Aquecimento global é real e perigoso, mas sua origem não é só o CO2

Por , em 30.11.2011

Entre estudos e opiniões pessoais, a humanidade continua sem saber ao certo até que ponto a poluição realmente contribui para o aquecimento global. Cientistas americanos apresentam uma ideia interessante: o aquecimento global é sim uma realidade, e seus efeitos podem ser nocivos. Mas isso não é causado tanto pelo excesso de dióxido de carbono (CO2) como se imaginava.

A pesquisa, conduzida por climatologistas da Universidade do Oregon (EUA), é patrocinada pelo programa nacional de paleoclimatologia dos Estados Unidos. E não é por acaso: a teoria formulada está relacionada a essa ciência, que estuda a variação da temperatura da Terra ao longo dos seus mais de quatro bilhões de anos de existência.

Os cientistas fizeram um resgate histórico do clima ao redor do mundo. Eles criticam a maioria dos estudos na área, que só analisam a temperatura do planeta a partir do século XIX, em um contexto após a revolução industrial. Segundo eles, o resultado de uma pesquisa assim pode ser enganoso, porque ignora milhares de anos anteriores onde o clima da Terra esteve em constantes mudanças.

Por esse motivo, eles reconstruíram a trajetória da temperatura no planeta desde o fim da última Era Glacial, há mais de 21 mil anos. Desde aquela época até o início da revolução industrial (que faria a taxa total de CO2 ser três vezes maior do que na época anterior a ela), houve uma série de fatores decisivos para regular o clima de cada região do globo.

O que os cientistas fizeram foi analisar a atuação e influência de cada um desses fatores, em separado. Quesitos como o nível do mar, o nível de umidade do ar e de poeira na atmosfera foram levados em conta ao lado da quantidade de CO2 presente no ambiente ao longo da história.

Foi apurado, de maneira geral, que a maioria dos modelos climáticos superestimam os efeitos da variação do CO2 no ambiente para determinar o clima. Durante a última Era do Gelo, por exemplo, houve uma sensível diminuição do dióxido de carbono, que na teoria deveria levar a Terra a um congelamento total, inclusive nos trópicos. Mas o efeito não foi tão grande assim: alguns oceanos nem chegaram a congelar por completo.

As variações no nível dos oceanos e na umidade do ar, por outro lado, mostraram uma influência mais forte em vários momentos, inclusive no que determinou o final do último período glacial. O CO2, portanto, é realmente mais uma carta no baralho, mas não se pode dizer que seja a mais essencial. [ScienceDaily]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

22 comentários

  • Rodrigo Cavalcante:

    Existe sim um fenômeno climatológico de aquecimento da atmosfera, no entanto esse fenômeno não tem qualquer intervenção antrópica. Estamos, no que seria o final de uma era interglacial, e conforme a climatopatologia, que nos mostra claramente que a quantidade de CO2 na atmosfera esta diretamente ligada às atividades biológicas. Sendo assim, em era glaciais os níveis de CO2 são sempre baixos. Isso significa que, ao contrário do que se propaga na industria do espetáculo, o CO2, como um dos gazes do efeito estufa, não eleva “o clima do planeta” e sim, o a elevação do clima do planeta, e as atividades biológicas não só antrópicas, elevam os níveis de CO2. O CO2 não é o principal gaz do efeito estufa e nem o mas importante, o “vapor d’água” é o principal e mais importante. O vapor d’ água, é responsável por mais de 70% da interação térmica do sistema Terra-Atmosfera.

    Particularmente, não tenho motivos para acreditar no aquecimento global. Isso só me parece, mas uma grande estratégia de atenuar custos e obter lucros do “sistema mercante global” no qual estamos inseridos.

    Nesse meio, existem vários cientistas que defendem o aquecimento global antrópico, outros muitos que condenam e outros agnósticos, que dizem que pode ser que sim, ou pode ser que não.

