China promete finalizar seu “sol artificial” ainda neste ano

Por , em 13.03.2019

Em novembro de 2018, pesquisadores chineses anunciaram que o reator supercondutor experimental avançado Tokamak conseguiu atingir a temperatura de 100°C milhões. O reator é um “sol artificial” projetado para imitar o processo de fusão nuclear que o sol de verdade tem para criar energia.

Quatro meses depois, os pesquisadores dizem que pretendem encerrar a construção de um segundo reator ainda em 2019, chamado HL-2M Tokamak.

Novo – e incrivelmente poderoso – reator de fissão nuclear da NASA é testado

Neste domingo (10), Duan Xuru, porta-voz da Corporação Nacional Nuclear da China anunciou esta novidade.

“O plasma do sol artificial é composto em sua maioria por elétrons e íons. E os aparelhos Tokamak atingiram uma temperatura de elétron de mais de 100°C milhões no centro do plasma, e uma temperatura de íon de 50°C milhões, e é o íon que gera a energia na máquina”, diz Duan.

De acordo com Duan, o Tokomak HL-2M vai poder atingir a temperatura de 100°C milhões, cerca de sete vezes mais quente que o sol.

Se tudo der certo, esse pode ser um modelo para reatores de fusão nucleares do futuro, tornando realidade o sonho de energia limpa ilimitada. [Science Alert]

“Sol artificial” é ligado em laboratório na Alemanha

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (39 votos, média: 4,82 de 5)

Deixe seu comentário!