Como aplicar o método científico no seu cotidiano

Por , em 21.04.2014

Como bem disse Carl Sagan: “a ciência não é simplesmente um depósito de conhecimento, é, antes de tudo, uma forma de pensar — uma maneira de ceticamente interrogar o universo”.

Quando me advirto disso, percebo a importância do pensamento científico na minha prática diária, interferindo significativamente na minha relação com as pessoas e com os eventos corriqueiros.

Recordando que essa “forma de pensar” está fundamentada na metodologia científica, cujo rigor tem proporcionado ao longo dos séculos uma separação formal entre o joio da crendice e da superstição — e principalmente da fraude — do legítimo trigo do conhecimento.

Esse mesmo trigo imaterial do qual se prepara o pão tecnológico que tem alimentado a evolução material da sociedade ao longo desses mesmos séculos.

Longe de ser perfeita, a ciência como ferramenta humana carece de aperfeiçoamento e também do amparo de outras criações humanas, tais como a ética, por exemplo, que desempenha um papel essencial tanto da gestão da ciência, quanto na delimitação de seus domínios e na consecução de seu real papel social e humano.

Mesmo com todas as suas falhas e limitações a ciência é valiosa e indispensável, frente à obviedade de que é imprescindível o conhecimento científico e tecnológico para se dar conta das grandes questões materiais que envolvem a existência humana e seu equilíbrio na história da Terra e do Universo.

Atualmente o ser humano possui tecnologia bélica suficiente para extinguir completamente a vida em nosso planeta.

 

O mau uso dos avanços tecnológicos ditos pacíficos tem proporcionado impactos sociais e ambientais negativos que colocam em xeque, mais uma vez, a existência da própria vida.

A má delimitação da adequação da pesquisa científica aos parâmetros do bom senso e do que possamos definir eticamente como “senso de humanidade” tem feito de muitos procedimentos científicos exemplos da aplicação da “ciência sem consciência” onde os requintes de crueldade, por exemplo, ultrapassam os piores cenários criados pela ficção científica.

Portanto, conceitos como bioética, saltam dos dicionários para as páginas dos jornais e das páginas dos jornais para a própria vida.

Basta recordar aqui que certos “laboratórios farmacêuticos” ora têm lançado medicamentos que não funcionam, ora aqueles que ainda estão em testes — transformando o próprio consumidor em cobaias compulsórias.

Existem também suspeitas gestadas em cenários muito mais polêmicos e conspiratórios, apontada pelo simples questionamento do por que a “cura de doenças” é relegada hoje ao curandeirismo enquanto que a medicina “atual” apenas  “trata” os pacientes com drogas de admissão diária, coisa muita mais lucrativa do que erradicar definitivamente uma enfermidade.

Claro! Claro! São apenas suspeitas de teóricos da conspiração sem nenhuma gota de evidência.

Será?

Por isso a primeira vantagem da aplicação do método científico no cotidiano é encarar com ceticismo o trabalho de nossos cientistas.

Submeter a crítica não apenas o teor de suas pesquisas e descobertas para daí se flagrar o erro, o desvio, o mau uso ou a fraude.

Mas também aplicar esse mesmo ceticismo quanto à sua conduta.

Quando vou ao médico, por exemplo e desconfio de seu diagnóstico, seja questionando  sua probidade técnica ou ética, que devo fazer?

Afinal, não sou médico!

Eu particularmente consulto uma segunda e uma terceira opinião de especialistas da mesma área.

Penso cá com os meus botões:

Médicos são seres humanos.

Mesmo com todo amparo obtido durante anos de preparação, estudo e experiência,  seres humanos podem se equivocar, podem errar e – o que é pior – podem mentir e enganar.

Nunca me esqueço de uma médica que simplesmente decidiu realizar uma cirurgia em minha filha, que na época ainda não completara dois anos de idade.

Uma cirurgia de emergência!

Ora, uma cirurgia é uma coisa séria.

Principalmente num Brasil onde pessoas morrem sendo anestesiadas para realização de exames de rotina. Sem levar em conta as estatísticas horripilantes das infecções hospitalares.

Simplesmente aplaquei o tom de emergência da “doutora” com a frase:

— Desculpe-me doutora, mas antes de internar minha filha gostaria de uma segunda opinião.

E consultei outros dois especialistas.

Conclusão:

A cirurgia era “preventiva” e não de “emergência” – são conceitos diferentes

Evidentemente comuniquei o fato ao Conselho Regional de Medicina.

Fiz a minha parte como cidadão.

Agi com espírito crítico sem desrespeitar a atribuição da médica.

Existem bons e péssimos profissionais em todas as áreas.

Mais uma vez devemos ter critério para separa o joio do trigo.

E que critério seria esse?

Bem esse já é o assunto do nosso próximo artigo.

-o-

[Leia os outros artigos de Mustafá Ali Kanso]

 

LEIA SOBRE O LIVRO A COR DA TEMPESTADE do autor deste artigo

À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E ARTE & LETRA

Navegando entre a literatura fantástica e a ficção especulativa Mustafá Ali Kanso, nesse seu novo livro “A Cor da Tempestade” premia o leitor com contos vigorosos onde o elemento de suspense e os finais surpreendentes concorrem com a linguagem poética repleta de lirismo que, ao mesmo tempo que encanta, comove.

Seus contos “Herdeiros dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Foi premiado com o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos da Scarium Megazine (Rio de Janeiro, 2004) pelo conto Propriedade Intelectual e com o sexto lugar pelo conto Singularis Verita.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 3,00 de 5)

5 comentários

  • lomy:

    ótimo texto, pois no nosso país os médicos são acreditados sem questionamentos, não vou discordar, apenas levantar as seguintes questões:
    1- poucas pessoas têm recur$o$ suficientes para consultar essa segunda fonte.
    2-se houver qualquer sombra de possibilidade dessa conspiração de que a medicina alimenta a doença para estudá-la por amostragem, nao adianta consultar outro médico, pois eles têm forte laço corporativo. É raríssimo um médico admitir o erro de outro médico, geralmente encobrem.

  • my mini me:

    Excelente texto! Parabéns e obrigado por compartilhar… pois as vezes esquecemos que o título Doutor não os tornam deuses, mesmo pq verdadeiros deuses não temem ser questionados e postos a prova, não é mesmo?…

  • Cesar Grossmann:

    A ideia de consultar uma segunda e terceira opinião deveria ser sempre seguida por todo mundo, exceto, talvez, em casos de dor no lado direito do baixo abdômen, onde a possibilidade de um apêndice supurado é enorme…

    Na verdade, acho que o Conselho Federal de Medicina deveria ter uma lista de procedimentos e diagnósticos que deveria ser corroborado por segunda e terceira opinião. Vai tornar mais caro o cuidado com a saúde, mas qual o preço da vida?

    • Marcelo Ribeiro:

      Já ouvi falar de médico ortopedista que é conhecido de um amigo que manda tudo que é paciente para a sala de cirurgia, não importando se ele realmente precisa do procedimento. Porque, você pergunta? Por causa do dinheiro que recebe quando faz uma cirurgia.

    • Naja:

      Minha filha já foi internada com dores fortíssimas no abdômen,. Havia a suspeita de que fosse o apêndice. Mas era só gases.

      O tenso foi que ela passou por três médicos, eu desconfio que eles tenham agido de má fé, pois as enfermeiras do hospital me alertavam que as dores eram de gases. Ora, esse é um tipo de coisa que é fácil identificar, não acho que seja possível que nenhum dos médicos tenha, pelo menos, desconfiado que fosse gases.

Deixe seu comentário!