    É fato que as ações antrópicas estão causando mudanças abruptas no planeta, mas em escala local. No que se trata de “clima”, a escala em ainda maior do que se pensa, pois o clima pode ser afetado não só por fatores como gazes de efeito estufa, oceanos, o Sol, como também por tempestades solares, raios cósmicos, uma grande variedades de outros fatores.

  • AURIBERTA ALVES:

    Acho que a aceleração dos desastres naturais e a mudança do clima no mundo, é para um prazo mais curto que o previsto.
    Isto não é animador porque muitas pessoas não levam nada disso a sério e nem sequer são avisadas ou tem como se proteger de um evento maior.
    Por isto pesquiso e posto.
    Muito útil para todo o planeta as informações
    AURIBERTA E O MUNDO
    http://www.auribertaeomundo.com
    COMPARTILHADA E VINCULADA AO
    GOOGLECHROME – GOOGLE +

  • Jorginho:

    Ainda há céticos que dizem: ” Isso é papo furado!”

    Nós, pessoas comuns; já sabemos disso por mais de duas décadas!

  • Carlos Veiga:

    Quando o CO2 incomoda os interesses duma superpotência, CO2 vira fofo, algodão, amigão, suave, respirável, delicioso, tudo o que os políticos pedem à ciência para desdizer. O vilão, o mau da fita vai tornar-se uma charmosa vítima ( CO2 )
    O próximo passo vai ser a camada de ozono. Estou mesmo a ver o buraco negro da via láctea a sugar o nosso protector…, mas o borbulhar de campos eléctricos e magnéticos ao redor da Terra também farão parte da acusação. Como entretanto as galáxias continuam a sua viagem sideral vão-nos dizer que é cíclico.

  • Cristiano M. G.:

    O CO2 na atmosfera tem uma concentração de 0,035%. O vapor d’água tem uma concentração 100 vezes maior que o CO2, sendo que aquele tem um efeito estufa dezenas de vezes superior ao gás carbônico.
    O Prof. Carlos Molion já apontava nesta direção desse estudo, demonstrando o equívoco de se atribuir a causa antropogênica no aquecimento global.

  • EltonPaes:

    Pode até ser real o aquecimento global, mas que os EUA usou este tema pra fazer com que países emergentes não se desenvolvesse, pode ter a certeza que esses corruptos o fizeram!

    • D. R.:

      Parece que é por aí mesmo!

      Repetindo um comentário que postei em outro artigo sobre o aquecimento global:

      Na verdade, os cientistas céticos do aquecimento global também acreditam que o mundo está aquecendo; o que eles não aceitam é que esse aquecimento seja provocado pelo homem. Eles acreditam que esse aquecimento é um ciclo natural da terra e que os problemas ambientais causados pelo homem pouco ou nada interfere nesse aquecimento; como foi o fim da Era Glacial onde, na época, o homem pouco ou nada inteferia no meio ambiente.

      Coincidentemente, o aumento da temperatura global está coincidindo com o aumentos das explosões solares no Sol; talvez, seja essa a real causa do aquecimento global!

      Além disso, depois do escândalo onde hackers divulgaram milhares de e-mails de cientístas pró-aquecimento global do IPCC com fortes evidências de manipulação de dados, muitos governos deixaram de acreditar no aquecimetno global antropologicamente provocado.

      Agora, hackers divulgaram novos e-mails comprometedores, como informa o blog Pos-Darwinista: “5.000 novos e-mails revelam o lado podre, mafioso e político dos cientistas do IPCC”.

      Seja ou não o aquecimento global provocado pelo homem, a boa notícia é que alguns cientistas estão estudando técnicas de geoengenharia para tentar reverter, artificialmente, o clima da terra; como informa o site Inovação Tecnológica: “Experimento polêmico de geoengenharia é suspenso”.

    • Lucy:

      Vejam isto: ” …Aquecimento global, uma mentira inventada pelos ricos aos pobres, afirma cientista… http://bit.ly/ucuTpC …”

    • Antonio Souza:

      Acontecesse que os USA não aceitam como política global a falacia do CO², já os países da UE o defendem com volúpia, até. Tivemos, através da eras, congelamentos e descongelamento sem a interferência humana.

