Beleza: você sabe quando a vê, mas por quê?

Por , em 2.03.2012

Os cientistas ainda estão tentando descobrir o que torna as coisas e pessoas belas. O que, aliás, é muito subjetivo pelo que sabemos – afinal, nem todo mundo acha a mesma coisa bonita (ainda bem, ou todas as mulheres iriam querer um único homem e vice-versa).

Em outras palavras, é como perguntar se a sua visão do “vermelho” é a mesma que outra pessoa – não há nenhuma maneira de saber com certeza.

O filósofo Edmund Burke escreveu: “Devemos concluir que a beleza é, para a maior parte, alguma qualidade nos corpos, agindo mecanicamente sobre a mente humana pela intervenção dos sentidos”.

Burke escreveu isso em 1756, e ainda é citado hoje. Ainda assim, há muito para explorar em neurociência e psicologia quando se trata do que as pessoas acham bonito, até que ponto as pessoas veem a beleza em si, e que papel a beleza desempenha na sociedade.

Beleza e cérebro

Independentemente da cultura, parece haver certos padrões de atividade cerebral associados à visão de algo que você acha bonito.

Semir Zeki, professor de neuroestética da Universidade College London, estuda a base neural para a apreciação da arte. Ele descobriu que o único fator comum a todas as coisas que as pessoas acham bonitas na arte e na música é a atividade no córtex frontal órbito-medial, que cuida da sensação de recompensa e do centro de prazer do cérebro.

Há tendências culturais na arte e na música que as pessoas acham bonitas – por exemplo, há uma preferência japonesa para a assimetria, comparado a um ideal ocidental de simetria. Isto não se aplica aos rostos, no entanto, já que parece que as pessoas universalmente preferem rostos simétricos.

Também não é bem entendido por que as pessoas se adaptam a determinados objetos de beleza depois de muitas exposições, mas outros não. Por exemplo, você pode enjoar de uma canção pop depois de escutar muito, mas ouvir uma ópera dezenas de vezes durante anos, e ainda sentir emoção. Ou talvez haja uma pintura que você sempre admirou, e outra que perdeu seu esplendor.

Muitas pessoas consideram bonito algo o qual não chegaram perto o suficiente para examinar todas as pequenas falhas. A percepção da beleza pode enfraquecer quando começamos a reconhecer esses defeitos.

Beleza no rosto

Imagens do cérebro já examinaram a beleza facial, também. Um estudo recente descobriu que a autoavaliação de sua própria atratividade facial pode estar relacionada à autoestima, com base em padrões comuns de atividade cerebral.

Quando se trata de atratividade facial, há razões para acreditar que as características específicas e os fatores de base biológica guiam nossa avaliação de beleza.

Faces que são mais simétricas e de aparência mediana tendem a ser classificadas como mais atraentes em estudos científicos. Simetria, em particular, tem sido estudada extensivamente, por todo o mundo.

Na verdade, até mesmo os bebês respondem mais positivamente a rostos simétricos. Mas os bebês parecem responder mais a faces consideradas atraentes do que puramente simétricas, sugerindo que há algo mais nesse padrão.

Existem teorias que proporções específicas são as mais naturalmente bonitas, com proporções de comprimento e largura sendo importantes.

E com a ajuda de computadores, tornou-se aparente que juntar uma grande quantidade de faces produz tipicamente um produto final que é altamente atraente. O raciocínio é que essa mistura se aproxima do rosto “protótipo” que pode sublinhar atração.

Assim, pode ser que os bebês são atraídos para faces que são mais parecidas com o conceito mais básico de uma face – isto é, a média.

Juntando tudo, um estudo de 2007 sugere que a simetria aumenta a atratividade de rostos “médios”.

Por que isso importa? A teoria é de que as características simétricas podem ser marcadores de qualidade genética.
Ancestrais humanos evoluíram para encontrar companheiros que passam bons genes para a prole, então eles naturalmente repelem traços que seriam prejudiciais para a sobrevivência ou indicadores de má saúde.

De fato, um estudo de 2011 descobriu que pessoas com rostos assimétricos tendem a vir de uma infância mais difícil. Parece que a adversidade na infância está associada a características faciais que não estão perfeitamente alinhadas, embora não haja nenhuma prova disso.

