Pesquisa descobre ligação entre alimentos ultraprocessados e câncer

Por , em 20.02.2018

Alimentos ultraprocessados não são exatamente conhecidos por seus benefícios para a saúde, mas agora um novo estudo apresenta um dado alarmante sobre este tipo de comida: pesquisadores descobriram que as pessoas que comem mais alimentos ultraprocessados correm maior risco de câncer.

5 coisas que são quase tão mortais quanto fumar

A maioria dos alimentos é processada até certo ponto, mas os alimentos ultraprocessados contêm muito mais calorias, sódio e açúcar. Pesquisas já mostraram que as pessoas que comem alimentos ultraprocessados ​​tendem a ser mais obesas ou ter excesso de peso, além de ser mais propensos a ter problemas de coração e circulação ou diabetes. Comer muita carne processada, como salsichas, também já foi associado a um risco aumentado de câncer colorretal.

Na nova pesquisa, especialistas analisaram registros dietéticos de 24 horas de quase 105 mil adultos na França. Os indivíduos registraram o que comeram em uma lista de 3.300 itens alimentares categorizados pela forma como eles são processados, usando um sistema chamado NOVA.

Os cientistas descobriram que um aumento de 10% na proporção de alimentos ultraprocessados ​​na dieta está associado a um aumento significativo de mais de 10% nos riscos de câncer em geral.

É bom salientar que o estudo estava procurando apenas uma correlação, não uma causalidade. Os pesquisadores não descobriram que certos alimentos causam câncer, necessariamente.

“Gorduras e molhos, produtos açucarados e bebidas ultra-processados foram associados com um risco aumentado de câncer em geral”, diz o estudo. As pessoas que costumam comer mais alimentos ultraprocessados ​​também tendiam a fumar mais e se exercitar menos, mas os autores controlaram essas questões e ainda assim encontraram o elevado risco de câncer.

Incríveis 40% dos cânceres são evitáveis desta simples maneira

“A força dos resultados foi bastante surpreendente. Eles estavam fortemente associados, e fizemos muitas análises sensíveis e ajustamos as descobertas para muitos co-fatores, e ainda assim, os resultados aqui foram bastante preocupantes”, diz a co-autora Mathilde Touvier em uma matéria da rede americana CNN.

Cautela

Alguns especialistas afirmam que os resultados precisam ser levados em conta, mas também ser aprofundados para serem usados na prática.

“O que as pessoas comem é uma expressão de seu estilo de vida em geral e pode não estar causalmente ligado ao risco de câncer”, diz na matéria Tom Sanders, diretor científico da British Nutrition Foundation e professor emérito no King’s College de Londres. Sanders, que não estava envolvido no estudo, adverte que a abordagem de categorizar os padrões alimentares que dependem de alimentos processados ​​industrialmente em relação ao risco de doença é nova, mas provavelmente precisa de refinamento antes que possa ser traduzida em conselhos práticos de dieta”.

Marji McCullough, diretor estratégico de epidemiologia nutricional da American Cancer Society, sugere cautela sobre a interpretação do que é responsável pelo risco de câncer associado a alimentos ultraprocessados. “Este estudo não significa que as pessoas devem pensar ‘se eu comer este biscoito, eu vou ter câncer’. A mensagem primordial deste estudo foi na verdade observar um padrão de dieta geral, em vez de um ingrediente específico, e ele suporta muito do que já sabemos”.

Este tratamento fantástico contra o câncer foi aprovado nos EUA mas custa R$ 1,5 milhão

Por exemplo, ela disse que as pessoas que comem alimentos mais altamente processados ​​provavelmente estão comendo menos alimentos saudáveis, que podem ajudar a prevenir o câncer. Nutricionistas recomendam uma dieta rica em grãos integrais, frutas e legumes inteiros em vez de alimentos com pouco valor nutricional.

Touvier também observou que é um estudo observacional, o que significa que os cientistas não sabem o que exatamente está causando o aumento do risco de câncer, mas seu grupo no Sorbonne Paris Cité Epidemiology and Statistics Research Center planeja observar melhor essa conexão. “O desafio agora é separar os diferentes alimentos e entender esse relacionamento para ver o que especificamente tem esse efeito”.

Estudos em animais mostraram que alguns aditivos colocados nestes alimentos são os candidatos mais fortes por serem cancerígenos, diz Touvier, “mas precisaria ser visto se eles também são cancerígenos na população humana”, completa. Touvier adverte que as pessoas não sejam “muito alarmistas” sobre essa pesquisa. Uma dieta equilibrada e diversificada deve ser considerada uma das prioridades de saúde pública mais importantes, recomendam os autores. “Coma comida real e tente limitar itens ultra processados”, diz Touvier. “Pelo menos até que saibamos mais”. [CNN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (12 votos, média: 4,58 de 5)

Deixe seu comentário!