos sábios — e mesmo esses pensamentos estão sujeitos a erros, como é a sina de tudo o que é humano.
    — Arthur Schopenhauer
    Expl: Realmente a raça humana está na sua infância e os supra humanos não vieram conceder informações, mas vieram trazer mensagens e diretrizes de conduta.

    3-A religião católica é uma instrução para mendigar o céu, que seria muito difícil merecer. Os padres são os intermediários dessa mendicância.
    — Arthur Schopenhauer
    Expl: Realmente a igreja católica inventou a estória da ‘salvação’ e esse é o seu trunfo maior para dominar, enganar e explorar seus fiéis. Infelizmente as demais igrejas copiaram esse marketing realmente rendoso.

    Se, numa discussão, um dos muitos que gostariam de saber tudo, mas se recusam a aprender qualquer coisa, nos perguntar a respeito da continuação da vida após a morte, a resposta mais adequada e mais correta é: “Após a morte você será o que era antes de nascer.”
    — Arthur Schopenhauer
    Exp: Exatamente. Antes de nascer você era uma alma. Após a morte física você volta a ser uma alma. Arthur Schopenhauer certamente não tenha essa visão, mas acertou sem querer.

    Se uma proclamação pública repentinamente anunciasse a anulação de todas as leis criminais, imagino que nenhum de nós teria coragem de ir para casa sob a proteção das causas religiosas.
    — Arthur Schopenhauer
    Exp: Infelizmente é isso mesmo. A maioria dos crentes confia mais no estado e na polícia do que em Deus.

    A religião pode ser comparada a alguém que pega um cego pela mão e o guia, pois este é incapaz de enxergar por si próprio, tendo como preocupação chegar ao seu destino, não observar tudo pelo caminho.
    — Arthur Schopenhauer
    Exp: Exatamente. Religiões como são praticadas hoje, pretendem ser intermediárias entre o homem e Deus e guiar seus fiéis à ‘salvação’, bastando que eles sigam suas regras e respeitem seus dogmas.

    Se bilhões de pessoas acreditam em uma coisa estúpida, essa coisa continua sendo estúpida.
    — Anatole France
    Ex: – Acreditar que o universo surgiu do nada é uma coisa estúpida. E muitos continuam acreditando nisso.

    Thumb up 11
  40. Mais, PENSAMENTOS FAMOSOS (nunca refutados):

    A velha noção antropomórfica de que todo o universo se centraliza no homem — de que a existência humana é a suprema expressão do processo cósmico — parece galopar alegremente para o balaio das ilusões perdidas. O fato é que a vida do homem, quanto mais estudada à luz da biologia geral, parece cada vez mais vazia de significado. O que, no passado, deu a impressão de ser a principal preocupação e obra-prima dos deuses, a espécie humana começa agora a apresentar o aspecto de um subproduto acidental das maquinações vastas, inescrutáveis e provavelmente sem sentido desses mesmos deuses.
    — Henry L. Mencken

    Se um Deus bondoso e infinitamente poderoso governa este mundo, como podemos justificar os ciclones, os terremotos, a pestilência e a fome?
    Como podemos justificar o câncer, os micróbios, a difteria e milhares de outras doenças que atacam durante a infância? Como podemos justificar as bestas selvagens que devoram seres humanos e as serpentes cujas mordidas são letais? Como podemos justificar um mundo onde a vida alimenta-se da vida? Será que os bicos, garras, dentes e presas foram inventados e produzidos pela infinita misericórdia? A bondade infinita deu asas às águias para que suas presas fugazes pudessem ser arrebatadas? A bondade infinita criou os animais de rapina com a intenção de que eles devorassem os fracos e os desamparados? A bondade infinita criou as inumeráveis criaturas inúteis que se reproduzem dentro de outros seres e se alimentam de sua carne? A sabedoria infinita produziu intencionalmente os seres microscópicos que se alimentam do nervo óptico? Pense na ideia de cegar um homem para satisfazer o apetite de um micróbio! Pense na vida alimentando-se da própria vida! Pense nas vítimas! Pense no Niágara de sangue derramando-se no precipício da crueldade!
    — Robert G. Ingersoll

    A compreensão humana não é um exame desinteressado, mas recebe infusões da vontade e dos afetos; disso se originam ciências que podem ser chamadas “ciências conforme a nossa vontade”. Pois um homem acredita mais facilmente no que gostaria que fosse verdade. Assim, ele rejeita coisas difíceis pela impaciência de pesquisar; coisas sensatas, porque diminuem a esperança; as coisas mais profundas da natureza, por superstição; a luz da experiência, por arrogância e orgulho; coisas que não são comumente aceitas, por deferência à opinião do vulgo. Em suma, inúmeras são as maneiras, e às vezes imperceptíveis, pelas quais os afetos colorem e contaminam o entendimento.
    — Francis Bacon

    A humanidade só saiu da barbárie mental primitiva quando se evadiu do caos das suas velhas lendas e não temeu mais o poder dos taumaturgos, dos oráculos e dos feiticeiros. Os ocultistas de todos os séculos não descobriram nenhuma verdade ignorada, ao passo que os métodos científicos fizeram surgir do nada um mundo de maravilhas. Abandonemos às imaginações mórbidas essa legião de larvas, de espíritos, de fantasmas e de filhos da noite — e que, no futuro, uma luz suficiente os dissipe para sempre.
    — Gustave Le Bon

    Muitos indivíduos ortodoxos dão a entender que é papel dos céticos refutar os dogmas apresentados — em vez de os dogmáticos terem de prová-los. Essa ideia, obviamente, é um erro. De minha parte, poderia sugerir que entre a Terra e Marte há um bule de chá chinês girando em torno do Sol em uma órbita elíptica, e ninguém seria capaz de refutar minha asserção, tendo em vista que teria o cuidado de acrescentar que o bule é pequeno demais para ser observado mesmo pelos nossos telescópios mais poderosos. Mas se afirmasse que, devido à minha asserção não poder ser refutada, seria uma presunção intolerável da razão humana duvidar dela, com razão pensariam que estou falando uma tolice. Entretanto, se a existência de tal bule fosse afirmada em livros antigos, ensinada como a verdade sagrada todo domingo e instilada nas mentes das crianças na escola, a hesitação de crer em sua existência seria sinal de excentricidade.
    — Bertrand Russell

    … [a religião é] um sistema de doutrinas e promessas que, por um lado, lhe explicam os enigmas deste mundo com perfeição invejável e que, por outro lado, lhe garantem que uma Providência cuidadosa velará por sua vida e o compensará, numa existência futura, de quaisquer frustrações que tenha experimentado aqui. O homem comum só pode imaginar essa Providência sob a figura de um pai ilimitadamente engrandecido. Apenas um ser desse tipo pode compreender as necessidades dos filhos dos homens, enternecer-se com suas preces e aplacar-se com os sinais de seu remorso. Tudo é tão patentemente infantil, tão estranho à realidade, que, para qualquer pessoa que manifeste uma atitude amistosa em relação à humanidade, é penoso pensar que a grande maioria dos mortais nunca será capaz de superar essa visão da vida. Mais humilhante ainda é descobrir como é vasto o número de pessoas de hoje que não podem deixar de perceber que essa religião é insustentável e, não obstante isso, tentam defendê-la, item por item, numa série de lamentáveis atos retrógrados.
    — Sigmund Freud

    As pessoas dirão que, sem os consolos da religião, elas seriam intoleravelmente infelizes. Tanto quanto este argumento é verdadeiro, também é covarde. Ninguém senão um covarde escolheria conscientemente viver no paraíso dos tolos. Quando um homem suspeita da infidelidade de sua esposa, não lhe dizem que é melhor fechar os olhos à evidência. Não consigo ver a razão pela qual ignorar as evidências deveria ser desprezível em um caso e admirável no outro.
    — Bertrand Russell

    Foste vós que, primeiramente, afirmastes a existência de Deus; deveis, pois, ser os primeiros a pôr de parte vossas afirmações. Sonharia eu, alguma vez, com negar a existência de Deus, se vós não tivésseis começado a afirmá-la?
    E se, quando eu era criança, não me tivessem imposto a necessidade de acreditar nele?
    E se, quando adulto, não tivesse ouvido afirmações nesse sentido?
    E se, quando homem, os meus olhos não tivessem constantemente contemplado os templos elevados a esse Deus? Foram as vossas afirmações que provocaram as minhas negações. Cessai de afirmar que eu cessarei de negar.
    — Sebastièn Faure

    Eu li a Bíblia de capa a capa. Chamar aquele livro de “a palavra de Deus” é um insulto a Deus. Chamar aquele livro de um guia moral é uma afronta à decência e dignidade dos povos. Chamá-lo de guia para a vida é fazer uma piada de nossa existência. E pretender que ela seja a verdade absoluta é ridicularizar e subestimar o intelecto humano.
    — desconhecido

    No cristianismo, nem a moral nem a religião têm qualquer ponto de contado com a realidade. São oferecidas causas puramente imaginárias (“Deus”, “alma”, “eu”, “espírito”, “livre arbítrio” — ou mesmo o “não-livre”) e efeitos puramente imaginários (“pecado”, “salvação”, “graça”, “punição”, “remissão dos pecados”). Um intercurso entre seres imaginários (“Deus”, “espíritos”, “almas”); uma história natural imaginária (antropocêntrica; uma negação total do conceito de causas naturais); uma psicologia imaginária (mal-entendidos sobre si, interpretações equivocadas de sentimentos gerais agradáveis ou desagradáveis, por exemplo, os estados do nervus sympathicus com a ajuda da linguagem simbólica da idiossincrasia moral-religiosa — “arrependimento”, “peso na consciência”, “tentação do demônio”, “a presença de Deus”); uma teleologia imaginária (o “reino de Deus”, “o juízo final”, a “vida eterna”). — Esse mundo puramente fictício, com muita desvantagem, se distingue do mundo dos sonhos; o último ao menos reflete a realidade, enquanto aquele falsifica, desvaloriza e nega a realidade. Após o conceito de “natureza” ter sido usado como oposto ao conceito de “Deus”, a palavra “natural” forçosamente tomou o significado de “abominável” — todo esse mundo fictício tem sua origem no ódio contra o natural (— a realidade! —), é evidência de um profundo mal-estar com a efetividade… Isso explica tudo. Quem tem motivos para fugir da realidade? Quem sofre com ela. Mas sofrer com a realidade significa uma existência malograda… A preponderância do sofrimento sobre o prazer é a causa dessa moral e religião fictícias: mas tal preponderância, no entanto, também fornece a fórmula para a décadence…
    — Friedrich Nietzsche

    Estamos convencidos de que o pior mal, tanto para a humanidade quanto para a verdade e o progresso, é a Igreja. Poderia ser de outra forma? Pois não cabe à Igreja a tarefa de perverter as gerações mais novas e especialmente as mulheres?
    Não é ela que, através de seus dogmas, suas mentiras, sua estupidez e sua ignomínia tenta destruir o pensamento lógico e a ciência?
    Não é ela que ameaça a dignidade do homem, pervertendo suas ideias sobre o que é bom e o que é justo?
    Não é ela que transforma os vivos em cadáveres, despreza a liberdade e prega a eterna escravidão das massas em benefício dos tiranos e dos exploradores?
    Não é essa mesma Igreja implacável que procura perpetuar o reino das sombras, da ignorância, da pobreza e do crime? Se não quisermos que o progresso seja, em nosso século, um sonho mentiroso, devemos acabar com a Igreja.
    — Mikhail Bakunin

    A humanização da natureza deriva da necessidade de pôr fim à perplexidade e ao desamparo do homem frente a suas forças temíveis, de entrar em relação com elas e, finalmente, de influenciá-las. (…) O homem primitivo não tem escolha, não dispõe de outra maneira de pensar. É-lhe natural, algo inato, por assim dizer, projetar exteriormente sua existência para o mundo e encarar todo acontecimento que observa como manifestação de seres que, no fundo, são semelhantes a ele próprio.
    — Sigmund Freud

    Tudo que a humanidade sofreu com as guerras, com a pobreza, com a pestilência, com a fome, com o fogo e com o dilúvio, todo o pavor e toda a dor de todas as doenças e de todas as mortes — tudo isso se reduz a nada quando posto lado a lado com as agonias que se destinam às almas perdidas. Este é o consolo da religião cristã. Esta é a justiça de Deus — a misericórdia de Cristo. Este dogma aterrorizante, esta mentira infinita: foi isto que me tornou um implacável inimigo do cristianismo. A verdade é que a crença na danação eterna tem sido o verdadeiro perseguidor. Fundou a Inquisição, forjou as correntes e construiu instrumentos de tortura. Obscureceu a vida de muitos milhões. Tornou o berço tão terrível quanto o caixão. Escravizou nações e derramou o sangue de incontáveis milhares. Sacrificou os melhores, os mais sábios, os mais bravos. Subverteu a noção de justiça, derriscou a compaixão dos corações, transformou homens em demônios e baniu a razão dos cérebros. Como uma serpente peçonhenta, rasteja, sussurra e se insinua em toda crença ortodoxa. Transforma o homem numa eterna vítima e Deus num eterno demônio. É o horror infinito. Cada igreja em que se ensina esta idéia é uma maldição pública. Todo pregador que a difunde é um inimigo da humanidade. Em vão se procuraria uma selvageria mais ignóbil que este dogma cristão. Representa a maldade, o ódio e a vingança sem fim. Nada poderia tornar o inferno pior, exceto a presença de seu criador, Deus. Enquanto estiver vivo, enquanto estiver respirando, negarei esta mentira infinita com toda minha força, a odiarei com cada gota de meu sangue.
    — Robert G. Ingersoll

    A ideia de que Deus é um gigante barbudo de pele branca sentado no céu é ridícula. Mas se, com esse conceito, você se referir a um conjunto de leis físicas que regem o Universo, então claramente existe um Deus. Só que Ele é emocionalmente frustrante: afinal, não faz muito sentido rezar para a lei da gravidade!
    — Carl Sagan

    Voltaire, filósofo e iluminista francês (1694-1778), afirmou:
    “Deus é um comediante atuando diante de uma platéia assustada demais para rir”

    Thumb up 6
    • Oiced Mocam,

      E qual desses pensadores morreu por ti?

      E qual desses pensadores pode te garantir, com 100% de certeza, que não existe nem vida e nem juízo após a morte?

      É neles que você coloca a tua esperança ou, melhor, a tua desesperança?

      E por quê você odeia tanto aquele que, acreditemos nele ou não, gostemos dele ou não, é a NOSSA ÚNICA ESPERANÇA?

      Amigo, seja mais otimista! Não coloque a tua esperança em homens de carne, que nascem e morrem como todos nós; mas NAQUELE que existe desde a eternidade, que venceu a morte e que VIVE PARA SEMPRE!

      Thumb up 4
    • D.R. – E qual desses pensadores morreu por ti?
      Resposta de O.M.:
      Infelizmente, os meus melhores amigos filósofos, cientistas e humanistas, já estão todos mortos.

      D.R.: É neles que você coloca a tua esperança ou, melhor, a tua desesperança?
      O. M.: Enquanto Você D. R. usa a fé (ou “má fé”) no sobrenatural, eu simplesmente tenho “fé” em mim mesmo.

      E por quê você odeia tanto aquele que, acreditemos nele ou não, gostemos dele ou não, é a NOSSA ÚNICA ESPERANÇA?

      O.M.= Cada um com as suas convicções. Queres morrer idolatrando um ser imaginário um DEUSILUSÃO, ou conversar com um ser imaginário. Problema de cada um. Meu manifesto é um pouco de esperança, para que mais pessoas se tornem pessoas LIVRES DE VERDADE. Eu, ateu, sinto culpa, remorso, tanto quanto qualquer outra pessoa deveria sentir. E deixar alguém feliz faz com que me sinta bem. Será que o preconceito contra o ateísmo diminuiria se os teístas fossem lembrados disso?

      D.R. – E qual desses pensadores pode te garantir, com 100% de certeza, que não existe nem vida e nem juízo após a morte?
      O.C.:
      Juízo Final, Vida após a morte. Recomendo a leitura,com humor no meu Blog: ” Por que não quero ir para o céu ?”. Ou, “Vida após a morte”.

      D.R. Alguém por acaso já ressuscitou após a morte?

      O.M.: Ah, sim, permita-me lhe lembrar.

      A HISTÓRIA DE ESCULÁPIO é reconstituída através da coleção de LENDAS E MITOS criados pelo paganismo grego.

      A tradição médica derivada de Esculápio foi assimilada por Hipócrates, considerado por muitos o pai da medicina ocidental, que se formou no santuário de Esculápio em Cós. Ele mesmo era descendente dos Asclepíades, uma linhagem de sacerdotes-médicos que se dizia derivada da progênie do próprio deus. Apesar de a medicina hipocrática se desenvolver em uma linha mais científica e empírica, vários aspectos da sua doutrina se basearam no folclore religioso que cercava o culto de Esculápio, e deu grande atenção aos sonhos como elemento de diagnóstico.

      Depois do surgimento do Cristianismo vários santuários de Esculápio foram transformados em igrejas cristãs, dedicadas a santos ligados à cura, mas ele foi um dos deuses pagãos de maior sobrevida dentro do Cristianismo, em virtude de sua fama de bondade e compaixão. Na época em que o Partenon de Atenas já era uma igreja cristã, no século VI d.C., o templo de Esculápio adjacente ainda era frequentado. Nillson & Kroll afirmam que a liturgia de culto de Esculápio foi uma forte influência sobre a sistematização da ritualística cristã, e Justino, em sua Apologia, escreveu que

      “Quando dizemos que Jesus curou os aleijados e os paralíticos e os que eram doentes desde o nascimento e que ressuscitou os mortos, estamos relatando feitos que eram idênticos àqueles que se diz Esculápio ter praticado”.

      Hart traçou um paralelo entre as vidas de ESCULÁPIO E CRISTO, onde apontou VÁRIAS SEMELHANÇAS.

      AMBOS eram filhos de um pai divino e de uma mãe mortal e virgem, ligadas a maridos mortais; seu nascimento foi acusado por manifestações sobrenaturais, Cristo com uma estrela que se movia diante dos Reis Magos e por anjos que chamaram os pastores para o adorarem, e segundo Pausânias Esculápio foi achado por um pastor cercado de uma luz divina;

      ambos nasceram como mortais e depois de viverem uma vida pura dedicada ao socorro da humanidade, operando várias curas miraculosas, morreram uma morte humana, e foram deificados em seguida;

      Jesus foi perseguido pela sociedade por ameaçar o status quo, e Esculápio foi punido por ressuscitar os mortos e anular o poder de Hades.
      Apesar das SIMILARIDADES entre ambos os personagens, ao longo da Idade Média o papel de deus curador foi atribuído a JESUS Cristo, frequentemente através da intercessão de santos ligados à cura, como Cosme e Damião.
      Mas a lembrança de Esculápio não foi erradicada de todo, sendo preservada em monumentos, em inscrições, e na literatura clássica, copiada pelos monges medievais. No Renascimento ele foi resgatado de seu estado de animação suspensa e sua imagem voltou a aparecer com grande frequência como o supremo patrono da Medicina. Durante a Reforma Protestante a iconografia de Cosme e Damião foi completamente substituída pela de Esculápio entre os países reformados, e o seu bastão com a serpente enrolada se implantou definitivamente como o símbolo da Medicina em todo o ocidente.

      Algumas versões do mito dizem que depois de morto ESCULÁPIO FOI RESSUSCITADO POR ZEUS, permitindo-lhe continuar sua prática, desde que não mais interferisse no destino final dos mortais, tornando-se conhecido por sua bondade e compaixão no trato dos doentes, e dedicando sua atenção antes para os pobres

      Thumb up 6
    • Oiced Mocam, eu respeito o teu ponto de vista também. Mas, pelo menos para mim, há bem mais motivos para se acreditar em Deus do que para duvidar de sua existência.

      E se eu deixar de acreditar em DEUS para acreditar em você, você pode me garantir com 100% DE CERTEZA que NÃO existe nem vida e nem juízo após a morte?

      E o que você pode me prometer além do nada após a morte?

      Como você pode ter certeza que Deus NÃO EXISTE se nem a ciência provou isso?

      E mesmo se a chance de Deus existir fosse de apenas UMA EM MIL, ainda sim seria mais prudente acreditar nele e ainda assim ele seria a nossa ÚNICA esperança!

      Há outra esperança de uma vida eterna após a morte ou de um futuro sem extinção para a humanidade e o universo?

      Sabemos que não!

      Pelo jeito, Zeitgeist andou fazendo escola. Será que vocês não percebem que o próprio argumento cético se contradiz a si mesmo? Uma hora Jesus é Horus, outra é Tamuz, outra é Mitra, outra hora é Buda, outra é Baco, depois é Krishna e agora é Esculápio?

      Pelo menos, decidam de qual mito é derivado Jesus!

      Tirando as fraudes descaradas como as de Zeitgeist, não seria bem mais fácil (exceto algumas poucas coincidências) os escritos sobre tais mitos terem sido influenciados pelo cristianismo ao longo da história?

      É a mesma coisa com o Santo Sudário: uma hora é o próprio Jacques DeMolay, outra hora é obra de Da Vinci; e agora estão especulando que foi obra de Giotto.

      Pelo amor de Deus, deixem de ser tão ingênuos!

      Por acaso, Esculápio ou qualquer deus mitológico tem algum SANTO SUDÁRIO provando que ele era divino e ressuscitou do mortos? Ou um Milagre de LANCIANO para provar que ele vive ainda hoje? Ou sua mãe tem uma IMAGEM de GUADALUPE para provar que era virgem e que foi glorificada por Deus, vestida de sol e com a lua sob seus pés?

      Sabemos que não!

      Meu pensamento é BEM SIMPLES e LÓGICO:

      Se Jesus foi apenas um mito ou uma fraude, então, TODOS (repito: TODOS) os milagres da Igreja tem de ser falsos. Caso contrário, é bom ouvirmos o que ela ensina…

      Por isso, ainda insisto que a melhor maneira de saber se Jesus realmente EXISTIU e era DEUS e não um MITO, é pelo estudo dos grandes MILAGRES da Igreja fundada por ele há mais de 2000 anos atrás!

      Thumb up 3
  41. D.R.
    O problema é que você está cometendo 3 graves erros:
    1) Milagres: Nem Jesus dava qualquer importância aos chamados ‘milagres’ como você está dando, até porque nem os considerava milagres. O importante é a mensagem e não os ‘milagres’.
    2) Verdade: A célebre frase atribuída a Jesus, não tem nada a ver com as eventuais ‘verdades científicas’ dos milagres ou sobre qualquer evento científico e nem com as verdades filosóficas ou com qualquer possibilidade de uma ‘religião’ possuir a verdade ou ser a verdadeira, até porque Jesus não era nem cristão e muito menos católico. Conhecereis a verdade, se refere exclusivamente ao Deus que habita cada ser humano e que ainda cego, está fixado nos milagres.
    3) Dizer que a igreja católica é a verdadeira, é até uma ofensa ao próprio Jesus, não só pelos crimes e pela pedofilia ainda praticada e acobertada por essa instituição, como pela sua milenar ostentação do poder, do luxo e da riqueza. O Vaticano é a maior prova do quão essa igreja é anti cristã.
    Finalmente, dialogar com oiced é pura perda de tempo pois o mesmo se julga ‘livre pensador’, postando os pensamentos alheios.

    Thumb up 5
    • Bovidino, eu respeito o teu ponto de vista.

      Mas, no meu ponto de vista, os milagres são muito importantes; pois são fatos reais observáveis pela ciência e não acontecimentos históricos antigos ou argumentos subjetivos que são quase impossíveis de se provar cientificamente.

      Como já disse, talvez para você (que já tem a tua fé) não seja muito importante, mas para muitos São Tomés por aí são de suma importância.

      E se Jesus não tivesse feito milagres e ressuscitado, provavelmente, ele seria mais um INRI CRISTO da vida, que também fala coisas bonitas e se diz filho de Deus. Se Jesus tivesse falado tudo o que disse e morrido na cruz, mas não tivesse feito milagres e ressuscitado, provavelmente, o cristianismo já estaria extinto há muito tempo. Haja vista, que na sua época também houve outros messias (que tinham também seguidores) e muitos crucificados que sequer são lembrados hoje.

      Se existem milagres verdadeiros no mundo, então, eles também são parte da VERDADE e acho que não podem ser desprezados ou ignorados pelo homem.

      Sobre a Igreja Católica, ela pode não ser a verdadeira religião; mas só se Cristo também não for Filho de Deus ou for um grande mentiroso; já que ele mesmo fundou a Igreja e disse que estaria conosco até o fim dos tempos e que as portas do inferno não prevaleceriam contra ela. Mesmo porque, a própria bíblia afirma que a Igreja é a COLUNA E SUSTENTÁCULO da VERDADE.

      Podem dizer o que quiser da Igreja Católica, menos dizer que ela não é a igreja cristã mais antiga do mundo; e, consequentemente, a Igreja fundada por Cristo. Isso, ninguém pode tirar dela!

      Sobre os maus padres, por ser a Igreja é uma entidade aberta, entra tanto o bem intencionado como o ‘lobo em pele de cordeiro’. Até Jesus teve um Judas entre seus discípulos; e, mesmo sabendo quem era, nem por isso o expulsou do grupo.

      A Igreja não pode ser maculada pela ação de maus pastores, assim como a Justiça não pode ser responsabilizada pela ação de juízes corruptos. Por acaso existe na doutrina da Igreja uma só linha que incentiva a pedofilia?

      Quanto ao “livre pensador” Oiced Mocam, também concordo contigo; por enquanto, ele só usou pensamentos de terceiros.

      Thumb up 3
    • Negativo,Jesus criou a sua Igreja,Igreja são pessoas,”Onde houver 2 ou mais reunido em meu nome aí estarei Eu”,estas igrejas(ICAR,Protestantes e que se dizem Cristã,não foi Jesus que Criou,e antes desta Igreja aparecer,IV século depois de Cristo,criada por constantino,fazendo uma salada de paganismo,para salvar o reino Romano,criando um panteísmo, havia as 7 Igrejas da asia, que foram perseguidas,pelo poder romano,os apóstolos foram mortos por ela.Como se pode dizer que uma Igreja é Cristã se ela adora até o sol?,nunca deixou de ser prostituta,e idólatra.

      Thumb up 3
    • CRÍTICA À RELIGIÃO

      O problema com relação à Religião é que ela dissocia as questões do bem e do mal da questão do bem-estar. Por isso, a religião ignora o sofrimento em certas situações, e em outras chega a incentivá-lo.

      Deixe-me dar um exemplo. Ao se opor aos métodos contraceptivos, a doutrina da Igreja Católica causa sofrimento. É coerente com seus dogmas, embora eles levem crianças a nascerem na pobreza extrema e pessoas a serem infectadas pela aids, por fazerem sexo sem camisinha. Através das eras, os dogmas contribuíram para a miséria .

      Vejam outro exemplo.

      Sobre o escândalo do estupro infantil dentro da Igreja Católica. Acho que o Papa é culpável por tudo que aconteceu. A evidência nesse momento sugere que ele estava entre as pessoas que conseguiram fazer prolongar o sofrimento de crianças por muitos anos.

      Acho que ele trabalhou ativamente para proteger a Igreja do constrangimento e no processo conseguiu garantir que os estupradores tivessem acesso às crianças por décadas além do que deveria ter sido.

      O Papa deveria ser diretamente desafiado por causa disso. Contudo, é algo que seu status como líder religioso impede que aconteça.