Como as relações sexuais são mais “caras” para os primatas do sexo feminino – elas carregam as crianças – as mulheres são as exigentes.

E o tipo de homem que as mulheres são atraídas pode variar de acordo com as fases do ciclo de ovulação. Estudos mostraram que durante os períodos de alta fertilidade, as mulheres são mais atraídas a homens de aparência mais dominante.
Inconscientemente, elas podem perceber a beleza de acordo com as forças evolutivas, uma vez que a dominância pode indicar aptidão genética. Aliás, as mulheres também compram roupa mais sexy quando estão mais férteis.

Um estudo recente revelou que as mulheres são mais atraídas por homens com sistemas imunológicos mais fortes, associados a níveis mais elevados de testosterona. Mas isso é mais complicado em homens com níveis mais elevados de cortisol, o hormônio do estresse, sugerindo que as mulheres podem achar os estressados menos atraentes.

Beleza também desempenha um papel importante na amizade. A pesquisa mostrou que as mulheres tendem a ter amigos de atratividade similar. Tanto em termos de nossas próprias percepções de beleza e de juízes independentes, a atratividade de uma mulher se correlaciona bem com a capacidade de atração dos seus amigos. E, se você é uma mulher que é a menos atraente de um grupo, você é também mais propensa a ver sua amiga mais atraente como uma rival de acasalamento.

No entanto, universalmente, as pessoas tendem a ter amigos que partilham ligações genéticas.

Beleza em si mesmo

Às vezes as pessoas ligam a sua autoestima a sua aparência, amarrando a beleza a sua percepção de si mesma. Essa comparação pode ter consequências positivas ou negativas, tanto emocionais quanto psicológicas.

Não há evidência científica para sugerir que as ideias sobre a importância de sua própria beleza se formulam na infância.
Os pais dão um certo nível de louvor a aparência de seus filhos, versus a quantidade de esforço que eles colocam em tarefas e as atividades em que são bons. As meninas em concursos de beleza infantil, por exemplo, recebem feedback que sua aparência é muito valorizada.

E quando se trata de avaliar a beleza, muitas pessoas são seus próprios piores críticos. Às vezes, há uma parte específica do corpo que se torna um foco de autoaversão. Por isso, pode ser socialmente inaceitável dizer coisas para os outros que diríamos a nós mesmos.

A percepção de si mesmo pode levar a distúrbios, como odiar seu corpo e fazer muitas cirurgias, ou amar seu corpo e se tornar muito narcisista, etc.

Beleza como o poder

Estudos têm mostrado que pessoas mais atraentes também parecem mais competentes e bem sucedidas. Há provavelmente uma forte dimensão cultural nisso. Outra pesquisa também mostrou que a atratividade física pode influenciar salário.

O sistema legal também pode levar em conta beleza – uma variedade de estudos encontraram efeitos que sugerem que a atratividade ajuda quando se trata de veredictos e sentenças. Pessoas atraentes parecem menos “propensas” a cometer crimes graves.

A psicóloga Vivian Diller divide a percepção da beleza em três coisas: fatores contribuintes da genética, higiene e como as pessoas reagiram a sua aparência no início da vida.
As primeiras experiências de ser a menina dos olhos de sua mãe ou pai refletem no futuro. Mas se seus pais eram mais críticos, você pode sentir-se menos atraente.

Para os modelos, existem expectativas irreais de sua beleza – não apenas em revistas e televisão. Os que fazem bem são aqueles que não assumem que tem que ser perfeitos para serem bonitos. [CNN, foto de Marcelo Ribeiro]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 3,25 de 5)

28 comentários

  • morena.maara:

    namorei um homem dentro do padrao de beleza ,alto olhos azuis corpo atletico,,mas com tempo ele foi se revelando e a beleza acabou .

  • jose Senen de Alencar:

    A Beleza é eterna, mas enquanto a humanidade não evoluir ela será sempre transitória.

  • neutrino:

    Dizem que o melhor embelezador masculino ainda é uma ferrari.

  • Rafa:

    beleza é e sempre será subjetivo 😀

    • Elton:

      Hipocrisia sua, gosto das mais belas e admito isso!

    • Daniel W:

      Eu gosto das mais belas, e… inteligentes… Sim é mais raro que nota de 3 real, mas que tem tem!

