Em matar um possível “chupacabra”, teria um adolescente cometido um crime?

Por , em 22.07.2011

Todo mundo já pensou ter visto um chupacabra. A criatura mítica nomeada pelo seu hábito de renome de sugar o sangue de pequenos animais pode, em breve, ser revelada como um membro da família canídeo, um grupo que inclui cães, coiotes e raposas (se a história lendária estiver correta, é claro – o que não é muito provável).

Recentemente, um menino chamado Carter Pope, de 13 anos, do Texas, EUA, matou o que ele alega ser o monstro. Ele atirou no animal três vezes quanto o avistou atravessando um campo aberto.

Carter garante que não era um cachorro. “Era parecido, mas não tinha pelo”, disse o menino. Porém, a criatura não estava, sem suspeitamente, sugando o sangue de nada, apenas caminhando através de um campo.

O pai de Carter enviou amostras para confirmar, através da análise de DNA, se a descoberta histórica é verdadeira.

Outros “chupacabras” mortos ou encontrados no Texas foram todos identificados como animais conhecidos, incluindo cães domésticos, coiotes e até mesmo um guaxinim.

Muitos dos animais parecem estar ou estão quase sem pelos por causa de uma doença comum, causada por ácaros. Outros animais podem ser carecas por causa de um defeito genético. Ainda há cães de raças sem pelo.

A história de Carter tem atraído tanto a atenção nacional quanto internacional, alimentando especulações sobre a terceira besta mais conhecida do mundo (depois do Pé Grande e do monstro do Lago Ness).

Mas o fato de que um adolescente do Texas atirou e matou um cão sarnento ou coiote é talvez menos interessante do que a questão do por que ele pensou que a criatura fosse o temido chupacabra.

O mito do chupacabra só remonta a 1995, quando uma testemunha avistou o monstro em Porto Rico.

Muitas pesquisas depois, ficou provado que o chupacabra original não era real, mas sim um monstro descrito em um filme de ficção científica. Desde então, nenhuma prova concreta da besta surgiu, e a história foi mantida viva por ocasionais canídeos selvagens, sem pelos, como o que provavelmente Carter atirou.

Ironicamente, Carter pode acabar se metendo em confusão com defensores dos direitos dos animais – ou até mesmo a lei.

Carter, um menor de idade, presumivelmente tinha permissão de seus pais para levar o rifle que usou para atirar no bicho, como exigido por lei no Texas. Mas só porque uma pessoa vê um animal que não reconhece, não significa necessariamente que tem o direito de atirar e matá-lo. O animal não estava atacando nada, nem sendo um incômodo.

E, enquanto a criatura era, provavelmente, um cão selvagem ou coiote, poderia ser um animal de estimação do vizinho, doente ou perdido.

Se o animal for mesmo um cão, Carter poderia ser acusado de crime. O Código Penal do Texas fala sobre crueldade contra os animais, proibindo uma pessoa de matar, ferir ou administrar veneno para um animal que não seja bovino, equino, ovino, suíno ou caprino, sem autorização legal ou consentimento eficaz do proprietário.

Carter e seu pai disseram que nunca viram criatura igual antes, e que se fosse um animal conhecido, iriam reconhecê-lo. Porém, a notícia que roda é que o animal parece idêntico a milhares de cães sarnentos e coiotes que vagam pela América do Norte.

Essa é a mesma lógica que os crentes de OVNIs usam, assumindo que qualquer luz estranha no céu, que eles não conseguem identificar, deve ser uma nave alienígena. A lição é: só porque você não reconhece, não quer dizer que seja misterioso (ou que você deve matá-lo). Isso, e mais o fato de que atirar num cão ou num coiote se torna notícia internacional se você chamá-lo de chupacabra.[Life’sLittleMysteries]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

56 comentários

  • giovanna:

    olha aki onde eu moro tinha um pescador falando para todos q ele tinha matado a iara e quando eles foram na onde ele falou q matou a iara era na verdade uma replica das carecteristicas do q ele falou e como ficou perfeita todos acreditaram por que ele pegou as escamas dos peixes e colou na replica ele foi acusado de pescar em areas proibidas e ainda quando todos tinha acreditado eles levaram num homem quem investigou a replica e resolveu contar sobre a falça iara o valentao do pescador disse ainda q quando pegou a iara ela vuou em cima dele e arranhou ele completamente e no rosto dele na verdade ela apenas tinta.
    Nao estou mentindo sobre esta historia pois quando isto aconteceu eu tinha apenas 10 anos de idade e hoje eu ja tenho 17