      Ele nunca seria protegido dessa forma se ele estivesse em qualquer outra posição na sociedade. Imagine o que aconteceria se descobrissem que o reitor da Universidade de Harvard [uma das universidades americanas mais respeitadas do mundo] tivesse permitido que empregados da universidade estuprassem crianças por décadas e ele tivesse mudado essas pessoas de departamento para protegê-las da justiça secular?
      Ele estaria na cadeia agora.
      E isso é impensável quando se fala do Papa. Isso acontece por que nos ensinaram a tratar a religião com deferência.

      Eu acho que as pessoas deveriam parar de acreditar no Deus da Bíblia. Com certeza.
      Da mesma forma que as pessoas pararam de acreditar em Zeus, em Thor e milhares de deuses mortos.
      O Deus da Bíblia tem exatamente o mesmo status desses deuses mortos. É um acidente histórico estarmos falando dele e não de Zeus.
      Poderíamos estar vivendo num mundo onde os suicidas muçulmanos se explodiriam por causa de ideias dos deuses do Monte Olimpo. A diferença entre xiitas e sunitas muçulmanos é a mesma diferença entre seguidores de Apolo e seguidores de Dionísio.

      Para saber se deus existe, basta digitar “fome” no Google imagens!

      Thumb up 6
    • Realmente Jesus não criou nenhuma denominação,ele convidou as pessoas a pegarem a sua cruz e segui-lo, mesmo porque nenhuma denominação salva,esta estoria de que a Icar é a unica igreja que salva é uma inverdade,porque quem salva é Deus mediante o sacrificio de Jesus na cruz,por meio da fé Nele somente,não há nenhum outro meio que se possa salvar a não ser por este.As pessoas entram em debates fúteis,nós devemos falar de Cristo as pessoas,mas não podemos convencê-as, porque esta função é do Espírito Santo.

      Thumb up 4
    • Dedé, eu conheço já esse ponto de vista e já li sobre os dois tipos de argumentos; mas acredito que exista uma só verdade também sobre isso e devemos buscá-la a qualquer custo, seja ela qual for.

      O problema é que se isso fosse verdade, então, Jesus teria se enganado ou teria mentido (o que é impossível), pois disse: “Pedro, tu és pedra; e, sobre esta pedra, edificarei a minha Igreja; e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” e “Eis que estarei convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.

      Como, então, a Igreja de Cristo poderia ter deixado de existir ou se extraviado e só surgir novamente 1500 anos depois?

      E também está escrito: “Saíram de nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos; pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco.”

      E como pode o mesmo Espírito Santo inspirar doutrinas contraditórias nas milhares de igrejas cristãs em todo o mundo?

      Constantino aceitou o cristianismo após uma VISÃO DA CRUZ no céu com a inscrição: “COM ESTE SINAL VENCERÁS!”. Após vencer a batalha, então, ele liberou o cristianismo com o Edito de Milão; mas só se batizou no fim da sua vida.

      Ou seja, Constantino, ao contrário do que a apologética protestante ensina, jamais fundou o catolicismo; ele se converteu ao catolicismo que era a religião cristã na época, sendo que já havia até papas.

      É fácil, é só ler sobre como era a Igreja Cristã antes de Constantino e depois dos apóstolos; para ver se a doutrina dos primeiros cristãos era mais parecida com a doutrina católica ou com a doutrina protestante e se já havia papas na Igreja ou não.

      Foi o que fizeram muitos pastores protestantes que, ao estudarem os escritos dos primeiros padres da Igreja, se converteram ao catolicismo. Inclusive, alguns fundadores do Veritatis Splendor foram ex-pastores protestantes. Vale a pena dar uma olhada, porque eles ensinam muito sobre os primeiros tempos da Igreja e sobre todas essas controvérsias.

      De qualquer forma, tenho a esperança que todos os cristãos que seguem sua igreja honestamente se salvarão também, assim como até muitos ateus honestos e pessoas de outras religiões. Pois, a misericórdia de Deus é infinita; e, se ele for usar de muita severidade, somente os verdadeiros santos se salvarão.

      Mesmo assim, penso que sempre devemos procurar saber a VERDADE sobre qualquer fato!

      Thumb up 3
  42. É claro que Jesus já andou por aqui…obvio! Era um Valdomiro ou um Edir Macedo.
    Ganhou todo mundo no papo e quem diz que ele não ficou rico é lorota, basta ver a conta bancaria da Igreja Católica e suas irmãs menores.
    NO passado para que Jesus não realizasse um levante popular o dinheiro não vinha do povão…mas seu cofre era cheio do dinheiros dos governos que se sentiam ameaçados por suas ideias.

    Thumb up 2
  43. Você domina os temas muito bem, gostei da forma como se expressa, concordo com muitas coisas que você falou principalmente quando disse que se Jesus voltasse nesse momento os cristãos e a Igreja o mataria imediatamente e outros fatores que você apresentou são totalmente verdadeiros e mesmo eu que sou uma pessoa que acredita em Deus, mas não o vejo da forma que a maioria das pessoas o vêem. Eu respeito a sua maneira de pensar e gostei muito de algumas coisas que você concluiu. Você deve ser alguém que estudou muito para chegar a esse nível de conhecimento.

    Thumb up 4
  44. PENSAMENTOS FAMOSOS:

    Discutir com um homem que renunciou à sua razão é como medicar um cadáver.
    — Thomas Paine

    “Ensine um homem a utilizar a razão e ele pensará por toda a sua vida.”
    - Phil Plait

    Se conhecimento pode trazer problemas, não é sendo ignorantes que poderemos solucioná-los.
    — Isaac Assimov

    Explicações místicas são consideradas profundas. Mas a verdade é que elas não são sequer superficiais.
    — Nietzsche

    Há algo débil e um pouco desprezível no homem que não consegue de encarar as adversidades da vida sem a ajuda de mitos confortáveis.
    — Bertrand Russell

    “Em todo homem dorme um profeta, e quando ele acorda há um
    pouco mais de mal no mundo”.— Emil M. Cioran.

    “Se não há um deus, estamos corretos; se há um deus indiferente, não sofreremos; se há um deus justo, não temos nada a temer pelo uso honesto da racionalidade; mas, se há um deus injusto, temos muito a temer – assim como o cristão”.— George H. Smith

    “A fé, quando está certa sobre algo, está certa por acidente”.
    — Sam Harris

    Em todo homem dorme um profeta, e quando ele acorda há um pouco mais de mal no mundo.
    — Emil M. Cioran

    Tem de ser dito, e em voz alta, que não faz mais sentido falar de escolas inspiradas na fé ou em ensino inspirado na fé do que em ciência baseada na superstição ou em debate baseado no terror.
    — Simon Blackburn

    O cume da tolerância é mais rapidamente alcançado por aqueles que não andam carregados de convicções.
    — Alexander Chase

    Qualquer indivíduo que realmente acredite que seres supra-humanos concederam à nossa raça informações sobre os objetivos de sua existência e do mundo ainda está em sua infância. Não há outra revelação senão os pensamentos dos sábios — e mesmo esses pensamentos estão sujeitos a erros, como é a sina de tudo o que é humano.
    — Arthur Schopenhauer

    A palavra Deus, para mim, é nada mais que a expressão e produto da fraqueza humana; a Bíblia, uma coleção de lendas honradas, mas ainda assim primitivas, que são bastante infantis.
    — Albert Einstein

    A religião católica é uma instrução para mendigar o céu, que seria muito difícil merecer. Os padres são os intermediários dessa mendicância.
    — Arthur Schopenhauer

    Afirmo que somos ambos ateus. Apenas acredito num deus a menos que você. Quando você entender por que rejeita todos os outros deuses, entenderá por que rejeito o seu.
    — Stephen Henry Roberts

    Se, numa discussão, um dos muitos que gostariam de saber tudo, mas se recusam a aprender qualquer coisa, nos perguntar a respeito da continuação da vida após a morte, a resposta mais adequada e mais correta é: “Após a morte você será o que era antes de nascer.”
    — Arthur Schopenhauer

    A natureza não é cruel, apenas implacavelmente indiferente. Essa é uma das lições mais duras que os humanos têm de aprender.
    — Richard Dawkins

    Os Deuses são a encarnação do que nunca poderemos ser. O cansaço de todas as hipóteses…
    — Fernando Pessoa

    Se não há um deus, estamos corretos; se há um deus indiferente, não sofreremos; se há um deus justo, não temos nada a temer pelo uso honesto da racionalidade; mas, se há um deus injusto, temos muito a temer – assim como o cristão.
    — George H. Smith

    Se uma proclamação pública repentinamente anunciasse a anulação de todas as leis criminais, imagino que nenhum de nós teria coragem de ir para casa sob a proteção das causas religiosas.
    — Arthur Schopenhauer

    A religião pode ser comparada a alguém que pega um cego pela mão e o guia, pois este é incapaz de enxergar por si próprio, tendo como preocupação chegar ao seu destino, não observar tudo pelo caminho.
    — Arthur Schopenhauer

    Eu jamais iria para a fogueira por uma opinião minha, afinal, não tenho certeza alguma. Porém, eu iria pelo direito de ter e mudar de opinião, quantas vezes eu quisesse.
    — Friedrich Nietzsche

    Só tem convicções aquele que não aprofundou nada.
    — Emil M. Cioran

    Uma visita ao hospício mostra que a fé não prova nada.
    — Friedrich Nietzsche

    Não confio em gente que sabe exatamente o que Deus quer que elas façam. Sempre coincide com aquilo que elas próprias desejam.
    — Susan Brownell Anthony

    Mitologia é o nome que damos às religiões dos outros.
    — Joseph Campbell

    Os crentes não acreditam nas religiões e nos deuses dos outros. Os ateus também não.
    — desconhecido

    Deus é um ser mágico que veio do nada, criou o universo e tortura eternamente aqueles que não acreditam nele, pois os ama.
    — Steve Knight

    O maior pecado contra a mente humana é acreditar em coisas sem evidências. A ciência é somente o suprassumo do bom-senso — isto é, rigidamente precisa em sua observação e inimiga da lógica falaciosa.
    — Thomas H. Huxley

    Os homens pensam que a epilepsia é divina meramente porque não a compreendem. Se eles denominassem divina qualquer coisa que não compreendem, não haveria fim para as coisas divinas.
    — Hipócrates

    Não importa o quão feliz me deixe, se não é verdadeiro, se não é real, muito obrigado. É assim que penso quanto aos deuses e mitos de todas as religiões.
    — Francisco Saiz

    Não há no mundo amor e bondade bastantes para que ainda possamos dá-los a seres imaginários.
    — Friedrich Nietzsche

    O Universo não apresenta qualquer evidência de uma mente dirigente (…) Todos os bons intelectos têm repetido, desde o tempo de Bacon, que não pode haver qualquer conhecimento real senão aquele baseado em fatos observáveis.
    — Auguste Comte

    Afirma-se — não sei com quanta veracidade — que certo pensador hindu acreditava que a Terra estava apoiada em um elefante. Quando lhe perguntaram no que o elefante de sustentava, respondeu que se sustentava numa tartaruga. Quando lhe perguntaram sobre o que a tartaruga se sustentava, ele disse “Estou cansado disso. Vamos mudar de assunto”. Isso ilustra o caráter insatisfatório do argumento da Causa Primeira.
    — Bertrand Russell

    A religião nunca será capaz de reformar a humanidade, pois religião é escravidão.
    — Robert G. Ingersoll

    Sempre que a moralidade se baseia na teologia, sempre que o correto se torna dependente da autoridade divina, as coisas mais imorais, injustas e infames podem ser justificadas e estabelecidas.
    — Ludwig Feuerbach

    As características que foram dadas ao “Ser verdadeiro” das coisas são características do não-Ser, do Nada. Construiu-se o “mundo verdadeiro” a partir da contradição com o mundo efetivo: de fato, o mundo verdadeiro é um mundo aparente, à medida que não passa de uma ilusão ótica de ordem moral.
    — Friedrich Nietzsche

    As pessoas vão à igreja pelos mesmos motivos que vão à taverna: para estupefazerem-se, para esquecerem-se de sua miséria, para imaginarem-se, de algum modo, livres e felizes.
    — Mikhail Bakunin

    Não, nossa ciência não é uma ilusão. Ilusão seria imaginar que aquilo que a ciência não nos pode dar podemos conseguir em outro lugar.
    — Sigmund Freud

    Não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar.
    — Carl Sagan

    Deus deseja prevenir o mal, mas não é capaz? Então não é onipotente. É capaz, mas não deseja? Então é malevolente. É capaz e deseja? Então por que o mal existe? Não é capaz e nem deseja? Então por que lhe chamamos Deus?
    — Epicuro

    Você diz que acredita na necessidade da religião. Seja sincero! Você acredita mesmo é na necessidade da polícia.
    — Henry L. Mencken

    Se é certo que um Deus fez este mundo, não queria eu ser esse Deus: as dores do mundo dilacerariam meu coração.
    — Arthur Schopenhauer

    O médico vê o homem em toda a sua fraqueza; o jurista o vê em toda a sua maldade; o teólogo, em toda a sua imbecilidade.
    — Arthur Schopenhauer

    A ciência está aberta à crítica, que é o oposto da religião. A ciência implora para que você prove que ela está errada — que é todo o conceito — enquanto a religião o condena se você tentar provar que ela está errada. Ela te diz aceite com fé e cale a boca.
    — Jason Stock

    Os teólogos dizem: isso são mistérios insondáveis. Ao que respondemos: são absurdidades imaginadas por vós próprios. Começais por inventar o absurdo, depois fazei-nos dele a imposição como mistério divino, insondável e tanto mais profundo quando mais absurdo. É sempre o mesmo procedimento: credo quia absurdum [creio porque é absurdo].
    — Mikhail Bakunin

    A ideia de um Ente supremo que cria um mundo no qual uma criatura deve comer outra para sobreviver e, então, proclama uma lei dizendo: “Não Matarás” é tão monstruosamente absurda que não consigo entender como a humanidade a tem aceito por tanto tempo.
    — Peter de Vries

    Se os bois e os cavalos tivessem mãos e pudessem pintar e produzir obras de arte similares às do homem, os cavalos pintariam os deuses sob forma de cavalos e os bois pitariam os deuses sob forma de bois.
    — Xenófanes

    Para os peixinhos do aquário, quem troca a água é Deus.
    — Mário Quintana

    Por simples bom senso, não acredito em Deus. Em nenhum.
    Governar acorrentando a mente através do medo de punição em outro mundo é tão baixo quanto usar a força.
    — Hipácia

    A crença em Deus subsiste devido ao desejo de um pai protetor e imortalidade, ou como um ópio contra a miséria e sofrimento da existência humana.
    — Sigmund Freud

    Se a bíblia está errada ao nos dizer de onde viemos, como podemos confiar nela ao dizer pra onde iremos?
    — Justin Brown

    O jeito de ver pela fé é fechar os olhos da razão.
    — Benjamin Franklin

    Eles vieram com uma Bíblia e sua religião — roubaram nossa terra, esmagaram nosso espírito… e agora nos dizem que devemos ser agradecidos ao “Senhor” por sermos salvos.
    — Chefe Pontiac

    A ciência tem provas sem certeza. Os teólogos têm certeza sem qualquer prova.
    — Ashley Montagu

    Para mim, um homem rezando e outro portando um pé de coelho para lhe dar sorte são igualmente incompreensíveis.
    — Henry L. Mencken

    Enquanto o padre, esse negador, caluniador e envenenador da vida por profissão for aceito como uma variedade de homem superior, não poderá haver resposta à pergunta: Que é a verdade? A verdade já foi posta de cabeça para baixo quando o advogado do nada foi confundido com o representante da verdade.
    — Friedrich Nietzsche

    …se Deus existisse, só haveria para ele um único meio de servir à liberdade humana: seria o de cessar de existir.
    — Mikhail Bakunin

    À medida que buscamos as origens, vamos nos tornando caranguejos. O historiador olha para trás; até que finalmente também acredita para trás.
    — Friedrich Nietzsche

    Sou ateu porque não há evidência para a existência de Deus. Isso deve ser tudo que se precisa dizer sobre isso: sem evidência, sem crença.
    — Dan Barker

    Homens convictos são prisioneiros.
    — Friedrich Nietzsche

    Se as pessoas são boas só por temerem o castigo e almejarem uma recompensa, então realmente somos um grupo muito desprezível.
    — Albert Einstein

    O fato de um crente ser mais feliz que um cético não é mais pertinente que o fato de um homem bêbado ser mais feliz que um sóbrio.
    — George B. Shaw

    “Fé” significa não querer saber o que é a verdade.
    — Friedrich Nietzsche

    Religião é uma coisa excelente para manter as pessoas comuns quietas.
    — Napoleão Bonaparte

    Afirmar que “Deus fez isso” não é nada mais do que uma admissão de ignorância vestida enganadoramente como uma explicação.
    — Peter Atkins

    O escopo da ciência é limitado? Sim, sem dúvida: limitado a tratar daquilo que existe, não daquilo que gostaríamos que existisse.
    — André Cancian

    Se bilhões de pessoas acreditam em uma coisa estúpida, essa coisa continua sendo estúpida.
    — Anatole France

    Não sou um ateu total, todos os dias tento encontrar um sinal de Deus, mas infelizmente não o encontro.
    — José Saramago

    Thumb up 9
    • Oiced Mocam, usar frases ateístas de pensadores NÃO SÃO ARGUMENTOS razoáveis para provar que Deus não existe; já que existem frases de outros pensadores, tão ou mais brilhantes que esses que você citou, que argumentam a favor da EXISTÊNCIA DE DEUS!

      Você deveria perder um pouco do seu tempo também para investigar os grandes milagres da Igreja, para ver se são autênticos ou não. Esses sim, se autênticos, são provas objetivas da existência de Deus e da veracidade da Igreja; já que são fatos observáveis pela ciência e existentes atualmente no mundo. E não pensamentos ou opiniões pessoais de pensadores que, por mais famosos ou inteligentes que sejam, não são donos da verdade e não apresentam, com suas idéias e opiniões, evidências científicas.

      Você, por exemplo, também poderia incluir essas frases no teu repertório:

      “Admiro o gênio matemático que ordenou o universo!” e “Esta convicção de uma razão superior que se manifesta no mundo da experiência é minha concepção de Deus!” (ALBERT EINSTEIN).

      “Para os crentes, Deus está no princípio das coisas. Para os cientistas, no final de toda reflexão.” (MAX PLANCK – PAI DA MECÂNICA QUÂNTICA)

      E um dos mais BELOS E PROFUNDOS pensamentos que já vi sobre a CIÊNCIA, a CONSCIÊNCIA e DEUS, digno de um verdadeiro gênio:

      “A imagem científica do mundo que me rodeia é muito deficiente. Dá-me muita informação factual, fornece à nossa experiência uma ordem magnificamente consistente, mas, coisa terrível, nada diz acerca do que de fato nos interessa. Não diz uma palavra sobre a sensação do azul ou do vermelho, do amargo e do doce, sobre os ensinamentos da alegria e da tristeza. Nada conhece do belo e do feio, do bom e do mau, de Deus e da eternidade. A ciência por vezes finge responder a questões nesses domínios, mas as respostas são frequentemente tão tontas que não as podemos levar a sério. A ciência também hesita perante a questão da grande Unidade da qual somos de algum modo parte, à qual pertencemos. No tempo em que vivemos, o nome mais popular para ela é Deus, escrito com um ‘D’ maiúsculo. A ciência é, muitas vezes, estigmatizada como ateia. Não é de espantar, depois do que dissemos. Se a sua imagem do mundo nem sequer contém beleza, alegria, tristeza, como pode ela conter a ideia mais sublime que se oferece à mente humana?” (ERWIN SCHRONDIGER – NOBEL DE FÍSICA).

      E o mais famoso de todos, que dividiu a história no meio:

      “Conhecereis a VERDADE e a VERDADE vos libertará!” (JESUS CRISTO)

      “Eu sou o CAMINHO, a VERDADE e a VIDA.” (JESUS CRISTO)

      Thumb up 4
    • Sendo um amontado de frases, a maioria sem sentido, com raras excessões, as que mencionam ‘razão’, são as mais despresíveis já que todas as atrocidades foram perpetradas em nome da ‘razão’. A ‘razão’ pura e simples não dá qualquer chance para o amor ou a justiça. É simplesmente um mal necessário para as tarefas do dia a dia, para pesquisas científica e para provocar a discórdia. Para decidir uma pendência jurídica entre dois litigantes é necessário que um ou mais juízes decidam quem tem mais ‘razão’. Invariavelmente ganha quem tem mais prestígio e mais dinheiro. Vemos assim que a ‘razão’ está a serviço da injustiça. As que falam sobre deus, deuses, religião ou religiões, são jargões batidos sem nenhuma consistência que não valem a pena ser consideradas. As que falam sobre misticismo, seus autores nunca tiveram alguma experiência mística e portanto não estão autorizados a falar sobre o que não conhecem.

      Vou reprizar as excessões que tem um conteúdo e que qualquer pessoa pode compreender e experienciar:

      O cume da tolerância é mais rapidamente alcançado por aqueles que não andam carregados de convicções.
      — Alexander Chase
      Qualquer indivíduo que realmente acredite que seres supra-humanos concederam à nossa raça informações sobre os objetivos de sua existência e do mundo ainda está em sua infância. Não há outra revelação senão os pensamentos dos sábios — e mesmo esses pensamentos estão sujeitos a erros, como é a sina de tudo o que é humano.
      — Arthur Schopenhauer
      A religião católica é uma instrução para mendigar o céu, que seria muito difícil merecer. Os padres são os intermediários dessa mendicância.
      — Arthur Schopenhauer
      Se, numa discussão, um dos muitos que gostariam de saber tudo, mas se recusam a aprender qualquer coisa, nos perguntar a respeito da continuação da vida após a morte, a resposta mais adequada e mais correta é: “Após a morte você será o que era antes de nascer.”
      — Arthur Schopenhauer
      Se uma proclamação pública repentinamente anunciasse a anulação de todas as leis criminais, imagino que nenhum de nós teria coragem de ir para casa sob a proteção das causas religiosas.
      — Arthur Schopenhauer
      A religião pode ser comparada a alguém que pega um cego pela mão e o guia, pois este é incapaz de enxergar por si próprio, tendo como preocupação chegar ao seu destino, não observar tudo pelo caminho.
      — Arthur Schopenhauer
      Se bilhões de pessoas acreditam em uma coisa estúpida, essa coisa continua sendo estúpida.
      — Anatole France

      Vemos assim que Arthur Shopenhauer ganha disparado em conteúdo e coerência.

      Thumb up 6
  45. Li os longos comentários do “livre pensador” Oiced Mocam, Não sei qual a sua verdadeira intenção de divulgar tantos textos anti-religiosos e se realmente acredita naquilo que diz; mas, posso falar apenas pelo cristianismo e pelo catolicismo, a religião na qual acredito ser a verdadeira.

    O Sr. Mocam disse realmente muita coisa, parecendo ser mesmo um grande erudito citando muitas frases de alguns famosos pensadores da humanidade como argumentos contra a existência de Deus. Porém, se “espremermos e coarmos” esses extensos textos e argumentos, só sobra opiniões pessoais e especulações sem fundamento histórico ou mesmo científico. Da mesma forma, também podemos usar frases de intelectuais tão ou mais brilhantes (como, por exemplo, Pascal, Newton, Galileu, Leibniz, Einstein, Lamaitre, Max Planck, Schrodinger e tantos outros) para justificar a existência de Deus.

    Aliás, Voltaire e o Iluminismo já passaram e o Naturalismo também está passando, Nietzsche (que proclamou a MORTE DE DEUS) morreu louco, as idéias de Freud já estão ficando ultrapassadas, o Marxismo provou ser um fracasso na prática… Ou seja, o MUNDO ESTÁ PASSANDO enquanto as PALAVRAS DE JESUS (conforme ele mesmo prometeu) ainda NÃO PASSARAM. E sua IGREJA ainda continua firme e forte (atravessando os milênios, impérios, ditaduras, movimentos ideológicos, guerras, crises e tantas outras ‘tempestades’ ao longo da história) e as portas do Inferno ainda não prevaleceram contra ela (conforme ele também prometeu). Por ironia do destino, a ideia de Deus está voltando na Filosofia, na Psicologia, na Física e na Astronomia e até na Biologia…

    Usar o argumento da presença do mal e do sofrimento no mundo para justificar a inexistência de DEUS (embora isso seja um motivo para a descrença de muitos) também não é uma prova da inexistência de DEUS. Caso contrário, o Cristianismo jamais teria surgido ou vingado; já que tanto os cristãos como o próprio CRISTO sofreram bem mais do que nós.

    Ficar especulando se Jesus realmente fez milagres ou não, fica difícil; já que fazem mais de 2000 anos que isso ocorreu. E se não aceitarmos os documentos bíblicos como registros históricos, cada um pode especular o que quiser já que não se pode comprová-los.

    Por isso, penso ser mais sensato usar o raciocínio da “engenharia reversa” para saber se Jesus realmente existiu ou se era Deus ou não.

    Se ele existiu, ressuscitou e era Deus, então, a Igreja fundada por ele tem que ser autêntica e seus milagres também. Portanto, investiguemos os grandes milagres da Igreja (já que somente nela ocorrem supostos milagres autênticos), pois os milagres são observáveis e são objetos de estudo pela ciência.

    Na minha opinião, isso é bem mais objetivo e lógico do que ficar tentando adivinhar se Jesus realmente existiu, fez milagres e ressuscitou há mais de 2000 anos atrás.

    Em quem devo acreditar, nas palavras de um “livre pensador” e de “especuladores e palpiteiros de plantão” ou nas palavras e estudos científicos sérios de renomados cientistas que estudaram e estudam os grandes MILAGRES DA IGREJA?

    Tais como: Richard Kuhn (Prêmio Nobel de Química), Phillip Callaghan e Jody Brant Smith (cientistas da NASA), Dr. Aste Tonsmann (Centro Científico da IBM), Dr. Javier Torroella (consultor da OMS), Dr. Enrique Graue (um dos mais competentes oftalmologistas da América), etc.; que estudaram o MILAGRE DA IMAGEM DE GUADALUPE; que, numa única ‘cajadada’, converteu mais de 8 MILHÕES DE ÍNDIOS mexicanos sem derramamento de sangue!

    E tais como: Dr. Raymond Rogers (famoso químico de Los Alamos com mais de 40 artigos publicados com peer review), competentes físicos (como os do ENEA e da NASA), cientistas das mais diversas áreas da equipe do STURP, químicos, botânicos, médicos, anatomistas, legistas, microscopistas, etc.; que estudaram e ainda estudam o SANTO SUDÁRIO, o objeto mais estudado pela ciência em toda a história e considerado por muitos o QUINTO EVANGELHO (tamanha a semelhança com os relatos dos evangelhos canônicos)!

    Poi isso, insisto tanto:

    QUEREM SABER SE DEUS EXISTE? ESTUDEM OS GRANDES MILAGRES DA IGREJA!

    As pesquisas científicas de milagres são algo extremamente sério e feito por cientistas de verdade e não por pseudo-cientistas ou “livres pensadores” ou “especuladores e palpiteiros de plantão”!

    “PASSARÃO O CÉU E A TERRA, MAS MINHAS PALAVRAS NÃO PASSARÃO.” (Jesus Cristo, o único que dividiu a história em antes e depois dele)

    Thumb up 3
    • Se você não sabe a intenção do oiced, pela menos a sua está bem clara: fazer proselitismo para a igreja católica e acobertar os seus crimes inclusive o da pedofilia. Ambos são dois extremistas cujos comentários não valem a pena ser lidos pois são apenas desinformações.

      Thumb up 4
    • Admiro a tua sabedoria e gosto da maioria dos teus comentários, mas: Eté tu Bovidino?

      Não tenho nada contra o Oiced Mocam defender sua crença no ateísmo assim como qualquer um aqui defender sua religião com argumentos, desde que se evite os xingamentos e as calúnias.