  • Edmar:

    Beleza é o sentimento do (Sujeito, Centro, domínio) após ver no (objeto, periférico, contradomínio), as características dele refletidas.
    Aparece quando o alegre vê o alegre, o limpo vê o limpo, o diabo vê o pecador, Deus vê o santo, o malvado vê a maldade, o bondoso a bondade, o odioso a expressão do ódio, o amoroso a expressão do amor, o sapo a sapa, e por aí vai infinitamente.
    O que é belo para uns nem sempre é para outros, depende da natureza do ser.
    Espero que alguém entenda isso pois conheço a maioria que não entenderão, são simplesmente do contra. re re!
    Possuem bastante conhecimento … e pouca sabedoria.

    • Johann Rolland:

      Muito boa e eloquente análise!

    • Mateus Ferreira:

      Cara, muito legal o que escreveu. Tem alguma fonte ou livros que você leu para chegar nessa conclusão ou que poderia indicar. Valeu!

  • Dark:

    Bom, da mesma forma que há a verdade dolorida do lado feminino, há a do lado masculino.

    Desculpem-me os fracos, mas os homens mais fortes e poderosos – em todos os sentidos – são os mais disputados e desejados pelas mulheres (em especial as de mais exultante beleza).

    Enquanto para as mulheres a beleza é a sua mais importante e valorizada moeda de troca nos “acasalamentos”, no caso dos homens há uma abrangência bem maior de moedas a serem utilizadas, porém são cruelmente exigidas e colocadas em padrões de valores absurdos.

    A verdade é que não se trata intrinsecamente de músculos, dinheiro e carros confortáveis e velozes, mas sim de um mecanismo criado pelos humanos para avaliar o verdadeiro macho alpha. Como nós estamos cada vez mais nos distanciando dos padrões animalescos, não há mais sentido em uma briga entre machos para descobrir qual seria o mais forte e, portanto, o mais desejado por uma imensidão de fêmeas.

    O que ocorre então, é que usamos as referências de poder para classificar qual o melhor macho de um bando: seja no tamanho dos músculos, no cargo da empresa, na quantidade de dinheiro na conta ou no conversível de bancos de couro; seja como for, todos estes bens materiais ou abstratos são representantes de um macho alpha, mesmo que na prática não seja bem assim.

    O que as pessoas não costumam perceber é que as mulheres – em geral, outras não – não possuem um verdadeiro desejo de possuir o dinheiro daquele cara, de usufruir da Mercedez dele ou qualquer coisa que o valha, a realidade é que a mulher que corre atrás de um homem que possui algum dos atributos listados, está inebriada com a expectativa de um macho de destaque perdido entre os milhares que não se destacam por nada.

    Podem perceber: quando garotas, no colegial, gostam do garoto mais atlético, bonito ou pegador do colégio, pois como estão em fase de desenvolvimento não há muitas referências para descobrir quem é o macho alpha. Claro, isso quando gostam de alguém de sua idade. Muitas vezes garotas gostam de rapazes que já se formaram ou que tem uma idade superior aos que elas costumam conviver, mesmo tendo aparência inferior a estes últimos. Isso porque nesta idade ter terminado o colegial é visto como uma referência de poder.

    Enfim, poderia citar infinitos exemplos de como as mulheres são atraídas pelo poder/força que um homem transparece com suas boas referências materiais, psicológicas, intelectuais e afins, e como costumam sentir repulsa pelos tantos outros que costumam ficar “na média”.

    O fato é que todos sabem da verdade nua e crua: homens poderosos querem mulheres belíssimas, homens comuns querem mulheres belíssimas; mulheres belíssimas querem homens poderosos, mulheres comuns querem homens poderosos. Porém, outra verdade é que há uma esmagadora maioria de caras de pouco destaque e de mulheres de pouca ou média beleza. E estes, ainda assim, se encontram e conseguem ter “acasalamentos” com – às vezes incríveis – orgasmos físicos e emocionais.

    • Johann Rolland:

      Outra, muito boa e eloquente análise!

  • R^ml:

    Na visão atual ou na de 5.000 anos atrás?

    Há dois séculos apenas, mulher bonita na Europa eram as rechonchudas e pálidas. A seleção natural atuava nelas… ui.

    Em povos isolados, como funciona a busca pela gostosona?

