Tratamento recupera movimentos nas pernas de homem após seis anos

Por , em 30.10.2017

Seis anos após sofrer uma lesão em sua medula espinhal que o fez perder a função motora abaixo do nível onde ela ocorreu, um participante de uma pesquisa feita pela Universidade de Louisville, nos EUA, recuperou a capacidade de mover as pernas voluntariamente e ficar em pé.

No artigo que descreve a recuperação, a autora principal, Susan Harkema, professora e diretora associada do Kentucky Spinal Cord Injury Research Center (KSCIRC), da Universidade de Louisville, e seus colegas relatam que o paciente recebeu um treinamento a longo prazo baseado em atividades junto com a estimulação peridural da medula espinhal (scES). No decorrer de 34 meses e meio após o treinamento original, o participante recuperou o controle substancial dos membros inferiores e a capacidade de permanecer em pé de forma independente, sem o uso de scES.

Tratamento pioneiro permitiu que cão paralisado andasse novamente

“A plasticidade dependente da atividade pode restabelecer o controle voluntário do movimento após paralisia completa em humanos, mesmo anos após a lesão”, aponta Harkema. “Isso deve abrir novas oportunidades de recuperação baseadas na reabilitação como agente de recuperação, e não apenas um aprendizado sobre como funcionar com estratégias compensatórias, mesmo para aqueles com lesões mais graves”.

Pesquisas anteriores no KSCIRC, envolvendo quatro participantes com lesão medular crônica e motor-completa da medula espinhal, descobriram que o treinamento baseado em atividade com o uso de sinais elétricos scES – transmitidos aos neurônios motores da coluna por um dispositivo implantado – permitiu que os participantes ficassem em pé e executassem movimentos voluntários relativamente finos dos membros inferiores quando o dispositivo scES era ativado. Andrew Meas foi um dos quatro participantes nesse estudo.

O protocolo de treinamento original incluiu sessões diárias de treinamento baseadas em atividades de uma hora com o auxílio da estimulação peridural. Durante essas sessões, o participante treinou em atividades permanentes durante vários meses, seguido por vários meses de treinamento dando passos.

Depois de completar um programa de treinamento de nove meses no laboratório, Meas continuou o treinamento de suporte baseado em atividades em casa. Após um ano de treinamento independente, ele retornou ao laboratório para treinar por três meses em um cronograma revisado de treinamento baseado em atividades. O treinamento revisado exigiu duas sessões diárias de treinamento de uma hora e incluiu treinamento permanente e de passos todos os dias, tudo com o auxílio da estimulação peridural.

Finalmente: nova terapia restaurou movimento em pacientes paralisados

Após esse treinamento, Meas pôde expandir voluntariamente os joelhos e a flexão do quadril foi melhorada. Além disso, usando sua parte superior do corpo e assistência adicional mínima para alcançar uma posição de pé, ele conseguiu permanecer nessa posição sem assistência e até mesmo ficar em uma perna só sem o uso de estimulação peridural.

“Observamos que nos participantes com os quais trabalhamos até agora, oito meses de treinamento baseado em atividades com estimulação não levaram a nenhuma melhoria sem estimulação”, afirmou Enrico Rejc, professor assistente no Departamento de Cirurgia Neurológica da Universidade de Louisville e também autor do artigo. “Este participante continuou treinando em casa e, depois de vários meses, voltou ao laboratório e tentamos um protocolo de treinamento diferente. Depois de alguns meses de treino com o novo protocolo, surpreendentemente observamos que ele conseguiu ficar em pé sem qualquer estimulação – com duas pernas e com uma perna – usando apenas as mãos para controlar o equilíbrio”.

Os autores sugerem que vários mecanismos podem ser responsáveis ​​pela recuperação da mobilidade de Meas, incluindo o surgimento de axônios – partes dos neurônios responsáveis pela transmissão dos impulsos elétricos que saem do corpo celular – acima do ponto de lesão em áreas abaixo da lesão. Outra possível explicação pode ser que o treinamento baseado em atividade com scES promoveu a remodelação das conexões entre os neurônios da medula espinhal.

Além disso, eles sugerem que o próprio esforço do participante no movimento voluntário pode ter sido um fator na recuperação. Durante o treinamento revisado, Meas estava atento e focado na tarefa motorizada treinada, tentando ativamente contribuir para os movimentos.

Homem com paralisia move as pernas com ajuda de “exoesqueleto robótico”

“O componente voluntário dele tentando constantemente a estimulação espinhal e enquanto realizava tarefas motoras pode ter levado à recuperação inesperada”, disse Rejc.

“O sistema nervoso humano pode se recuperar de uma lesão grave da medula espinhal mesmo anos após a lesão. Neste caso, ele foi implantado com o estimulador quatro anos após sua lesão. Vimos recuperação motora dois anos depois – seis anos após a lesão”, Rejc conta. “É comum acreditar que, um ano após a lesão, você é classificado como crônico e é provável que você não melhore mais. Esses dados são uma prova de princípio de que o sistema nervoso humano possui capacidades de recuperação muito maiores do que o esperado”.

“Estamos extremamente entusiasmados com esse desenvolvimento no trabalho da Dra. Harkema, pois não só valida a promessa de tratamentos efetivos para lesões da medula espinhal, mas demonstra ainda a capacidade da medula espinhal de se recuperar após um trauma severo”, disse Peter Wilderotter, presidente e CEO da Fundação Christopher & Dana Reeve, que ajudou a financiar o estudo. “À medida que continuamos a apoiar e financiar a pesquisa da Dra. Harkema, é impressionante ver outro avanço no caminho para curar a paralisia e quanto esse tratamento específico melhorou a qualidade de vida e saúde para Drew”. [Science Daily]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (11 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!