      É bem melhor cada um poder mostrar o seu ponto de vista naquilo que acredita do que o HYPESCIENCE censurar os comentários de uns e liberar o de outros.

      Eu apenas estou mostrando o “outro lado da moeda” na qual realmente acredito. E, até onde eu saiba, não coloquei nenhuma desinformação aqui. Por acaso, o estudo dos milagres pela ciência é mentira ou algum tipo de desinformação?

      Eu não gosto de me iludir, eu acredito na BUSCA DA VERDADE, doa o que doer, seja ela qual for! Por isso, procuro sempre analisar “OS DOIS LADOS DA MOEDA”.

      E também acredito que exista uma só VERDADE e não no relativismo de verdades contraditórias.

      E se tem uma frase de JESUS que me toca e me norteia, são essas:

      “Conhecereis a VERDADE e a VERDADE vos libertará!”
      e
      “Eu sou o caminho, a VERDADE e a vida.”

      E, na busca pela VERDADE, cheguei a conclusão de que a maior prova objetiva da EXISTÊNCIA DE DEUS e da VERACIDADE DA IGREJA são os milagres autênticos!

      Se não acreditasse que o cristianismo e o catolicismo é a religião verdadeira, não perderia meu tempo indo na igreja, estudando ou defendendo a minha fé na internet.

      E, quanto à pedofilia, saiba que em outros meios religiosos e profissionais ela chega a ser de duas a dez vezes maior; principalmente, dentro da própria família. E, assim como a JUSTIÇA não pode ser responsabilizada e maculada pela ação de maus juízes, a IGREJA também não pode ser maculada e responsabilizada pela ação de maus padres, de judas traidores, de verdadeiros ‘lobos’ em pele de ‘cordeiro’!

      Desculpem aqueles que não concordam comigo, mas esse é o meu ponto de vista. E que cada um coloque o seu aqui. E cada um que ler os comentários, que fique com os argumentos que achar mais sensato ou conveniente!

      Thumb up 2
  46. Será que as evidências garantem a existência de Jesus?
    Opinião de, Oiced Mocam

    COMO ACREDITAR EM TAMANHOS ABSURDOS?

    Conforme Richard Dawkins , em DEUS UM DELÍRIO:

    No tempo dos ancestrais, um homem nasceu de uma mãe virgem, sem nenhum pai biológico envolvido.

    O mesmo homem sem pai clamou um amigo chamado Lázaro, que estava morto havia tempo bastante para cheirar mal, e Lázaro imediatamente voltou à vida.

    O próprio homem sem pai voltou à vida depois de ficar três dias morto e enterrado.

    Quarenta dias depois, o homem sem pai subiu ao topo de uma montanha e depois desapareceu no céu.

    Se você murmurar coisas dentro da sua cabeça, o homem sem pai, e seu “pai” (que também é ele mesmo), ouvirá seus pensamentos e pode tomar providências em relação a elas. Ele é capaz de ouvir simultaneamente os pensamentos de todas as pessoas do mundo.

    Se Você faz alguma coisa ruim, ou alguma coisa boa, o mesmo homem sem pai tudo vê, mesmo que ninguém mais veja. Você pode ser recompensado ou punido, inclusive depois de sua morte.

    A mãe virgem do homem sem pai nunca morreu, mas “foi transportada” corporeamente para o céu.
    Pão e vinho, se abençoados por um padre (que precisa ter testículos), “transforma-se” no corpo e no sangue do homem sem pai.

    O que um antropólogo objetivo que desse de cara com esse conjunto de crenças numa excursão de pesquisa pensaria delas?

    GENTE, DEPOIS EU DIGO QUE A BIBLIA É UM LIVRO DE ESTORIAS BIZARRAS NO ULTIMO GRAU, E TEM GENTE QUE AINDA NAO ACREDITA.

    “Que deus nos perdoe pelas pequenas piadas que temos feito contra Ele, que nós o perdoaremos pela grande piada que Ele tem feito contra nós”

    Livros: segura na mão de deus e leia!
    O MUNDO DE SOFIA de Jostein Gaarder
    DEUS NÃO É GRANDE de Hitchens
    CARTA A UMA NAÇÃO CRISTÃ de Sam Harris

    Ufa, agora acabou, irmãos e irmãs. Amém!

    Thumb up 7
  47. Obedecer as leis, respeitar o Estado e a Constituição é dever nosso.Suprir e educar a prole q colocamos no mundo é obirgação nossa.Respeitar os outros e, ser bom, caridoso e tolerantes é política do bem viver,Independe de Jesus exitir ou ñ.Inventaram essa história de Ceu e inferno, p\ fazer do ocioso, preguisosso e vil um ser amigável,Ao humano de caráter crer ou ñ crer na existencia de Jesus ñ faz nenhuma diferença.O nosso direito termina onde começa o direito de outro.

    Thumb up 2
  48. Alguns discutem sobre a existência de Jesus ou não. Bom, eu particularmente prefiro passar a vida servindo a a Jesus e depois descobrir que ele não existe do que passar a minha vida inteira não acreditando e depois descobrir que ele realmente existia.

    Thumb up 7
    • Você na verdade passa a vida servindo uma instituição!!
      O que você pode fazer é seguir o exemplo dele, e auxiliar o próximo, que é princípio moral e ético de seres ditos inteligentes!!

      Thumb up 3
    • Bem cara, esse seu comentário foi o mais lógico e racional de todos, até me incluo.
      É muito melhor acreditar em Jesus e segui-lo mesmo que ele não exista do que não acreditar e ele existir!
      MUITO LÓGICO.

      Thumb up 4
    • Na verdade você está seguindo o filho de um deus errado… O correto é você seguir á Thor!
      Melhor passar a vida servindo a Thor e depois descobrir que ele não existe do que passar a vida inteira não acreditando e depois descobrir que ele realmente existia.

      Thumb up 1
    • Deuses sempre foram chamados para explicar o desconhecido, e todo deus que cumpre essa função tem um nome: deus das lacunas.

      Isso porque esse deus preenche as lacunas do conhecimento de uma época. O problema é que à medida que o conhecimento científico avança, ele inexoravelmente preenche essas lacunas, tomando lugar dos deuses e deixando cada vez menos espaço para eles.

      Quem acredita no divino porque não sabe de onde veio a vida está agindo de maneira idêntica a quem acreditava no divino por não saber de onde vem a chuva. Só muda o objeto da ignorância. Dar nome de “Deus” à própria ignorância não parece ser uma boa idéia.

      Thumb up 6
  49. Bem meus caros.
    Esqueçam agora, nem que seja por um minuto, a existencia de Deus e tambem a existencia da Ciência.
    Em quem voces acha que teria motivos para buscar objetivos para uma razão de continuarmos a viver, porque motivo nascermos, crescer, trabalhar, ter filhos e morrer?
    Se a religião não existe eu pergunto para voces:
    Qual é o inicio?
    Qual é o fim?
    É obvio que o homem e a mulher como carne, ou seja, como algo que é visivel vai acreditar no que tambem é visivel, por que somos acostumados a não ter duvidas, isso porque o nosso cerebro é limitado, e religião é algo que vai muito mais alem da ciência, do homem, da tecnologia.
    Voces ja pararm para pensar de como foi o inicio, a criação do mundo?
    Quer dizer, eu acredito que os homens (sendo eles meros humanos, fracos, e que ao fim morrem da mesma maneira)tentam contender com a religião a fim de buscar respostas concretas sendo que eles mesmo dizem que Deus é uma forma de apego para os religiosos, então se Deus não existe, porque então a necessidade de ter que provar que ele não existe? Provas essas que são concretas, ou seja, que podem ser vista, tocaveis, possuir massa, como ja dito o ser humano acredita naquilo que vê. Como diz o ditado: So cre se ver, paga pra ver.
    Voces acham que Deus, isso acreditando que ele exista, deixaria que o homem descobrisse o que realmente aconteceu, sendo que o homem ja sabendo pouco ja perdeu o controle?
    Porque então de tantas guerras,mortes, drogas, prostituição, fome, buscar a felicidade, sendo que sem Deus, não existe motivo para viver?
    Eu pergunto para quem tem duvidas da existencia de Deus:
    A ciência te da um motivo para ter a coragem de abrir os olhos e continuar a viver?
    Bem digo a todos vós que o maior erro do homem é pagar para ver.
    Mas eu quero ver no final quando a ciencia vai deparar com o seu proprio erro: negar o seu criador, pois no ultimo dia TODOS VÃO VE-LO.
    Pense bem.
    Assim como não sabe o dia que ira morrer, não saberas o dia em que te condenaras ou te libertaras!

    Thumb up 1
  50. MILAGRES – DEUS TRABALHA DE FORMAS MISTERIOSAS !

    A origem de Jesus Cristo o garoto de Deus foi assim – Maria morava na pequena vila de Nazaré, província da Galiléia. Sobre sua descendência seus pais seriam Joaquim e Ana e não existe nenhum documento importante do século I. A própria genealogia de Cristo que aparece em S. Lucas é apenas de S. José . Quando chegou à idade núbil (idade de casar), com 14 (ou 16) anos, os sacerdotes do Templo procuraram-lhe não um esposo, mas um guardião para sua virgindade, dentre os vivos de Israel. José foi o indicado por um “sinal Divino”.

    Quando depois da anunciação do anjo, Maria se viu “grávida” pela ação de um “sopro’ do anjo, um murmúrio, um silêncio, entrou em seu ventre. Pela ação do Divino Espírito Santo.

    Enviou ao planeta um filho feito com os seus próprios espermatozóides (há quem afirme que deus não é matéria mas isso fica para os biólogos explicarem). Como não havia deusa lá no céu, emprenhou uma mulher comprometida, corrompendo os nºs. 7 e 10 do seu código de honra (bonito exemplo para as gerações vindouras), esse “estupro” sagrado pelo Espírito Santo. Pensando e repensando, conclui-se haver falta de virgens sem dono. Quem sabe a pedofilia já era regra nessa era!

    José teve suas dúvidas dissipadas por uma revelação de que o arcanjo Gabriel, lhe apareceu. Pedindo que esse compreendesse o que iria ocorrer e se acalmasse quando a visse grávida, uma vez que não haviam tido relações sexuais para que tal acontecesse. Foram divulgados muitos pormenores fantásticos, imaginosos e improváveis, (para não dizer cômicos) a respeito do nascimento de Jesus (Buda e outros).

    Hoje sabemos que “Deus não dorme”, e estamos em condições de saber porquê não dorme.

    Ele não dorme porque cometeu uma falta grave que nem a homem é perdoável. Existe a visão histórica de que Jesus nasceu num estábulo conforme a lei judaica da época. Do ponto de vista da fé, (embora a estória dos 3 Reis Magros não tenha realmente existido) o fato ocorre na manjedoura como prova de humildade.

    Da infância de Maria nada se sabe, apareceu em cena quando

    Jesus tinha 12 anos, numa visita ao Templo de Jerusalém. Maria não morreu como todo mundo, (a mãe de Buda morreu uma semana depois de dar à luz). Maria adormeceu e seu corpo elevou-se ao céu, (chamam seu sono de “dormição” e sua subida ao céu de “assunção”, o que significa “elevação”), não houve decomposição do corpo. Não havia sido contaminada pelo pecado de sua mãe Eva. Seus pais a conceberam imaculada.

    Deuses trabalham de formas misteriosas !

    Especial Humor: Jesus era brasileiro?
    De bonificação, foto da mulher de Jesus!
    http://desciclopedia.ws/wiki/Jesus_Cristo

    Oração: AVÉ MARIA.
    De brinde, foto exclusiva da virgem Maria na noite em que foi concebida:
    http://desciclopedia.ws/wiki/Virgem_Maria

    Leia mais mais, em:

    O Estupro Sagrado da Virgem Maria

    Thumb up 4
  51. Para que os historiadores se preocupam com a existência de Jesus? – Deveriam se preocupar com outras celebridades humanas históricas onde na verdade é o que interessa a ciência e aos intelectuais.
    Não é preciso provar a sua existência, é “dispiciendo”, ele é tão verdadeiro que, quando o procuramos, sentimos VERDADEIRAMENTE a sua existência, basta procurar com fé e ele espiritualmente se manifestará em vós.
    Não conto as graças que já alcancei com ele e é porque eu sou um grande pecador vivo transgredinto as leis de Deus e as vezes até da natureza.
    No momento em que escrevo esta, estou com um problemão há mais de 2 anos e através de uma menssagem sua que chegou a mim o ano passado, mensagem esta que o vento trouxe um folheto para dentro de minha garagem e este folheto, com ajuda do vento, entrou na minha sala de visita falando especificamente que seria resolvido a minha situação. Por causa deste folheto, até hoje estou tranquilo com a certeza que um dia, não muito longe, será resolvido definitivamente o meu “problemão”!
    Para nós humanos, ante nosso imediatismo, queremos que Jesus resolva nossos problemas na hora que quisermos e pronto.
    Mas não é assim, Deus, por ser o Soberano do Universo, resolve os problemas daqueles que o buscam com muita fé(vinde a mim os cansados e oprimidos que eu vos aliviarei)entretanto, ele, Deus, só resolve na hora que ele acha certo para resolver e ponto final.
    Quanto aos resíduos históricos de sua existência, não é de interesse dele que o homem o descubra, porque ele quer que acreditemos em sua pessoa PELA FÉ, E NADA MAIS.
    - Bem aventurados aqueles que não me viram e creram!
    Gente, seria muito bom a ciência como um todo conseguir provar, atravéz de suas fórmulas e equações, a existência de Deus, Jesus e Espírito Santo, porque todo homem iria morar com Deus pela razão de sua credibilidade, e nunca pela fé!
    Era bom demais se algum cientista me ensinasse o caminho do céu e o lugar exato onde Deus se encontra porque eu iria comprar uma passagem em qualquer nave espacial destas que já tem por aí e iria pra lá, sem precisar ser bonzinho sem oração sem nada, e chegando lá dava uma boa conversada com S. Pedro e entrava.

    Resumo da ópera: JAMAIS A CIÊNCIA VAI EVOLUIR PARA PROVAR A EXISTÊNCIA DE DEUS E DE JESUS, PORQUE ELES NÃO QUEREM PARA QUE A FÉ NO HOMEM NÃO SEJA ABALADA.

    Abraço a todos.

    Thumb up 12
    • Eu faria diferente, eu compraria uma passagem para visitar papai noel, pra ficar brincando com brinquedinho fajutos.

      Thumb up 1
  52. Como estudioso do evangelho, não estou preocupado em provar
    se Jesus existiu ou não. êle mesmo não se preocupou com isto. O importante são os ensinamentos a ele atribuidos,como
    condensar todo o velho testamento, que a seu tempo já estava
    ultrapassado em apenas dois mandamentos: Amar a Deus sobre -
    todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Mais tarde
    disse a seus dscípulos: Se me amais,guardai meus mandamentos
    A maioria dos cristãos ainda vivem a era dos fariseus, com
    seus hábitos exteriores e ritualisticos, não preocupando-se
    com os verdadeiros ensinamentos de simplicidade e amor ao
    próximo

    Thumb up 7
    • Deixa ver se eu entendi: Você se diz estudioso dos evangelhos, mas não quer saber se eles são verdade, e você diz que o Cristo Jesus não queria provar a sua própria existência, mesmo querendo que todos sempre lembrasem de seus ensinamentos.
      É! Não entendi…

      Thumb up 1
    • Everton,
      Não é que você não entendeu, mas simplesmente é porque você não quer entender. Você está muito influenciado pela polêmica egóica entre os que se dizem ateus e os crentes extremistas de um lado e entre a Religião e a Ciência de outro sem entender nada mesmo. Religião com a conotação pejorativa de hoje e a Ciência estadista e mercantilista que se pratica hoje são dois monstros acéfalos e auto-destrutivos. Antes que a simplicidade, a humildade e o amor ao próximo se estabeleçam, estaremos nessa disputa inglória, sem vencedores nem vencidos.

      Thumb up 4
    • Discordo, na verdade condensando o velho testamento seria, odie a todos, mate a todos, estupre as mulheres de outras religiões, faça incesto, ofereça sacrifícios a deus, não acredite que a terra gira ao redor do sol.

      Thumb up 1
  53. A ESCOLHA QUE TEMOS PELA FRENTE É SIMPLES

    Acredito que a maioria dos cristãos são pessoas boas, apesar da bíblia.

    Milhões de pessoas em todas as sociedades ainda preferem os mitos da caverna, a tribo e o sacrifício do sangue. Os fundamentalistas ainda interpretam literalmente as lendas e mitologias do seu livro, e tem ideias absurdas, sobre textos ditos sagrados que se revelaram corrompidos, divergentes e alguns falsos.

    Acreditam, que a evolução foi “guiada por Deus”.Que o mundo tem 6 mil anos, mesmosabendo que o universo é muito mais antigo do que a Bíblia sugere. Que a melhor coisa que vai acontecer: a volta de Jesus Cristo. Que Jesus Cristo, nasceu de uma virgem e vai voltar para a Terra como super-herói para julgar os vivos e os mortos. Que o mundo está prestes a acabar, e que o fim do mundo será glorioso. E que apenas os que acreditam e fé na divindade de Jesus Cristo terão a salvação depois da morte.

    Os mais mentalmente perturbados sempre citam capítulos e versículos bíblicos e dogmas religiosos. Acreditam que o criador do universo sentiu necessidade de escrever fisicamente, ele próprio,gravando os mandamentos na pedra. Que Ele escreveu (ou ditou) um dos nossos livros.

    E não há dúvida de que elas podem interpretar erradamente essas experiências, e iludir-se ainda mais acerca da natureza da realidade e confusões mentais acerca de um Deus bíblico imaginário e ficção total, como tantos deuses q já existiram e existem, ou ainda venham a ser criados pelos homens… Não há dúvida de que as pessoas podem passar por experiências profundamente transformadoras e positivas nas suas vidas.

    POIS EM GERAL, OS CRENTES,

    Eles são mais espertos do que os ensinamentos atribuídos a Jesus, e vendidos através da teologia da prosperidade no mercado da fé.

    Eles são mais agradáveis do que o Deus ciumento, raivoso, colérico, psicopata do Antigo Testamento, ( que se tornou um pouco melhor depois que teve o seu garoto).

    Muitos deles estão acima das brutalidades do cristianismo e das guerras santas para se tornar boas, pessoas preocupadas, porque eles (como eu) possuem um respeito pelos valores humanos.

    Na verdade , conforme lembra Sam Harris, autor de “Carta a uma nação cristã”.

    – Não existe uma visão do mundo mais repreensível em sua arrogância do que a visão de um crente religioso: o criador do universo se interessa por mim, me aprova, me ama e vai me recompensar depois da morte; minhas crenças atuais, vindas das escrituras, continuarão sendo a melhor expressão da verdade até o fim do mundo; todos os que discordam de mim passarão a eternidade no inferno…

    A fé religiosa – com suas ideias vazias acerca de deus e do paraíso, a fé na existência de um Deus que se importa com o nome pelo qual é chamado, a fé que proclama que Jesus está voltando para a Terra – que os mártires muçulmanos vão direto para o Paraíso onde lhes esperam 72 virgens – está do lado errado de uma guerra de ideias, hoje em plena escalada. O fato deque a religião pode nos ter servido para alguma função necessária no passado não exclui a possibilidade de que hoje ela seja o maior impedimento para a construção de uma civilização global.

    As 3 grandes religiões monoteístas – cristianismo, judaísmoe islamismo – pregam a paz, a tolerância, a compaixão e o amor ao próximo. Mesmo assim, elas deixaram suas marcas em guerras e banhos de sangue ao longo da história.
    Para alguns pesquisadores, uma explicação estaria na própria lógica do monoteísmo: SE APENAS O “MEU” DEUS É VERDADEIRO, OS “OUTROS” CERTAMENTE SÃO FALSOS E SEUS SEGUIDORES, INFIÉIS.

    Do meu modo de ver as coisas. A ESCOLHA QUE TEMOS PELA FRENTE É SIMPLES:

    Podemos ter uma conversa do século XXI acerca da moral e do bem estar humano, ou uma conversa na qual recorremos a todas as descobertas científicas e argumentos filosóficos acumulados nos últimos 2 mil anos de discurso humano – ou então podemos nos confinar a uma conversa do século I, tal como preservado na Bíblia.

    Por que alguém haveria de querer adotar a segunda opção?

    E para finalizar, nós humanistas seculares, céticos, racionalistas, ateus e agnósticos, não desejamos privar a humanidade de suas maravilhas e consolos. De modo algum.

    Se Você dedicar algum tempo para estudar as impressionantes fotografias tiradas pelo telescópio Hubble, estará investigando coisas que são muito mais espantosas, misteriosas e belas – e mais caóticas,esmagadoras e proibitivas – do que qualquer história da criação ou do “final dos tempos”.
    Se você ler Hawking ou Carl Sagan, Albert Einstein, Charles Darwin ou Francis Crick,Sócrates, ficarei surpreso ficarei surpreso se você ainda se interessar por Moisés e seu pouco interessante “arbusto em chamas”.

    Se Você estuda, seleção natural,Biologia Evolutiva a beleza e a simetria da dupla hélice e tiver seu genoma completamente analisado, ficará impressionado de que tal fenômeno quase perfeito esteja no cerne do seu ser e verá reafirmado (espero) que você tem muito em comum com outras tribos daespécie humana – com “raça” tendo ido para a lixeira juntamente com a “criação”, – e ainda mais fascinado ao descobrir o quanto você também é parte do reino animal.

    Aqueles que acreditaram que os padres e pastores, os rabinos e os imãs contam a eles sobre os o que os não crentes pensam e como eles pensam terão surpresas surpresas desagradáveis a partir de agora nesse debate público. Falso consolo são falsos amigos. Eles provavelmente passarão a desacreditar do que é dito a eles, ou passarão a não “ter fé”, que é o problema inicial.

    Assim, a crítica mais suave à religião com seus dogmas e doutrinas, também é a mais radical e devastadora.
    A RELIGIÃO QUEENVENENA TUDO É CRIAÇÃO DO HOMEM.
    E não haveria igrejas se a humanidade não tivesse temido o clima, o escuro, a peste, o eclipse e todas as outras coisas hoje facilmente explicáveis. E ainda o constante medo da morte e julgamento,apocalipse, dia do juízo.

    A mensagem para a plateia de analfabetos, sempre foi de contínua submissão, gratidão e medo. E também se a humanidade não tivesse sido compelida , com uma dor de consequências atrozes, a pagar os exorbitantes dízimos e impostos que ergueram os imponentes edifícios da religião. E os mega-templos brasileiros, com bízimos, trízimos e….

    Para mim não existe a mais fraca premissa de possibilidade da existência de deuses (ou jesuses).

    Esse é meu ponto de vista, para a posteridade. Que faz parte de ser honesto comigo mesmo e com Você. Forme sua própria opinião, mas não ignore a mensagem,

    Oiced Mocam – Livre Pensador-Humanista Secular

    Porto Alegre/RS

    Thumb up 13
    • Oiced Mocam,

      Primeiro que quem acabou com os deuses mitológicos (baseados em astros ou fenômenos da natureza) foi o próprio judaísmo e o cristianismo. Tanto que os primeiros cristãos eram considerados ateus pelos romanos, pois não acreditavam em deuses e sim no DEUS vivo!

      Segundo que a grande maioria das religiões do mundo surgiram da busca natural do homem por Deus; enquanto que as religiões monoteístas, em especial o judaísmo e o cristianismo, surgiram da busca de DEUS pelos homens e de sua revelação pública ao mundo na pessoa de Cristo.

      Pelo menos a Igreja Católica não interpreta a Bíblia de forma totalmente literal e nem prega que o universo tem 6 mil anos. Aliás, quem criou o teoria do BIG BANG foi um padre chamado GEORGE LAMAÎTRE; antes dele e das observações de HUBBLE, os cientistas acreditavam que o universo era estático e eterno (inclusive, Einstein)!

      Se a interpretação da Bíblia fosse toda literal, com certeza, os judeus teriam reconhecido Jesus como o messias esperado em vez de esperar um messias glorioso que iria salvá-los da opressão romana; e também, com certeza, não haveria tantas denominações cristãs com doutrinas completamente divergentes!

      O que prova que a Bíblia não é resultado da imaginação humana e sim inspirada por Deus, são suas profecias cumpridas, séculos antes delas acontecerem. Até GÊNESIS (que mais parece um conto de fadas aos olhos da ciência moderna) também foi inspirado por Deus.

      Por exemplo, em Gênesis (o primeiro livro da Bíblia), a serpente tenta a mulher; a qual Deus profetiza que um descendente da mulher iria esmagar a cabeça da serpente. Uma interpretação literal da Bíblia nos leva a crer que era uma cobra falante mesmo. Porém, em Apocalipse (o último livro da Bíblia), a profecia esclarece que o grande dragão (Satanás) é a antiga serpente, que persegue a mulher. Finalmente, séculos e séculos após a profecia de Gênesis, em 27 de novembro de 1830, Nossa Senhora (a nova Eva) aparece à SANTA CATARINA LABOURÉ (cujo corpo está INCORRUPTO) pisando na cabeça da serpente e manda cunhar a famosa MEDALHA MILAGROSA, alcançando inúmeras graças.

      Por fim, se os homens foram capazes de cometer tantas barbaridades em nome de DEUS, imagina o que cometeram e podem cometer quando se afastam totalmente de DEUS e o retiram da sociedade; aqueles que nem sequer temem a Deus?

      Se juntarmos todas as vidas ceifadas pelas catástrofes, doenças e guerras religiosas do passado, não chega nem perto das centenas de milhões de vidas torturadas e exterminadas pela Revolução Francesa, pelo Comunismo, pelo Nazismo, pelas drogas, pelo aborto, pela eutanásia, pela violência, etc. Basta ver o Comunismo que matou oficialmente mais de 100 milhões de pessoas (conforme “O Livro Negro do Comunismo”) e os 50 milhões de crianças abortadas anualmente no mundo.

      E se existem grandes cientistas que não acreditam em DEUS, também existiram e existem cientistas tão ou mais brilhantes que acreditam num ser transcendente:

      “Para os crentes, Deus está no princípio das coisas. Para os cientistas, no final de toda reflexão” (MAX PLANCK – PAI DA MECÂNICA QUÂNTICA)

      “Deus é um matemático de nível muito elevado que usou a matemática avançada para construir o universo” (PAUL DIRAC).

      “Admiro o gênio matemático que ordenou o universo!” e “Esta convicção de uma razão superior que se manifesta no mundo da experiência é minha concepção de Deus!”. (ALBERT EINSTEIN)

      Thumb up 3
    • E Einstein disse masi:

      “A idéia de um Deus pessoal me é bastante estranha, e me parece até ingênua.”

      “Se as pessoas são boas só por temerem o castigo e almejarem uma recompensa, então realmente somos um grupo muito desprezível.”

      E “le grand finale”:

      “Deus não joga dados com o universo.”

      Thumb up 3
    • Everton, eu não afirmei que Einstein acreditava no Deus bíblico ou cristão, mas que acreditava num ser superior que ordenou todo o universo.

      Se ele não acreditasse em nenhum DEUS, ou seja, fosse realmente ateu, jamais diria que “Deus não joga dados!”.

      Eu sei que ele acreditava no DEUS de SPINOZA:

      “Acredito no Deus de Spinoza, que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe, e não no Deus que se interessa pela sorte e pelas ações dos homens” (ALBERT EINSTEIN).

