Desmistificando a piranha

Por , em 22.08.2010

Você já deve ter ouvido cobras e lagartos das piranhas – “a personificação da ferocidade do mal”, segundo o ex-presidente estadunidense Theodore Roosevelt. Conhecidas pelo temperamento assassino, as piranhas na realidade não são tão sanguinárias assim. Se você tem medo de estar vagando pela Floresta Amazônica e de repente ser atacado por um grupo desses temidos peixes, relaxe: elas raramente atacam seres humanos.

O primeiro ponto é que elas são carnívoras, sim, mas sua dieta é composta por basicamente invertebrados como insetos e moluscos.

Apesar de seus poderosos dentes afiados, semelhantes aos de vampiros, as piranhas os utilizam comumente para arrancar pedaços de animais menores e mais indefesas do que nós, humanos. Seus dentes, aliás, são substituídos ao decorrer da vida, cada lado da boca sendo atualizado de cada vez. Desta forma, há sempre um lado novinho em folha para abocanhar suas presas. Elas ainda possuem a característica de se esconderem em plantas subaquáticas ou rochas para atacarem de surpresa animais desavisados.

Piranhas são atraídas por barulho, especialmente o ruído característico de algo caindo na água. Talvez daí venha o imaginário coletivo de um animal grande mergulhando no rio, seguido pelo ataque de um bando de piranhas, que o devoram em dois tempos. Pois piranhas não apenas não costumam comer vacas vivas inteiras, como também raramente atacam em grupo. Esse tipo de ataque só ocorre como mecanismo de defesa da espécie, ou seja, quando os indivíduos sentem que um deles está em perigo.

Há duas situações, porém, em que se deve ter muito cuidado com as temidas piranhas: a primeira delas é quando a vida de seus filhotes está em jogo. Nesses momentos, os pais não hesitam em morder qualquer animal que se aproxime do lugar em que se encontram seus filhotes, não importando o tamanho. Normalmente, as piranhas têm um comportamento semelhante ao dos lobos: eles respeitam os seres humanos, até sentem medo de nós, e só partem para o ataque quando a oferta de alimentos se torna muito escassa. Esse é o outro momento em que tentar acariciar um desses peixinhos não é uma boa. Como lembra o ambientalista florestal Michael Goulding, em seu livro “Os Peixes e as Florestas”, “qualquer animal ou pessoa que adentrar as águas deve ser devorado sem piedade em pouco tempo”.

Por isso, da próxima vez que você for dar um mergulho das águas do Rio Amazonas e avistar um cardume de piranha, não entre em pânico (até porque, lembre-se, elas são atraídas pelo barulho de pessoas desesperadas se debatendo). Se o nível da água não estiver muito baixo – o que denotaria período de seca e, portanto, mais dificuldade para as piranhas acharem comida – então, pode ficar mais tranqüilo ainda. Só cuidado para não mexer com os filhotes delas. Porque daí… um abraço. [New Scientist]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

13 comentários

  • Carolina:

    Ah tá, e aquele vídeo das piranhas atacando em grupo um pirarucu desavisado é o que???

  • Aieaeaieadriariariairaira DORGAS:

    Povo ignorante elegeu o Titirica.¬¬
    O povo não sabe nada,e isso é certo.

  • lol:

    LOL! Dentes iguais a de “vampiro”, como se vampiro de fato existisse.

  • João Carlos:

    Tenho serias duvidas da qualidade deste artigo…

  • Marcos Vinícius:

    Por via das dúvidas, não nade onde há piranhas ou qualquer outra coisa faminta.

  • Juvanildo:

    Olha, matéria mentirosa, a piranha não tem sentimento materno, pelo menos não a aquática, já a terrestre é discutivel. Piranhas não tem medo e atacam sim em resposta ao barulho, muito mais do que em resposta a fome, isso se chama instinto.O ser humano não faz parte de sua dieta mas ela tambem não se faz de rogada, “caiu na rede é peixe”. Estudos afirmam que o instinto de se alimentar das piranhas é tão intenso que elas não chegam a sentir o sabor do alimento, simplesmente comem.
    Mesmo assim eu gosto muito de uma piranha, a se gosto…

  • Genivaldo:

    A pior piranha são aqueles que votamos e eles devoram tudo ao seu beneficio.

  • Jorge Alberto Silva:

    Não confie nem nas de DUAS PERNAS,principalmente se elas tiverem filhos, pois com certeza, te ¨matará à dentadas¨para alimentar-se e aos seus (dela) filhos. MUITO CUIDADO!!!

  • Yuicki:

    Pô, pensei que ia dar a rota delas… Saem do Paraná, vão para Sampa e acabam aportando no Rio… Depois quando ficam mais velhas começam a fazer o caminho inverso….

  • Laboceta:

    ta bom, mas se eu morrer vitima de piranhas …vou por a culpa em quem!

  • Miguel Padilha:

    Haha achei engraçada a comparação
    ” Apesar de seus poderosos dentes afiados, semelhantes aos de vampiros “

  • Eduardo:

    Não são tão ruins assim… ah ta.
    nao posso fazer barulho, nao posso pular na agua ou me mecher bruscamente (essas so com relação a mim) dai ainda tem, se ela estiver passando fome, ou se eu sem querer chegar perto dos filhotes…falar que estão desmitificando as pirinhas pra mim não foi muito correto, pois elas ainda arrebentam tudo e todos se alguns desses fatores forem cumpridos…
    favor nao entrar em lago/rio seja la o que for que tenha piranhas… houve um caso que recebi por email há algum tempo, de um trabalhador que estava num escavadeira ou guincho que nao lembro pq cargas d’água caiu dentro da agua, dizem que ele socou o vidro e machou a mão e na queda machucou tbm o rosto, dai ja viu né…quando retiraram o corpo da agua, ele estava igual ao o motoqueiro fantasma, so a caveira mesmo…Piranhas são perigosas.. muito!

  • Jonas:

    Absoluto desconhecimento de causa. Vá viver, sobretudo, na região Marajoara (ilha do Marajó) no Pará,e então, tudo o que você escreveu, se mostrará inútil para você mesmo, posto que,para quem viu e sabe o quanto são perigosas, sobretudo, se alguém ferido caiu nas águas onde haja esse feroz peixe, sua informação é nada; só desinforma.

    Bom dia!

Deixe seu comentário!