NASA testa novo dispositivo de busca por vida alienígena sob o gelo antártico

Por , em 25.11.2019

Muitos cientistas pensam que a melhor chance que temos de encontrar vida alienígena no nosso sistema solar é vasculhando mundos aquosos como as luas Europa (de Júpiter) e Encélado (de Saturno).

No entanto, explorá-las vai exigir um pouco mais de criatividade do que o rover que atravessa as paisagens desérticas de Marte.

É aí que entra BRUIE, ou “Buoyant Rover for Under-Ice Exploration” (em tradução livre, “rover flutuante para exploração sob gelo”).

BRUIE na Antártica

Como o seu próprio nome sugere, o BRUIE não nada, e sim flutua. O veículo possui um metro de comprimento e duas rodas, e é projetado para dirigir em e sob plataformas de gelo.

No momento, a mobilidade de BRUIE está sendo testada na Estação de Pesquisa Casey, da Austrália, na Antártica. O objetivo principal é determinar a resistência do dispositivo para futuras missões em mundos gelados, como a Europa, principalmente em regiões de “interface” onde a água encontra o gelo.

Por hora, carrega apenas câmeras e equipamento de comunicação. Se tudo der certo, o próximo passo será abastecer BRUIE com instrumentos científicos também.

Interface água-gelo

Essas áreas de encontro entre água e gelo são importantes em mundos como Europa porque podem ter uma química muito dinâmica.

“Descobrimos que a vida geralmente vive em interfaces, tanto no fundo do mar quanto na interface de água gelada no topo. A maioria dos submersíveis tem um tempo desafiador para investigar essas áreas, pois as correntes oceânicas podem colapsá-los ou exigir muita energia para que mantenham sua posição. O BRUIE, no entanto, usa flutuabilidade para permanecer ancorado contra o gelo e é impermeável à maioria das correntes. Além disso, ele pode ser desligado com segurança, ligando-o apenas quando precisarmos fazer uma medição, para que possa passar meses observando o ambiente de gelo”, explicou o engenheiro-chefe da missão, Andy Klesh.

Existem ainda outros obstáculos para este tipo de pesquisa, como a grossura do gelo. Na Europa, o oceano está enterrado sob uma camada de até 30 quilômetros de gelo. Os testes na Antártica vão envolver furar o gelo para inserir BRUIE, além da análise da autonomia do dispositivo.

Enquanto a NASA tem uma missão planejada para a lua Europa, a Clipper, que será lançada na metade de 2020, ela não irá explorar seu oceano ainda. Para isso, a agência espacial norte-americana ainda precisa desenvolver melhor sua tecnologia, o que provavelmente será feito com a ajuda dos dados coletados nessa viagem inicial. [NASA]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (19 votos, média: 4,68 de 5)

Deixe seu comentário!