      Thumb up 4
    • Voce esta partindo de idéias construidas apartir de um estudo feito ao longos dos tempos.
      Pare e pense não de forma tecnica ou contextual, olhe para de si mesmo e tente explica-la, vc consegue se definir? Por qual razão continua a viver? Por que motivo te leva a acreditar que a ciencia feita por humanos corruptiveis de ta a garantia de que o mundo permanecera para sempre?
      Vc consegue olhar para dentro de si mesmo, e perceper que o seu proprio corpo é uma maquina mais completa, mais perfeita, onde todas as peças são exatamente encaixadas corretamente, em que cada uma delas tem uma funçaõ. A tua ciencia, a tua opinião te garante que voce esta certa.
      Imagine o seguinte:
      Voce esta em uma grande estrada e voce ve duas rua, vc tem duas pernas certo? Então pode uma perna ir para um lado e a outra ir para o outro? Não.
      Então ou voce tem que se garantir na existencia pessoal de Deus ou a na negação do mesmo.
      Te garanto de que vc mesmo assim tera duvida ne?
      E sabe porque?
      Porque tem algo em cada um do ser humano que ate mesmo a propria carne se nega a aceitar e a crer.

      Thumb up 2
    • Convenhamos meu caro, se estivesse ocorrendo um encontro científico onde fotos do Huble estivessem sendo exibidas, o Stephen Hawking presente e outros cientistas, expondo suas teorias e tudo mais e, de repente, alguém grita e diz: Vejam aqui fora! Um arbusto em chamas, porém não se consem… Eu lhe garanto que as pessoas deixariam o Stephen Hawking falando sozinho e, inclusive ele, correriam e aquilo se tornaria um achado fascinante e todos estariam de boca aberta tentando achar uma explicação para o fato. E olha que quem está escrevendo isso é alguém ama e gosta muito da ciência, teorias científicas e tudo mais. Então, você está grandemente equivocado em relação ao arbusto em chamas. Ponto para Moisés!!! Entre conversar com quem especula sobre a origem e com quem teve contato com o próprio criador, eu sou mais o último…

      Thumb up 1
    • Convenhamos meu caro, se estivesse ocorrendo um encontro científico onde fotos do Huble estivessem sendo exibidas, o Stephen Hawking presente e outros cientistas, expondo suas teorias e tudo mais e, de repente, alguém grita e diz: Vejam aqui fora! Um arbusto em chamas, porém não se consome… Eu lhe garanto que as pessoas deixariam o Stephen Hawking falando sozinho e, inclusive ele, correriam e aquilo se tornaria um achado fascinante e todos estariam de boca aberta tentando achar uma explicação para o fato. E olha que quem está escrevendo isso é alguém ama e gosta muito da ciência, teorias científicas e tudo mais. Então, você está grandemente equivocado em relação ao arbusto em chamas. Ponto para Moisés!!! Entre conversar com quem especula sobre a origem e com quem teve contato com o próprio criador, eu sou mais o último…

      Thumb up 2
  54. O conhecimento do ser humano é muito limitado por ele mesmo, não é necessário algo que fundamente a vinda de Jesus, se Ele esteve aqui ou não, o importante é aprender tudo o que Ele ensinou, mesmo não estando aqui na terra de corpo presente neste momento, Ele continua nos ensinando, pois as escrituras sagradas nos fala de um amor incondicional que um grande homem um dia teve por nós e ainda tem. Aquele que nunca precisou por a sua fé em prática, provavelmente não o conhece, quase sempre é preciso estar a beira de um precipicio para reconhecer que Jesus estende a sua mão em todos os momentos, seja difíceis ou momentos de felicidade, nós é que não o aceitamos, pois temos medo de perder coisas que se quer temos, se analisarmos tudo o que nós possuímos é tão transitório, tudo se transforma muito rápido, até a nossa própria vida, nem se quer sabemos quando é que a última página vai ser virada, pois o livro da nossa própria vida se quer somos autores. Jesus com toda certeza era autor do seu próprio livro e nós será que sabemos alguma coisa, temos algum fundamento, somos as marionetes de um sistema que está nos enlouquecendo, vivemos num mundo estressante,onde a depressão tem sido companhia constante da maioria. Bom mesmo é ter algo tão maravilhoso que nos sustenta e nos ensina, isso só é possível quando se tem fé ou quando precisamos muito.

    Thumb up 16
    • Como sempre avaliando a questão inicialmente como sem importância, depois afirmando que sua verdade é verdadeira,e finalmente levando em consideração somente as partes boas de seu messias. É um dos movimentos clássicos de um religioso.

      Thumb up 5
    • Creuza querida… E quem garante que tuda aquela contradição que está escrito no NOVO testamente foi de fato esse tal jesus que disse se: SEQUER ESCREVEU UMA SÓ VÍRGULA SOBRE SEU PRÓPRIO PENSAMENTO…?????

      Os supostos “ensinamentos de jesus” são uma coletânea de textos contraditórios onde cada evangelista escreveu uma coisa TOTALMENTE DIFERENTE do outro, e depois foram juntados por interesse militar pelo Cesar Romano Constantino para CRIAR o Novo Testamento…

      É tanta contradição, traduções errôneas, interesses politicos, que nem dá pra acreditar na biblia e consequentemente na existencia desse tal jesus.

      Para mim que estudei história, a figura lendária de jesus não passa de uma imagem construida equivocadamente para dar sustentação ao Império romano atraves da ICAR em 326 DC

      Há relatros de outros filósofos por inumeros historiadores, mas a vida desse tal jesus só tem na b´piblia e olhe lá…

      A época da escuridão já passou. Estamos vivendo a era da razão e pouca gente acordou para esse fato…

      Thumb up 1
    • Chico Lobo,
      Permita-me fazer algumas ponderações, já que você parece-me uma pessoa esclarecida.
      1)JESUS SEQUER ESCREVEU UMA SÓ VÍRGULA SOBRE SEU PRÓPRIO PENSAMENTO…?????
      Os grandes mestres não escrevem mesmo. Conhecemos suas vidas e seus feitos pelos seus seguidores. Também só conhecemos Sócrates por causa de Platão e Buda pelos seus discípulos.
      2)Os supostos “ensinamentos de jesus” são uma coletânea de textos contraditórios.
      Realmente houve interesses espúrios na compilação da bíblia e duas pessoas não escrevem sobre o mesmo assunto de forma idêntica. Cada suposto discípulo escreveu a sua versão. Entretanto o fato mais importante é que há bons ensinamentos. Porque não elegemos os bons e esquecemos os maus ao invéz de condenar todos por causa de alguns. Não seria mais justo e mais inteligente?
      3)……..a figura lendária de jesus……….
      Todas as figuras da história são lendárias. Nós ainda não entendemos que só existe o presente. Todo o passado é lenda e todo o futuro e desconhecido e incerto. A única coisa que de fato existe é o aquí e o agora. É exatamente por isso que os grandes mestres não escreviam nada. A idéia de perpetuar o passado com a escrita talvez seja um grande equívoco.
      4)A época da escuridão já passou. Estamos vivendo a era da razão.??????????
      A razão é filha da escuridão. Todas as atrocidades da história foram cometidas em nome da razão. Da inquisição às grandes guerras, todos estavam cobertos de razão. A razão não dá nenhuma chance para o amor ou para a justiça.

      Thumb up 4
    • Caro Chico Lobo, eu agradeço muito as suas informações, eu sou apaixonada por todo tipo de história, mais nos últimos tempos eu tenho estudado a Biblia Sagrada e é um livro muito completo para mim, para a maioria das pessoas é um livro de difícil compreensão, porém tenho certeza que o seu ponto de vista é muito válido e você pode ter certeza eu respeito muito o conhecimento do outro. Para mim a vida é feita de compartilhamento de informações, é sempre bom aprender novas coisas e com certeza aprendi alguma coisa com o seu comentário.

      Thumb up 4
    • JESUS NÃO EXISTIU!

      Alguns apologistas cristãos geralmente afirmam que os eventos descritos no Novo Testamento são independentemente atestada nos escritos por não-cristãos, apoiando assim a precisão do Novo Testamento. Os textos gnósticos cristãos , eles próprios são importante, eles tendem a contradizer relatos do Novo Testamento, e assim raramente são citados pelos apologistas cristãos.

      Flavianum Testimonium, e às vezes é citado por propagandistas como uma confirmação independente da existência de Jesus e a ressurreição. No entanto, há excelente razão para supor que essa passagem não foi escrito em sua forma atual por JOSEFO, mas FOI INSERIDA OU ALTERADA PELOS CRISTÃOS POSTERIORES.

      Vários problemas confrontar um estudo como este. Por um lado, é sabido que alguns textos foram corrompidos ao longo do tempo, ou foram alteradas pelos copistas inescrupulosos. Assim, não é sempre possível separar interpolações posteriores dos escritos originais.

      Em segundo lugar, alguns textos foram perdidos, e só são conhecidas através de citações em fontes secundárias. Além disso, não só têm algumas referências a supostas Jesus se perdeu como fontes primárias, mas algumas críticas iniciais do cristianismo foram reprimidas pela Igreja primitiva, e não sobreviveram e as razões todos sabemos. Além disso, dos textos sobreviventes, tanto pró-cristão ou não, muitos textos não pode ser datado com precisão, ou sobreviver em mais de um formulário. Assim, recomenda-se precaução na interpretação material.

      Um leitor dos textos antigos é atingido por quão pouco a literatura tem a dizer sobre os acontecimentos no Novo Testamento. Por exemplo, o assassinato infame de Herodes dos Inocentes (em que ele ordenou o massacre de centenas de crianças), ao jogar um papel importante no Novo Testamento, não é mencionado por qualquer outra fonte, incluindo as diversas contas do reinado de Herodes. Da mesma forma, conta JOSEFO da Palestina do primeiro século DEDICA MUITO MAIS ATENÇÃO A JOÃO BATISTA DO QUE A JESUS.

      Finalmente, alguns comentários devem ser feitos sobre a questão da “confirmação independente”. Mesmo se uma referência a Jesus em um texto é autêntico, e não uma inserção mais tarde do cristianismo, que o texto não pode fornecer qualquer informação nova. Por exemplo, se um escritor se limita a repetir o que foi dito pelos cristãos, que por sua vez, derivam suas informações a partir do Novo Testamento, em seguida, o texto em questão não fornece uma confirmação independente do Novo Testamento, como os créditos envolvidos são, em última análise derivado do o NT.

      Um exemplo do que pode constituir uma confirmação independente seria uma testemunha ocular de um autor não-cristão, ou uma entrada em um documento jurídico romano. Estas fontes presumivelmente não seriam meras repetições do que cristãos acreditavam ter acontecido.

      Argumento cristológico – Deus e Jesus

      O argumento cristológico para a existência de Deus é baseada em certas afirmações sobre Jesus. O argumento , que existe em várias formas, sustenta que, se essas alegações são válidas, deve-se aceitar que Deus existe.

      Algumas formas de evangelismo tomam essa atitude. Potenciais convertidos são apresentados a Jesus como um personagem histórico e os méritos dos ensinamentos de Jesus são discutidas. Em tal contexto, a historicidade de Jesus de Nazaré é um fator crucial na avaliação do argumento.

      As principais objeções são as sugestões que:

      1 caráter de Jesus na Bíblia NÃO SÃO CONFIÁVEIS.

      2.Jesus, pontos de vista sobre a realidade não são (ou não susceptível de ser) necessariamente correta.

      Bertrand Russell , em seu ensaio ” Por que eu não sou cristão “, criticou Jesus seu caráter pessoal e posições filosóficas por diversas razões.

      3. Mesmo admitindo que Jesus estava correto, sábio e conhecedor de muitas coisas não implica que ele era bem informados sobre tudo. Um profundo conhecimento de filosofia moral e as iniqüidades da condição humana, por exemplo, não implica necessariamente qualquer experiência válida em astrofísica, literatura fenícia, ou a existência literal de Deus.

      POR QUE os judeus não conseguiam ver que Jesus tinha quer ser o messias?

      Porque o messias o messias não deveria ser alguém que sofresse e morresse, mas alguém que deveria reinar em glória. O que quer que diferentes judeus pensassem do messias, eles concordavam que seria uma figura de grandeza e poder, alguém obviamente escolhido e privilegiado por Deus.

      E quem era Jesus?

      Um criminoso crucificado. Para a maioria dos judeus, chamar Jesus de messias simplesmente não fazia sentido. Ele nunca tinha levantado um exército, nunca atacara os romanos, nunca estabelecera seu trono em Jerusalém ele certamente não tinha vindo dos céus em uma labareda gloriosa para derrubar os inimigos de Deus. Em vez de derrotar o inimigo, Jesus foi esmagado por ele. Jesus sofreu a morte mais humilhante e dolorosa que o inimigo podia conceber, reservada aos mais baixos entre os baixos. Jesus era exatamente o oposto do que as pessoas pensavam que seria o messias.

      O antigo JUDAÍSMO (antes do cristianismo) NUNCA TEVE UMA IDEIA DE QUE O MESSIAS IRIA SOFRER PELOS OUTROS – por isso a maioria de judeus rejeitou a ideia de que Jesus pudesse ser o messias.

      O Islamismo oferece uma refutação, que Jesus nunca foi crucificado. Textos islâmicos negam categoricamente a crucificação e morte de Jesus nas mãos dos judeus.

      Thumb up 4
  55. Será que a existência de jesus garante uma humanidade virtuosa? Será que a existência de jesus limita o livre arbítrio únicamente ao bem? A maior parte da população acredita na existência de jesus, mas o que importa é se a maior parte da população haje de acordo com os seus ensinamentos?! Bom… a única coisa que eu sei é que a vida é movida por leis imutáveis e dependente das consequências naturais.

    Thumb up 3
  56. coerência é bom, tanto a séticos como a crentes; um fato prejudicial é que atacando-se as muitas incoerências daqueles que tem fé, muitos séticos também assumem posições no mínimo controversas… por exemplo recusar a istoricidade dos textos considerados sagrados no cristianismo; em matéria de manuscritos há muito mais abonando a istoricidade do que encontramos com os livros de Oméro, por exemplo.
    Quero salientar que das muitas afirmações repetidas (muitas vezes não verificadas) que a bíblia teria sido reescrita e adulterada ao longo dos séculos, francamente chega a ser mais como uma briga entre torcidas; fundamentarei essa idéia com os mencionados manuscritos do mar morto, que trazem praticamente um livro completo de Isaías, que sendo anterior ao período institucional do Cristianismo, (talvez anterior ao próprio cristianismo como fenômeno social), poderia conter as tais “partes adulteradas) que abonariam as opiniões dos descrentes. todavia ficam comprometidas tais alegações, dado que o texto está lá desde antes de Constantino e qualquer concílio e inquisição revelando uma realidade totalmente outra. finalizo observando que o próprio artigo como o meu comentário discorrem sobre a istoricidade do Fenômeno cristianismo e de seu fundador; portanto não adianta misturar neste meio discussões sobre a imortalidade da alma ou outras questões meta-físicas, quer queiram abonar ou não os argumentos apresentados.

    Thumb up 1
  57. Basta postar sobre religiao que chove comentarios, sim, este assunto encomoda muita gente.

    Tudo tem resposta como para “abrir caminho dentro do mar, separar a água em duas partes ou algo do tipo” foi um tremendo de um tsunami que na época ninguém sabia explicar tal fato.

    Thumb up 2
    • ops “incomoda”!

      Thumb up 0
  58. Eu não estou nem ai para estas possiveis evidencias de Jesus, pois os seus ensinamentos já são a maior prova de sua existencia! Ele ensinou somente o amor para com o seu próximo e a caridade, foi contra várias leis injustas e mundanas, além de responder com inteligencia aos fariseus. Suas ideias eram muito avançadas na época para ser alguem normal ou não existir. Se todos seguissem os seus ensinamentos teriamos um mundo melhor, mas muitos ainda não o entendem ou não querem!

    Thumb up 8
    • “seus ensinamentos já são a maior prova de sua existencia!”
      O Senhor dos Anéis é a prova da existência de Elfos.

      “Ele ensinou somente o amor para com o seu próximo e a caridade”

      “Não penseis que vim trazer paz à Terra: não vim trazer paz, mas uma espada.” (Mateus 10:34)

      “Suas ideias eram muito avançadas na época para ser alguem normal ou não existir”

      “Se você faz alguma coisa errada com seu olho ou sua mão, arranque-os.” (Mateus 5:29-30)

      E só para você saber, segundo as escrituras canonicas, Buda teria falado sobre amar ao próximo 600 anos antes do Cristo Jesus.
      Fora que existiram centenas de profetas, na mesma época, e mesma terra de Jesus que falavam as mesmas coisas, sobre o mesmo deus, com vários seguidores.

      Thumb up 11
    • Verdade…
      Naquela época os judeus estavam em conflito, se escondiam em cavernas nas montanhas e a anos esperavam pelo messias, inclusive vários supostos messias já haviam aparecido…

      Thumb up 0
    • Olá Everton, compreendo o seu ponto de vista, porem voce está levando tudo ao pé da letra. Jesus ensinava por parábolas.

      “Não penseis que vim trazer paz à Terra: não vim trazer paz, mas uma espada.” (Mateus 10:34): Neste caso ele realmente não veio trazer a paz de mão beijada a todos, mas sim os recursos necessários para que a paz fosse praticada entre os homens, trazendo os ensinamentos e a justiça.

      “Se você faz alguma coisa errada com seu olho ou sua mão, arranque-os.” (Mateus 5:29-30): Neste trecho, Jesus não prega arrancar literalmente alguma parte do corpo, mas nos lembra que se alguma coisa nos leva a perdição, mas vale perder isto, “que no caso não é uma parte do corpo”.

      Jesus precisava ensinar por parábolas, devido a evolução e entendimento daquele povo, e creio que até hoje alguns ensinamentos dele não são totalmente compreendidos devido ao nosso grau de evolução atual.

      É importante ressaltar também que o hebraico é uma lingua muito simplificada e de dificil tradução para as outras linguas, no qual gera também muita má interpretação dos textos.

      “Fora que existiram centenas de profetas, na mesma época”: Eu confesso que não tenho muito conhecimento de todos os outros profetas contemporâneos de Jesus, mas se eles também pregaram o amor e a bondade, então sem dúvida eles foram muito uteis a humanidade!

      Thumb up 2
    • Sei… Ele (Jesus) falava através de parabols, e temos que ler o contexto e não levar ao pé da letra.
      Então quando ele dizia que era filho de Deus, que ele era o caminho e para amar ao próximo também deve ser lido de forma alegórica e não ao pé da letra?
      Procurei no rodapé da Bíblia onde estaria escrito observaçoes do tipo: Este texto é figurativo e deve ser lido de modo não literal…

      Thumb up 0
    • Porem Jesus mesmo explicou:

      Então, se aproximaram os discípulos e lhe perguntaram: Por que lhes falas por parábolas?Ao que respondeu: Porque a vós outros é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas àqueles não lhes é isso concedido.
      Pois ao que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas, ao que não tem, até o que tem lhe será tirado.Por isso, lhes falo por parábolas; porque, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem, nem entendem. Mateus cap 13, versículo 10 ao 13.

      Se ele tivesse passado os ensinamentos ao pé da letra já teriam o crucificado antes de qualquer coisa, sem passar o resto dos ensinamentos. O povo ainda não estava preparado para receber o verdadeiro significado dos seus ensinamentos, inclusive até hoje se tem diferentes interpretações das escrituras.

      Thumb up 2
  59. Jesus Cristo: Lunático, Mentiroso ou Senhor?
    Qual Deus ?

    Enquanto Jesus caminhava pela face da terra há aproximadamente dois milênios, a humanidade se dividia em três grupos com diferentes visões sobre ele.
    Alguns estavam convencidos de que Jesus era o Filho de Deus e então dirigiam-se a ele como “meu Senhor e meu Deus” (João 20:28).
    Outros consideravam as afirmações e ações de Jesus como atos de blasfêmia e “. . . procuravam matá-lo porque . . . dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus” (João 5:18).
    Porém um terceiro grupo pensava que Jesus era insano e deveria ser ignorado (João 10:20).

    Muitos chamados “Cristãos” da atualidade tentam adotar uma posição de compromisso e alegam que Jesus foi um homem bom –que foi até um homem perfeito – porém não era Deus. Considerações cuidadosas das afirmações e ações de Jesus, entretanto, excluem esta conclusão. As únicas possíveis explicações sobre Jesus são as três que foram propostas no primeiro século.

    Numa época em que a dúvida e a descrença estão em alta, toda pessoa que “deseja” seguir Jesus precisa cuidadosamente considerar o caso atribuído para com a Divindade de Cristo.

    As Possibilidades:

    1. Jesus é quem alegou ser, o Filho de Deus. Deus é um, mas é também três, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. ( e o Diabo uma espécie de empregado de Deus, mais um concorrente à altura). O que significa isso? Mas como Deus podia ser seu próprio Filho? Em que sentido Jesus era homem e também Deus? ou

    2. Ele era louco e erroneamente se julgava Divino, ou

    3. Ele foi o maior mentiroso que já existiu.

    4. Jesus não existiu!

    Consideremos as possibilidades na luz das ações e afirmações de Jesus.

    As Afirmações (atribuídas) de Jesus:
    Jesus não fez nenhuma tentativa de esconder suas afirmações de Divindade. Ele repetidamente afirmou que era o Filho de Deus (João 9:35-38; Mateus 16:16-20; etc). A própria linguagem atribuídas a Jesus não deixou dúvidas, conforme ele aplicou a descrição “Eu Sou” para si próprio (João 8:24-58; veja Êxodo 3:13-14). Jesus claramente afirmou ser Deus!

    O que faremos com as afirmações de Jesus?

    Se elas sáo verdadeiras, então Jesus é Divino. Se elas são falsas, então Jesus intencionalmente mentiu e foi assim um terrível farsante, ou ele era louco e foi iludido por si próprio a acreditar e antecipar o mito de sua própria Divindade. Não podemos considerar suas afirmações e menosprezá-lo como meramente um homem bom ou perfeito. Ou ele é um lúnatico, ou um mentiroso, ou o Senhor de todos!

    Afirmações indiretas

    Há muitas coisas (atribuídas) que Jesus fez que somente Deus é capaz de fazer. Jesus perdoou os pecados dos homens, mas somente Deus pode perdoar pecados (veja Marcos 2:1-12; Lucas 7:36-50).

    Ele afirmou ser capaz de dar vida (João 5:21; 10:28; 17;2)
    e de julgar o mundo (Mateus 7:23; 16:27; 25:31-46; João 5:22-27),
    habilidades que pertencem exclusivamente a Deus.

    Jesus criou o mundo (João 1:1-3, 10) e o sustém (Colossenses 1:17).

    Tudo isso o põe sem dúvida na categoria de Deus.

    Jesus ensinou que vê-lo era ver o Pai (João 12:45; 14:9),
    que crer nele era crer no Pai (João 12:44)
    e que conhecê-lo era conhecer o Pai (João 8:19; 14:7).
    Ele disse que quem o recebe, recebe o Pai (Marcos 9:37);
    que quem o honra, honra o Pai (João 5:23);
    mas quem o rejeita e o odeia, rejeita e odeia o Pai (Lucas 10:16; João 15:23). Qual mero homem, qual arcanjo poderia fazer afirmações como essas?

    O que Jesus disse refletia a noção da sua própria importância.
    Ele nos ensinou a perder a vida por amor a ele (Lucas 9:24) e amá-lo mais que ao pai, à mãe, à esposa, aos filhos e à própria vida (Mateus 10:37; Lucas 14:26).

    Fazendo uso de uma metáfora ousada, Jesus disse que devemos comer a sua carne e beber o seu sangue para que possamos ter vida (João 6:51-58).
    Ele afirmou ser capaz de dar vida (João 5:21; 10:28; 17;2) e de julgar o mundo (Mateus 7:23; 16:27; 25:31-46; João 5:22-27), habilidades que pertencem exclusivamente a Deus. Jesus criou o mundo (João 1:1-3, 10) e o sustém (Colossenses 1:17).

    Vários grupos negam a absoluta divindade de Cristo.

    Os Testemunhas de Jeová, por exemplo, negam que Jesus seja Deus com d maiúsculo. Segundo eles, ele é um deus, um arcanjo muito elevado, mas não é igual a Deus Pai. Os teólogos modernos muitas vezes ensinam que Jesus era um grande homem, um mestre maravilhoso e um grande profeta , mas não Deus na verdade. A Bíblia ensina que Jesus é Deus.

    Ou Jesus era um egoista arrogante, ou era Deus. Diante de suas afirmações ousadas, não há meio-termo.

    As ações de Jesus na terra foram inteiramente consistentes em relação às suas afirmações de Divindade. Ele atuou, sem se justificar, como Deus encarnado! Ele proclamou a habilidade de perdoar os pecados (Mateus 9:2-6). Os judeus sabiam que qualquer mero homem que fizesse tal afirmação era um blasfemador.
    Jesus também aceitou adoração dos humanos, depois de dizer sem dúvida que adoração pertence somente a Deus (Mateus 4:10; 8:2; 9:18; João 9:38). Nas ações de Jesus ele afirmava ser Deus. Quando a meros homens ou anjos foram oferecidos tal adoração, eles apressavam-se à proibi-la (Atos 10:25-26; Apocalipse 22:8-9).

    O QUE FAREMOS COM AS AÇÕES DE JESUS?
    Se ele foi um homem, certamente os judeus estavam certos em acusa-lo de blasfemar, por ter sido apresentado com Deus. Não podemos atribuir suas ações a um simples homem e considera-lo bom e perfeito. Jesus foi o Senhor, que afirmou ser, ou ele foi um mentiroso, ou um lunático.

    Jesus só passou a ser visto como “Filho de Deus” no Concílio de Nicéia, depois que esse título foi proposto e aprovado por votação. E, por um resultado apertado por sinal.
    Declarar que Jesus tinha origem divina era fundamental para a posterior unificação do Império Romano e para lançar as bases do novo poderio do Vaticano.
    Confirmando oficialmente, Jesus como Filho de Deus, Constantino transformou Jesus em uma divindade que existia além do alcance do mundo humano, uma entidade cujo poder era incontestável.

    Depois que Constantino promoveu Jesus a divindade quase quatro séculos depois da sua morte, mandou fizeram uma Bíblia novinha em folha, que omitia os evangelhos que falavam do aspecto humano de Cristo e enfatizava aqueles que o tratavam como divino. Os evangelhos anteriores foram considerados heréticos, reunidos e queimados. O Vaticano manteve a sua tradição de enganar os fiéis. A Biblia moderna foi compilada e revisada por homens com objetivo político – promover a divindade do homem Jesus Cristo e usar Sua influência para solidificar a própria base de poder desses mesmos homens.

    A QUESTÃO DA VIRGINDADE DE MARIA é outro paradoxo da doutrina cristã é questionado por ser implaussível.. É sabido ser impossível a mulher virgem parir seu filho. É impossivel crer e tornar possível que Deus, “criador do céu e da terra”, possa ter engravidado uma virgem através da mágica do Espírito Santo, tendo realizado a primeira inseminação artificial (como também a primeira clonagem – Eva nasceu da costela de Adão, e, ainda por cima, pecaminosa – o conceito do “pecado original”).

    Mas por que acreditar nisso?
    E por que não acreditar que Zeus possa ter parido Dionísio de sua própria coxa?
    Que Buda nasceu de uma flor de lótus?
    Afinal, o que faz com que, aos monoteístas, a mitologia grega seja tratada como mito enquanto seus próprios mitos sejam aceitos como verdades? Por que precisam acreditar nisso? Onde encontram justificativas?

    Pois, a resposta se encontra na infância.
    As crianças cristãs aprendem uma história, sutilmente compilada, que extrai os traços mais interessantes de cada Evangelho e os une num único conto bem elaborado, que nunca foi escrito. Só que a realidade na qual acreditam é falsa. Pois, adoramos os deuses de nossos pais, mesmo que seja mentira.