    • Cesar Grossmann:

      Antonio, segundo o seu artigo não existe chuva artificial por que sempre houve chuva natural. Não dá para alegar “sempre houve aquecimento global sem a interferência humana” para “provar” que o atual aquecimento global não tem influência humana, é preciso olhar para as causas em cada caso.

  • Roberto:

    Sim, e daí? Como é que fica? Isso esclarece ou complica?

  • Renato Savalli:

    Resultado de pesquisa bastante conveniente para um campeão de emissões, que se recusa a controlá-las e ainda vive uma crise econômica.

    Difícil é desqualificar os cientistas de todo o mundo em favor dos grandes sábios do império.

    • Bruno Ramos Godinho:

      Cientistas do mundo todo um dia garantiram que a geração espontânea era real.

  • Ricardo Bovo:

    Deixando de lado (por apenas um momento) o tema central deste artigo e entrando com um detalhe… O fim da última era glacial não foi a 21 mil anos e sim a 11 mil anos, pelo menos é o que aprendi e tenho aprendido até hoje, se houve alguma mudança, eu não sei. Tando que este tempo é usaso para determinar se algum “ser vivo” (ou melhor, um ser que já foi vivo) encontrado é considerado fóssil ou múmia (antes de 11 mil anos é fóssil, depois deste tempo é considerado múmia), por este motivo não existem fósseis de seres humanos.

  • ze da feira:

    óh glória ! eu regorsijo

  • Glauco:

    “(…)As variações no nível dos oceanos e na umidade do ar(…)”

    Pow, tum, soc! Finalmente resolveram considerar a umidade relativa do ar nessas pesquisas sobre o Aquecimento Global! É assim que vc determina se está fazendo mais calor ou mais frio, e não botando um termômetro prá fora da janela e anotando os números! Temperatura alta é diferente de calor!

    Incrível que alguém consiga considerar as emanações de CO2 da vida moderna com tanto vulcão expelindo centenas de toneladas de todo tipo de gases na atmosfera todo dia desde que o mundo é mundo! Além do que, o Sol envia muuuuito mais calor à Terra do que todos as chaminés e escapamentos poderiam causar, e mesmo assim a Terra continua se resfriando saudáveis 20 graus centígrados toda noite!

    Falta ciência e sobra politicagem nesse mundo terrível e odioso dos cientistas!

    • Franbogado:

      Muito bem amigo, realmente sobra politicagem, mas nao falta ciencia e nao faz parte do mundo da ciência essas “pesquisas” e “estudos” encomendados. Estes, são de interesses de obscuras intituições e objetivos egoistas, enquanto aqueles são de interesse da humanidade! Basta lembrar que sempre que se desenvolve tecnologia de ponta isto interessa primeiro, e se torna muitas vezes “propriedade exclusiva”, aos militares e governos, chegando ao absurdo de deixar a população sem conhecimento da mesma! Abrcs.

    • Observador:

      Perfeito Galuco falou tudo. Cientistas políticos, ou políticos cientistas, o certo é que o ser humano contribui com muito pouco desse aquecimento global. Para o planeta terra somos apenas uma ameba, uma micose. Sol irradia a terra, água evapora, esquenta e depois chove, vira gelo e por aí vai, bilhões de anos acontecendo do mesmo jeito. A nossa sorte é que a terra não tem o menor conhecimento que existem cientistas políticos ou seriam políticos cientistas.

    • Glauco:

      Hehe, é, senão ela já tinha sacolejado a nós – as pulgas – dela igual a um cachorro pulguento! Viva Raulzito!

  • Bruno Ramos Godinho:

    Eu já sabia de tudo isso, e não estou sendo convencido ao dize-lo, é pura lógica que a maioria dos cientistas simplesmente preferiu ignorar.

  • Guilherme:

    Pesquise no Google por: A Grande Farsa do Aquecimento Global.

  • Marcelo:

    É só assistir o documentário Uma verdade inconveniente de Al Gore e tudo o que foi dito nessa matéria é o que já sabiam.

Deixe seu comentário!