Cozinhar foi o que nos tornou humanos, diz pesquisador

Por , em 3.01.2010

Richard Wrangham é professor de antropologia da Universidade de Harvard, estudou chimpanzés na Tanzânia e tem uma opinião única sobre o que fez com que os humanos se tornassem diferentes de todos os outros animais: a nossa habilidade de cozinhar. Segundo o pesquisador, a idéia surgiu como resposta à questão de quanto tempo os humanos teriam sobrevivido sem o fogo. “Parecia para mim que ninguém poderia sobreviver sem isso”, diz.

Em seu livro “Catching Fire” (sem edição em português), Wrangham demonstra como percebeu, enquanto vivia com chimpanzés, que um humano não teria conseguido viver com a mesma dieta de um destes animais, por exemplo. “Entre na floresta, encontre algumas frutas, e veja se você fica satisfeito”, questiona o autor. De acordo com ele, a grande dificuldade deste tipo de alimentação é que a densidade nutritiva é muito baixa. “Isto é problemático para os humanos porque temos o intestino pequeno, cerca de 60% do volume daquele dos grandes primatas”, explica. “Não temos intestino suficiente para manter alimentos de baixa qualidade no nosso corpo por tempo suficiente para digeri-lo”, diz.

» 10 mistérios sobre a evolução humana

Mudanças radicais

De acordo com o pesquisador, os corpos humanos passaram a mostrar adaptações há cerca de 1,9 milhões de anos atrás. Naquela época, nossos ancestrais eram semelhantes aos chimpanzés, mas começaram a andar em duas patas – o avanço das técnicas de cozinha levaram a um maior consumo energético. “A maximização do consumo de energia através do alimento permitiu que perdêssemos um terço do intestino e sofrêssemos uma enorme expansão do cérebro”, afirma Wrangham.

As estimativas quanto ao início da humanidade com as técnicas de cozimento dos alimentos são confusas: algumas apontam que elas iniciaram há um milhão de anos, enquanto outras afirmam que começaram há apenas 50 mil anos. De qualquer modo, o autor acredita que o processo levou a uma divisão do trabalho entre os homens e as mulheres, pois cozimento impõe um atraso entre o momento da coleta de comida e o momento da refeição, o que significa que outras pessoas poderiam roubar a comida.

» O homem moderno é um fracote

“Um modelo simples de relacionamento social teria um grupo de indivíduos dominantes – os machos – e um grupo subordinado – as mulheres – que cozinhariam protegidas pelos homens”, explica. Segundo o pesquisador, o padrão pode ser observado em muitas sociedades tribais – o que já o fez ser acusado de machismo. Quanto a esta acusação, o autor se defende explicando que esta é apenas uma descrição sobre o que supostamente acontecia há muito tempo. “As mulheres historicamente cozinham em todas as sociedades, exceto nas modernas e industriais, mas isso não significa que eu defenda este modelo e nem que acho que isso deva acontecer atualmente”, diz. [NewScientist]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 3,00 de 5)

15 comentários

  • maneca:

    É engraçado a quantidade de gente que insiste que o ser humano é de natureza vegetariana. Primeiro leiam muitos livros sobre o assunto, pesquisem várias fontes e depois proponham sua opinião. Os vegans, budistas, naturebas transcendentais, macrobióticos, comedores de luz e muitos outros chatos não estariam por aqui se não fosse a carne: alimento completo, de absurdo valor nutricional. Somos os sobreviventes de um grupo de comedores de carne, gordura e também de vegetais (somos onívoros, traçamos o que vier pela frente, oportunistas e altamente adaptáveis). A carne já foi essencial na vida humana e continua sendo… O problema é o consumo exagerado da carne e não a carne em si. Hoje sabemos que o principal de uma boa dieta não é em primeiro lugar o tipo de alimento , mas a sua quantidade calórica. Qualquer um pode ficar um obeso mórbido comendo apenas verduras, frutas e cereais. Todos reclamam da trangenia e dos defensivos agrícolas sem saber que não dá pra alimentar 6,5 bilhões de bocas com agricultura orgânica de fundo de quintal. Existe soja com gene animal, justamente pra modificar a proteína vegetal e imitar a proteína animal, que é muito mais nutritiva e metabolizável do que a vegetal (obs: tem muita trangenia sacana, excesso de pesticidas, máfia de indústria agroquímicas, sementes patenteadas e mil coisas do capitalismo maluco que envolvem a alimentação no mundo). Resumindo… gente!, carne é um excelente alimento, o problema é a quantidade e maneira que comemos, ela tem tudo a ver com nossa evolução sim e o cozimento foi primordial. Que me perdoem os comedores de sashimi, mas carne crua também é um problema de higiene e saúde (praticamente todo peixe tem um tipo de verme (seja nas vísceras, trato digestivo ou até na carne, ou seja, sashimi 😉
    ps: sou formado em biologia e trabalhei 7 anos com pesquisa de peixes e adoro bife à milanesa…

    Um abraço a todos.

    • Leonardo Braga Arnaud:

      Primeiro que o Sr. Biólogo jamais deixaria seu ego de lado, jogar toda sua graduação fora e se dar ao trabalho de pesquisar sobre a eficiência de uma dieta frugívora. Se quer teria audácia de pensar em fazer esta experiencia consigo.
      Segundo, qualquer otário pode vir aqui dizer que é biólogo e o escabau pra ganhar credibilidade. Atente, a muito tempo a ciencia está entrando em descrédito exatamente por basear seus ensinamentos em teorias não comprovadas, mas que beneficiam o consumo capitalista das farmácias e das necessidades imediatas e empacotadas.
      Terceiro, o próprio Sr. Biólogo afirma que carne crua faz mal. Ele também deve saber (espero que saiba) que nossos dentes não são de onívoros. Também não somos herbivoros, por que os mesmos comem o tempo todo. Nós somos muito mais “chimpanzés evoluidos” do que qualquer outra coisa. Experimente dar alimentos cozidos para animais e veja-os adoecerem rapidamente. Experimente dar salada e bananas para um cachorro, ou um pedaço de carne crua (ou mesmo assada e temperada) a um chimpanzé. Eles não vão comer. E se comerem certamente ficarão doentes.
      Resumindo, eu acredito em EVIDENCIAS, não em factóides da ciência corrupta que se aproveita de sua credibilidade para satisfazer seu ego e seu bolso. Depois ainda se perguntam por que tantas pessoas morrem de derrame, infarto, câncer e sofrem de doenças como pressão alta, constipação, vermes, má disgestão, azia, mal hálito.

    • lorenzo:

      Valor nutricional e não valor calórico.E quanto ao sashimi,não tem nada a ver isso que tu disse.Mas no geral concordo,sou carnívoro e não passo 1 dia sem carne (porque gosto e porque sou fisiculturista)

  • Rod:

    Clement, a verdade é que essas cautelas aquando de divergências, são utilizadas por professores, que têm que transmitir as possibilidades. No caso de um defensor da tese, ele vai afirmá-la, pura e simplesmente.

    agora… obesidade mórbida na pré-história? c’mon, man. keep it real.

  • Carlos:

    Gabriela, o que o texto diz é a respeito da evolução da espécie humana, sua constituição fisiológica e não como sociedade em si. Existem populações na Ocenia que nunca deixaram de ser nômades e nem por isso são diferentes dos outros humanos fisiologicamente.

    A agricultura potencializou inúmeras sociedades, mas o tamanho do intestino nada tem a ver com isso.

  • Clement:

    “A maximização do consumo de energia através do alimento permitiu que perdêssemos um terço do intestino e sofrêssemos uma enorme expansão do cérebro”, afirma Wrangham.
    Aqui fica claro quem não leu muito bem, este autor não sugere, como disse o Márcio, ele afirma, o que é muito forte e divergente da opinião da esmagadora maioria dos estudiosos sérios.