    Ocorre que os mitos não são de exclusividade dos povos pagãos e cristãos, porque judeus e muçulmanos também os cultivam. Deus teria revelado os Dez Mandamentos a Moisés, e Maomé teria subido ao Céu montando um cavalo num cavalo místico alado. Sem qualquer exceção, os credos monoteístas estão calcados em MITOS com roupagem de dogmas.

    Mas, qual a diferença?
    DOGMA: ponto fundamental de uma doutrina religiosa, apresentado como certo e indiscustível, cuja verdade se espera que as pessoas aceitem sem questionar.
    MITO: representação de fatos e/ou personagens históricos, frequentemente deformados, amplificados através do imaginário coletivo e de longas tradições orais ou escritas.
    MONOTEÍSMO: doutrina religiosa que defende a existência de uma única divindade; culto ou adoração de um único deus.

    Toda fé religiosa do mundo se baseia em invenciocines. É essa definição de fé – aceitação daquilo que imaginamos ser verdade, que não podemos provar. Todas as religiões descrevem Deuses através de metáforas, alegorias e hipérboles, desde os primeiros egípcios até o catecismo moderno.
    As metáforas são uma forma de ajudar nossa mente a processar o improcessável. Os problemas surgem quando começamos a levar nossas metáforas ao pé da letra.
    Dizem os monoteístas que o deus no qual acreditam é o mesmo que todos os monoteístas acreditam, mas que cada um cultua a seu modo. É quando surgem os problemas, porque cada um entende que sua forma de adoração é a correta, estando todas as demais errados.

    “Provavelmente, Deus não existe. Agora, pare de se preocupar e curta a vida”.

    Colaborou, Oiced Mocam
    Aprofunde conhecimentos, leia, pesquise mais no Blog

    Thumb up 7
    • Muito proselitismo prolixo…Parei quando falou que o Diabo era a empregado de Deus.

      Thumb up 0
    • Oiced Mocam, concordo com a primeira parte do seu comentário quando argumentou que, pelo que Cristo afirmava, ou ele realmente era Deus ou era um louco ou charlatão.

      Já a segunda parte, para mim, é calúnia; a Igreja desconsiderou os evangelhos apócrifos porque eram heréticos (a maioria pertencentes a seitas gnósticas) e deturpações cheias de contradições derivadas dos evangelhos canônicos. Sobre a virgindade de Maria, por quê a Igreja afirmaria tal ‘absurdo’ se ela não soubesse que era verdade pela própria tradição?

      Mas, voltando à primeira parte, o início do evangelho de João já afirma a divindade de Cristo, quando diz: “No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus…” Ora, e as dezenas de profecias sobre o Messias do Antigo Testamento que se cumpriram em Cristo?

      E se Cristo foi um louco ou charlatão (tipo INRI Cristo), ele poderia ter dito qualquer coisa e até morrido na cruz, menos ter feito milagres autênticos e ressuscitado dos mortos!

      E se Cristo não ressuscitou, então, ele também não fundou Igreja nenhuma. E se ele não fundou nenhuma Igreja, então, nenhum milagre da Igreja pode ser autêntico, todos (repito: todos) têm de ser falsos!

      Porém, se pelo menos alguns milagres da Igreja forem autênticos (como Santo Sudário, Imagem de Guadalupe, Lanciano, Sangue de São Genaro, etc.), então, é porque a Igreja foi realmente fundada por Cristo (e as portas do inferno não prevaleceram contra ela e Cristo esteve e estará conosco até o fim dos tempos, como ele prometeu) e porque também Cristo ressuscitou; e, se ele ressuscitou, é porque realmente era Filho de Deus! E se era filho unigênito de Deus, ele também era Deus imortal; pois tem a mesma substância divina do Pai; ou seja, Cristo foi gerado desde a eternidade e não criado como nós ou os anjos e arcanjos!

      E se Cristo foi capaz de fazer o mais difícil, que é ressuscitar dos mortos, por quê não seria também capaz de curar os doentes, andar sobre as águas, multiplicar os pães e visitar o nosso mundo através do ventre de uma virgem? E se ele provou se amor por nós morrendo na cruz, por quê duvidar do que ele disse nos evangelhos e da Igreja que ele mesmo fundou? Aquele mesmo que disse: “Eu sou o caminho, a VERDADE e vida!” e “Conhecereis a VERDADE e a VERDADE vos libertará!”.

      E Cristo disse mais: “Pedro tu és pedra e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja.”; não é a igreja do Buda, do Maomé, do Lutero, do Kardec, do Marx, do Edir Macedo ou do pastor da esquina, é a Igreja do próprio Deus!

      Por isso, eu insisto tanto (a todos os que buscam a VERDADE com sinceridade e honestidade intelectual) que estudem a fundo os grandes milagres da Igreja (tanto os prós, como os contras); pois eles são a prova da existência de Deus e da autenticidade da Igreja; já que é somente nela ocorrem milagres autênticos que passam pelo crivo da ciência.

      Não deixem de ver, por exemplo, o incrível documentário do History Channel “GUADALUPE: UMA IMAGEM VIVA” e também o excelente e sério documentário do Discovery Channel “O MISTÉRIO DO SANTO SUDÁRIO” e sua continuação “O SUDÁRIO DE TURIM” (todos disponíveis no YouTube). Garanto que não vão se arrepender e irão confirmar muita coisa do que afirmei nos meus comentários!!!

      Thumb up 4
    • Falou e disse Décio Macon nada como um secularista ,para destrinchar outros parâmetros obscuros ,é por ai vou consulta minha sarça ardente do meu oraculo Moisésjeano ,para minhas lucubrações divinas ..Anamaste….

      Thumb up 1
  60. É um absurdo que em pleno século XXI ainda estejamos discutindo sobre esses mitos primitivos e sobre estes seres imaginários. Quem não entende, não tem acesso a ciência, história e várias outras coisas só pode explicar certos fatos naturais do jeito que sua cultura permite e isso não vai mudar até esse país conseguir ter um nível de educação, e que essa educação seja “distribuida” de uma forma eficiente. Essse credos primitivos, medievais só mostram como estamnos longe disso atualmente. Os que creem nisso não se sintam ofendidos, vocês não tem culpa. A “culpa” é do nosso sistema.

    Thumb up 2
  61. Os Evangelhos são recheados de citações de MILAGRES.

    Teriam eles realmente ocorrido?

    Mateus cita vinte e dois milagres; Marcos, quinze; Lucas, dezoito; e João, sete.

    De acordo com os Evangelhos, Cristo curava doenças, expulsava demônios, repartiu as águas do mar, curou cegos, alimentou multidões com cinco pães e dois peixes, andou sobre as águas, amaldiçoou uma figueira, transformou água em vinho, e ressuscitou mortos.

    Mateus é o único que fala sobre a estrela e os reis magos o único que conta sobre a matança dos bebês.

    João é o único que não diz nada sobre a ressurreição de Lázaro, e Lucas é o único que cita a ressurreição da viúva do filho de Naim.

    Como é possível comprovar esses milagres?

    Os judeus, os povos entre os quais dizem que aconteceram, não acreditam neles. Os doentes, os paralíticos, os leprosos, os cegos que foram curados não se tornarar seguidores de Cristo. Aqueles que ressuscitaram dos mortos nunca foram vistos novamente.

    Acreditará um homem inteligente na existência de demônios? As pessoas que escreveram três dos Evangelhos, certamente acreditavam. João não disse nada sobre Cristo expulsando demônios, mas Mateus, Marcos e Lucas deram muitos exemplos.

    Será que algum homem hoje crê que Cristo expulsava demônios?
    Se seus discípulos disseram que ele expulsou, estavam enganados. Se Cristo afirmou que expulsou, então ele foi um louco ou um impostor.

    Se as citações das expulsões de demônios são falsas, então os que narraram eram ignorantes ou desonestos. Se eles escreveram por ignorância, então não eram inspirados. Se eles sabiam que estavam citando algo de falso, se eles sabiam ou não, eles não eram inspirados.

    Naquela época acreditava-se que paralisia, epilepsia, surdez, loucura e muitas outras doenças eram causadas por demônios; que demônios tomavam posse e viviam dentro do corpo de homens e mulheres. Cristo acreditava nisto, ensinou isto a outras pessoas, e fingiu que curava doenças expulsando demônios dos doentes e insanos. Nós sabemos, se é que sabemos algo, que doenças não são causadas pela presença de demônios. Nós sabemos, se é que sabemos algo, que demônios não residem no corpo das pessoas.

    Se Cristo disse e fez o que os escritores dos Evangelhos dizem que ele disse e fez, então Cristo estava enganado. Se estava enganado, então certamente não era um Deus. Se estava enganado, certamente não era inspirado.
    Seria verdade que o diabo tentou subornar Cristo?
    É verdade que o diabo levou Cristo para o topo do templo e tentou induzi-lo a pular no chão?

    Como podem estes milagres ser estabelecidos?

    Os chefes não escreveram nada, Cristo não escreveu nada, e o diabo permaneceu em silêncio.

    Como podemos saber que o diabo tentou subornar Cristo? Quem escreveu o fato? Não sabemos. Como os escritores obtiveram a informação? Não sabemos.

    Alguém, há uns setecentos anos, afirmou que o diabo tentara subornar Deus; que o diabo levou Deus para o alto do templo, que tentou induzir Deus a pular no chão, e que Deus era intelectualmente muito superior ao diabo.

    Essas são todas as evidências que possuímos.
    Há algo na literatura mundial mais perfeitamente idiota?

    Pessoas inteligentes não acreditam mais em feiticeiras, magos, fantasmas e diabos, e eles estão perfeitamente satisfeitos com o fato de que cada palavra do Novo Testamento sobre expulsão de demônios é falsa.

    Podemos crer que Cristo ressuscitou os mortos?

    Uma viúva, moradora de Naim está seguindo seu filho em cortejo pára a tumba. Cristo pára o funeral e levanta o morto e o devolve aos braços de sua mãe.

    Esse jovem desapareceu. Dele nunca mais se ouviu falar. Ninguém teve o menor interesse em saber sobre o homem que retornou do mundo dos mortos. Lucas é o único que conta a história. Talvez Mateus, Marcos e João nunca ouviram falar, ou não acreditaram, ou não lembraram do fato.

    João disse que Lázaro ressuscitou dos mortos; Marcos e Lucas não dizem nada sobre isto. Foi algo de mais maravilhoso que a ressurreição do filho da viúva. Ele já havia sido colocado na tumba havia dias. O rapaz estava ainda no caminho para a cova, mas Lázaro já estava lá. Ele já começara a apodrecer.

    Lázaro não despertou o mínimo interesse. Ninguém perguntou a ele sobre o outro mundo. Ninguém lhe pediu notícias sobre os amigos falecidos. Quando ele morreu pela Segunda vez, ninguém disse: “Ele não tem medo. Ele já percorreu esta estrada outra vez e já sabe para onde está indo.”

    Nóscéticos, racionalistas, agnósticos e ateus, não acreditamos nos milagres de Maomé, e na verdade eles são alegados do mesmo modo. Não temos nenhuma confiança nos milagres atribuídos a Joseph Smith, e no entanto as evidências são até melhores.

    Se um homem hoje aparecesse afirmando que ressuscita os mortos e finge que expulsa demônios, é tido como louco. E o que dizer, então de Cristo? Se quisermos salvar sua reputação, seríamos compelidos a afirmar que ele nunca tentou ressuscitar os mortos; que ele nunca afirmou que expulsava demônios.

    Temos que levar em consideração que esses relatos ignorantes e absurdos foram inventados pelos seus seguidores com o objetivo de deificar seu mestre.

    Naqueles tempos de ignorância, as falsidades adicionavam mais fama a Cristo. Mas hoje, elas põem em perigo o seu caráter e diminuem os autores dos Evangelhos.

    Podemos crer hoje que a água se transformou em vinho? João conta esse milagre bobo e afirma que os outros discípulos estavam presentes; entretanto, Mateus, Marcos e Lucas não falam nada sobre o fato.

    Tome-se o caso do homem curado pelas águas da piscina de Betsedá. João diz que um anjo turvou a água da piscina de Betsedá, e que dissera que o primeiro de mergulhasse na água turva, seria curado.

    Alguém pode crer que um anjo foi até a piscina e turvou a água? Alguém acredita que o primeiro pobre coitado a tocar na água curou? Entretanto, o autor do Evangelho acreditou e citou estes absurdos. Se ele estava enganado sobre esse milagre, certamente estava também sobre todos os outros que contou.

    João é o único que cita esse milagre da piscina. Provavelmente os outros evangelistas não creram na história.

    Como podemos julgar esses supostos milagres?

    Nos dias dos discípulos, e por muitos séculos depois, o mundo era cheio do sobrenatural. Quase tudo que acontecia era tido como sobrenatural. Deus era o governador do mundo. Se as pessoas eram boas, Deus mandava semente, e colheita; mas se eles eram maus ele mandava enchentes, granizo e fome. Se algo maravilhoso ocorria, era exagerado até transformar algo num milagre.

    Da ordem de eventos da inquebrável cadeia de causas e efeitos as pessoas não tinham qualquer conhecimento ou nenhum pensamento

    MILAGRE é o distintivo e o fogo da fraude. NENHUM MILAGRE JAMAIS FOI REALIZADO. Nenhum homem honesto e inteligente jamais fingiu fazer milagres, nem fingirá.

    Se Cristo tinha realizado os milagres atribuídos a ele; se ele tinha curado os paralíticos e loucos; se ele havia dado audição aos surdos; visão aos cegos; se ele limpou os leprosos com uma palavra, e com um toque deu vida e movimento a um membro paralisado; se ele deu pulso, movimento, calor e pensamento a argila fria e sem vida; se ele conquistou a morte e resgatou dela suas pálidas presas nenhuma palavra contra teria sido exclamada, nenhuma mão erguida, exceto em louvor e honra. Em sua presença todas as cabeças seriam descobertas todos os joelhos ao chão.

    Nenhum homem disse: “Eu era cego e este homem me deu visão.”
    Tudo era silêncio.

    Thumb up 6
  62. Acredito que muitas vezes as pessoas confundem as coisas de ‘Deus’ com as da Sociedade, muitos dizem…
    Ah ! Se Deus existe porque ele deixa milhares de pessoas na África passarem fome ?
    Ah ! Porque ele deixa as pessoas terem doença e morrerem ?
    Ah ! Porque ele deixa os assassinos matarem as pessoas do bem ?

    Basta fazer, uma conclusão simples e analisar a história desde o seu começo..
    A diferença entre os que nascem na Europa que tem uma vida de rei, para os que nascem na África e comem o pão que o Diabo amaçou, é a história e o desenvolvimento de cada civilização que determinou isso, por exemplo:
    O Continente Africano desde os tempos antigos, sempre foi escorraçado com roubos,saques,escravaturas,etc..
    Mas isso se deve ao desenvolvimento tecnológico da Europa nos tempos antigos, que determinou que eles tivessem uma estrutura bélica muito maior que a Africana, dando assim um obvio final, que foi a da escravidão africana, ou seja elas passam fome pois vem de um contexto histórico, muito maior e complexo que as levou a passar fome hoje.
    Enquanto aos assassinos a resposta é simples, se a própria sociedade tivesse uma boa base social e humana para cada indivíduo pertencente a ela, raramente ocorreria casos de pessoas ”matando” ou ”estuprando” outras…

    Enfim, espero que tenham me entendido, não sou muito bom com as palavras mas creio que passei a mensagem que tinha que passar..

    Valeu !

    Thumb up 4
    • Se estas perguntas continuam insistentes desde os tempos remotos é porque, na realidade, as pretensas respostas são circulares, ou seja, insistem nos mesmos batidos argumentos dando voltas em torno do problema sem nunca realmente serem satisfatórias. Deve ser porque o problema do sofrimento humano é incompatível com Deus se ele for onisciente, onipotente e, principalmente, se Deus for amor. É que, querendo ou não, persiste em qualquer consciência, por mais que esteja anestesiada pelas justificativas religiosas, uma indagação: Por que Deus criou o mundo de forma sabendo que ele se tornaria o cenário de horrores no qual todos nós, pobres criaturas destinadas a morrer, teríamos que caminhar cada doloroso dia dos nossos contados dias, sob as ameaças de tantos infortúnios, livrando-nos de uns e de outros ao longo da jornada para finalmente sucumbir ao infortúnio final? Qualquer pai ou mãe humano jamais permitiria, se pudesse, que seus filhos tivessem tal cruel destino, não importando qual pecado tivessem cometido. Mas um Deus onisciente, onipresente e onipotente poderia, se quisesse, ter feito um mundo muito melhor, prevenindo que toda essa desgraça viesse a acontecer. Por que e para que todo esse drama? Toda essa complicação da vida não parece ser obra de um Deus perfeito. Se alguém responder a essas questões com as velhas argumentações teológicas, filosóficas e religiosas só estará incitando dar voz as silenciosas perguntas que todos carregam no interior das consciências.

      Thumb up 3
    • hahahahahahahaha deve ser brincadeira….

      so pode ser brincadeira….

      Thumb up 0
  63. Pergunte a qualquer um que professe duvidar da veracidade da história dos Evangelhos que razão tem para crer que César morreu no Capitólio ou que Carlos Magno foi coroado Imperador do Ocidente pelo Papa Leão III, no ano 800… Como sabe que um homem chamado Carlos I [da Inglaterra] viveu realmente e foi decapitado, e que Oliver Cromwell tornou-se governante em seu lugar?… Atribui-se a Sir Isaac Newton a descoberta da lei da gravitação… Cremos em todas as afirmações que acabam de ser feitas a respeito destes homens; e iso porque temos evidência histórica de sua veracidade… Se, após a apresentação de provas como estas, quaisquer pessoas ainda se recusem a acreditar, abandonamo-las como estupidamente obstinadas ou irremediavelmete ignorantes. O que diremos então, dos que, apesar da abundante evidência agora apresentada da autenticidade das Escrituras sagradas, professam-se não persuadidos?…Certamente, temos razão para concluir que a falha está no coração, não na cabeça;-que não desejam crer naquilo que humilha seu orgulho e que os obrigará a levar uma vida diferente. – S. Austin Allibone

    Thumb up 6
  64. Complementando…a inteligência humana é tão mesquinha e retrógada e nesta condição, como é que o homem quer entender Deus e sua existência onde este é o supremo e o suberano do universo com sua infinita sabedoria?
    Como é que uma inteligência finita poderá compreender um inteligência infinita?
    Jamais, jamais mesmo o homem adquirirá sabedoria para entender Deus e sua existênica, digo isso com toda propriedade!
    Deus é um ser inentendível a luz da sabedoria humana e sempre será assim!
    Ora gente, o homem que não tem ainda 2 séculos de evolução tecnológica ainda não conseguiu eliminar o vírus da gripe, (não quero nem falar de câncer ou aids) um vírus simples e ridículo sob o prisma de tanta ciência, como é que ele quer entender Deus?

    É ATÉ UMA PIADA!

    Abraços…

    Thumb up 24
    • Claudio falou pouco mas disse muito,tem gente que pensa como se Deus fosse humano,tenha uma inteligencia limitada, corruptível,podre,a carne é podre,mal suporta 24 h sem se decompor. Estes são carnais só pensam nas coisas carnais,muito bem falado.

      Thumb up 8
    • Eu não tenho duvidas que ele existe, pois conversei com ele hoje! o que prova que ele existi não é algo visivel mas dentro de si. voce ja este doente ou alguem da sua familia de doenças que pra medicina não existe cura e depois que vc tem um real encontro com ele ficar curador e os médicos ficarem a te hoje sem entender o que aconteceu.
      ou Ele responder a vc algo que vc perguntou em seu coraçao (em pensamento) e ser repondido por alguem que nem te conhece, pois é Ele é real e oniciente (sabe tudo que passa na mente do homem), unipresente (esta em todos os lugares ao mesmo tempo) unipotente criou o universo com os seus mais de 14 bilhoes de anos-luz de extençao ou mais segunda a ciencia) e pode morar dentro dos nossos coraçoes basta o aceitar como unico salvador da sua alma!
      um grande abraço a todos!

      Thumb up 6
    • Piada é alguém querer desvalorizar o trabalho científico usando um site que foi desenvolvido por Cientistas da Computação, usando um Computador que foi feito por cientistas de várias engenharias. E mesmo que exista o todo poderoso de quem soberbamente vocês religiosos tanto tomam partido, sem que ele precise, ele nunca veio pessoalmente para nos proibir de estudar e aprender sobre a natureza, sobre a existência e sobre acontecimentos do passado. aliás, se nos fez, com capacidade intelectual e curiosidade insaciável, o que ele deve querer de nós é justamente isso, assim como quando eu for pai darei a meu filhos grandes desafios para que ele se desenvolva.

      Thumb up 11
    • Deus nos deu o Livre Arbítrio o que implica na sua afirmação onde diz que ele não veio aqui para nos ”proibir”.

      Thumb up 3
    • A desaprovação e resistência de boa parte do meio religioso à pesquisa científica, e a negação de seus resultados quando esses não são o que eles esperam.

      Thumb up 9
    • A Geometria Euclideana, que dá suporte a outras geometrias atuais, foi escrita bem antes da era cristã. Conhecimentos que a terra era redonda, e que tinha 40.000 km de circunferência foi conhecido bem antes da era cristã. Quandos filósofos, matemáticos, engenheiros tínhamos antes da era cristã era bem grande. Mas depois que um Imperador Sanguinário Constantino fundou a igreja cristã, entramos na era das trevas.
      Com o cristianismo Pensadores foram queimados em fogueiras, bibliotecas eram queimadas, a terra ficou chata, o sol passou a girar ao redor da terra, mulheres que pensavam eram mortas com requintes de maior pura crueldade como no caso de Hypatia matemática, médica, bonita atleta e a última curadora,da maior biblioteca de todos os tempos que teve suas carnes esfoladas enquanto ainda vivia depois de ser arrastada para dentro de uma igreja, tudo isso em nome e da bondade de deus.
      Com o cristianismo se proíbiu de pensar, de tomar banho para não tocar nas partes pudentas e pecaminosas do corpo e assim, pelo fato das pessoas terem pulgas em suas vestes a peste negra dizimou milhões.
      Se temos alguma tecnologia, é porque depois que Deus e seus capangas começaram a perder um pouco de poder, e não conseguiu mais colocar todos nas fogueiras e máquinas de tortura a mente das pessoas deixou de ficar obliteradas quanto a de muitos.
      Eu lanço um desafio, se deus existe então me fulmine. Já passou um tempinho e ainda não fui fulminado hahah. Principalmente sendo ele vingativo contra os inimigos dos cristãos.
      No velho testamento ele derrubava muralhas com apenas o som de trombetas, hoje nem queimar o meu computadorzinho não consegue e eu posso continuar teclando deus da cabeça de iludidos.

      Thumb up 3
    • Como o próprio artigo do HYPESCIENCE afirma no final, a imensa maioria dos pesquisadores sérios acredita no JESUS HISTÓRICO. O resto são opiniões pessoais e especulações pseudo-históricas, como as que você citou.

      O que os historiadores céticos não acreditam é que o JESUS HISTÓRICO era Filho de Deus, que fazia milagres e que ressuscitou. Mas o Santo Sudário está ai para provar o contrário. Mesmo porque, o que realmente deu impulso ao cristianismo foi a notícia da ressurreição de Cristo; senão, ele teria acabado na crucificação.

      Dizer que Constantino é que transformou Jesus numa divindade (três séculos após o surgimento do cristianismo), após milhares de cristãos martirizados pela fé em Cristo, não é apenas tolice ou ignorância, é uma grande calúnia!


      EXISTÊNCIA HISTÓRICA DE JESUS CRISTO É INQUESTIONÁVEL, AFIRMAM ESPECIALISTAS.

      Fontes cristãs, judaicas e pagãs evidenciam historicidade do homem. Menções lacônicas fora do Novo Testamento mostram desimportância.

      Viciados em teorias da conspiração adoram a idéia: Jesus nunca teria existido. As histórias sobre sua vida, morte e ressurreição que chegaram até nós seriam mera colagem de antigos mitos egípcios e babilônicos, com pitadas do Antigo Testamento para dar aquele saborzinho judaico. Na prática, Cristo não seria mais real do que Osíris ou Baal, dois deuses mitológicos que também morreram e ressuscitaram.

      No entanto, para a esmagadora maioria dos estudiosos, sejam eles homens de fé ou ateus, a tese não passa de bobagem. A figura de Jesus pode até ter “atraído” elementos de mitos antigos para sua história, mas temos uma quantidade razoável de informações historicamente confiáveis sobre ele, englobando pistas de fontes cristãs, judaicas e pagãs.
      De Paulo a Tácito.

      Começamos, no Novo Testamento, com as cartas de São Paulo, escritas entre 20 anos e 30 anos após a crucificação do pregador de Nazaré. Cerca de 40 anos depois da morte de Jesus, surge o Evangelho de Marcos, o mais antigo da Bíblia; antes que o século 1 terminasse, os demais Evangelhos alcançaram a forma que conhecemos hoje.

      A distância temporal, em todos esses casos, é a mais ou menos a mesma que separava o historiador Heródoto da época da guerra entre gregos e persas, que aconteceu entre 490 a.C. e 479 a.C. – e ninguém sai por aí dizendo que Heródoto inventou Leônidas, o rei casca-grossa de Esparta.

      Outra fonte crucial é Flávio Josefo, autor da obra “Antigüidades Judaicas”, também do século 1. O texto de Josefo sofreu interferências de copistas cristãos, mas é possível determinar sua forma original, bastante neutra: Jesus seria um “mestre”, responsável por “feitos extraordinários”, crucificado a mando de Pilatos, cujos seguidores ainda existiam, apesar disso.

      Duas décadas depois, o historiador romano Tácito conta a mesma história básica, precisando que Jesus tinha morrido na época de Pilatos e do imperador Tibério (duas referências que batem com o Novo Testamento).

      Esses dados mostram duas coisas: a historicidade de Jesus e também sua relativa desimportância diante das autoridades romanas e judaicas, como um profeta marginal num canto remoto e pobre do Império.

      FONTE: ( http://g1.globo.com/Noticias/0,,MUL730858-9982,00-EXISTENCIA+HISTORICA+DE+JESUS+CRISTO+E+INQUESTIONAVEL+AFIRMAM+ESPECIALISTAS.html )

      Thumb up 6
    • Vamos ver: Você afirma que o homem não foi capaz de eliminar um vírus que, segundo um livro feito de várias lendas provenientes de outras religiões, foi criado por um deus que criou este vírus, o bem, o mal e tudo mais, mas porém nos ama infinitamente?

      A piada está intriseca a algum sarcasmo nesta sua lógica cristã?

      Thumb up 0
    • Parabéns cara, você bateu o recorde de maior comentário do HypeScience!! Agora você só precisa divulgar esse feito para o guinness book e festejar!!

      Thumb up 1
    • Como o próprio artigo afirma no final:

      EXISTÊNCIA HISTÓRICA DE JESUS CRISTO É INQUESTIONÁVEL AFIRMAM ESPECIALISTAS.

      “Existência histórica de Jesus Cristo é inquestionável, afirmam especialistas.
      Fontes cristãs, judaicas e pagãs evidenciam historicidade do homem. Menções lacônicas fora do Novo Testamento mostram desimportância.

      Viciados em teorias da conspiração adoram a idéia: Jesus nunca teria existido. As histórias sobre sua vida, morte e ressurreição que chegaram até nós seriam mera colagem de antigos mitos egípcios e babilônicos, com pitadas do Antigo Testamento para dar aquele saborzinho judaico. Na prática, Cristo não seria mais real do que Osíris ou Baal, dois deuses mitológicos que também morreram e ressuscitaram.

