Teleporte finalmente funciona com complexos padrões de luz

Por , em 30.09.2017

Envolver as suas mensagens nas estranhas significações quânticas é uma ótima maneira de evitar a espionagem furtiva, mas a linguagem, em sua forma atual, está mais para o código Morse do que para uma banda larga ADSL de alta velocidade.

Isso poderia mudar com um avanço radical na tecnologia quântica, que copia padrões de luz emaranhados, para ajudar a transmitir códigos quânticos. Assim se abriria um caminho em potencial para garantir a troca de informações com um número infinito de canais, para enviar transmissões criptografadas.

Uma equipe de pesquisadores escoceses e sul-africanos forneceu a primeira demonstração experimental de algo chamado “troca de emaranhamento”, o que lhes permitiu transmitir o momento angular orbital (OAM) de fótons de luz até mais longe do que antes.

Estranheza fantasmagórica

Dados quânticos podem, agora, ser retransmitidos através de uma série de fótons, reduzindo o risco de perda de conteúdo e permitindo que eles usem melhor os padrões espaciais da luz para transportar mais dados.

Se você quer mais detalhes, prepare-se e vista suas elegantes calças quânticas.

Durante a maior parte do último século, aceitamos – ou quase – que só podemos descrever as propriedades de uma partícula no contexto do sistema que a mede. Se uma partícula não colide com coisas que nos permitam dar a essas propriedades um número, ela continua a existir em um estado desfocado de probabilidades infinitas.

Aqui está a parte estranha: se essa partícula interage com outra de alguma forma antes de ser medida, pode-se afirmar que a outra partícula também faz parte desse sistema de medição. Dizemos, por isso, que ambas estão emaranhadas.

Medir as propriedades da primeira partícula é o que a faz sair de um “talvez” para um “é isso”. Essa medição também transformou seu parceiro emaranhado de um “talvez” para o “é isso” exatamente ao mesmo tempo.

Einstein deduziu que faltava algo nessa teoria, descartando-a e chamando-a de “fantasmagórica” em várias ocasiões, mas aqui estamos, depois de quase um século, e isso ainda é um mistério.

No entanto, podemos usar esse estranho processo de emaranhamento para elaborar códigos super complexos que não podem ser interceptados, proporcionando uma segurança extremamente poderosa.

Tentando explicar

Imagine duas sequências de “talvez” emaranhados (que são chamadas qubits) em transmissão rumo a dois pontos distintos.

Cada receptor pode informar se a sua própria mensagem sofreu interferência, ao decifrar as propriedades de sua transmissão e verificando com a outra pessoa se o conteúdo corresponde ao que foi enviado.

Se o resultado não bater, alguém trocou seus fótons por uma falsificação.

Mas há um problema com tudo isso – transmitir uma sequência de qubits a uma certa distância os coloca sob o risco de se perder.

Façanha em construção

A comunicação quântica tem sido notícia ultimamente com relatos recentes de fótons emaranhados sendo enviados do espaço por meio de um raio laser dividido, capaz de cobrir uma distância de 1.200 quilômetros (cerca de 750 milhas).

Essa foi uma façanha bastante extrema, mas ainda é uma distância absurdamente curta quando se consideram as redes globais. A transmissão também exigia uma linha de visão direta.

Este novo método envolve, basicamente, um amplificador que pode ser configurado em intervalos regulares, permitindo que as partículas emaranhadas transmitam seus estados quânticos.

A chave, para isso, é o fenômeno de troca de emaranhamento.

Imagine dois pares de fótons emaranhados – A1 e A2, e B1 e B2. Medir um deles a partir de cada par em conjunto, como A1 e B1, enreda aqueles no mesmo sistema, num fenômeno conhecido como medição de estado de Bell.

O que isso significa é que A2 e B2 se tornam, em virtude de seus parceiros anteriores, agora também enredados – mesmo que nunca tenham entrado em contato antes.

Esse é o momento de troca do emaranhamento e pode ser a base de um repetidor que permita que as mensagens quânticas de curta distância sejam copiadas rumo a outros destinos, sem serem consideradas como espiãs.

De dois em dois

Os estados quânticos geralmente são binários, tornando-o um pouco mais efetivos do que um código Morse, criptografado entre pontos e traços.

Isso não é o fim do mundo, mas se aprendemos algo com a história da Tecnologia da Informação, é que não existe uma grande quantidade de bandwidth, ou largura de banda.

É aí que entra o momento angular orbital. Pense nele como uma espécie de torção de um fóton, não muito diferente da polarização.

Em vez de criar mensagens com binários e zeros, ou pontos e traços, o OAM pode ser usado para transportar mais informações por partícula.

Isso não é algo novo por si só; mas anteriormente, o envio de informações codificadas, como este tipo de modo espacial, exigia um grande número de fótons para cobrir a distância.

A troca de emaranhamento significa que esses fótons podem ser enviados sob a repetição de distâncias curtas. Além disso, outros tipos de modos espaciais podem ser potencialmente usados ​​para transportar informações, abrindo o caminho para um número praticamente infinito de novos canais.

A mecânica quântica pode ser estranha o suficiente para deixar Einstein com dor de cabeça, mas é melhor se acostumar com isso. O futuro continua se tornando mais e mais fantasmagórico.

Esta pesquisa foi publicada na Nature Communications. [ScienceAlert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (14 votos, média: 4,14 de 5)

2 comentários

  • Abelanarco Carpen Die:

    É…ahnn…quase entendi, mas deixem os caras trabalharem, eles sabem o que fazem.

  • Fernando Fernandes:

    Se Luz é matéria , as trevas são puro espírito …

Deixe seu comentário!