  • Marcio Luz Scheibel:

    LEndo os comentários dá a impressão de que várias pessoas não leram o artigo. Vocês estão confundindo a criatura “Ser Humano” que é o que o artigo se refere, como surgiu o bicho “ser humano” e não a me sentir mais humano (no sentido de bonzinho, ou social). Inclusive a primeira contribuição, da Gabriela, se refere à Sociedade Humana como conhecemos, nossa cultura e organização só veio quando criamos a agricultura e pudemos nos estabelecer, ela está certa. Mas o artigo se refere ao fato de que já éramos diferentes quando decidimos fazer isso (a agricultura), já éramos o “bicho humano”, e ele sugere que nosso diferencial cerebral pode ter tido origem com o cozimento dos alimentos (teoria que já li uns anos atrás não lembro aonde).

  • CLEMENT:

    Gostaria de entender mais do Billé:
    -Qual a vantagem de absorver 90% de alimentos mortos ao invés de 60% de alimentos vivos, sim porque a maioria das vitaminas, proteínas e ácidos graxos essenciais, que são a base da manutenção estrutural do organismo, são perdidos com a fervura.
    O que sobra com a fervura são mais carbohidratos, isto é, calorias, o que resulta em obesidade mórbida…

  • Billé:

    Deveras, a habilidade de usar o fogo deu vantagens ao ser humano.
    Com o alimento tratado ao fogo, pôde-se absorver até
    95% dos nutrientes, enquanto que se ingeridos in natura,
    a absorção é de no máximo 60%.

  • Ricardo:

    Gosto de cozinhar e a noite não faço isso mais, pois estou de Dieta. Não considero que cozinhar deixou-me mais humano, contudo o que se faz com prazer externina-se nas ações. Gosto de cuidar de plantas e cultivá-las, isso sim me fez tornar mais humano, pois grande é o coração de quem cuida delas.

  • jonas:

    Fico fascinado com esse tipo de estudo. Ir lá atrás milhares de anos e tentar entender por que somos o que somos é admirável.

    Vou atrás de mais informações e saber por que- por que meu Deus!- eu mal e mal sei ferver água. E não me peçam para colocar sal por daí só piora!

    Grandes abraços, parabéns pelo artigo está ótimo mesmo.

    Jonas

  • CLEMENT:

    “Não temos intestino suficiente para manter alimentos de baixa qualidade no nosso corpo por tempo suficiente para digeri-lo”
    Taí uma frase passível de muitas críticas, pois o maior responsável pela absorção e metabolização são as bactérias de nossas floras intestinais, que variam justamente a depender do tipo de alimento ingerido.
    O fato é que somos semelhantes aos herbívoros e durante milhões de anos fomos nos diferenciando dos outros animais, até que tivemos a necessidade de adotar o fogo, do qual efetivamente seu uso se deu a 50.000 anos, mas mesmo que supostamente tivesse ocorrido há 1 milhão de anos, não seria unicamente pelo aquecimento dos alimentos que facilitaria o desenvolvimento cerebral…
    Na realidade tem estudos mostrando o oposto: excesso de alimentos cozidos prejudica o desenvolmimento cerebral.
    E o que não dizer do fato de podermos jejuar, meditar e orar, faculdades estas que realmente alavancaram o desenvolvimento do ser humano, mas que definitivamente não dependeram da habilidade humana de cozinhar…

  • Bravo Neto:

    Eu penso que a inteligência está em primeiro plano e não a cozinha. Os humanos são uma espécie totalmente diferente das outras em quase tudo.

  • Rod:

    Ah, sim Gabriela. A tua opinião vale muito mais do que a de um renomado antropólogo. para todos efeitos, a questão nómada, é algo presente em muitas culturas.

  • Gabriela:

    Eu discordo, acho que o que nos tornou humanos foi a agricultura.. Pois só assim pudemos deixar de ser nômades, criar vilarejos e etc… Manejando a agricultura e depois a pecuária.
    Tudo num lugar só.

Deixe seu comentário!