      No entanto, para a esmagadora maioria dos estudiosos, sejam eles homens de fé ou ateus, a tese não passa de bobagem. A figura de Jesus pode até ter “atraído” elementos de mitos antigos para sua história, mas temos uma quantidade razoável de informações historicamente confiáveis sobre ele, englobando pistas de fontes cristãs, judaicas e pagãs.

      De Paulo a Tácito. Começamos, no Novo Testamento, com as cartas de São Paulo, escritas entre 20 anos e 30 anos após a crucificação do pregador de Nazaré. Cerca de 40 anos depois da morte de Jesus, surge o Evangelho de Marcos, o mais antigo da Bíblia; antes que o século 1 terminasse, os demais Evangelhos alcançaram a forma que conhecemos hoje. A distância temporal, em todos esses casos, é a mais ou menos a mesma que separava o historiador Heródoto da época da guerra entre gregos e persas, que aconteceu entre 490 a.C. e 479 a.C. – e ninguém sai por aí dizendo que Heródoto inventou Leônidas, o rei casca-grossa de Esparta.

      Outra fonte crucial é Flávio Josefo, autor da obra “Antigüidades Judaicas”, também do século 1. O texto de Josefo sofreu interferências de copistas cristãos, mas é possível determinar sua forma original, bastante neutra: Jesus seria um “mestre”, responsável por “feitos extraordinários”, crucificado a mando de Pilatos, cujos seguidores ainda existiam, apesar disso. Duas décadas depois, o historiador romano Tácito conta a mesma história básica, precisando que Jesus tinha morrido na época de Pilatos e do imperador Tibério (duas referências que batem com o Novo Testamento).

      Esses dados mostram duas coisas: a historicidade de Jesus e também sua relativa desimportância diante das autoridades romanas e judaicas, como um profeta marginal num canto remoto e pobre do Império.”

      FONTE: ( http://g1.globo.com/Noticias/0,,MUL730858-9982,00-EXISTENCIA+HISTORICA+DE+JESUS+CRISTO+E+INQUESTIONAVEL+AFIRMAM+ESPECIALISTAS.html )

      Thumb up 1
    • Bom, o que posso concluir é que todos estes filósofos e pensadores que vc citou acima negaram a Jesus com toda a sua razão!
      Concordo com eles.
      É mais do que lógico que se negue aquele quando não se sente.
      Homens como estes jamais sentiram Jesus dentro de si e logicamente o negaram!
      Eu também negaria a Jesus se também nunca o sentisse e se ele nunca tivesse feito algum milagre na minha vida.
      Agora amigo Oiced Mocam, no lugar de vc está perdendo seu tempo de provar o improvável, que seria a inexistência de Cristo, porque vc não tenta pelo menos provar a sua inexistência, seria mais fácil e lógico, porque na verdade, nós homens, onde somos passageiros por esta casa, na verdade inexistimos porque temos vida e mente limitadas.
      Na verdade, filosoficamente falando, o que verdadeiramente existe é o ETERNO.
      Abraços

      Thumb up 3
  65. Um cristão de verdade não precisa de evidencias para acreditar, não é somente um prego ou um suposto manto que faz alguem acreditar em Jesus ou não, é o que vai na mente e na alma.

    Thumb up 5
  66. nenhum ser humano pode compreender as coisas espirituais enquanto estiver vivo, é impossível . A carne nos impede, temos idéia do que somos pela noção de espaço, temos idéia de que estamos vivos pela noção do tempo, quem garante que isso tudo é real ? quem diz oque é certo ?

    Thumb up 10
    • Isso! E aproveitem e provem que unicórnios invísiveis cor-de-rosa, os elfos, Thor e o Sauron não existem!

      Thumb up 7
    • Menina, quanto a aprender… Mas foi boa a questão. Veja o que aprendi com parceiros que foram confundidos muitas vezes com “Deus” e com “Anjos” na bíblia. Sim, humanos podem compreender o cosmos e suas frequências e dimensões ou seja, o universo onde estamos hoje. Humanos podem recuperar suas memórias cósmicas e compreender o porquê das coisas. A carne (e suas essências plásmicas-energéticas conscienciais) pode ser desintoxicada e suas glândulas (principalmente as pineal e pituitária) podem exercer papel fundamental em nosso nível consciencial e, assim, podemos desenvolver nossos 106 sentidos (não temos somente o olfato, paladar, visão, audição e tato) e revelar um mundo real, que, infelizmente usamos para viver nesta realidade comum que criamos com nosso coletivo mental humano totalmente dominado por seres que precisam nos manter neste mundo (egoísta dos cinco sentidos) de medos e ódios. Para isto trouxeram a religião, que é um sistema de domínio super eficaz e que nos impõe uma realidade que gera a energia negativa altamente preciosa para manter certas formas de vida que nos dominam (nada a ver com Satanás – este não existe). Realmente NADA disto que acreditamos e vivemos e tocamos é real! Como disse antes, é um coletivo imaginário em que nos colocamos (e acreditamos ser real, mas NÃO É!!). Tbm não morremos apenas caminhamos até voltarmos mais conscientes para a energia suprema que é Deus-Amor. Nada de um deus humano bipolar como se impoem na bíblia, mas um Deus onipresente na sua criação…;) Pérolas que não se encontra em lugar qualquer e que nem os místicos discípulos de Cristo entenderam…

      Thumb up 0
    • Tempo, como conhecemos, só existe neste estágio da terceira dimensão e o espaço é super relativo. Nem isto é real. O tempo pode ser estendido, contraído, inexistir… O espaço pode conter dois corpos ou mais ao mesmo tempo e lugar… Nada do que o ser humano sabe é real. Não sabe nada. Sabia antes, mas foi retirado de nossas memórias. Imagine se o mundo se explica pela bíblia?.. Um livro que foi reescrito comprovadamente mais de 20 vezes, mexido, alterado, diminuído, aumentado e que teve sua última mais conhecida versão entre os séculos IX e XII. Acreditar somente na bíblia é acreditar nos homens. Tenho muito mais a escrever, mas… Cada um com sua crença.

      Thumb up 1
  67. Veja ZEITGEIST no YOUTUBE e tire suas conclusões…
    oque você acha de pensar por conta própria ?

    Thumb up 3
    • Sobre a alegação de que Jesus é apenas uma mistura de lendas de deuses antigos (tão popularizada na internet através de pseudos-documentários como Zeitgeist), basta ver as críticas do Dr. Chris Forbes ao filme:

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Zeitgeist,_o_Filme

      Thumb up 3
  68. de boa, eu acredito que ele possa ter existido, mas vc já viu um homem abrir caminho dentro do mar, separar a água da praia em dois ou algo do tipo ? então, vc acredita em tudo na bíblia ? pq só aconteceu há tantos anos e não acontece hoje ?

    seja uma pessoa boa e faça o bem, não importa qual a nossa crença ou religião, somos irmãos.

    Thumb up 5
  69. felipe, Janaína, Renys Kenys, D.R., Dedé….:
    Lamento que ainda estejam presos a dogmas e artimanhas pseudo filosóficas criadas pela igreja católica apostólica romana, sem fundamento e sem nenhuma utilidade para o bem e o progresso da humanidade. Essas barbaridades políticas armadas e aprovadas em concílios no mínimo espúrios, para decidir o caráter divino de Jesus, são tão ilegítimas quanto vergonhosas. O discurso de que Cristo é filho de Deus, sendo o próprio Deus encarnado, que veio ao mundo morrer pelos pecados da humanidade, tem a inequívoca intenção de vender a famigerada ‘salvação’, que é a coroação do golpe mais torpe que a igreja já engendrou contra a humanidade. Não vou me referir as outras barbaridades como: ‘somos filhos adotivos’, porque não encontro mais adjetivos para classificá-las, de tão lastimáveis.

    Thumb up 6
    • Eu coloquei um comentário falando sobre isto,mas não foi publicado,esta igreja foi formada na mentira,o que acontece é que muitos estão se libertando deste julgo opressor que esta igreja exerceu e exeerce na vida das pessoas do mundo,independente dela(pessoa), ser ou não ser fiel a ela.E as pessoas estão frustradas e decepcionadas,só que estão seguindo outro caminho errado(ateismo).

      Thumb up 2
    • O correto para um cristão fazer é de fato tentar encontrar o cristianismo de raiz, o que Jesus realmente deixou como legado. Muitas das distorções foram propositais para controlar a massa populacional, e também muitas foram erros interpretativos ou de tradução.
      Não sou muito indicado a isso mas posso tentar analisar inteligentemente Jesus como ser metafísico com a missão de passar uma mensagem. Ele viveu entre pobres, pessoas esquecidas e desvalorizadas por um governo injusto e exploradores romanos. Como passar a esse povo humilde sua sábia mensagem? Primeiro tem que falar a língua deles, conhecer o dialeto e as gírias e sua forma de entendimento. Por isso a vinda numa forma carnal, nascer e crescer como um deles é melhor para conhece-los do que vir de cima flutuando e iluminado. Mas mesmo assim, seus ensinamentos poderiam ser complexos demais para suas mentalidades fracas, não to sendo pejorativo, só realista. Então ele usou a forma de exemplos, no caso as histórias (parábolas), como meios de passar tais entendimentos. Até hoje, a tática dos pais de ensinar valores às crianças é a milenar fórmula de passar exemplos através de contos.
      Depois da missão cumprida, ele tinha que fazer sua mensagem perdurar por milênios, então ele mesmo teria que se tornar a própria história, mas para que fosse passada adiante, tinha que ser impactante, latente, inesquecível. Morrer daquela forma foi o jeito encontrado, e pelo que sabemos, funcionou.
      Mas houve duas desagradáveis consequências de sua missão: A primeira foi a resistência, é uma prática humana de ontem e de hoje resistir a novas ideias, e segundo os espíritas com quem convivi o próprio Jesus previu isso ao citar:
      “Não vim para trazer a paz, mas a espada”.
      A segunda consequência foi o conjunto de distorções que seu legado sofreu, como disse no início e o Bividino havia dito antes: Distorções propositais para a manutenção do poder do Estado Romano, e distorções despropositais decorrentes dos erros de tradução e de interpretação.
      É isso, eu não me considero um cristão, mas essa é uma característica minha, me senti melhor no Budismo, mas sei que os princípios de Jesus valem a pela, e mesmo que eu acredite ele não tenha existido ou tenha existido só como um homem extraordinário, ainda assim vale a pena, do mesmo jeito. Não é mágica nem milagres, é o legado, o ensinamento.

      Thumb up 2
    • Concordo, como homem de bem e do bem, concordo. Veementemente. Está na hora de reconhecermos os verdadeiros erros da humanidade e estes são crassos realmente. Acreditar num deus bipolar, iracundo, cheio de dúvidas, apostador, egocêntrico, egoísta, assassino, que tortura seus filhos e nega outros… muito estranho não pararem para pensar… São lobos em pele de cordeiros? Com certeza! Pelo seus frutos os conhecereis… E quais foram? Disfarçados de bondade e amor foram: Guerras religiosas (as maiores e mais sangrentas da humanidade), a maior quantidade delas e os maiores ódios irreconciliáveis do mundo… vou parar por aqui… tem muito mais coisas, mas não devo ferir ninguém e nem me alterar, me desculpem.

      Thumb up 0
    • Eu acredito que existe uma só VERDADE e é essa VERDADE que devemos buscar, custe o que custar, seja ela qual for!

      Embora existam várias teorias sobre a origem da existência e sobre o que há depois da morte; temos que concordar que somente uma é verdadeira, já que todas são contraditórias.

      Ou existe UM SÓ DEUS, ou VÁRIOS DEUSES ou NENHUM. Ou NÃO EXISTE VIDA APÓS A MORTE, ou existe REENCARNAÇÃO ou RESSURREIÇÃO DA CARNE. O que NÃO PODE é todas essas hipóteses SEREM VERDADE ao mesmo tempo.

      Isso não é uma QUESTÃO DE FÉ, é uma QUESTÃO DE LÓGICA!

      A comprovação da autenticidade do Sudário de Turim, teria importantíssimas consequências religiosas, filosóficas, científicas, culturais, políticas e sociais, como: a prova da existência histórica de Jesus e da existência de Deus para os ateus e agnósticos, a prova de que existe ressurreição da carne e não reencarnação para os espíritas, a prova de que Deus permitiu fazer sua imagem para os protestantes, a prova de que Jesus é o messias para os judeus, a prova de que Jesus não foi apenas um profeta para os muçulmanos, a prova da autenticidade da Igreja Católica e da religião cristã para todas as outras religiões do mundo, etc., etc., etc.

      E se o homem do Sudário foi capaz de fazer o mais difícil, que é ressuscitar dos mortos, por quê não seria também capaz de curar os doentes, andar sobre as águas, multiplicar os pães e visitar o nosso mundo através do ventre de uma virgem? E se esse homem (que disse ser filho de Deus) morreu por nós pregado numa cruz; por quê duvidar do que ele disse nos evangelhos e da Igreja que ele mesmo fundou? Aquele mesmo que disse: “Eu sou o caminho, a verdade e vida!” e “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará!”

      Jesus mesmo disse: “Pedro tu és pedra e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja.”; não é a igreja do Buda, do Maomé, do Lutero, do Kardec, do Marx, do Edir Macedo ou do pastor da esquina, é a Igreja do próprio Deus! E Jesus disse mais, disse que as portas do inferno não prevalecerão contra ela e que estaria conosco todos os dias até o fim dos tempos.

      Não estou aqui querendo fazer apologia gratuita ao catolicismo; mas, por incrível que pareça, não por coincidência (gostemos ou não, acreditemos ou não), a Igreja Católica é a única religião do mundo onde acontecem tais milagres permanentes que passam pelo crivo da própria ciência!

      Thumb up 1
    • E se..e se…e se…
      Que próprio ‘Deus’ é esse? Por conveniência é o SEU deus.

      “temos que concordar que somente uma é verdadeira”
      Ou nenhuma.

      “Não estou aqui querendo fazer apologia gratuita ao catolicismo”

      Já o fez…

      “é a única religião do mundo onde acontecem tais milagres permanentes que passam pelo crivo da própria ciência”

      Vários erros aqui:
      Sua religião não é a única que diz ter milagres;
      Qual ‘milagre’ passou pelo “crivo da ciência”?
      Você sabe diferenciar ciência de pseudo-ciência. não é?

      Thumb up 1
    • Everton, você conhece algum milagre permanente famoso de qualquer outra religião ou entidade do mundo que já foi confirmado pela ciência?

      Se souber, me avise; porque há muito estou procurando!

      O máximo que encontrei foram frutas cortadas ou nuvens com a palavra ‘ALA’ escritas e uma estátua de elefante hindu que ‘bebe’ leite; mas que, porém, já foi desmascarada pela ciência!

      Pseudo-ciência?

      Por acaso, já pesquisou o currículo dos cientistas que estudaram, por exemplo, a Imagem de Guadalupe, Lanciano ou o Santo Sudário?

      Devia, pelo menos, ter assistido aos documentários que indiquei antes de falar uma coisa dessas!

      Thumb up 1
    • “Se souber, me avise; porque há muito estou procurando!”
      Google; Pesquise em inglês e em Hindí.

      “Imagem de Guadalupe, Lanciano ou o Santo Sudário”
      Pseudo-ciências porque não passam pelo crivo da falseabilidade.

      Qual “milagre permanente famoso” do seu deus você crê que foi provado?

      Thumb up 0
    • Everton, você conhece algum milagre permanente famoso de qualquer outra religião ou entidade do mundo que já foi confirmado pela ciência?
      Permita-me dizer que outras tradições nem dependem de milagres para serem mais efetivas que todos os princípios católicos, o mais comum na ciência do fantástico nem vem da religião, vem das doutrinas filosóficas, em especial as orientais, como nessa reportagem do hype:“Meditação melhora sistema imunológico”, *uma prática budista e induísta.
      Nada no catolicismo e seus milagres “eleitos ” se compara a isso: uma comprovação fatual, em testes de cientistas reais, não de cientistas vaticanistas.

      Thumb up 2
    • Everton, já que você afirmou que tem é porque você deve conhecer alguns milagres de outras religiões. Assim, gostaria que me indicasse alguns supostos milagres de outras religiões que já foram confirmados ou pelo menos estudados pela ciência!

      Será que deveria acreditar na sua palavra de que estudo de milagres é pseudo-ciência, ou devo acreditar na palavra de renomados cientistas, como: Richard Kuhn (Prêmio Nobel de Química), Phillip Callaghan e Jody Brant Smith (cientistas da NASA), Dr. Aste Tonsmann (Centro Científico da IBM), Dr. Javier Torroella (consultor da OMS), Dr. Enrique Graue (um dos mais competentes oftalmologistas da América), Dr. Raymond Rogers (famoso químico de Los Alamos com mais de 40 artigos publicados com peer review), físicos (como os do ENEA e da NASA), cientistas das mais diversas áreas da equipe do STURP, botânicos, médicos, anatomistas, legistas, microscopistas, etc.?

      As pesquisas científicas de milagres são algo extremamente sério e feito por cientistas de verdade e não por pseudo-cientistas ou “livres pensadores” ou “palpiteiros de plantão” não!

      Thumb up 2
    • VocÊ está falando do “milagre de guadalupe”?
      Oh meu Deus! (desculpa o trocadilho).
      A NASA, Richard Kuhnn e ou outros cientistas não “provaram” milagre algum. Só não tiveram definições sobre determinados aspectos, ainda porque, nos ano 30 não tinham: microscopio eletrônico, testes de carbono 14, os fios do tecido foram mandados pelo Correio e não tem nada, absolutamente NADA, nem no site da NASA nem em outro local não religioso “provando” esse “milagre”.
      Com relação aos milagres de outras religiões, procure. Tenho certeza que preguiçoso você não é, pois ler tanta matéria absurda, perder tempo escrevendo sobre elas você tem.

      http://www.ceticismoaberto.com/ceticismo/2087/o-manto-milagroso-e-o-pensamento-crtico

      Thumb up 0
  70. Nós devemos venerar (adorar),a imagem de Deus que é Jesus Cristo.Uma certa igreja,(Babilônia,a última,ICAR),proibiu as pessoas de ter o conhecimento,e pregou muitas mentiras,foi formada na mentira,criando todo o tipo de imagem pra que os incultos os adoracem, (paus,pedras,gessos),dizendo-se que alí era a imagem de Deus,como se Deus fosse representado por estas coisas,estes que se dizem ateus,nada é mais do que frustrações e descepcões com a sua “antiga” religião só que eles estão indo por outro caminho errado.Eu fui desta igreja 28 anos,hoje não pertenço mais a ela,tenho conhecimento da verdade e nunca abandonei o meu Senhor e Salvador,hoje estou firme e seguro do que é verdadeiro,estas coisas não me impressionam mais,sou livre,Jesus me libertou.amém.

    Thumb up 2
    • Sim, mas foi totalmentew diferente do que escreveram dele.

      Thumb up 0
    • Não. É que o que mais se aproveita nesse vídeo é que o filósofoo Mário Sérgio Cortella diz que na maioria dos estudiosos quase não há mais polêmica quanto a existência de Jesus quanto pessoa, indivíduo. O fato de Ele ser ou não o Messias já outra história. Mas que Ele existiu, com certeza sim!

      Thumb up 0
    • Eu sou contra qualquer tipo de preconceito, principalmente contra a mulher, visto que minha esposa é infinitamente mais inteligente e capaz do que eu. E eu não sigo a Bíblia.

      Mas se a mulher realmente segue a bíblia. Fazer o que? tem que aceitar sua determinação, ou seja, calar-se.
      A bíblia manda a mulher se calar. 1 Mateus 2:11 e 2:12.

      Thumb up 0
    • Eu tinha visto esse vídeo, e ia sugeri-lo também. Nossa! Quantos comentários! Esse povo ama Jesus! Gostaria que para maiores detalhes vocês pudessem visitar o site do arqueólogo Rodrigo Silva, é ótimo, os céticos assistem muito seu programa. Lá a Bíblia é explicada com embasamento histórico.O site é este: https://novotempo.com/evidencias
      Olhem estas páginas:https://novotempo.com/evidencias/2011/05/20/video-evidencias-historicas-da-biblia-2011/ https://novotempo.com/evidencias/2011/04/01/a-arqueologia-e-a-biblia/

      Thumb up 0
    • Como é que você sendo mulher segue um livro que manda a mulher se calar 1 MATEUS 2:11 e 2:12?

      Thumb up 0
  71. Eita….aqui é site de Ciência não de religião…querem discutir isso, que criem então o HypeReligion.com…ok???

    Thumb up 2
  72. O mundo religioso hoje ja não é mais como costumava ser, primeiro, perderam todo o temos das coisas Santas e tambem demoniacas, tanto que o mundo se sente no direito de fazer chacóta destas coisas hoje na televisão, nas jornais, em fim em todos os meios de comunicação que se possa saber.Uma, ou muitas, das evidencia da existencia de Cristo, são as profecias que se cumprem ao pé da letra sem um erro, mas quem o pdoe ver? só seus eleitos que receberam um profeta que Ele enviou para este dias e confirma que toda a Biblia é verdadeira, porque os mesmos sinais que Jesus operou, ele o fez nestes dias finais, e estamos na mensagem que ele nos deixou por ordem de Deus, e tudo que foi profetizado por ele acontecera, ou ja esta acontecendo, e uma das maiores coisas que ele profetizou é a união religiosa destes ultimos dias que Jesus chamou de a amarradura do joio. E quando a Los Angeles estiver no fundo do mar se lembrarão de que este profeta ja o tinha dito, esperem e o verão!

    Thumb up 0
  73. Nos últimos anos, a Igreja (leia-se ICAR) e todas as suas descendentes filhas,(Protestantes) netas (Pentecostais)e atuais bisnetas (Fundamentalistas)buscam desesperadamente provar a existencia de Jesus. Os Fundamentalistas, encontrando a dificuldade, partem para um Cristianismo mais Judaico, onde Jesus passa a ser mero figurante, e o Velho Testamento sobe à condição de Pilar fundamental das Igrejas.
    mesmo porque, está contido nele a ORDEM SOCIAL E ECONOMICA de uma Nação ( e das ditas igrejas).
    Para eles, Jesus deixou o FUNDAMENTO RELIGIOSO da re-ligação com Deus. E por mais que os Evangelhos sejam reconhecidos como a mais completa formulação para o BEM VIVER de uma pessoa, o Deus vingativo e punitivo é mais importante.
    É possivel que alguém tenha DESCRITO JESUS em algum momento, e que se chegue a encontrar tais relatos, o que SALVARIA O CRISTIANISMO atual fundado no século IV em Roma.
    Mas está muito dificil, e em breve o Imperador Romano que ora governa grande parte da humanidade sob a héjide da Cruz, reconhecerá isso. Será o desmoronamento dessa imensa estrutura construida sobre a areia, conforme as palavras do Evangelho. Afinal, grandes religiões já vieram e se foram.
    Porque CADA UM FAZ O SEU DEUS, conforme sua imagem e semelhança.

    Thumb up 0
  74. Nós devemos venerar (adorar),a imagem de Deus que é Jesus Cristo.Uma certa igreja,(Babilônia,a última,ICAR),proibiu as pessoas de ter o conhecimento,e pregou muitas mentiras,foi formada na mentira,criando todo o tipo de imagem pra que os incultos os adoracem, (paus,pedras,gessos),dizendo-se que alí era a imagem de Deus,como se Deus fosse representado por estas coisas,estes que se dizem ateus,nada é mais do que frustrações e descepcões com a sua “antiga” religião só que eles estão indo por outro caminho errado.Eu fui desta igreja 28 anos,hoje não pertenço mais a ela,tenho conhecimento da verdade e nunca abandonei o meu Senhor e Salvador,hoje estou firme e seguro do que é verdadeiro,estas coisas não me impressionam mais,sou livre,Jesus me libertou.amém.

    Thumb up 1
  75. Temática: Será que as evidências garantem a existência de Jesus? Será que todos os estudos e escritos sobre: coroa de cristo, os pregos sagrados de cristo, santo sudário de cristo, o famoso livro de cristo (Bíblia), Vida histórica de Cristo; tudo isso e muito mais do que isso é preciso para os homens da terra acreditarem que ele, o Jesus existiu? Se existiu ou não, a verdade é que de todos os homens da terra da época de Jesus Cristo, mesmo os que foram santificados, ou os que barbarizaram até mesmo a vida de Jesus, cruxificando-o numa cruz para nos salvar; não são tão lembrados por tantos anos e por tantas pessoas dessa maneira. Todos os outros são lembrados, mas rapidamente são esquecidos. Se são conhecidos, são por conteúdos educacionais e até certo ponto tem sempre alguém franzindo e torcendo o nariz para certo tipo desse conteúdo histórico,que insistem em não querer entender para que serve esse conhecimento. E com referência ao saber que Jesus Cristo existiu, mesmo que fora da religião, na época de Natal da Páscoa, a sua existência impregna no cérebro dos humanos, acreditando ou não eles ficam sabendo da sua existência e porque nasceu, filho do PAI maior de tudo, que é Deus (Espírito Santo). Para os que têm grande fé, não há necessidade de nenhuma prova científica, a maior dela está dentro de cada ser humano que é feliz mesmo nas horas mais tristes e dolorosas; onde nem a razão pode amenizar e confortar as suas almas. Então, isso não se pode explicar e nem medir com as ciências que o homem inventou. E ele ainda se acha e se enche de alguma coisa tão pequena e ainda tão pobre que nem sabe de onde veio e nem para onde vai e muito menos quando isso poderá ocorrer. Então, ele sabe o quê da vida? Nada. E da morte? Esta, então, é o maior enigma de tudo na terra. É a única certeza que se pode imaginar que existirá no futuro. O resto, nem é resto; ele se transforma continuamente, até se extinguir no vácuo dos tempo futuro, presente e passado. Assim como desaparecem estrelas, em detrimento do nascimento (aparecimento) já de algo que morreu, só restando o seu brilho no espaço. E assim, as coisas caminham(…). Ana Lorenço da Rosa. Consultoria Inter(trans)projetos Socioambientais. Tocantins. BRASIL.

    Thumb up 0
  76. Para olharmos para traz não nos dira nada de preciso, porque ainda assim teriamos de crer por quem esteve la, mas se podermos, digo SE PODERMOS CRER que Ele Jesus fez promessas e que as cumpre perfeitamente, ai nos não estariamos em tamanha duvida com relação ao obvio. Jesus quando eteve aqui fez uma promessa que carece de darmos uma boa olhada, Ele disse:Eis que estarei com vosco, e eté mesmo em voz até a consumação dos seculos, ou seja o fim do mundo. Então que poderiamos tirar desta conclusão, é que se Ele existiu, Ele ainda existe hoje, porque Ele o prometeu, e esta é a maior evidencia de que Ele esteve aqui na terra para morrer, não por todos, não, não,Ele veio com uma missão especifica, salvar os seus. Ele continua curando, Ele continua abrindo os olhos dos cegos,levantando paraliticos,resuscitando os mortos, como Ele fez la naqueles dias, agora isso é só para crentes que Ele se manifesta. Quem lembra daquela ocasião quando Ele foi resuscitar aquela menina, Ele mandou alguns que estavam ali sairem, porque? Eram incredulos, pois quando Ele disse, não chorem a manina não esta morta, mas dorme, a maioria riu Dele, e estes foram mandados sairem, porque Ele não faz milagres para incredulos, mas para crentes, que podem ver o que nem mesmo a ciencia pode ver, que é a vida apos morte.