  • Filippe:

    Um comentário breve quanto à dúvida central do artigo, contida no título: sendo crime uma conduta típica(descrita no código penal), antijurídica(lesa o ordenamento) e culpável, por definição, adolescentes não cometem crimes. Adolescentes podem cometer uma conduta típica e antijurídica, mas não podem ser culpáveis por serem relativamente ou totalmente incapazes, dependendo da idade e do ordenamento do país, de responder por seus atos civis. Adolescentes cometem, no máximo, contravenções.

    • Saprugo:

      Isso pode ser no Brasil, mas nos EUA a maioridade penal varia entre 06 e 12 anos, dependendo do estado, com o que concordo absolutamente.

  • Nathi:

    Daqui a pouco vão atirar em papais nóeis, indentificando-o como o verdadeiro velhinho.

    😛

  • CTS06:

    Porque matar o animal sem antes saber que animal é???e mesmo se fosse uma “nova” especie de animais sugadores de sangue ainda desconhecidos..pq mata-lo?! não seria melhor chamar as autoridades para captura-lo para colher amostra de sangue..etc apenas para conhecer melhor sua especie?!O ser humano tem prazer de destruir e matar tudo que ve pela frente!.

  • Lee:

    Concordo com o Glauco e também com os comentários pessoais de Natasha em sua matéria…as pessoas estão tão desesperadas que ficam procurando algo para acreditar..inclusive em ET…
    Agora o ser humano vai sair matando qualquer cachorro que contenha defeitos físicos ou doente pq acha que é um chupa cabra!!! Só faltava essa!!

  • Skill:

    Vamos focar na foto do animal que ele matou…que aparentemente é um coyote…

    Onde esta a foto do animal que ele matou????!!!!!

    Hahhahahah…não vamos tirar o foco da questão que é a foto do bicho que ele matou!

    Tem gente aqui focando na arma…no menino…nos EUA…etc. Mas não perguntaram: ONDE ESTA A FOTO DO ANIMAL MORTO!

  • Evan:

    ” O Código Penal do Texas fala sobre crueldade contra os animais, proibindo uma pessoa de matar, ferir ou administrar veneno para um animal que não seja bovino, equino, ovino, suíno ou caprino”

    Quer dizer que matar vacas, cavalos e cabritos tudo bem? Tá liberado, tem problema não?

    • Aline:

      é. pq ninguem come “vacas, cavalos e cabritos” ne?
      Fala sério. Você é ignorante mesmo ou ta só nervosinho?

      Quando eles falam matar, nao é no sentido de “vamos sair para matar animais” mas no sentido de abater.

  • Liy:

    Se tirar uma foto de chupa-cabra pode ser fake ou se mata-lo e mostrar a todos pode ser uma alucinação coletina.

  • Wolf:

    isso é o q eu mais odeio na humanidade: matar primeiro, perguntar depois,o coitado só tava passeando!
    nunca julgue um livro pela capa,e se fosse realmente um chupa-cabra?
    na verdade as pessoas estão matando animais q não conhecem sem saber e nem se importar com eles,se eu visse um chupa-cabra tentaria ser amigo dele e se ele ameaçasse eu saia dali,imaginem só se o yeti,chupa-cabra,nessie,diabo-de-nova-jersey fossem considerados animais comuns,seria bem melhor,pq a humanidade teima em temer essas criaturas? é o msm com os aliens,a humanidade acha os aliens monstros,mas o q será q eles pensam da gente? nós matamos por dinheiro,segurança,opiniões precipitadas e até por diversão,a humanidade mata primeiro e pergunta depois,o q é uma coisa totalmente sem sentido,se nós achamos q os aliens são monstros,o q eles pensam da gente? pensem no assunto q vcs vão entender melhor.

  • Drerkhelf:

    O garoto tá certo em ter atirado. Pra saber se é um chupa-cabra tinha que ter atirado, ou vcs acham que ele ia esperar pra tirar fotos, fora que que existem montagens. Parem de ser falsos moralistas!

