Animal microscópico é mais resistente que super-heróis

Por , em 21.08.2012

O primeiro ser vivo a visitar o espaço não foi um cosmonauta, e sim um cachorro. Laika, uma Husky Siberiana, partiu para orbitar a Terra a bordo do Sputnik II, nave soviética lançada em 1957. Apesar de ter falecido na aventura, a cadela mostrou que os seres vivos podiam, sim, aguentar os efeitos da microgravidade.

A pioneira Laika, no entanto, ficou protegida na cápsula espacial. Os cientistas sempre assumiram que seria impossível um animal sobreviver exposto diretamente ao espaço. Essa façanha seria obtida apenas 50 anos depois da aventura de Laika, por um bichinho do qual nem todo mundo ouviu falar: a Tardigrada.

Na última segunda-feira, a Nasa mandou uma colônia deste pequeno animalzinho para fora do planeta, afim de estudar como um organismo pode manter a vida sob tais condições adversas.

“O animal mais resistente do mundo”

Este invejável título informal foi atribuído a Tardigrada não por acaso: também chamado de “urso d’água”, o bicho semelhante a um artrópode, cujo tamanho varia entre 0,3 e 0,5 milímetros, é pródigo em se adaptar a ambientes desfavoráveis.

A Tradigrada suporta temperaturas superiores a 150° C e inferiores a 200° C negativos, pressão equivalente a 6.000 mil vezes a atmosfera terrestre ou o vácuo absoluto, e radiação até mil vezes superior do que um ser humano pode receber.

Na Terra, a Tardigrada habita qualquer ambiente úmido em diferentes graus, desde o fundo dos mares tropicais até a neve no topo das geladas cordilheiras, a mais de 5.000 metros de altura. Havendo umidade, o animalzinho se adapta com facilidade ao ambiente. Não havendo, tem a capacidade de praticamente desligar seus processos biológicos, num estado de semimorte, mas sobrevive.

E este dispositivo é acionado quando a Tardigrada é exposta ao espaço. O metabolismo cai a 0,01% da sua intensidade original e a taxa de água no corpo é diminuída em cem vezes. Para sobreviver, ela se desidrata quase completamente. Em 2007, uma colônia de Tardigradas foi exposta ao espaço por dez dias, e todas voltaram vivas para contar a história: um marco.

A nova missão

O sucesso da sobrevivência das Tardigradas em 2007, em missão coordenada pela Agência Espacial Europeia, empolgou os cientistas.

Desta vez, é a Nasa que vai levar os “ursos d’água” para um passeio a bordo da nave Endeavour, que voou pela última vez em 2011.

Em sete diferentes experimentos, os pesquisadores pretendem testar a adaptabilidade biológica das Tardigradas no espaço, e descobrir mais precisamente quais são os processos celulares e moleculares envolvidos nas mudanças que o animal sofre para não morrer.

Embora elas tenham passado apenas dez dias no espaço na missão de 2007, cientistas calculam que uma Tardigrada poderia sobreviver durante anos sob os rigores de temperatura, pressão e vácuo total que o espaço oferece. Seria vital, portanto, entender como isso é possível. [BBC/UOL/Ciência Hoje]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 5,00 de 5)

12 comentários

  • Rafa Librenz:

    “6.000 mil vezes”

  • luciano santos:

    Este e o bichinho de estimação do chuck norris.

  • Andre Luis:

    Tamanho não significa muita coisa para as tardigradas! Talvez elas mesmo sejam abundantes no Universo, ou algo similar.

  • Yuri Herdt:

    Poxa… mas eles não explicaram direito… esses bichinhos viveram no espaço no estado de dormencia(aonde parecem mortos, estado em que têm maior resistência as adversidades) ou no estado normal?

    Eles comem o que? Vegetais? Será que vão mandar comida pros bichinhos ficarem 1 ano vivos?

  • Tiago Vieira Gomes:

    Bichinhos pioneiros!

  • Jonatas:

    Fazem o Hulk e o Coisa parecerem “maricas”. 🙂
    O mais incrível é que é um organismo complexo de simetria bilateral, com células, e não uma bactéria capaz de sobreviver até a um acesso de fúria de Chuck Norris…
    as tardigadas formam o Filo Tardigada, de pequenos animais segmentados, taxonomicamente, e estão relacionadas com o filo atrophoda (insetos, aracnídeos, crustáceos…), esses dois filos pertencem ao mesmo domínio.
    O que tenho em dúvida agora é porque razão a vida forma organismos capazes de sobreviver a condições mais duras que aquelas que o ambiente terrestre oferece – as tardigadas são estremófilos mas as encontramos em lugares em que não precisam dessas habilidades evolutivas. Uma das explicações seria o fato de terem se originado em ambientes mais extremos, no passado da Terra, por exemplo.
    Vai ver ela veio de Marte a bordo de um meteoro, ou foi pra lá no mesmo procedimento. 🙂 Mas o fato é que sobreviver aos ambientes extremos e mesmo a temporadas no espaço não é mais nenhum tabu, nem para as bactérias e nem para organismos complexos ressuscitáveis.
    Pra mim, nem mariciana, nem terráquea, nem extradimensional, a vida é um fenômeno cósmico, e sua evolução se dá em muitas casas, a Terra é só uma delas.