  • Daniel:

    Hoje em dia o que faz a diferença infelizmente não é a beleza ou se a pessoa é interessante,e sim o dinheiro. Eu duvido que se os jogadores de futebol fossem pobres aquelas lindas mulheres com quem estão se quer olharia para eles.

    • Johann Rolland:

      Faz sentido!

  • Lelo:

    Gosto muito da viznha que é magra, mas acho muito gostosa.
    E a Gisele Bintnão sei o k.
    Não pode ter mulher mais feia que éla.
    Cada um com seu gosto.
    Isso não se discute

  • Flor de Lis:

    Acredito que não exista beleza de fato… pra mim isso é muito relativo. O que pra uns pode ser belo, pra outros não. Penso que é uma questão de gosto e gosto não se discute. Acho fascinantes e belas as construções dos séculos passados (casas muito antigas por exemplo, tenho verdadeiro fascínio por elas), mas há quem veja nisso algo feio, ultrapassado e caindo aos pedaços. Por isso acho que o fato de ver algo como belo vem de um certo gostar.

    • Fernando:

      Realmente… o belo é singular, assim como cada um de nós somos.. acredito que Deus escolheu caracterizar a beleza desta forma pois constitui parte do que criou de bom… e como para todas as coias há o inversamente proporcional, o que julgamos como feio, também representa nossa singularidade.. bem e mal, bonito e feio, céu e inferno… ja parou pra pensar que estamos no “centro” de tudo isso? de todos esses ‘inversos’? … 😉

    • Flor de Lis:

      Já parei pra pensar nisso sim, Fernando. Porém, vc observou bem essa questão. Abraço!

  • Marte:

    Pitágoras já sabia essa resposta: Phi, o número áureo, senhor da beleza.

    • André Luis:

      Verdade, constante que se encontra com muita frequência na natureza, pode ser em microorganismos ou galaxias, mas sempre esta lá, a espiral logaritmica ou proporção Áurea. Não é a toa que usam esta proporção como o padrão para a estética, talvez seja por ser a beleza da natureza!

  • Victória:

    Não ha como fazer um padrão de beleza universal,porque para definir o que é bonito é preciso determinar antes o que é feio.
    ex:para uns cabelo ruivo é ridículo e para outros e lindo ou também pessoas que preferem bronzeados outros os pálidos.
    A diversidade e o que nos faz humanos!

  • Balacobaco:

    pra minha mãe eu sou o mais lindo de todos. Gostaria que as outras mulheres tb me vissem assim! Ia pegá geral

    • vander:

      kkkkkkkkkkkkkkk eu tambem

  • TIAMATI:

    Infelizmente, no mundo onde vivemos,a beleza é fundamental para a maioria das coisas. E me perdoem mas quem falar que o que importa é o interior, está fu..do. Eu infelizmente já trabalhei em uma empresa que não admite negros e pessoas “feias” e eu não me acho o Brad Pit,Pelo contrário, mas acho esses padrões que a sociedade impõe são ridículos.

    • Lúcia:

      Não entendo por que não admitiam negros, já que se trata de uma raça belíssima.

  • Paulo Eduardo:

    Fisicamente as pessoas são do jeito que as consequências da vida quis!! A mídia estabelece um padrão de beleza universal, mas esse padrão só cabe a quem não tem personalidade já que cada um pode ter sua própria percepção do que é belo ou disforme, contudo a beleza é um atrativo imediato diferente do carisma que pode ser preservado durante a sua vida inteira!!

    • Bruno Ávila:

      Concordo contigo! A atratividade física é muito importante mesmo, no entanto, não é o único fator decisivo. Como você citou, o carisma é uma qualidade inigualável. A beleza física pode causar uma primeira boa impressão, mas com o passar do tempo a outra pessoa começa a se acostumar com a bela simetria de um rosto, e passa, mais tarde, a enxergar defeitos. A carisma, a atitude, o poder de liderança, entre muitos outros fatores, são qualidades, digamos assim, duradouras, que levamos para o resto da vida, e que ajudam bastante. Agora, que beleza ajuda, isso ninguém pode negar.

    • Someone:

      É isso aí!!!
      Tudo é vaidade e até mesmo a beleza um dia passará!
      Eu prefiro ter comigo uma mulher que me faça feliz, do que um troféu ou boneco de enfeite que quando ficar velho, irá perder a única coisa que tinha de atrativo: o físico!

Deixe seu comentário!