“Explosões de corrente elétrica” podem apagar fogo

Por , em 30.03.2011

Apesar da tecnologia de combate a incêndios ter avançado ao longo das últimas décadas (novas técnicas e novos instrumentos), fundamentalmente, ainda estamos apagando fogo à moda antiga: com uma mangueira de água.

Agora, pesquisadores americanos sugerem que os bombeiros poderiam extinguir as perigosas chamas não com um inibidor físico, mas com uma explosão de corrente elétrica.

Os cientistas descreveram um meio de suprimir ou extinguir o fogo sem alagar edifícios e gastar uma vasta quantidade de água. Graças à observação (que já tem 200 anos) de que cargas elétricas podem afetar a forma das chamas, os pesquisadores desenvolveram um “explosor” de onda elétrica que poderia ser a base de uma nova tecnologia de combate a incêndios.

O modelo desenvolvido envolve ligar um amplificador de 600 watts em uma espécie de “varinha” que direciona a corrente elétrica. Para testá-lo, os pesquisadores criaram uma chama aberta de 30 centímetros. De longe, a “varinha” foi capaz de apagar a chama inteiramente em todas as tentativas.

600 watts é aproximadamente o necessário para alimentar o som de um carro de gama alta, mas os pesquisadores acreditam que podem obter efeitos semelhantes com um décimo dessa potência. Isso significa que tais “explosores” poderiam ser carregados nas costas ou levados por bombeiros em casos de emergência.

O processo com o qual funciona a tecnologia parece simples, mas é na verdade muito complexo, e não muito bem compreendido (várias coisas diferentes acontecem ao mesmo tempo).

Porém, essencialmente, os pesquisadores afirmam que as partículas de carbono (fuligem) geradas durante a combustão (queima) são facilmente carregadas, e uma vez carregadas elas respondem a campos elétricos de forma estranha que afetam a estabilidade da chama. Se for possível afetar essa estabilidade por tempo o suficiente, a chama colapsa.

A nova tecnologia poderia permitir que os bombeiros abrissem caminhos em paredes de fogo, a fim de entrar em um prédio em chamas, ou abrir passagens de escape para as pessoas que estão no meio de um incêndio.

O dispositivo poderia até mesmo ser incorporado a pacotes de defesa dos prédios e instituições, poupando situações em que um edifício inteiro fica encharcado graças a um pequeno incêndio em um local isolado. [POPSCI]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

13 comentários

  • Fabrício Mendonça:

    Ironicamente a maioria dos incêndios são causados pela eletricidade, com essa descoberta a eletricidade será responsavél por causar e apagar os incêndios…

  • luciana:

    Caio, Caio, até parece que voce não gostou da môça

  • Gude:

    Caio, nem alteração tem, é só olhar a fonte, é só uma tradução, não tem trabalho jornalístico nenhum

  • Thúlio Moura:

    Eu acho que é verdade pq a mina é gata. suahasu zueira

    Mas que a invenção é initil é..imagina só:

    O bombero fala: Tem um cara no predio ainda em chamas, vamos apagar o fogo apra ele sair!

    Ai vai la o bombero de da uma descarga no cara hsuahsau.

  • Caio:

    Inveja?
    Eu apenas disse a verdade.
    Mas se vocês preferem acreditar nessa suposição tosca de vcs, fiquem a vontade…

  • Alter ego: Ignorante:

    Se inveja matasse, o Caio teria morrido a muito tempo.

  • ixe!!:

    Inveja mata, Caio.

  • Elyson:

    Inveja é realmente um mal, o cara não tem moral para postar noticias no hypescience, fica detonando em comentários e acho que ainda é torcedor do SPFW.

  • Fuentes:

    Caio queria ter feito jornalismo…

  • Richard Fontana:

    A combustão se dá não com partículas ou materiais sólidos, mas sim pelo excesso de calor gerado pela própria combustão em um processo contínuo, e que transforma em gases o material a ser consumido pela combustão, normalmente gerando gás carbônico e água.
    Um exemplo: a combustão de uma vela de parafina. O calor primeiro derrete a parafina que por processo calipar sobre pelo pavio e ao contatar a chama se transforma em gás e este ao queimar dá continuidade ao processo, até não mais se ter parafina para ser fundida e transformada em gás.
    Porém o conceito do processo descrito no texto do artigo está correto, pois os gases são perfeitamente ionizáveis e portanto uma descarga elétrica de certa intensidade irá alterar as condições do processo de combustão.

  • Joni:

    Aff Caio!
    Eu agradeço que exista pessoas coma a Natasha q pelo menos nos mantem informado, traduzindo as notícias de outros sites.
    O q vc esperava, a guria não pode criar noticias do nada.
    E como resultado do esforço dela, temos esse ótimo site!

    Obrigado Natasha!

  • Bruno Juncklaus:

    Mas que ela é gata é.

  • Caio:

    Alias, que inútil a descrição dessa moça, isso confirma que basta ser “jornalista” pra ser editor, mesmo não tendo interesse ou conhecimento cientifico, dai basta ver as noticias em outros sites, fazer umas alterações e pronto…

Deixe seu comentário!