    Thumb up 0
  77. Também é importante reconhecer que no ano 70 d.C. os Romanos invadiram e destruíram Jerusalém e a maior parte de Israel, chacinando seus habitantes.
    Cidades inteiras foram literalmente incendiadas e desapareceram! Não deveríamos nos surpreender, então, que muitas das provas da existência de Jesus tenham sido destruídas. Muitas das testemunhas oculares de Jesus teriam sido mortas.
    Estes fatos provavelmente limitaram a quantidade de relatos vindos de testemunhas oculares de Jesus.

    Fonte: http://www.gotquestions.org/Portugues/Jesus-existiu.html

    Thumb up 13
  78. Não entendi o que há nessa postagem, sinceramente. Não há nenhuma evidência histórica hoje que vá contra a existência de Cristo. Cristo é um homem historicamente confirmado, as únicas coisas que “não foram confirmadas historicamente” foram os seus milagres, inclusive o da ressurreição (Vale salientar que o fato da ressurreição também já é amplamente aceito por historiadores do mundo inteiro, inclusive por historiadores não-cristãos e ateus). Além disso, o redator desse artigo comete várias vezes a “falácia da redução ao absurdo” (reductio at absurdum). Não estou desmerecendo o redator, apenas apontando alguns fatos.

    Thumb up 8
    • “Vale salientar que o fato da ressurreição também já é amplamente aceito por historiadores do mundo inteiro, inclusive por historiadores não-cristãos e ateus.”

      Vc tá cheirando o que meu filho??

      Thumb up 1
    • concordo plenamente com o comentário do Júnior. o fato de muitos fracassarem ao tentar criar uma teoria que comprove a existência de Jesus, não compromete em nada os relatos repassados século a século pelos que foram perseguidos durante as “diásporas” dos judeus. Se os judeus conseguem, até hoje, lembrar e praticar a circuncisão, que foi instituida muito antes de Cristo, como não poderiam lembrar de algo posterior a esta? faltou apenas uma boa conclusão do tema apresentado pelo autor da matéria, pois, o que alguém se propõem a explicar, deverá explicitar, na conclusão, o limite da eficácia das “verdades” apresentadas.

      Thumb up 0
    • não meu quirido não é confirmado historicamente e é justamente disso que esta se tratando aqui.é engraçado como personagens da historia humana que existiram mesmo antes de cristo como platão e alexandre o grande estão provados pela historia e cristo não.
      apologistas procuram por evidencias da existencia dele a mais de um milenio e nunca acharam nada,nem mesmo os historiadores da epoca nunca falaram nada sobre cristo,as primeiras noticias sobre ele só surgiram em roma e se não me engano seculo 2 ou 3 depois de sua suposta morte.o que leva a crer muito mais que foi inventado do que realmente tenha existido.

      Thumb up 9
    • com certeza,se ele não fosse historinha da igreja, teria provas que ele existiu, temos historiadores pra isso. agora, os crentes sempre defendem o fato de qque ele existiu porque são cabeças duras, já foram condicionados a ficar com a mente fechada naquilo, a culpa não é deles, eu até entendo, mas eles nunca vão admitir a possibilidade do Jesus dele ser uma história inventada, mesmo que a ciência prove que ele nunca existiu de fato, eles vão dizer que a ciência está errada…

      Thumb up 0
  79. Nenhuma evidencia histórica foi comprovada até agora,vários historiadores da época nunca ouviu falar dele, o que há são fabulas e contrução de um mito criado pela igreja de Roma para converter pagãos na idade média. É só ver a historia de Mitra, Buda, Zoroastro e tantos outros, tem as mesmas caracteríscas do mito “Jesus”.

    Thumb up 7
  80. jesus, fisicamente nunca existiu, ele é simplesmente uma criação judaica ,e o cristianismo é um ovo que só contem a casca e nada mais, diga me o que jesus dexou de bom para a humanidade(que nao existia), nada, provas jamais irão aparecer, porque quem nunca nasceu não pode morrer.

    Thumb up 7
    • Mas, Siddhartha Gautama também existiu.
      Muito fraco seu argumento

      Thumb up 1
  81. Além da carta de Publius Lentulus a Tibério César sobre Jesus, devemos lembrar que Matheus não é apenas um escritor cristão, apóstolo de Jesus. Ele era Judeu descendente de David,e cobrador de impostos para os Romanos. Era tão sério nesse trabalho, que tinha credibilidade de Tabelião. Nunca teve conflito com os romanos, nem com os Judeus, e era apóstolo escolhido de Jesus. Seu evangelho tem praticamente o valor de um documento feito por um Cartório. Se um documento de Tabelião reconhecido da época não pode provar nada… Então nenhum de nós prova que existe porque tem cédula de identidade…

    Thumb up 13
  82. Saulo de Tarso fundou o cristianismo com base na história de Simão, sua pedra fundamental para o personagem Jesus. Saulo de Tarso foi um Machado de Assis da antiguidade.

    Thumb up 6
  83. Sabe, eu percebo que as pessoas que outrora criticam os debates religiosos são umas das que mais gostam disso. Eu particularmente gosto, porque posso falar do meu Deus. Agora, sinceramente, se no mundo digital, na era da informação, no mundo globalizando, estamos em um fórum discutindo sobre uma pessoa que viveu a 2 mil anos é porque essa pessoa com certeza não é qualque uma! Sou cristo

    Thumb up 21
    • Quis dizer: eu estou com Cristo!

      Thumb up 12
    • e porque O Deus é só seu? não é de todos que acreditam nele não?

      Thumb up 3
    • Quando digo que o Deus é meu, não necessariamente estou excluindo os outros. Assim como eu digo que o Brasil é a minha nação… Mas que ignorância hein?

      Thumb up 21
  84. Desculpa… mas acho que não entendi… Vc quer dizer que devemos acreditar em algo que é mais do que provado através de testes e que “está fora” da epoca de Cristo simplesmente por se tratar, ou melhor… a igreja dizer que se trata de uma Reliquea Sacra?

    Thumb up 0
  85. isso, acreditem, tenham fé em um elefante rosa que ele vai passar a existir ( na cabeça de quem quiser ).

    Thumb up 3
    • Há uma diferença marcante entre um elefante rosa e Jesus Cristo! Essa sua comparação mostra que está incapaz de compreender as coisas espirituais!

      Thumb up 14
    • e este seu comentário faz perceber que voce não está preparado pra acreditar no elefante rosa…

      Thumb up 0
    • Eu concordo com vc… Já fiz umas 3 postagens e não apareceu.

      Thumb up 1
    • Eu concordo com vc… Já fiz umas 3 postagens e não apareceu.

      Thumb up 1
  86. A história da humanidade sempre foi marcada pelo poder, guerras, conquistadores, impérios e povos subjugados. Uma história de violência e brutalidade.
    Um dia alguém aparece, e de forma simples, nos ensina que devemos amar e respeitar ao próximo para que possamos conviver em harmonia.
    Algo tão simples mais foi capaz dividir a história entre antes e depois..Palavras sábias que ainda não conseguimos e relutamos em entender.

    Thumb up 23
    • Você está falando de Sidarta Gautama?

      Thumb up 5
    • Certamente não estou me referindo a Richard Dawkins..

      Thumb up 2
    • bD/aD ? Hummmm… Não havia pensado nisso , ainda.

      Thumb up 0
    • Certo. O pior é que a igreja coloca essa santo sudário como pano de fundo para abafar mensagem principal de Jesus.

      Thumb up 4
  87. Não sei por que perdemos tanto tempo discutindo se Jesus existiu, fez milagres ou não. A liberdade de pensamento de todos nós, tem que ser respeitada, assim como nossa fé. A História toda, tem créditos que se baseiam exatamente em dados escritos e comprovados “com dificuldades” e nós a estudamos, aprendemos e passamos quase sempre para outros em nossa vida cotidiana. Se alguém pudesse provar, com certeza como foi formada, pelo menos a sua família e a sua comunidade, já seria ideal; mas, não consiguimos nem saber o que se passa hoje ou se passou ontem fora de nós, apenas o que nos dizem os meios de comunicação que às vezes deixam a desejar em suas verdades. Eu, por exemplo, acredito em Jesus Cristo como Filho de Deus e de Maria, por obra do Divino Espírito Santo, assim como no amor que Ele ensinou. E acho, que mais difícil que provar esta existência é exatamente provar que Ele não existiu, e que nada disto é verdade. Afinal de qualquer maneira que nós pensemos, precisamos lembrar que tudo vem de um “motor primeiro”… e isso,até que provem o contrário, só pode ser interpretado como Deus Criador.

    Thumb up 3
  88. Para a fé não é necessário provas. Mas se quer provas, a Bíblia é segundo a tradição aceita pela maioria dos cristãos foi escrita por 40 autores, entre 1445 e 450 a.C. (livros do Antigo Testamento) e 45 e 90 d.C. (livros do Novo Testamento), totalizando um período de quase 1600 anos, por que não fazer um artigo sobre isso que seria mais interessante.

    Thumb up 1
  89. “Creio” que os cristãos não tenha outra resposta a não ser ” Vocês não saber e não conhecem o poder de deus”. Pára arranjem outra resposta coerente.

    Thumb up 1
  90. “poder de deus” é uma coisa imaginária, até que a ciência prove que existe.

    Thumb up 1
    • Cuidado amigo, a ciência não é uma divindade pra você confiar nela 100%…

      Thumb up 1
    • acho q chove, em algum lugar do planeta vai chover sim…

      Thumb up 2
    • Aqui, Santa Maria, RS, vai chover.

      Thumb up 3
    • Aqui em São Paulo tá CHOVENDO NO MOLHADO.
      Será que ás 19 horas vai estar e noite?
      Tá um calor quente, né?
      Será que às seis horas da manhã vai estar de dia?
      Será que se eu botar o dedo na tomada, vou tomar um choque?
      Será que prá pentear o cabelo eu preciso de pente ou escova?
      Prá escovar os dentes eu posso usar a mesma escova dos cabelos?
      Devo dar descarga após usar o banheiro?
      Se eu deletar um arquivo ele desaparece?
      Se eu morrer, serei chamada de morta?
      Se o cachorro faz AU AU, ele está latindo?
      O sorvete é gelado?
      O fogo é quente?
      Quando dizem PÁRA COM ISSO, é prá parar?
      A moderação vai liberar essas minhas dúvidas? Duvido!

      Fui

      Thumb up 5
    • Liberou kkkk

      Thumb up 0
    • trocadilho sacas!kkkkka!!!

      Thumb up 0
    • Ah, aqui em Curitiba, tava chovendo, mas já parou…

      Thumb up 0
    • Que vai chover, sem dúvidas !!!

      Quando ? Aí é outra história…

      Thumb up 0
  91. Foram seus seguidores que o endeusaram. E os mais próximos não podiam permitir que as suas mágicas fossem inferiores ao do anterior (dito) Messias, Simão de Pereia. Hoje os investigadores procuram descobrir se, de fato, Jesus milagrou na sua esteira.

    Thumb up 0
  92. Acho que as pessoas se preocupam muito com a imagem de Cristo, esquecendo a essência do que realmente ele foi. Não importa se se ele era Deus ou homem qualquer, se ele se casou com Maria Madalena ou subiu aos “Céus”, o que importa é o que ele disse, o que ele tentou nos ensinar e continuamos não compreendendo o que realmente ele nos quis dizer. As pessoas se preocupam em “decorar” (em todos os sentidos que a palavra possa ter) frases da Bíblia sem se darem o trabalho de saber o que realmente essas frases significam.
    Eu acredito que ele esteve na terra, quanto a ser “O legitimo filho de Deus”… acho que não. Realizador de milagres? Porque não? A mente humana é um mistério e a fé move montanhas. O que é fé? Fé é a crença em algo tão demasiadamente forte que a mente passa por tornar real. Como a mente faz isso? Não saberia dizer. Mas sei dizer que pessoas se curam apenas com vontade própria, apenas acreditando, e em alguns casos até sem a intervenção divina, pois felizes daqueles que creem sem ver. O que isso realmente significa?
    O homem é pessimista e sua crença baseia-se no que ele pode ver, dai a igreja criou a primeira relíquia. O sucesso foi tão grande que esta tomou outro rumo, o comercio, o controle. No passado a igreja fez guerras Santas em nome de Cristo Jesus contrariando a verdadeira essência do que Cristo pregou: “-Amai uns aos outros como eu vos amei!”. No presente as pessoas pagam dízimos preocupadas em “garantir” uma vaguinha no reino de Deus e esquece-se de ajudar os que realmente estão necessitados, contrariando mais uma vez o que Cristo pregou: “Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus”
    Por isso eu me pergunto… Por que perder tempo em rezar ou orar a Deus ou cultuar reliqueas que já estamos mais do que carecas de saber que são falsas? Não seria melhor AGIR em seu nome? Uma ação vale mais do que mil palavras, porem agir dá tanto trabalho…
    Complicado…

    Thumb up 2
  93. Desculpa… mas acho que não entendi… Vc quer dizer que devemos acreditar em algo que é mais do que provado através de testes e que “está fora” da epoca de Cristo simplesmente por se tratar, ou melhor… a igreja dizer que se trata de uma Reliquea Sacra?

    Thumb up 0
    • ele estava cansado.

      Thumb up 7
    • pq era domingo

      Thumb up 1
    • Metáfora…

      Thumb up 0
    • Deus não descansou porque ele simplismente estava cansado fisicamente. Ele só parou nesse dia, separou o sábado pra descanso da criação dele, no caso, nós.

      Thumb up 2
    • Pra não perder a rodada do Brasileirão.

      Thumb up 6
    • Porque o no domingo é descanso remunerado …^^

      Thumb up 2
  94. Quer queiramos quer não, somos todos humanos.
    Eu acredito em algo superior a mim, Deus ou não já não sei e acho que todos precisamos e temos a necessidade de acreditar em algo, que nos dê força para ultrapassar obstaculos. Não interessa mesmo se existe Deus, interessa que a imagem ‘Deus’ dá força de vontade, esperança, fé, talvez seja o efeito placebo. Acreditamos em algo superior, logo os nossos problemas ou aflições vão se resolver e nós como estamos positivos nesse aspecto tudo nos parece melhorar. E isto não é errado.
    Errado é o que a Igreja faz, querer IMPOR às pessoas uma crença, julgar as pessoas que não seguem essa crença! Isso sim! Isso vai contra TUDO o que é correcto.

    Thumb up 2
  95. Se o homem não entende os níveis espirituais como surgiram o Espiritismo, a Gnose, o Ocultismo, cheios de definições e afirmações?
    Ps, não comente em caixa alta (maiúsculas), visualmente é gritante.

    Thumb up 2
    • Surgiram pq pessoas mais avançadas espiritualmente do que a média vieram trazer o conhecimento.

      Thumb up 0
    • Avatares… Então houve em outros meios, Buda, Platão, e outros personagens cujo nível mental seria um salto se comparado ao comum da época, ou até o de hoje…

      Thumb up 2
    • Até o Brasil teve um Buda no século XIX!

      Thumb up 0
  96. “A ciência nos dá o conhecimento do mundo e a religião nos dá o significado.” Michael Keller, pesquisador polonês que formulou a Teologia da Ciência

    Thumb up 1
    • Teologia da Ciência… omg! (desculpa o trocadilho)

      Thumb up 1
  97. Bom, acredito fielmente em que Ele já passou pela terra sim, mas não posso aceitar que cientistas tentem provar isso. Já se passou tanto tempo, que torna-se inútil estudar uma coisa em que cada um tem a sua opinião formada. Provas físicas que são encontradas hoje são falsas sim. Tudo acaba, tudo vira pó, ou vc ainda acha que a madeira da cruz e da coroa existem até hoje? Segundo o artigo, as madeiras encontradas formariam um barco! Mas Deus não é falso, não. A única coisa que temos como prova é o que as escrituras da bíblia dizem. Peço proteção a Deus e ele me protege, porque eu acredito nele.

    Cientistas, olhem para frente, não para trás.
    O que acredito hoje nunca vai ser mentira para mim.

    Thumb up 0
  98. Após mais de dois mil anos, Jesus Cristo ainda é venerado, que outro ser humano o superou ?

    Thumb up 0
    • a própria fé em jesus é contraditória, mesmo tendo provas científicas as pessoas ainda acham que jesus foi pregado com 30 pregos… pura ignorância, ingenuidade… só pessoas assim para acreditar. como é possível os cristãos serem tão cebeças duras, a ponto de ver uma coisa na sua frente e dizer que não é verdade ? isso, acreditem, tenham fé em um elefante rosa que ele vai passar a existir ( na cabeça de quem quiser ).

      Thumb up 2
    • Caro fulaninho de tal, assim como em todo lugar pessoas sem escrupulos fazem qualquer coisa para enganar pessoas ingenuas, acredito em Jesus mas não em tudo o que falam, acredito na biblia que muitas vezes é interpretada de forma errada.Não acredito por exemplo que uma cerca que de longe se paresce vagamente com uma imagenm de santo seja verdade e atraia milhões de pessoas, como já vi antes.

      Thumb up 0
    • Tá. mas a igreja tambem não faz o mesmo?

      Thumb up 6
    • Onde há contradição? Testar é o método científico de obtenção da verdade.
      O que a religião quer acreditar que seja verdade não aceita quaisquer resultados de testes científicos que contrariem tal “verdade” imposta. Isso é que é contradição. Uma verdade é verdade, não precisa de imposição, e nem de fé.

      Thumb up 10
    • Jane, não tem essa de contradizer… Esta é a falácia da Inversão do Ônus da Prova… Quem afirma ‘Cristo existiu’ deve provar… Simples… E mais, não se pode provar a inexistência… Trata-se da falácia do Reductio ad absurdum… Não se pode provar a inexistência do que não existe e sobretudo sem absolutamente nenhuma prova… Por outro lado, o Universo, a Vida, não requer um ‘deus das lacunas’… As ‘coisas’ científica funcionam sem subterfúgios… Podem ser provadas e repetidas por todo o mundo, e por diferentes pesquisadores… E a ciência tem validade estabelecida, erro calculado, até que possamos ‘melhorar’ a nossa conclusão… A crença não tem nada, a não ser a vontade pessoal… Não são coisas comparáveis… Sabemos onde está a Terra, o Sol e a Lua… A crença nem isso sabe… Não se pode comparar o estudo abnegado com a fé cega – pleonasmo…

      Thumb up 4
    • Jane,
      Isso é meia verdade. Há cientistas sérios e honestos. Entretanto, últimamente a ciência tem sido escrava do capitalismo e do ateísmo. Daí, muitos fazem declarações bambásticas, proferem frases de efeito e fazem pesquisas encomendadas com o claro propósito de beneficiar grupos da elite dominante. Isso geralmente fere princípios e crenças religiosas, que muitas vezes são apenas dogmas inúteis que não servem pra nada como é o caso do tal ‘santo sudário’. Esse é um dos muitos amuletos inúteis que impedem que a principal mensagem de Jesus se cumpra. Amai ao próximo como a ti mesmo.

      Thumb up 3
    • “Amai ao próximo como a ti mesmo”
      Imagine você dizendo esta frase a um masoquista, a um psicopata assassino ou a alguém que tenha TPL.
      Esta sua visão de que a ciência tem sido escrava do capitalismo e do ateísmo é por causa da mídia. Leia ou assine jornais e newsletters de sites sérios sobre ciência e você verá que muito, mas muito raramente você verámencionados alguma coisa religiosa ou de fundo capitalista.

      Thumb up 3
  99. Acho que as pessoas se preocupam muito com a imagem de Cristo, esquecendo a essência do que realmente ele foi. Não importa se se ele era Deus ou homem qualquer, se ele se casou com Maria Madalena ou subiu aos “Céus”, o que importa é o que ele disse, o que ele tentou nos ensinar e continuamos não compreendendo o que realmente ele nos quis dizer. As pessoas se preocupam em “decorar” (em todos os sentidos que a palavra possa ter) frases da Bíblia sem se darem o trabalho de saber o que realmente essas frases significam.
    Eu acredito que ele esteve na terra, quanto a ser “O legitimo filho de Deus”… acho que não. Realizador de milagres? Porque não? A mente humana é um mistério e a fé move montanhas. O que é fé? Fé é a crença em algo tão demasiadamente forte que a mente passa por tornar real. Como a mente faz isso? Não saberia dizer. Mas sei dizer que pessoas se curam apenas com vontade própria, apenas acreditando, e em alguns casos até sem a intervenção divina, pois felizes daqueles que creem sem ver. O que isso realmente significa?
    O homem é pessimista e sua crença baseia-se no que ele pode ver, dai a igreja criou a primeira relíquia. O sucesso foi tão grande que esta tomou outro rumo, o comercio, o controle. No passado a igreja fez guerras Santas em nome de Cristo Jesus contrariando a verdadeira essência do que Cristo pregou: “-Amai uns aos outros como eu vos amei!”. No presente as pessoas pagam dízimos preocupadas em “garantir” uma vaguinha no reino de Deus e esquece-se de ajudar os que realmente estão necessitados, contrariando mais uma vez o que Cristo pregou: “Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus”
    Por isso eu me pergunto… Por que perder tempo em rezar ou orar a Deus ou cultuar reliqueas que já estamos mais do que carecas de saber que são falsas? Não seria melhor AGIR em seu nome? Uma ação vale mais do que mil palavras, porem agir dá tanto trabalho…

    Complicado…

    Thumb up 1
  100. Se o saci deixou algum ensinamento por escrito eu ainda não li…..ele por acaso deu sua vida em sacrifício de muitos?Realizou algum milagre, falou de amor…era brando e de sentimentos profundos, bondoso??? O saci deixou alguma mensagem especial para a humanidade? Qual?? Querido amigo acho que você nunca leu nada a respeito de Jesus e nem sobre o Saci..

    Thumb up 2
  101. Quanto mais os ateus ativistas do hypescience tentam impor ao mundo sua visão estreita e estupidamente “embasada cientificamente”, os cristãos aumentam seu número em todo planeta (alguns de forma equivocada outros não).

    Vi muito ateu extremista ajoelhar e pedir perdão a Deus por suas blasfêmias e erros. O Homem é tão tolo em suas análises terrenas que tentam comparar uma gota d’água de seu conhecimento com a imensidão oceânica da sabedoria divina.

    Mentiras científicas construídas para agradar o ego dos ateus não vai mudar o fato de Deus existir e Jesus ter vindo a Terra. Uma mentira não duraria tanto tempo assim e seria até hoje o nome mais falado e conhecido do mundo inteiro por acaso. Se até os dias atuais o nome de Jesus causa repercussão e tanta polêmica, o que dirá em seus tempos aqui na Terra á 2000 anos atrás.

    O que mais me faz rir da tolice dos cientistas pró-ateus é não levarem em conta o contexto de como o mundo em eras de comunicação absurdamente difícil fez o nome de Deus chegar aos quatro cantos do planeta com tanta força e rapidamente. Isso não é e nem foi por acaso. O poder de Deus é tão grande que nossas míseras mentes não consegue nem iniciar a mensuração disso tudo. Perdoa-os senhor, eles não sabem o que fazem!

    Thumb up 1
    • Nossa Vera se toca para se ser uma cristã ignorante e revoltadinha, primeiro o cristianismo não está aumentando e sim diminuindo e sabe por que, por causa da própria igreja e não pelo ateísmo. Segundo vc detesta ateus? Conte-me mais como é conhecer todos os ateus do mundo, mas eu aposto que vc tem facebook (Mark Zuckerberg é ateu), eu adoro alguns fanáticos cristão daqui ficam criticando os ateus e depois nos chamam de ignorantes de nos defendemos. Terceiro nem todos os cientistas são ateus muitos são religiosos só que ao contrário de vc eles não colocavam sua visão mesquinha e sua opinião pessoal quando estão estudando e pesquisando e se fazem isso eles são despedidos. Quarto eu já vi também muito cristão extremista virar ateu (principalmente quando estão traindo, roubando, matando, estuprando, mentindo, e por ai a fora). Quinto sim minha cara mentiras podem durar muito tempo e por isso mesmo que as igrejas “criam” provas de existência divina e fazem de tudo pra emburrecer em todos os sentidos as pessoas (por bom senso muitos religiosos não fazem o que a religião quer ao pé da letra). Vc acha que o Deus que vc conhece existe há quanto tempo? Posso te garantir que antes dele houve um monte deles e Jesus também não tá por trás ( Alá, Odin, Susanoo, Zeus, Xangô, Amateratsu, Hades, Anubis, Ganesha, etc.) existiram muito antes do Deus cristão,irônico vc criticar ateus, mas eu duvido que vc acredita na existência desses Deuses vc também é ateia (com eles) e sobre Jesus (Mitra, Siddharta Gautama, Zaratustra, etc.) também existiram antes dele e hoje esses Deuses fazem parte de mitologias e esses profetas não tão admirados como hoje e provavelmente daqui a 5000 anos Deus e Jesus serão outros que estarão junto com eles. Sexto se vc não gostou do que leu o problema é seu, mas não fica xingando os cientistas, pois se vc vive no mundo como ele é hoje foi graças a eles e a outros estudiosos, pois vc deva ter computador, celular, telefone, rádio, etc. e provavelmente quando vc fica doente vc toma um remédio ao invés de rezar pra Deus e Jesus pra aliviar os sintomas então só uma dica não seja hipócrita. E por ultimo só para deixar claro não tenho nenhum tipo de preconceito com religiosos ter fé ou não é opinião de cada um, sei que tem muitos de vc que são bons, assim como existe muitos ateus, agnósticos, budistas e céticos ruins.

      Thumb up 4
    • Acima, 17 linhas de estupides gratuita, intolerância e fanatismo.

      Thumb up 3
  102. Tambem Esta Escrito No Qual O Deus Deste Seculo Segara Os Olhos Dos Incredulo Para Que Não Resplandecesse. A Luz Do Evangelico. Então Nesta Dicurção Eu Fico Neltro Porque Eu Respeito Os Mandamento De Deus & Temo A Deus, Quem Sou Eu Para Duvidar Dos Misterios Da Palavra, Assim Eu Não Me Acrecento Mais Pecados. Nos Que Ja Tenho. Eu Nunca Vi Um Cientista Fazer Nada De Nada. Elé Simplismente So Reune O Que Ja Se Encontra No Mundo. Toda Criação Que Vejó É De Coisa Retirada Do Planeta Terra. Nada Foi Criado Pelos Cientista Do Nada. Tudo Teve A Ajuda Do Pleneta Terra.Então Ate Que Me Prove Ao Contrario Eu Fico Com Deus & Pesso A Ele Que Fique Comigo Mesmo Eu Não Cendo Merecedor….

    Thumb up 0
    • Sua opinião é válida, mas procure aprender a escrever em português.

      Thumb up 1
  103. Não tente buscar a existência do Senhor em provas concretas, existem muitas pessoas que não acreditam em Jesus Cristo, falam sobre o assunto, mas nunca se quer buscaram-O espiritualmente. Entendam que Ele realmente existiu, morreu por nós carregando todos os pecados do mundo na cruz (madeiro romano). Você acreditando/seguindo ou não, Ele vai continuar sendo Deus. Mas saiba que Cristo te ama e sempre te amará, pois a única Lei Dele é o amor!

