Grande estudo descobre o consumo seguro de álcool: nenhum

Por , em 27.08.2018

Você já deve ter ouvido falar de algum estudo que descobriu que o álcool, em quantidades moderadas, pode ajudá-lo a ter uma vida mais longa e saudável.
Será mesmo?

Um novo estudo enorme refutou essa ideia. As descobertas dos pesquisadores não apenas reafirmam que o álcool é um dos maiores assassinos do mundo, como também mostram que não existe quantidade de bebida alcoólica completamente segura.

O estudo

Cientistas do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde, um programa de pesquisa independente conduzido pela Universidade de Washington (EUA), realizaram uma meta-análise gigante que fez parte do relatório anual do programa “Estudo Global da Carga de Doenças”, que avalia a mortalidade e a incapacidade de doenças em todo o mundo.

Max Griswold e sua equipe analisaram quase 600 estudos publicados sobre como o álcool afeta nossa saúde, envolvendo 28 milhões de pessoas.

Os cientistas também analisaram cerca de 700 fontes de dados sobre a frequência com que pessoas em 195 países bebem regularmente, abrangendo de 1990 a 2016.

O principal achado é muito deprimente para os frequentadores de bares: “Não há realmente nenhum benefício de beber para a saúde. O nível mais seguro, do ponto de vista da saúde, é não beber nada”, Griswold contou ao portal Gizmodo.

Benefícios enganosos

Não faltam pesquisas sugerindo que o consumo baixo a moderado de álcool está associado a alguns benefícios para a saúde, principalmente para o coração.
Griswold explica que um dos maiores problemas com esses estudos é que eles não conseguem contabilizar vieses sutis na população analisada.

Essencialmente, é difícil estudar pessoas que não bebem álcool isoladamente, porque algumas pessoas que dizem que não bebem atualmente podem ter bebido muito no passado. Uma vez que muitos “largam” o álcool por causa de problemas de saúde, rotulá-los como “não bebedores” apenas faz com que os consumidores atuais de álcool pareçam mais saudáveis em comparação.

Pesquisas que tentaram controlar para pessoas que costumavam beber, mas pararam, encontraram muito menos evidências de benefícios à saúde do coração. Por exemplo, embora houvesse um risco ligeiramente reduzido de infarto em bebedores leves, o mesmo não acontecia com outras doenças cardiovasculares, como derrame, pressão alta e batimentos cardíacos irregulares.

Álcool faz mal, bebam menos, ponto final

Mesmo que o álcool tenha algum efeito positivo no coração, isso não chega nem perto de equilibrar a montanha de riscos para a saúde que qualquer consumo regular de álcool provoca, incluindo câncer e acidentes automobilísticos.

O novo relatório pretende ser, acima de tudo, um lembrete necessário dos danos causados pelo álcool. Alguns países, como a Dinamarca, começaram a relaxar suas leis de tributação desse produto, leis desenhadas para desencorajar seu consumo. Além disso, agências de saúde em todo o mundo afirmam que beber até duas doses de álcool por dia é seguro. Esse mesmo nível de consumo, de acordo com a meta-análise, aumenta o risco de morrer precocemente em 7% em comparação com não beber nada.

Griswold esclarece que, em todo o mundo, o álcool foi a principal causa de quase 3 milhões de mortes em 2016, tornando-se o 7º maior fator de risco. O efeito é pior para os homens, com o álcool ligado a 12% de todas as mortes entre indivíduos do sexo masculino de 15 a 49 anos.

“As pessoas provavelmente bebem mais do que imaginam, e isso está prejudicando sua saúde”, pontuou Griswold, em referência a uma pesquisa que mostrou que somos péssimos em estimar a quantidade de bebida alcoólica que ingerimos. “Todos nós poderíamos beber um pouco menos. Isso salvaria vidas”.

Os resultados da meta-análise foram publicados na revista científica The Lancet. [Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (25 votos, média: 4,48 de 5)

4 comentários

  • Guilherme Fabil:

    Fazendo bem ou mal,dificilmente alguém que bebe deixará de fazê-lo,afinal a vida é curta,e ter uma vida feliz é melhor que ter uma vida saudável,já que no fim a morte pede a conta de todas as formas kkk

  • Yuicki Lange:

    Esse estudo [no caso seria “esses estudos”] é bem maior do que vem no texto… a publicação original está em : https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(18)31310-2/fulltext , ali vc pode ver como chegaram a essa conclusão bem como as referências que usaram….

    • Cesar Grossmann:

      Funding

      Bill & Melinda Gates Foundation.

  • Tibulace:

    Sempre desconfiei, que os tais estudos que diziam que o consumo moderado de álcool, era benéfico,à saúde, foram pagos pelos fabricantes de bebidas.

Deixe seu comentário!