    • HlhD:

      Isso, vamos matar tudo que se move, representando perigo ou não. ¬¬

      Homo sapiens… não tão sapiens…

    • Ludmila:

      Respeito pela vida não é falso-moralismo. Algumas pessoas esquisitas realmente têm esse sentimento dentro de si e respeitam a vida. Não é porque pensam diferente de você que são falso-moralistas.

  • Eddy:

    Etiquetar de “crente” quem concebe que pode existir mais alguma outra civilização que domine tecnologia nesse universinho pequeninho de ZILHÕES de estrelas e galáxias, é o que realmente me chamou atenção.
    Separar o joio do trigo, inclusive entre os “crentes” de OVNIS ou qualquer tema controverso seria uma atitude científica?
    Ou somente continua aberta a caça às bruxas e animais sarnentos?

  • HlhD:

    Quem deixa um rifle com uma criança de 13 anos?

    • Flávio:

      No Texas é comum! Questão de cultura diferente, apenas isso!
      Não que eu ache correto, longe disso.

  • Gil Cleber:

    O problema é o ato do garoto: matar um animal só porque o viu passando no campo. Uma coisa escrota, que decerto lhe foi ensinada pelo pai. Se fosse meu filho, tomaria uma surra de vara de marmelo para aprender. E depois o entregava ao juizado de menores.

  • Maria Emilia:

    Precisamos respeitar as outras culturas e educação, mais me pergunto, não interessa que país, o que um menino de 13 anos estava portando um rifle? onde esta o respeito pelo ser vivo?
    este pai certamente esqueceu de passar valores corretos a este filho.

  • eduardo:

    Isso é preconceito com os carecas…. aliás, tô cansado de ser discriminado por ser careca… vou pedir minha cota ao Sr. Sérgio Cabral nas universidades do RJ… kkkkkkkkkkk…….

  • ZEUS:

    Nas mãos de uma criança era de se esperar encontrar livros não armas,e o idiota do pai irresponsavel ainda se vangloriando disso;”Em mãos que carregam livros não cabem armas”…A formação é que faz a diferença.

  • Renan:

    é coisa tipica da cultura degenerativa armamentista americana. atiremos em tudo que se mexe, dps ai se der na telha preguntamos

    • gfgf:

      que pensamento descriminatorio o seu não?
      só porque alguns americanos são assim não siguinifica que todos sejam.Esse é um caso tipico de esteorótipação que não é um metodo muito confivel. Você nunca viu inumeros filmes onde as pessoas usam esse recurso e causam um “desadtre”?
      se você usa um pouquinho do seu cerebro emv ez de sair por aí repetindo tudo o que dizem por que você nao assiste o filme x-men de novo e tenta pensar sobre o filme?

  • magoado:

    só me faltava essa……pegar um rifle e sair por ai
    atirando em tudo o que for estranho e dizer que é um chupa
    cabra..já pensou?

  • Orlando:

    Marcio reve sua tese. Esse texto acima estar mal escrito amigo …sei nao. Vc deva estar cansado ou coisa assim. Pode nao estar perfeito mas eh fluente. Me surpreendi quando li isso. Quem sabe eu estou engado. Que os outros julguem.

    Cachorro sarnento gente tambem eh estar falando com a Terra de um celular lunar. Ao se aproximar do bicho, eh claro, para quem tem nocao de cacada, nao tem a minima duvida de que nao eh um cao sarnento. Desculpem, mas essa tese pode ser a proxima piada dos cacadores. Nao me levem a mal, please!

    • Flávio:

      Desculpe amigo, mas você não está em condições de pedir para ninguém rever o que escreve sem antes você aprender concordância verbal… seu texto é um mistério!

  • Cristina:

    bom eu acho que se ele atirou ñ foi porque era mau um garoto de 13 anos com uma arma? mas beleza como o nosso amigo ai disse que foi no texas acho que ele atirou por que se sentiu ameaçado será que ele ñ saberia a diferença de um cão e um animal estranho criticar é facil mas o que vc faria no lugar dele?

    • Ludmila:

      Como foi dito na reportagem, o animal só estava atravessando um campo, “não estava atacando nada, nem sendo um incômodo.”

      No meu caso, ao me deparar com um animal totalmente estranho, eu tiraria fotos dele e não o mataria. Se ele me parecesse ameaçador, tiraria fotos sem me aproximar.

