A era do Coração Artificial chegou

Por , em 31.05.2010

Agora é real. Depois de mais de uma década de testes, experimentos e pesquisas com animais, pela primeira vez teve alta do hospital, no último dia 3, o portador de um coração totalmente artificial. O feliz proprietário é Charles Okeke, um americano de 43 anos que vive em Phoenix, no Arizona. Com esse aparelho, ele pode esperar sem riscos até que apareça um doador para transplante (sim, o objetivo continua sendo conseguir um coração de verdade), mas viverá noramlmente (ou quase) com uma máquina fazendo as vezes de coração.

Na verdade, este não foi o primeiro coração artificial desenvolvido, 850 pessoas pelo mundo já o usaram desde 2004 (20% das quais não sobreviveram), quando surgiu o primeiro. A diferença é que todos pacientes anteriores tiveram que permanecer no hospital enquanto estivessem usando o coração artificial e esperando por transplante. Charles Okeke pôde ir para casa. O motivo é a portabilidade.

Quando o coração artificial surgiu, há seis anos, era do tamanho de um fogão a gás. A máquina ficava postada ao lado da cama do paciente, que, apesar de ter as funções vitais normais, não tinha uma vida normal, pois estava preso ao aparelho. Agora, a máquina que controla o coração artificial é do tamanho de uma mochila, e é realmente usado como uma. Charles Okeke estava hospitalizado há dois anos, e é esse o tempo médio de espera para um transpalnte cardíaco.

Como todo procedimento recém-desenvolvido, o coração artificial ainda apresenta riscos. Um dos principais é o risco de infecção em algum momento da operação que coloca os batimentos cardíacos do paciente a cargo da máquina. Também pode haver coágulos em algum ponto do trajeto, mas os cientistas conseguiram minimizar esse risco a quase zero.

Quem “ganha” um coração artificial é porque realmente não pode viver sem: precisa de um substitudo para ambos os ventrículos (direito e esquerdo) que não podem mais funcionar. Mas existem outras máquinas, menores, mais baratas (o custo de um coração artificial fica entre 100 mil e 300 mil dólares) e mais práticas para quem não está com o coração completamente inutilizado. Algumas auxiliam apenas uma parte do processo de bombear sangue. [New Scientist]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

9 comentários

  • Manuel:

    Muito bom. Eu tenho 34 anos e estou a espera de transplante cardiaco… espero em breve ser transplantado e daqui a uns 15 anos implantar um coração artificial e viver mais uns 15 anos… era optimo, assim podia acompanhar o crescimento da minha filha de 4 anos.

  • adrielle:

    muito boa a notícia!principalmente para quem sofre .

  • Bruna:

    Muito boa a notícia! principalmente para quem sofre esperando por um transplante nas filas…

    Mas uma coisa que eu gostaria de saber é:
    Seria possível desenvolver órgãos a partir de células-tronco???

  • Nei:

    Cara, na boa, sai muito mais barato apenas morrer.

  • Vítor:

    E mesmo que seja realidade para cobaias e ricos, todas as tecnologias que vemos nesse mundo normalmente tendem a começar caras e distantes e vão barateando para tornarem-se algo mais comum.
    Mesmo que por hora ainda seja algo distante do mundo inteiro, não vejo motivos para não achar a notício algo legal.

  • Arlon:

    Maravilhas Modernas…
    graças aos nossos ciêntistas Ateus!

  • Cesar:

    Apelando para a justiça, pode receber um coração destes pelo SUS. Só não recebe um coração artificial quem fala mal da tecnologia e acha que é tudo coisa do capeta ou dos cientistas ateus.

  • tripé:

    Faz lembrar os filmes crank.

  • Z3hr0_c00l:

    Realidade para as cobaias ou gente rica.

Deixe seu comentário!