    Thumb up 2
  104. Jesus é personagem histórico reconhecido por várias fontes autênticas, incluindo os evangelhos. Sua mensagem revolucionou o mundo romano e judeu. Foi o primeiro pregador da resistência e desobediência civil pacíficas, um legado que os primeiros cristãos, pela fé, levaram às últimas consequências, sacrificando suas vidas na esperança de um mundo melhor, livre da dominação romana. A doutrina foi corajosamente propagada em todo o mundo conhecido da época. Desconsiderar a divindade de Jesus é uma atitude que não leva a nada, pois a fé é a base de toda religião. O propósito desses artigos e documentários é uma faca de dois gumes, pois a descrença sempre vai fortalecer as correntes ateístas, culminando na negação da existência de Deus. O antigo testamento também desmoronaria, se fossem levadas a sério essas alegações pseudo-científicas. Anjos, as pragas do Egito, a travessia do mar pelos judeus e o próprio Deus ditando os mandamentos a Moisés, podem ser objeto de contestação por qualquer um. Todos esses escritos foram feitos por pessoas iguais a nós, e surgiram muitos anos após os acontecimentos. Há um propósito nesse tipo de pesquisa, que não é outro senão o de minar a fé cristã e abalar a autoridade das igrejas, particularmente a católica. Existe uma frase de um cientista, que não me recordo o nome, que trás uma verdade incontestável sobre o dilema ciência x religião. Diz ele: “Os cientistas usam, de todos as formas, os instrumentos da razão e do entendimento, para escalar a montanha da sabedoria e, quando chegam ao cume, deparam com um grupo numeroso de teólogos há muitos séculos já sentados por lá.”

    Thumb up 3
  105. Na boa? Já me cancei desse papo se Deus existe ou existiu, se Jesus existe ou existiu.Duas certezas absolutas que eu tenho é:

    1º Qualquer um quando se vê em desespero clama o nome de um deles.
    2º Da Morte ninguém escapa!

    Thumb up 2
    • Me deixe fora do “qualquer um”.

      Thumb up 4
  106. Bastante complexa é se tratar destes asunt, que ainda é uma incógnita ate a nosso tempo. *Porque????? O *Manto sagrado já foi textado que omesmo foi criado mais ou menos no *Ano de 1300, e foi textado com o carbono 14 e que não haviam mais dúvidas que o mesmo era falso e não correspondia nda em que o vaticano inspirava como verdadeiro(portanto eu não tenho mais dúvidas, quanto a isto).
    *****Mas estamos resurgindo no auto condicionamento que estamos bem perto de um concensso mais ético da razão do que sempre nos impos o *Vaticano, que até aqui tem muiro a desejar, em todo aspécto do já esclarecido, e para visualizarmos melhor precisamos voltar ao nivel zéro, e assim conjulgarmos uma melhor opção dos fatos, que tanto nos amealha em mêdo e ostracismo em confronta-lo de frente mas, não é bastante dificil nos momentos atuais em que *Vivemos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!””
    *temos em nosso habitate muitas crenças, que não são poucas e que todas elas nos facinam em compara-las, ainda não faz parte de nossos conceitos interroga-las, porque estamos enrraizados em muito preconceito em distingui-las uma da outra, olhem temos *o livro sagrado do mundo *A Biblia mais vendida e menos lida, *Bagawagtha, livro sagrado dos indus, temos bastante *lutrs de sótros, *Corão e muitos outros, que sempre influencio nossos antepassados e ainda hoje não podemos contesta-los.. *Oquê fazer?????????
    São literaturas de origem desconhecidas para nós e bastante complexas para intendermos(oque agora ja esta revertindo estes valores) e com a evolução dos tempos iremos a velocidade da luz entendermos melhor.
    *Eu em particular acredito que toda estas literaturas tem um aspécto bastante satisfatório em nosso progresso, não nas igrejas que não são donos delas, mas divulga-las nas escolas e todas as faculdades *Cientificas que ira saudavelmente se encontrar com nossas necessidades do conhecer, precisamos muito delas, porisso exórto a todos ***GGovernos de nosso habitate a formenta´las agora imediatamente, do contr´rio se não fizermos isto estaremos estarricidos pelo *Tempo, moas o obra Governates fassam isto e teremos um resultado de evolução na velocidade da luz, em todos os campos do saber, favoravel a todos os 7 *Bilho~es de moradores deste plenteta, ****Onde esta a *Lêi da relatividade???????????//

    Thumb up 0
  107. Se Jesus realmente existiu, podemos dizer que ele tinha uma inteligência superior a grande massa ignorante da época, então com a sua astúcia conseguiu facilmente persuadir os miseráveis e ignorantes para segui-lo. Mas o pior de tudo isso foi os grandes oportunistas (Líderes Religiosos), que após a sua morte criaram uma nova religião – o Cristianismo, e com isso arrecadaram milhões de dinheiro e escravizaram a mente do povo, utilizando como desculpa o castigo de Deus para dominá-los. O pior é que hoje em dia em muitas regiões deste planeta isto ainda acontece.

    Thumb up 1
  108. O Santo Sudário é objeto mais de ódio do que de pesquisas sérias que já se fizeram dele.São elas mais favoráveis ao milagre do que à negativa definitiva de sua autenticidade.
    O ateu diz não acreditar em Deus,mas o fato não é esse.Ele quer mesmo é que Deus não exista.Por isso, no seu íntimo,odeia a beleza de uma flor,de uma magnífica montanha ou do seu próprio corpo, porque não há explicação para tudo o que foi criado.Evolução? Essa teoria já era.Não convence mais.
    Finalmente, disse o Mestre:”Bem aventurados os que não viram e creram” Não se esqueçam que o próprio Tomé não acreditou,mesmo estando lá,tendo dado testemunho pessoal da Paixão.
    Pior para os ateus,não é?

    Thumb up 0
  109. Eu nasci católico, mas a cada dia há mais argumentos para que eu deixe de acreditar em QUALQUER RELIGIÃO.

    Mas nem por isso deixarei de fazer o bem, sem olha à quem.

    Há uma frase que eu vi numa comunidade de ateus, que diz o seguinte:

    “Todos nós somos ATEUS em relação aos Deuses das outras religiões.”

    E isso é uma realidade. Sendo assim, como ter certeza que o cristianismo é o correto ? Antes do cristianismo, no oriente já existiam outras religiões…

    Qual é a correta ? Ou será que NENHUMA é a correta ?

    Thumb up 37
    • Justamente por isso não sigo nenhuma…mas acredito Nele…se errei em algo, confesso e admito, e assim não será culpa de uma religião que segui e minha mesmo, mas em dobro, na parte de não ter percebido o que estava seguindo.

      Thumb up 7
    • Muito bom, disse tudo, faço das suas palavras as minhas.

      Thumb up 6
    • Emerson, também fui católico, também pensava como você… Hoje, e porque tive muito tempo para dedicar-me a um amplo estudo multidisciplinar, já posso entender a realidade com fatos… E comento que não há nada melhor do que a vida real… Fui doutrinado, como você, mas sou um homem livre, como você… Respeito profundamente a sua coragem e honestidade… Conte comigo sempre que precisar… Deixo uma última reflexão, e pela lucidez e coragem do que disse, sei que será bem aproveitada: Ético, logo Cético… Um forte abraço…

      Thumb up 2
    • A verdade é um diamante de mil faces. Cada um acredita naquela que lhe convém.

      Thumb up 0
    • Bom Emerson, vou tentar te responder:
      O que salva na verdade, não é religião, mas sim, se vc seguir Cristo, E NADA MAIS!

      Abraços.

      Thumb up 2
  110. Falou e disse Lisandro, como bom estudioso que gosta de ler sobre tudo, baixei os 9 livro em pdf que estão no site, gosto de mergulhar em pontos de vista diferentes para acumular mais conhecimento de causa, puro egoísmo intelectual. Do assunto em epígrafe vale saber que a igreja nunca irá esclarecer nada, pois nunca foi nem será o seu negócio, pois que, esclarecimento desmistifica e liberta as mentes dos grilhões da religião, e isso é estremamente PERIGOSO para os negócios.
    Hãn apropósito: sou Ateu.

    Thumb up 2
  111. Primeiro que as evidencias históricas e cientificas, provam que jesus nao morreu em uma cruz.

    segundo que as coisas referente a jesus se perdeu no tempo pelo fato de que elas nao eram para ser adoradas, como ja fazem hoje.

    Thumb up 0
    • E sim morreu numa estaca

      Thumb up 0
    • thor tem o martelo

      Thumb up 0
  112. Estudem o DISCORDIANISMO e/ou vejam ZEITGEIST no YOUTUBE…

    Vamos começar a pensar por conta própria!

    Sugiro também a leitura dos ebooks existentes em ATEUS.NET, principalmente o Pequeno Manual para Entender os Crentes… Muito engraçado e esclarecedor!

    Saudações Erisianas!

    Thumb up 1
    • Puxa vida, ainda tem gente que acredita em ZEITGEIST?

      Sobre a alegação de que Jesus é apenas uma mistura de lendas de deuses antigos (tão popularizada na internet através de pseudos-documentários como Zeitgeist), basta ver as críticas do Dr. Chris Forbes ao filme:
      http://pt.wikipedia.org/wiki/Zeitgeist,_o_Filme

      Thumb up 2
  113. Falsos ou verdadeiros, tanto mando como coroa, letras ou pregos…Mas pergunto: mesmo sendo datado de outros seculos esses objetos, e sendo Ele o Todo-Poderoso, não poderia fazer que tais objetos tivessem datas assim, justamente para gerar contra-versas e assim, ver quem crê sem vê?

    Ps:eu não tenho uma religião formada, mas acredito em algo superior.

    Thumb up 1
    • Para que o ‘todo poderoso’ faria tal idiotice? Por que o ‘todo-poderoso’ nos estimularia a crer em coisas sem provas? Já imaginou as implicações? Já imaginou como seria nos tribunais? Já pensou em quantas vidas se perderam na inquisição, quado pessoas foram mortas sem provas? Pense nisso antes de crer… Você ‘crê na crença’… E pode mudar sua condição… Pense nas implicações do que diz… Um abraço…

      Thumb up 1
  114. Os defensores da “ciência” não acatam opiniões da fé ou de cunho religioso em suas constatações… Como querem então; fazer o caminho inverso?
    >>> RELEVÂNCIA ZERO; é o que eu atribuo às “constatações científicas” no campo da fé!

    Thumb up 5
  115. A grande verdade, é que o ser humano tem a necessidade de ter um ser maior, que seja seu guia, seu exemplo, o PUNIDOR, que estabeleça regras, na qual ele ( pessoa ) tente seguir de forma a conseguir conviver de maneira harmônica, com seus semelhantes. Lamentavelmente, não creio que Cristo, este ser, como os cristãos creem ter existido, é fruto dessa inocente necessidade que a Humanidade tem, de seguir alguma coisa ou alguém.

    Thumb up 1
  116. …assim como vc aprendeu a ser ateista, nós outros aprendemos sobre como ter fé a partir de nós mesmos. Esta foi a lição deixada, o resto é méra especulação. Aliás vou iniciar esse ano em São Paulo um curso destinado às pessoas que não conseguem ou não quiseram aprender a ter Fé.Compareça! Você vai ficar sabendo através da mídia “Escola da Fé”

    Thumb up 0
  117. Acho fascinante a história de Jesus, mas quanto a sua existência tenho dúvidas, assim como toda a bíblia cheia de contradições.

    Thumb up 1
  118. Dois lados: Um acredita que Jesus, o filho de Deus existe, e o outro acredita que Jesus não existe, ou seja, são ateus.
    Se por acaso, as pessoas que creem no filho de Deus extiverem errada e Jesus nunca ter existido, o que elas perderiam com isso!? Vamos pensar: perderiam talvez algumas horas na semana ao se reunirem com os da mesma fé nas igrejas, ou quem sabe alguns minutos lendo a bíblia, livro que ensina como viver em harmonia com a comunidade e as vontades de Deus em nossas vidas. Ou deixar de consumir bebidas alcoolicas, cigarros, festas sensuais, etc. Essas horas perdidas poderiam ser usadas pra viver a vida que as pessoas não crentes vivem.

    E se as pessoas que não crerem no filho de Deus, ou seja, os ateus, o que eles poderiam perder se realmente Jesus tiver existido e ressulcitado ao terceiro dia!? Segundo a bíblia, essas pessoas que não acreditarem no filho de Deus, não serão salvas, deixando de viver a eternidade ao lado do Pai e SENHOR Jesus Cristo.

    Pensando nessas duas hipóteses qual delas vcs escolheriam? Que riscos vocês prefeririam correr? Acreditar no filho de Deus é o mínimo, difícil é viver conforme os Seus ensinamentos. Por exemplo: Quem amaria o seu inimigo? Hoje em dia pessoas morrem por motivos banais. No carnaval pessoas levam socos, pauladas, simplesmente por pisarem no pé de alguém.

    Eu sou Cristão e acredito em Deus e em seu filho Jesus. Não sou fanático e respeito a opinião e escolha de cada um. Porém, inevitavelmente todos terão que responder por suas escolhas feitas. Eu as minhas, e vocês as suas.

    Quanto a ciência, difícil criar uma verdade em cima dela, pois a todo momento uma nova descoberta é feita, anulando em muitas vezes a verdade que existia anteriormente.

    Que Deus abençõe a todos, e lembre-se, todos nós temos o livre arbítrio de fazer escolhas, o próprio Deus que vocês negam existir afirmou isso. Abraços.

    Thumb up 2
  119. Mas não sabe nem o português direito, vai querer escrever sobre algo que ninguém no mundo pode provar.
    Jesus é para quem tem fé, não para quem se apoia em coisas materiais.
    Independente das provas concretas de sua existência, JESUS MUDOU MINHA VIDA e restaurou a vida de multidões e vai continuar assim, pq céus e terra passarão, mas sua verdade (palavra) permanecerá. É com isso, com a fé que os céticos não conseguem conviver, por que não tem, não conhecem.
    Não conheço ninguém que seja feliz sendo descrente. Mas os crentes em JESUS vivem em constante alegria.

    Thumb up 0
  120. Jesus é reconhecido como o governante da Caxemira antes de voltar para a sua terra para pregar as Boas Novas. Se eles parassem de buscar essas evidências religiosas e se focassem nos documentos oficiais dos governos de sua época por onde ele passou e viveu, com certeza iriam comprovar sua existência.

    Thumb up 0
  121. Aproveite esse “tempo de vida que lhe resta” e comece a rever alguns conceitos, principalmente sobre a aposta de Pascal, pois se Deus existir, as consequências para você serão terríveis. Pense nisso, pense logicamente, pense com o coração.

    Thumb up 0
  122. E é claro que a ciência jamais conseguirá provar por meios materiais a existência de Jesus. Porque, Jesus ressucitou, não ficando nenhum vestígio dele aqui na terra. Como já disse anteriormente, a ciência só consegue provar coisas materiais. No que diz respeito a coisas espirituais, a ciência perde seu sentido. As relíquias que existem, são meras falsificações para sustentar uma religião de seguidores céticos que só acreditam naquilo que vêem. Repetindo o que disse anteriormente, a Bíblia nos diz: ” Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade. ”
    E Jesus tamém disse: ” Bem aventurados aqueles que não viram e creram. ”
    E Jesus disse isso porque um de seus dicípulos era um desses que só acreditam naquilo que vêem. Tomé era esse dicipulo, que só creu que Jesus havia ressucitado depois de ter tocado nas feridas de Jesus.
    E olha que hoje em dia exite uma tal relíquia por aí que dizem ser o dedo de Tomé, outra relíquia fabricada, para os Tomés do século 21 verem e crerem.
    É claro que não necessitamos de nenhuma relíquia para crer, pois, assim como Jesus mesmo disse ” Bem aventurados os que não viram e creram. ”
    A ciência, na verdade, é um Tomé tentando inutilmente provar a existência de Deus e que Jesus esteve aqui na terra.
    Não seja Tomé, mas creia em Deus, creia em Jesus Cristo.
    “QUEM CRÊ SERÁ SALVO, MAS QUEM NÃO CRÊ JÁ ESTÁ CONDENADO.”

    Thumb up 0
  123. Gente,acredito que realmente existiu Jesus da mesma forma,que hoje eu existo.Com relação aos milagres realizados,me coloco na parede,pois,me oriente o motivo pelo qual só se fala das curas e transformações,mais e aqueles que receberam as citadas beçãos,exemplo o aleijado,por qual motivo quem foi fazendo as escrituras,tambem,não deu enfaze e fez escritas desse citado milagre,dando o nome,familia,e,relatando como foi a vida desse cidadão,apos o citado milagre.Ele se transformou em apostolo,virou mercador,ou deram sumiço nele,da mesma forma que queriam dar a Jesus,que no final foi o que aconteceu.Todos nós sabemos que todo livro reescrito pela mão do homem nem sempre bate com o original,e vai se tornando uma história fantasiosa.Note-se que só se fala das angustias e sofrimentos de Jesus,bem dizer,pelo pouco que eu sei,da traição de Judas em diante,o que sabemos de completo e exato da vida dos pais de Jesus,A ta ele carpinteiro e ela dona de casa que foi abençoada.Jesus tinha algum irmão,ou como ele convivia com todos os seus parentes.Jesus como homem na terra teve vida ativa ou só viveu para pregar a palavra de Deus,que segundo era seu pai.Porque alguns da propria igreja,fizeram o que fizeram com ele.Por inveja,por medo de perder o poder para alguem que não era nobre,me desculpe o comentario mais nota-se que a igreja naqueles tempos seguia o exemplo de nossos politicos de hoje:Quero o poder,o poder é meu,e,daqui ninguem me tira, e,não digam que não pois a igreja arrecadava igual aos politicos.Nota-se tambem outra coisa muito importante que ninguem quer declarar ou muito pouco se declara,que muitas dessas descorbertas saõ e foram financiadas pela propria igreja mais ela nunca aparece.Emfim,na minha OPINIÃO,Jesus foi um homem como outro qualquer,teve infância,juventude,e,maturidade,mais nada disso é comentado ou não se deixa comentar.Poxa o cara foi bom,segundo relatos deu alegrias com suas palavras,e,nos da alegria e fé ate hoje,nos dias de hoje,mesmo observando que em nosso tempo,que é o de agora,e tanta igreja,tanto templo,que voce fica perdido,desorientado.Seria muitissimo bom que algum historiador,pesquisador,que seja isento e,que seja neutro,relata-se,fizesse um livro, se não toda a verdade,pelo menos mais da metade dela,do nascimento,vida e morte de Jesus,sem fantasias sem muitas mentiras,e,que esse mesmo livro fosse motivo de debates.Sera que alguem vai se opor,sera que vai aparecer alguem sendo contra.Estou fazendo esse relato pelo pouco que li,e,pelo que voces escrevem e,como disse o mD.R acima são os dois lados da moeda,porque um só.OBRIGADO

    Thumb up 0
  124. Eu acho isso tudo maior bobeira. Quem acredita e é feliz assim, bem. E que não acredita e é feliz assim, bem também.
    Para que ficar com esses debates bobos e, em minha opinião, sem fundamento.
    Uma coisa eu digo, não creio na bíblia, pois, um telefone sem fio (antiga brincadeira de criança) em que uma informação é passada por pessoas que estão lado a lado e falam o mesmo idioma, essa informação já chega toda distorcida na última pessoa. Imagina a bíblia, pessoas diferentes, tempos diferentes, idiomas e escritas diferentes, culturas diferentes; creio que muita coisa ali foi fantasiado demais, talvez para demostrar de forma metafórica um acontecimento real, ou talvez para pôr medo nos cidadãos da época, enfim… Não sei o que fato porque simplesmente não existe prova de nada. Mas não venham dizer que não se pode provar que que Deus ou Jesus não existem, porque, me desculpem, esse é o argumento mais idiota que já ouvi.

    Thumb up 1
  125. Gostaria de saber imensamente, porque o pessoal quer saber tanto como era o rosto de Jesus! Seria para mais um motivo de adoração? mais uma “foto”, mais transformarem em imagem de adoração? para certas religiões ganharem mais dinheiro com a publicidade deste “rosto”? Já não chega os que temos? Que não foi nada disso que Deus pediu para fazer!

    Thumb up 0
  126. Se o site fosse somente “científico”….quem postas as matérias de religião então não sabe disso? O pessoal deveria avaliar melhor, se não gosta de religião/ciência, pois para mim, as duas tem que andar juntas. Então para estas pessoas, não leiam e não postem comentários infundados!

    Thumb up 6
    • É mesmo, Cristiano? Você atacou os espíritas em outras matérias, dizendo coisas horríveis sobre a doutrina e Chico Xavier. Agora vem aqui dizer isso? Então você não aceita comentários infundados? Me surpreende muito você dizendo isso.

      Thumb up 1
    • Arqueologia (do grego, « arqué », antigo ou poder, e « logos », discurso depois estudo, ciência): disciplina científica que estuda as culturas e os modos de vida do passado a partir da análise de vestígios materiais.

      Arqueologia bíblica: ramo da arqueologia especializado em estudos dos restos materiais relacionados direta ou indiretamente com os relatos bíblicos e com a história das religiões judaico-cristãs.

      Thumb up 6
    • Wikipédia – Ctrl C e Ctrl V! Facinho!

      Thumb up 6
    • KKKKK é mesmo, querida quando você copia tem que colocar a fonte sabia?

      Thumb up 2
  127. As escrituras parecem a mais forte evidência da passagem de um guia da humanidade, apesar da fama do sudário ser maior, ele pereceu no teste mais crucial.
    Relíquias falsas estão por todo o planeta e no cristianismo seriam exceção. Ossos de dragões, pedaços do muro de Berlin ou pedrinhas lunares, o que não falta é charlatanismo beneficiado da boa fé das pessoas. A ciência pode comprovar como 1+1 é 2 qualquer coisa mas quem acredita não vai deixar de acreditar.
    O que tornou Jesus imortal não foi uma intervenção magica do além, foram as pessoas, que sempre precisam de um herói, um salvador, se não existe, inventam, criam, ou tornam alguém um. Em sua maioria as pessoas adoram idolatrar alguém ou alguma coisa, ou algo que represente alguém ou alguma coisa. Deveras as legiões de fãs que um cantor famoso levanta, e é de fã que vem a palavra fanático.

    Thumb up 44
    • “Intervenção magica do além”???
      Cuidado amigo sério ainda há tempo de se arrepender, e crer, não fique preso na “Ciência”.
      Esse conhecimento humano e minimo comparado ao do criador, Deus.

      Thumb up 1
    • Já que teve a bondade de me aconselhar pelo que julga ser melhor pra mim, logo a intenção foi boa e merece retribuição. Desculpe minha posição, mas quem está preso a algo é você. Todo aquele que fecha seus horizontes a uma crença única e pré-estabelecida, está preso a algo que pode ser fruto de um engano milenar, uma convicção cega e de certeza absoluta sobre algo que pode não ser verdade. Eu não estou preso na ciência, eu abraço tudo e filtro, o valor da ciência, o valor da religião, o valor da espiritualidade e o valor da filosofia. Como amante da história, o caminho pelo qual conhecemos o passado, evidência alguma confirma a existência de nenhum ser mágico do passado, nem de Jesus, nem de Hércules nem de Deus, ou deuses, podem existir de fato, mas também podem não existir e eu não jogaria meu senso no lixo por pseudo-verdades. Por isso eu não seria tolo de pegar algo e dizer: “Essa é a verdade absoluta da minha vida”, desmerecendo o valor de todas as outras. A única certeza que tenho nessa vida sou eu mesmo, o meu pensamento e o meu nível intelectual que procuro melhorar a cada dia. Me prender a paradigma único seria fechar meus horizontes, algo que não quero. Portanto, não estou preso e não tenho nada do que me arrepender pois não fiz mal a ninguém, e acho que você está preso, ao paradigma religioso que não enxerga nada além disso, e você tem do que se arrepender, pois fechou seus horizontes, e fez mal a si mesmo.

      Thumb up 1
    • Jonatas,
      “Guias” na humanidade surgiram aos montes, não é privilégio de Jesus Cristo. Se ele existiu ou não, ainda não temos provas cabais, mas caso tenha pisado nesse planeta penso que foi apenas um revolucionário político, agitador de massas contra a ordem sócio-política instituída no seu tempo.
      Como “guias” e “mentores espirituais” também existiram (ou não?) Sidartha Galtama, Raimundo Irineu, Allan Kardec, Confúcio, Maomé, Edir Macedo, Inri Cristo, e milhares de outros por aí…

      Thumb up 1
    • Tem razão, mas por favor não coloque Inrrico Cristo e Edinheiro Macedo na mesma lista que sábios como Galtama e Confício…

      Thumb up 1
    • Jonatas, realmente, o teste de datação por Carbono 14 é a única grande anomalia no estudo do SUDÁRIO; já que os outros estudos científicos sempre comprovaram a sua autenticidade (exceto os do Dr. McCrone que há muito foram refutados).

      Mas podem ficar tranquilos que, provavelmente, a Igreja em breve vai liberar mais estudos e uma nova datação do SUDÁRIO; pois, muitos cientistas estão pressionando para um novo teste de datação devido às descobertas do Dr. Raymond Rogers estarem sendo confirmadas por outros pesquisadores:

      Os resultados do teste C14 estavam corretos sim, só que a amostra (por azar) foi retirada de um remendo no SUDÁRIO feito com fibras de algodão por freiras da Idade Média. E, justamente, dependendo da quantidade de algodão das amostras de cada laboratório, deu uma diferença menor ou maior de anos entre os três laboratórios; o que estava fora da margem de errro.

      Além disso, o Dr. Rogers (que também era um cético do SUDÁRIO) também demonstrou em 2005 que, ao contrário das amostras, não há mais presença de vanilina (um produto da decomposição da lignina) na maioria do SUDÁRIO. O que prova que o tecido tem de 1.300 a 3.000 anos de idade; já que, se fosse mais novo como indicado pela datação por Carbono 14, deveria apresentar restos de vanilina.

      Essa pesquisa do Dr. Rogers já foi comprovada por outros pesquisadores e, graças a ela, a comunidade científica está pedindo autorização ao Vaticano para mais um teste de C14 com técnicas mais modernas.

      Inclusive, o documentário que indiquei aqui do Discovery Channel (disponível no YouTube): “O MISTÉRIO DO SANTTO SUDÁRIO” e sua continuação “O SUDÁRIO DE TURIM” que fala sobre as principais pesquisas científicas e sobre polêmica em torno do teste de C14, tem uma entrevista com o próprio Dr. Ray Rogers logo antes dele falecer.

      Procurem também pelo artigo imparcial do químico e PhD em física Philip Ball sobre as pesquisas do Dr. Raymond Rogers e sobre o SUDÁRIO, publicado no site da NATURE, para ver que não estou querendo ludibriar ninguém aqui!

      Thumb up 2
    • A tal vanilina é um composto cristalino, usual para criação de aromas artificiais. Quimicamente não há nada de concreto que indique que sua ausência em um tecido é alguma prova ou sequer indicador de tempo. Quanto ao pedaço ser um fragmento renovado no século 14, parece meio óbvio demais que o único pedaço disponibilizado ao teste do Carbono tenha sido justamente esse.
      Mas de qualquer forma, se a igreja tivesse um pingo de consideração com a prática cientifica e com a veracidade dos fatos, bem como com a boa fé das pessoas que acreditam, disponibilizaria esse manto inteiro para testes minucioso com técnicas modernas. A verdade é como o Sol, e ocultar os fatos é como uma peneira em sua frente.
      Eu conheço técnicas de modelagem e restauração 3D usado em fósseis para recompôr uma visão tridimensional de espécimes. Sendo tal manto o próprio, com certeza daria pra fazer o mesmo. Seria legal.

      Thumb up 8
    • Jonatas, sobre a vanilina, eu não sou químico para saber se é possível ou não; o que eu sei é que os estudos do Dr. Ray Rogers (que é era um respeitado químico do Laboratório de Los Alamos; tendo publicado mais de 40 artigos com peer review sobre química) demonstraram isso. Eis um trecho do artigo da Wikipedia sobre o Suddário de Turim:

      “… Foram também efectuados testes químicos ao suddário por especialiistas das Universidades de Milão e da Califórnia. Os métodos utilizados foram a análise espectral e fotografia ultravioleta. Os resultados mostram que a porção amostrada para datação radiométrica é distinta do resto do teci