  • marizete assis alves:

    Pôxa vida, agora saem matando os pobrezinhos dos animais p/ mostrar que é o tal ? Me poupe, se virar mania, os Texano continuam a matar os animalzinhos, logo estarão em extinção. Obrigada pela matéria.
    Abçs.

  • Roberto:

    Reportando ao assunto, quem tem uma arma se sente no direito de matar. Se não tivesse, não atiraria.

  • Pedrao:

    Nao concordo com matar ,latrocinio,falta de consciença com todos seres na terra,mar e no ar, chupa cabras creio eu que nao existe, mas em Brasilia tem tantos que tao matando os cidadaos brasileiros……PAÍZ bonito cidadaos que trabalham com alegria e que nao somos respeitados !!!!!!!!!!!!!

  • Jairo Wilson Muller:

    Será que um dia, a raça humana compreenderá que matando, irá simplesmente colaborar com o fim do nosso planeta? As pessoas costumam ir a zoológicos, para ver e quem sabe conhecer alguma espécie de animais e, saem de lá satisfeitos com o que vêem.
    imagina se na entrada do zoo, entregarem alguma arma nas mãos dos visitantes? Provavelmente irão simplesmente recusar essa arma e sabem porque? Porque na mata, vem o antigo instinto de caçador, que aflora no humano e que o faz matar.
    Vamos então nos lembrar desse pormenor e quem sabe, conseguimos então dominar esse instinto em nós.

  • Alexander:

    Essa atitude revela a maneira como as pessoas tratam os animais. Se os pais desse matador de animais “estranhos” educassem o filho tendo respeito pelos animais e por qualquer forma de vida, é bem provável que tal fato não ocorresse. E o mais grave, depois de ocorrido ainda acham correta a atitude irresponsável e cruel do filho. Imagina se atirar em “seres estranhos ou “diferentes” que se locomovem cair no gosto das pessoas… Teríamos uma chacina todos os dias… Temos que respeitar qualquer forma de vida. E mesmo quando somos obrigados a tirar a vida de algum ser que nos ameaça a vida, temos que ter respeito.

  • Jéssica:

    É assim msm…ser humano se acha o unico que tem direito de viver na Terra.

  • Dig’s_2011:

    Pô… Menino de 13 ANOS DE IDADE usando arma de fogo… Palmas para o pai do garoto…. Depois que ele entrar na escola atirando em todo mundo vão colocar a culpa nos games que são violentos, que são isso e são aquilo… Ser humano é uma raça desprezível!!!!

    • Aline:

      Não é por nada não, mas isso foi no TEXAS. Quase todo mundo no Texas tem arma de fogo. E EUA não é igual Brasil. MUITA gente tem arma lá e isso é normal. Crianças aprendem a atirar desde cedo. Isso é comum lá. Da mesma maneira que aqui meninos começam a jogar futebol antes mesmo de aprender a andar. Países diferentes, culturas e costumes diferentes.
      Não estou defendendo ou dizendo que é certo, mas ter armas de fogo é comum nos EUA e PRINCIPALMENTE no Texas. Ele caçam e isso não quer dizer que o garoto é psicologicamente desequilibrado para entrar numa escola atirando em todo mundo. Saber atirar e portar uma arma (legalmente) não te define como insano.
      É bom não generalizar as coisas.

    • Ludmila:

      Mas, realmente, nos EUA, onde é comum possuir arma, tem mais gente atirando em sala de aula que no Brasil, onde não é comum.

      Possuir arma de fogo ser um fato comum num país pode não definir as pessoas, mas propicia oportunidades para matar sem necessidade, como o exemplo desse garoto.

    • Alexander:

      Concordo com o que disse. E acho que todos aqui também teria que ter armas de fogo. O que ficou claro nesse fato é o total desrespeito aos animais, seja normais ou diferentes. E o que deveria estar impresso na mente desse garoto, é que não se deve atirar apenas em um ser por achá-lo diferente. E o pior, acham que o feito foi correto! Então tem-se licença para atirar em “seres diferentes”. Uma hipótese: e se por acaso no terreno desse garoto estivesse vagando um pobre cão sarnento com falhas no pelo? ou então até mesmo uma pessoa meio diferente, com uma roupa pouco usual ou até com algum tique nervoso? Não sei que horas isso ocorreu, mas a noite muita gente ou coisa “normal” pode parecer “diferente”…

    • Douglas Cardoso:

      possuir uma arma já é um sinal de demência…a não ser que a pessoa seja policial ou das forças armadas…!