    • Danilo Moço:

      Jonatas,a teoria de que a vida na Terra veio do espaço,ganhou ainda mais força com uma descoberta,foi encontrado nos EUA se não me engano foi no estado do Novo México em uma caverna.Encontraram cristais de sal depois de recolherem amostras encontram bactérias nas amostras e para surpreza deles elas estavam vivas lá por + ou – 250 milhões de anos elas permaneceram adormecidas dentro do cristal todo esse tempo.É que elas “guardaram´´ seu DNA em uma casca de proteína muito resistente assim paralizaram toda suas funções metabólicas e se desidrataram,quando o ambiente delas se tornou mais propício elas despertaram passaram á exercer novamente sus funções,essa é uma prova de que esses organismos podem viajar pelo universo já que foram encontrados cristais de sal em alguns meteoritos!!

    • Jonatas:

      Panspermia 🙂

    • Danilo Moço:

      Jonatas,a teoria da vida extraterrestre ganhou ainda mais força,devido á uma descoberta,foram encontrados nos EUA se não me engano foi no estado do Novo México,os cientistas pegaram algumas amostras de cristais de sal,fizeram análizes sobre o material em encontraram bactérias e para a surpreza deles elas estavam vivas lá por +ou- 250 milhões de anos.elas empoacotaram DNA delas tranformando em uma casca muito resistente de proteína e isso fez com que ela paralizassem as funções metabólicas e depois se desitratavam pemanecendo assim adormecidas,até que o ambiemte se torne propício para elas executarem novamente suas funções.Aí nós podemos pensar se um organismo super resistente pode permancer vivas durante todo esse tempo a vida na Terra poderia não ter surgido da própria mas poderia ser de origem extraterrestre já que foram encontrados cristais de sal em alguns meteoritos!!

    • Murilo Mazzolo:

      Jonatas,
      Se essa animal suporta tão bem as condições espaciais, isso reforça a ideia da existência de animais extraterrestres pelo Universo e aumenta as chances de ter existido ou anda existir vida com as mesmas características até mesmo no nosso Sistema Solar não é? Talvez vida inteligente ainda seja mais difícil… mas também há chances em!!! O que você acha cara?

    • Jonatas:

      Bom, uma das coisas mais comuns que meus amigos colocam em pauta nesse assunto é sobre formas de vida inorgânica, e que a vida poderia ter desenvolvido-se sob outras condições ambientais em outros mundos, usando outros elementos e outros blocos de construção.
      Qual a probabilidade disso? indefinida, o Universo é indescritivelmente vasto e rico em possibilidades, sempre nos surpreende, portanto nós não podemos descarta-la. 🙂
      Mas tem características da química orgânica e da água que torna a vida como a conhecemos um alvo mais certo a procurar, sobretudo porque é o único modelo que conhecemos de certeza que deu certo. As outras razões são naturais:
      1 – O Carbono é um elemento especial, e seria difícil enumerar aqui todas as características que o tornam um pontinho precioso na Tabela Periódica. O principal são os atributos, a capacidade de formar cadeias e ligações estáveis entre átomos do próprio elemento e com outros elementos, o que possibilita um universo de reações químicas cada vez mais complexas.
      2 – A água é um solvente excepcional: alguns modelos de fluídos da vida já apontaram o Metano e outros hidrocarbonetos líquidos, assim como amônia, água-amoníaca, etc. Mas eles não se comparam as propriedades da água como solventes, o que dificulta as reações químicas. Um exemplo que vi num documentário foi colocar uma bolachinha salgada num copo de água e outra num copo de metano líquido: a da água se desmanchou, e a do Metano não deixou nem de ser crocante. 🙂

      Quando esses paradigmas são mostrados, a impressão passada é de restrição, de que a vida cósmica está condicionada a propriedades específicas e portanto é mais rara. Mas é uma impressão errada:
      1 – O Carbono é um elemento terciário na nucleossíntese estelar, depois da fusão H em He, as estrelas típicas viram gigantes vermelhas e passam a transformar He em C. Depois do Hidrogênio e do Hélio, Carbono, Oxigênio e Nitrogênio dividem uma relativa terceira posição entre os elementos mais abundantes do Universo.
      2 – Acima, já podemos concluir que água, que combina H e O, é uma substância simples e abundante, que pode ser encontrada em todo o cosmo, bem como a química orgânica, que já achamos até em Plutão – sem mentira: todo planeta e lua do sistema solar tem água e carbono, seja muito, pouco, ou em algum estado diferente, nossa única vantagem é estar líquida a temperatura e pressão ambiente. Nos achamos privilegiados por nossos oceanos, mas toda a nossa massa de água mal chega a 1% da presença substancial dela em outros mundos, como Netuno. Até um planeta anão tem mais água que a terra – em sua constituição rochosa-gelada.

      Em minha humilde visão, não descarto a possibilidade de vidas exóticas e inorgânicas no cosmos, e claro: a vida orgânica encontrará formas e elementos diferentes, e poderá ser a nossos olhos tão exótica quanto a inorgânica. Mas considero, mesmo havendo formas de vida inorgânicas, as orgânicas e aquíferas ainda serão, provavelmente, as mais abundantes, pelos requisitos de riqueza de elementos.
      🙂

    • Murilo Mazzolo:

      Muito legal a resposta cara! Bem descrito mesmo!
      Essa de haver água em todos as Luas e Planetas do Sistema Solar, eu sabia em partes, achava que era a maioria só.
      Mas que a Terra tem esse 1% comparando em outros mundos foi muito bom em descobrir em!!! Sem contar as inúmeras Galáxias e outros Sistemas Solares nelas, com planetas e Luas, pra mim é certeza que exista alguma forma de vida Alienígena Inorgânica ou Orgânica mesmo!

Deixe seu comentário!