Estudo descobre que amizades durante a adolescência que duram até a vida adulta podem ser benéficas

Por , em 29.08.2017

Um novo estudo sugere que os laços da adolescência podem ter um papel extraordinário na saúde mental de uma pessoa por anos. “As descobertas estão nos dando algumas boas evidências para a importância das amizades adolescentes, não apenas de curto prazo, mas até a idade adulta”, diz Catherine Bagwell, psicóloga do Oxford College da Universidade Emory, nos EUA, que não esteve envolvida na pesquisa. “Nós não tivemos muitas conclusões robustas e rigorosas como esta”.

10 fatos que os pais devem saber sobre o cérebro dos adolescentes

Os pesquisadores acompanharam 169 pessoas por 10 anos, começando quando elas tinham 15 anos de idade. Com 15 anos e novamente aos 16, os participantes foram convidados a trazer seus amigos mais próximos para entrevistas individuais com os pesquisadores.

“Eles foram perguntados sobre quanta confiança existia, quão boa era a comunicação e quão alienados eles se sentiam no relacionamento”, diz Rachel Narr, autora principal do estudo e doutora em psicologia na Universidade da Virgínia, também nos EUA. Todos os anos, os participantes originais também receberam questionários para avaliar seus níveis de ansiedade, depressão e auto-estima.

Benefícios na idade adulta

Narr diz que quando assistiu a vídeos feitos nos primeiros anos do estudo dos adolescentes pedindo aos seus melhores amigos conselhos ou apoio ou quando passavam por uma desavença, era fácil saber quais relacionamentos eram fortes. “Esses adolescentes tendem a estar abertos uns com os outros sobre temas difíceis, e eles estão mais envolvidos uns com os outros e ajudando a outra pessoa e se conectando com a outra pessoa”, diz ela.

Esses relacionamentos fortes estão pagando dividendos na idade adulta, descobriu o estudo. Quando os pesquisadores avaliaram os participantes na conclusão do estudo, aqueles que tiveram vínculos próximos e emocionais mostraram melhora nos níveis de ansiedade, depressão e auto-estima. Em outras palavras, eles relataram menos depressão e ansiedade e mais auto-estima aos 25 anos do que quando tinham 15 e 16.

“Me surpreendeu o quanto eles estavam melhores”, diz Narr. Enquanto os pesquisadores acreditam que há mais coisas que impulsionam a queda nos sintomas depressivos do que apenas as amizades, eles estão confiantes de que os relacionamentos fortes desempenham um papel significativo.

Como manipular a rebeldia adolescente para o bem

Aqueles que tiveram relacionamentos mais estáveis ​​- que trouxeram o mesmo melhor amigo ao estudo aos 15 e novamente aos 16 anos – pareciam estar melhores, diz Narr. Os participantes que não apresentaram o mesmo tipo de proximidade com seus amigos não mostraram muita mudança nos sintomas de depressão e ansiedade ou em seu senso de auto-estima nos 10 anos do estudo.

Proteção contra insultos

Narr e seus colegas também analisaram o quão populares ou bem-quistos os participantes eram aos 15 ou 16 anos para ver se esses fatores tinham mais a ver com a queda na depressão e aumento da auto-estima do que ter amigos íntimos, mas os pesquisadores só viram uma correlação com fortes amizades.

É difícil saber exatamente o que acontece, mas Bagwell diz que os psicólogos têm algumas boas ideias. Uma delas é que o apoio inabalável age como um tipo de proteção contra insultos para sua auto-estima ou sentimento de depressão. Isso pode ser especialmente benéfico durante a adolescência, um período formativo quando o feedback dos pares tem importância extra, acrescenta Narr.

Essas amizades também podem ajudar com o desenvolvimento emocional das pessoas. Os relacionamentos entre adolescentes podem ajudar as pessoas a aprender certas habilidades sociais e emocionais que as beneficiam para toda a vida, diz Brett Laursen, psicólogo da Florida Atlantic University. Como Bagwell, porém, ele é rápido em apontar a advertência de que a ciência não identificou o mecanismo exato.

Amizades ajudam em qualquer momento

“A maior parte disso é puramente especulativa”, diz ele. Em seu próprio trabalho, Laursen descobriu que as pessoas com amizades adolescentes estavam mais felizes quando tinham quase 50 anos em comparação com as que não tinham amigos quando eram adolescentes.

Amigos são realmente família, de acordo com estudo genético

Bagwell levanta o elemento do tempo. Pela primeira vez em suas vidas, os adolescentes conseguem formar laços profundos com seus pares, diz ela. “É o tipo de relacionamento com o qual os adolescentes estão preparados em termos de desenvolvimento”. É a primeira oportunidade para que as pessoas aprendam a ser confiantes e vulneráveis ​​com outra pessoa, e usar essas habilidades para estabelecer relações mais próximas e estáveis ​​ao longo da vida também pode ser benéfico.

“Essas amizades são os blocos de construção de relacionamentos românticos favoráveis ​​e positivos”, diz Bagwell, observando que outros relacionamentos – como amizades íntimas ou parceiros românticos mais tarde na vida – poderiam servir para o mesmo propósito. “Isso não significa que alguém sem uma amizade íntima na adolescência esteja condenado”, pondera. [NPR]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (7 votos, média: 4,57 de 5)

Deixe seu comentário!