    • Aline:

      demencia eh vc falar isso!

  • Ludmila:

    Criatura ignorante! Eu não duvido que o menino matou por diversão. E o pai, vendo a repercussão que deu, inventou a história do monstro pra amenizar a crueldade do filho.

    Pobre cãozinho sarnento…²

    • Aline:

      Desculpa mas isso que vc ta falando são hipóteses.
      “Eu não duvido que o menino matou por diversão” Isso é julgar, e nao acho certo fazer isso.

      Lemos os fatos e temos nossas conclusões, agora inventar que o menino tava se divertindo e que o pai o encobriu já é exagero.

    • Ludmila:

      Sim. É obvio que estou falando de hipóteses… “eu não duvido” não significa “eu tenho certeza”. Não afirmei que foi isso o que aconteceu, apenas levantei uma POSSIBILIDADE.

    • Flávio:

      Ludmila, as possibilidades são infinitas. Por esse aspecto, pode se dizer de tudo, até mesmo injustiças…

    • Ludmila:

      Pessoas que costumam caçar nessas circunstâncias o fazem por diversão/esporte… um menino de 13 anos que tem autorização pra usar uma arma com essa finalidade e acertou, de longe, um bicho estranho, o que o pai, que deu a autorização deve pensar? “Ele tem talento”, ou “ele não pode atirar nos animais”?

      Mas eu posso estar errada… o pai pode não estar tentando safar a si próprio e a seu filho. Os dois podem realmente acreditar que o menino matou um chupa-cabras, num ato heróico, para proteger o campo que o animal atravessava.

      As possibilidades podem ser infinitas, mas, na minha opinião, as circunstâncias reduzem esse número. E que bom que eu deixei claro só estar supondo e não afirmando uma verdade.;)

  • gloria:

    mrnino idiota!Ele deveria ser preso !

  • paulo:

    Porque o ser humano ao se deparar com animais sente a vontade ou o impulso de matalos? Esses dias me deparei com um gambá,meu primeiro pensamento foi matalo, mas apenas fiquei admirando e refletindo sobre o porque dessa reação, deve ser uma questão de sobrevivência da espécie, sei lá…

    • Dr. Loonis:

      Michael Myers tb pensava sobre isso…

  • Roberto:

    Tem gente que vive tão crente de alguma idéia que sua imaginação cria visões e pode confundir um passáro com um OVNI ou um coelho com um X-up-a-cabra. E tal qual um policial, atira primeiro e depois começa a pensar e fazer perguntas.

  • Pedro:

    Certa vez de carro,alt de Minas gerais,me deparei com uma animal atravessando a pista em minha frente ,uma pista de mão dupla.Um animal de incrível velocidade, atravessou em minha frente,só deu para visualizar os contornos parecia ser um pequeno cão que corria somente com as patas traseiras e tinha as patas dianteiras curtas e encolhidas ante o tronco.Sua velocidade era incrível, impossível ser um animal como um coelho ou lagarto.tinha por volta 60 cm de alt.
    Este é um relato sincero,apenas quero interagir com pessoas que já tenham visto algo parecido.

    • Alexander:

      Pedro, a sua descrição confere com a de ganguru! Abraços.

    • grecy:

      serio eu vi um ja ! vc fica parado ele nao vai fazer nada so se vc ameaça -lo se ele for pra cima…corre

  • Realista:

    Pois é, pode ser uma besta transdimensional, um gremilin, etc.

  • Marcio:

    Juro que tentei ler até o final. Mas, me desculpem, o texto está muito mal escrito.

    • cybergirlbr:

      Concordo… qdo traduziram “UFO believers” como “crentes de OVNIs”, fiquei imaginando espaçonaves com evangélicos dentro.
      Pelo amor de Papai do Céu, parem de usar o google translator!

  • Glauco:

    “(…)Essa é a mesma lógica que os crentes de OVNIs usam, assumindo que qualquer luz estranha no céu, que eles não conseguem identificar, deve ser uma nave alienígena.(…)”

    Concordo.

    Pobre cãozinho sarnento…

Deixe seu comentário!