Como garantir que seu filho não faça bullying

Por , em 2.05.2011

Uma nova pesquisa descobriu fatores que podem ajudar os pais a não criarem filhos “provocadores” (bullies).

O “bullying” (atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo) é uma grande preocupação da sociedade atual. Para evitar que as crianças se tornem bullies, e provoquem ou insultem outras crianças, os pais devem permanecer positivos, conversar com seus filhos e conhecer seus amigos.

A pesquisa americana descobriu que alguns fatores, como pais que muitas vezes se sentem irritados ou incomodados com seus filhos, aumentam o risco de uma criança se tornar um provocador.

Já outros comportamentos parentais protegem as crianças. Compartilhar ideias, conversar bastante e bem com o filho, e conhecer a maior parte ou todos os amigos dele são coisas que ajudam.

Pais de crianças com idades entre 10 e 17 anos participaram da pesquisa. Eles responderam se seus filhos já foram cruéis com outras crianças, e também deram dados sobre sua própria saúde mental e emoções.

Os pesquisadores descobriram que 23% das crianças tinham intimidado outra criança em algum momento de 2003. Em 2007, 35% dos pais relataram que seus filhos praticaram bullying em algum momento, um aumento de 52%. Em 2007, 15% das crianças eram bullies “frequentes”.

O efeito devastador sobre as vítimas de bullying é bastante conhecido, mas os provocadores também são prejudicados. Pesquisas mostram que os autores das provocações estão em maior risco de problemas psicológicos, abuso de substâncias e delinquência.

Também, um estudo de 2010 que perguntou aos “valentões” porque eles atormentavam outras crianças descobriu que muitas vezes eles têm opiniões negativas sobre si mesmos.

Ao longo dos anos, alguns fatores de risco para o bullying surgiram. As crianças que tinham problemas emocionais, comportamentais ou de desenvolvimento eram mais propensas a se tornarem provocadoras.

Crianças de pais que disseram que muitas vezes se sentiam irritados ou incomodados com seus filhos eram mais propensas a serem bullies. E as mães com problemas de saúde mental também eram mais propensas a terem filhos bullies.

Por outro lado, os pais que tinham relações comunicativas com seus filhos e conheciam a maioria de seus amigos não eram propensos a criar uma criança provocadora.

Ainda assim, a pesquisa não deixa claro se a raiva e impaciência dos pais se transformam em intimidações por parte do filho, ou se crianças provocadoras são mais propensas a irritar seus pais. Descobrir a causa do bullying exige estudos de longo prazo no mesmo grupo de crianças.

O objetivo da pesquisa é desenvolver intervenções educativas para prevenir ou reverter o desenvolvimento de novos agressores. A ideia é focar em intervenções que ajudem os pais a se envolverem mais na vida de seus filhos e a se comunicarem melhor com eles. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 2,00 de 5)

13 comentários

  • Valeria:

    Estas pesquisas são interessantes, mas mostram o óbvio: a importância da família no desenvolvimento social das crianças. Pais participativos, que estabelecem limites, que acompanham a vida dos filhos, têm toda a chance de terem filhos realmente no caminho certo.
    Aproveito para divulgar meu site http://www.bullyingnaoebrincadeira.com.br
    Espero sua visita

  • Rosangela:

    eu acho que quem pratica bullying deveria ocupar a cabeça com coisas boas prq mente vazia oficina do diabo , a escola deveria abrir os olhos pra isso afinal isso aconteçe lá dentro eu sofri disso , hoje eu digo com firmeza não importa o que os outros pensam de vc o que importa é o que vc pensa de vc mesmo ok ,,, não podemos nos rebaixar a isso temos tomar uma atitude e acabar com essa bosta prq é muito ruim ir a escola todos os dias pra ser humilhado eu que o diga

  • Mario:

    o bullyng vai acabar quando voltar-mos todos para o MOBRAL,quem sabe a educação no Brasil melhore, porque as siglas inventada pelo pt tá indo de mal a pior.

  • Rodrigo Paim:

    Guilhereme, que tal, invés de criarmos “heróis” pra defender os “oprimidos”, por que não ensina-los a se defender ? Não estou defendo o Bullying, mas se alguém não aprende a se defender sozinho quando jovem, vai deixar pra aprender quando tiver sozinho no mundo ?

  • Guilherme:

    O bullying é simplesmente “COVARDIA”. É feito contra os mais fracos. E normalmente por uma turminha de covardes. Para acabar com o bullying temos que estimular e elogiar os que defendem os mais fracos, transformando-os em super-herois. Não basta não fazer bullying. Tem que impedir que outros o façam.

  • Ezio Jose:

    Lí o título “Como garantir que seu filho não faça bullying” e quando passei para o terceiro parágrafo desistí.
    Tenho a resposta: “PROMETA À SEU FILHO QUE SE ELE NÃO COMETER BULLYING E SÓ TIRAR NOTAS BOAS GANHARÁ UMA VIAGEM PARA DISNEY”. Pronto! Problema resolvido.

  • Rodrigo Paim:

    Não se pode fazer um manual de como tratar seu filho, isso é ridículo já que cada criança, mesmo com nível social e cultural semelhantes, reagem de forma extremamente diferente.

    Tem de haver muito cuidado também, pra saber a diferença entre Bully e brincadeira, zoação entre amigos, algo normal e tranqüilo.

    Tem de ter cuidado também na hora de fazer essas pesquisas, porque tem de ser uma pessoa muito ingênua pra acreditar que criança não mente.

  • reflexao:

    a maioria dos bullies q eu conheci na escola hoje em dia sao usuarios de drogas,tinha um deles q era tipo o chefe e hoje em dia esta em uma cadeira de rodas pois se envolveu em briga por causa de drogas nao sei se isso é conhecidencia ou nao, mas acho q essas pessoas sao frutos normalmente de familias desestruturadas q nao tiveram a educacao q deviam ter e q nao tem limites e nao sabem respeitas o proximo.

  • Ajax:

    Nunca bullinizem ninguém. Algum deles pode ser seu assassino um dia.

  • Guilherme Euripedes:

    Nota: Nunca “bulllynem” os nerds…Eles provavelmente serão seus chefes um dia.”

  • Evandro:

    Ué! Segundo os evolucionistas isso não seria natural da evolução do homem, como uma forma de intimidar, e mostrar maior vantagem fisica e sexual, como forma de dominio, em busca da autopreservação? Cade os evolucionistas com sua teoria do explica tudo, nessas horas? Ou é lei que a espécie não pode confrontar-se entre si? Há várias que o fazem.

  • Igor:

    O bullying não é caracterizado quando um indivíduo provoca e/ou intimida outro e sim quando esta provocação torna-se constante.

  • big bang:

    Não sei, acho q uma zoadinha na escola sempre vai existir, um dia vc zoa, no outro e zoado. E assim na vida, e assim com os amigos. Tudo bem q tem gente q passa dos limites, mas acho q todos nós ja passamos por isso.

Deixe seu comentário!