“Cavalo de Tróia” é usado para matar células cancerosas

Por , em 29.06.2009

Um grupo de cientistas australianos desenvolveu uma terapia do tipo “cavalo de Tróia” para combater o câncer. Ela utiliza uma nano célula derivada de bactérias que penetra e neutraliza o câncer, que depois é atacado com drogas quimioterápicas. O nome “cavalo de Tróia” vem da lenda da guerra grega de Tróia, quando um cavalo de madeira foi deixado na entrada da cidade como sinal de trégua – porém, estava cheio de soldados dentro dele.

A nova terapia tem o potencial de fazer com que a quimioterapia ataque apenas as células cancerosas, ao contrário das terapias atuais, que atacam também as células saudáveis. Os cientistas Jennifer MacDiarmid e Himanshu Brahmbhatt, que participaram do estudo, afirmam ter obtido uma taxa de sobrevivência de 100% nos ratos estudados pelos últimos dois anos. Eles planejam começar a realizar testes em humanos nos próximos meses.

A terapia “cavalo de Tróia” envia mini células chamadas EDV para se ligarem e entrarem nas células cancerosas. A primeira leva das células libera moléculas de ácido ribonucléico, chamadas de siRNA, que “desligam” a produção de proteínas que fazem as células cancerosas resistentes à quimioterapia.

A segunda leva das células EDV é então aceita com facilidade pelas células doentes, e libera drogas quimioterápicas, matando a célula cancerosa. “O melhor é que as EDV agem como cavalos de Tróia”, diz MacDiarmid. “Elas chegam nos portões das células afetadas e sempre conseguem entrar”, completa.

Desarmando tumores

O RNA de interferência, conhecido como RNAi, tem a capacidade de silenciar genes responsáveis pela produção de genes que causam doenças, e por isso é uma das áreas mais importantes da biotecnologia atualmente.

Brahmbhatt afirma que, depois do tratamento convencional, um grande número de células cancerosas são mortas, mas, uma pequena porcentagem destas células pode produzir proteínas que tornam as células doentes resistentes à quimioterapia. “Consequentemente, tratamentos futuros podem falhar. Os tumores se tornam intratáveis e continuam a surgir, matando o paciente”, diz Brahmbhatt.

“Queremos participar deste movimento em direção a uma época em que o câncer possa ser tratado como uma doença crônica, e não considerado uma sentença de morte”, afirma o pesquisador. As células utilizadas no estudo foram bem toleradas e não tiveram efeitos colaterais ou morte em nenhum dos animais tratados. “Nossa metodologia não prejudica células normais e é aplicável a vários tipos de câncer”, afirma Brahmbhatt. [Reuters]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

3 comentários

  • yara caetano de souza:

    Muito bom este estudo na minha opiniao,pois quem tem parentes ou amigos que possui a doença sabe como e triste saber que a qualquer hora uma pessoa muito queria pode vir a falecer,este estudo mostra que os cientistas estao sempre preocupados com a vida humana.E que nao abandonaram a chace de uma cura para uma doença que mata tanto no mundo.Estou feliz e espero que isso der serto,e ja fiquei ate mais aliviada
    por saber que podemos estar perto de uma cura.Obrigada pela informaçao

  • Campos:

    Escelente idéia. Assim eliminaremos este mal que atormenta a humanidade.

  • Clement:

    Acredito que o tratamento seja oneroso, se a condição tornar-se crônica, não ajudará a muitas pessoas.
    Mas, se tudo o que foi exposto der certo, o câncer será tratado definitivamente e não como uma doença crônica.

Deixe seu comentário!