Conheça a estrela capaz de ficar 7 vezes mais quente e 15 vezes mais brilhante em 160 segundos

Por , em 18.06.2013

Recentemente, cientistas do Observatório Astrofísico de Buyarakan (Armênia) viram um fenômeno curioso: a estrela WX UMa sofreu um aumento drástico e temporário em seu brilho e calor em questão de poucos minutos.

Localizada a 15,6 anos-luz da Terra, a WX UMa é classificada como flare star (“estrela fulgurante”, em tradução aproximada), uma estrela de luminosidade relativamente baixa, mas que muda de modo radical durante um curto intervalo de tempo. De acordo com as observações feitas pela equipe, ela passou de cerca de 2,5 mil °C para uma temperatura entre 10 mil e 32,8 mil °C, aproximadamente – e, com esse aumento, também ficou 15 vezes mais brilhante. Voltou ao normal em menos de 10 minutos. Esse efeito é tão dramático que a classificação da estrela literalmente muda dentro de poucos segundos. Neste caso, WX UMa temporariamente se transforma em um tipo espectral M para B.

Esse fenômeno ocorre devido a turbulências no campo magnético da estrela, causadas por instabilidade em seu plasma. Essas turbulências afetam a superfície e a atmosfera ao redor do objeto espacial, aumentando sua temperatura e brilho.[io9, Astrophysics]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

8 comentários

  • Dante Bravus:

    Ou seja, zona habitável para essa estrela nem pensar né!?

    • Marcelo Ribeiro:

      Talvez com a distância certa…

  • Carmen Schwertner:

    Há muitos mistérios no Universo, que o homem vai descobrir quando se aprimorar com os nefrons e a consciência da natureza do Universo

  • Andre Luis:

    Deve ser um belo evento para se observar ao tele!

  • André Braz:

    O universo é incrível!

  • Rone Firmino:

    O que ocorreria com planetas em estrelas assim? Essa e para o Jonatas..:)

    • Rone Firmino:

      Excelente documentario aqui: http://m.youtube.com/index?hl=pt&gl=BR&desktop_uri=%2F%3Fgl%3DBR%26hl%3Dpt#/watch?v=NbxhYBF5obA

    • Jonatas:

      Não me parece um cenário muito previsível, mas tal Planeta sobreviveria porque não é citado um acréscimo significativo de vento-solar, mas o calor maior mudaria sua atmosfera: a superfície ficaria muitíssimo mais quente e os gases leves se perderiam no espaço.
      Se fosse um Planeta habitado por formas de vida e água, o evento não seria menor que uma extinção total da qual só bactérias subterrâneas teriam chance de escapar. O calor maior vaporizaria massas de oceano, causando um efeito estufa muito mais violento que o de Vênus – aquecendo ainda mais, num efeito cíclico. No final, se o brilho do astro não retroceder, a parte volátil da composição do H2O, o H, se desprenderia do O2 escapando para o espaço. Resultando num planeta seco, estéril e mortal, como o próprio Vênus.
      Abraços. 🙂

Deixe seu comentário!