Não seja vítima de sua credulidade!

Por , em 29.07.2014

NÃO SEJA VÍTIMA DA SUA CREDULIDADE

Há questão de alguns anos, um colega professor, movido pela melhor das intenções, copiou um desses textos alarmantes da internet, leu para os alunos e distribuiu pelos editais da escola.

Tratava-se de um alerta sobre a presença de um componente carcinogênico na pasta de dente.

O assunto gerou polêmica entre os alunos, posto que o componente citado também estava presente na formulação de xampus, sabonetes líquidos, etc. estabelecendo uma relação causal entre a utilização desses produtos e o desencadeamento de diversas formas agressivas de câncer.

O assunto chegou até mim por intermédio de alguns alunos que não aceitaram de pronto as informações divulgadas pelo professor e questionaram sua veracidade, bem como a probidade da fonte por ele apresentada.

E para piorar o quadro, o professor não apreciou que sua “autoridade” fosse colocada em xeque e os alunos, então, foram duramente repreendidos.

Fiquei surpreso, ao constatar que por um lado meu colega caíra num dos mais antigos “hoaxes” que circulava pela internet, pelo que sei, desde 1998 e por outro, reprimira uma demonstração legítima de espírito crítico – que é, a meu ver, o objetivo principal da educação — propugnar a geração de livres pensadores.

Coisa que me leva sempre a questionar até que ponto de um atoleiro nossa vaidade consegue nos arrastar.

O episódio foi ficando cada vez pior, a ponto da direção da escola pedir minha intervenção, haja vista que além de professor daquela instituição eu também desempenhava a função de coordenador de área.

Tive a árdua tarefa de ter que desmentir um colega — e ficou um clima terrível — começando pelo tom ressentido do tipo “o professor é uma classe desunida, mesmo” ou que o “caxias” do coordenador não faz corporativismo e não negocia com nada ou com ninguém.

No resumo da ópera esse professor foi vítima dele mesmo.

Ou, melhor expressando, foi vítima de sua própria credulidade numa tragicomédia em quatro atos:

Primeiro: em acreditar em fontes não fiáveis. Um erro elementar.

Segundo: em acreditar que seria ele o salvador da pátria

Terceiro: em acreditar que o aluno é sempre tábula rasa. De nada sabe e de nada quer saber.

E por último: acreditar ser o detentor de um conhecimento que não possui.

Aliás, uma crença muito comum entre nós brasileiros — infelizmente.

Todos nós somos, em maior ou menor grau, palpiteiros de plantão.

Nos autoconsideramos sabichões. Desses que entendem de tudo: começando por como dirigir um time de futebol e indo até como dirigir a economia de um país.

Será que a vaidade é o principal motor dessa crença infundada em nossa própria infalibilidade?

Tenho observado nas redes sociais o aumento considerável do número dessas falsas histórias e farsas denominadas em jargão da internet como “hoax”.

Seja por meio de textos, ou de fotos ou até de vídeos forjados o objetivo do “hoax” é sempre o mesmo — promover um efeito cascata progressivo — que por meio de “spam” desencadeia um efeito viral que em escala pode paralisar sistemas de correio eletrônico e até mesmo uma comunidade virtual em rede na internet.

Em síntese: o objetivo é promover algum tipo de dano.

E surpreendentemente sempre existirão aqueles que cairão no engodo.

E justamente aqueles que se acham tão espertos geralmente são os primeiros a cair em tais embustes.

Assim, eu convido a todos os meus leitores a realizarem essa simples reflexão. E que valha para o mundo virtual e para a vida.

Será que eu devo me certificar da veracidade dos fatos antes de divulgar uma versão?

-o-

[Leia meus outros artigos publicados aqui no Hypescience e comente também no FACEBOOK ]

-o-

LEIA A SINOPSE DE MEU LIVRO A COR DA TEMPESTADE feita pela escritora Núrya Ramos

[O LIVRO ENCONTRA-SE À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E SPACE CASTLE BOOKSTORE].

Ciência, ficção científica, valores morais, história e uma dose generosa de romantismo – eis a receita de sucesso de A Cor da Tempestade.

Trata-se de uma coletânea de contos do escritor e professor paranaense Mustafá Ali Kanso (premiado em 2004 com o primeiro lugar pelo conto “Propriedade Intelectual” e o sexto lugar pelo conto “A Teoria” (Singularis Verita) no II Concurso Nacional de Contos promovido pela revista Scarium).

Publicado em 2011 pela Editora Multifoco, A Cor da Tempestade já está em sua 2ª edição – tendo sido a obra mais vendida no MEGACON 2014 (encontro da comunidade nerd, geek, otaku, de ficção científica, fantasia e terror fantástico) ocorrido em 5 de julho, na cidade de Curitiba.

Entre os contos publicados nessa coletânea destacam-se: “Herdeiro dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” que juntamente com obras de Clarice Lispector foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Prefaciada pelo renomado escritor e cineasta brasileiro André Carneiro, esta obra não é apenas fruto da imaginação fértil do autor, trata-se também de uma mostra do ser humano em suas várias faces; uma viagem que permeia dois mundos surreais e desconhecidos – aquele que há dentro e o que há fora de nós.

Em sua obra, Mustafá Ali Kanso contempla o leitor com uma literatura de linguagem simples e acessível a todos os públicos.

É possível sentir-se como um espectador numa sala reservada, testemunha ocular de algo maravilhoso e até mesmo uma personagem parte do enredo.

A ficção mistura-se com a realidade rotineira de modo que o improvável parece perfeitamente possível.

Ao leitor um conselho: ao abrir as páginas deste livro, esteja atento a todo e qualquer detalhe; você irá se surpreender ao descobrir o significado da cor da tempestade.

Núrya Ramos em Oráculo de Cassandra

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

5 comentários

  • Anderson Luis Amaral:

    Eis o motivo pelo qual há 3 meses, deletei minha conta no Facebook. É uma quantidade absurda de casos do tipo brotando. Felizmente, Quora, Stack Overflow e até mesmo o Twitter e Google +, sao mídicas sociais bem melhores, onde pode-se selecionar melhor as fontes.

  • Leonidio Koester Jr:

    Excelente resumo de como as pessoas são desesperadas em “saber a verdade”. Basicamente, ego inchado.

  • Matheus Vieira:

    Muito bom o texto, os pontos fortes são, ao mencionar que o pior é quando não conferimos as fontes, e quando um professor desestimula um aluno quando eles tentam por seus pontos de vista.

  • Cesar Grossmann:

    Hoaxes não faltam na Internet: vacinas causariam autismo, o homem não teria ido à Lua, a adição de flúor na água seria perigosa para a saúde, desodorante causaria câncer nas axilas e região do peito, e por aí vai.

    O lado perverso dos hoaxes é que quando alguém acredita nele, dificilmente admite erro e passa a desacreditar. E também se tornam propagadores do mesmo hoax. É como se o cérebro fosse infectado por um vírus e passasse a propagar o mesmo…

    • Leonidio Koester Jr:

      É o poder do “meme”.

Deixe seu comentário!