O estranho experimento mental que mostra como podemos manipular o tempo

Por , em 4.04.2016

O espaço-tempo é uma coisa muito estranha. Para nós, meros mortais que não são nenhum Einstein, esse conceito pode ser muito difícil de entender.

A ideia de que o tempo – algo tão aparentemente constante – pode ser dobrado e manipulado é especialmente confusa. Mas verdadeira.

Um experimento mental famoso e alucinante que saiu da teoria da relatividade geral tenta explicar esse fenômeno. Ele se chama “Paradoxo dos Gêmeos”.

Em resumo, dita que um homem que faz uma viagem ao espaço numa nave de grande velocidade volta para casa mais novo que seu irmão gêmeo que ficou na Terra. Como?

O experimento

Imagine cinco bebês Einstein que nasceram na Terra no dia 14/03/1879. Um deles vai continuar por aqui, enquanto os outros quatro vão viajar pelo espaço para retornar ao planeta em 14/09/1979.

Cada uma das quatro naves viaja a uma velocidade diferente. A primeira a 50% da velocidade da luz. A segunda, a 75%. A terceira, a 99%. E a última, a 99,9999999%.

Chega 1979. Todos estão de volta à Terra. O Einstein que nunca foi para o espaço tem 100 anos, obviamente. O Einstein da primeira nave tem 87. O da segunda tem 66. O da terceira tem 14. E o da última tem apenas 1 dia e meio de vida.

Claro, o experimento é mental porque nenhuma nave atual consegue atingir essas velocidades.

A explicação

Por que os bebês envelhecem de forma diferente?

Embora achemos que o tempo é algo universal, independente de posições, movimentos relativos e acelerações, não é. Sabemos disso graças a teoria da relatividade.

Com ela, a inferência de tempo deixa de ser absoluta e passa a ser algo estritamente pessoal, atrelada a cada referencial em particular; e dois referenciais em movimento relativo ou sob acelerações distintas geralmente não concordarão quanto às medidas de tempo ou intervalos de tempo.

Isso se chama “dilatação do tempo”. No âmbito da mecânica einsteiniana, é o fenômeno pelo qual um observador vendo outro afastar-se percebe o tempo “mais devagar”, mas isso é somente verdade no contexto do referencial do observador estático.

Quanto maior a velocidade relativa entre os referenciais, maior deve ser a magnitude do tempo dilatado.

Embora esta seja uma “teoria”, numerosas experiências já verificaram a dilatação do tempo na vida real. [IFLS]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (8 votos, média: 4,75 de 5)

9 comentários

  • Dagoberto Chaves:

    Limitam os caracteres, não revisam a tradução e reduzem o texto.

    • Mauricio Ricardo Wendling Parisotto:

      Deixa de ser chato. Faça um site para vc então.

  • RODOLFO EMILIANO:

    Legal ! (a única coisa que posso comentar com a limitação de caracteres)

  • Roberto Soares Storqui:

    Eu ia comentar mas desisti, é lamentável a limitação de caracteres.

    • Cesar Grossmann:

      Quer me parecer que você comentou.

    • EvandroJGC:

      É mesmo. Aumentem aí a quantidade disponível. Tipo o dobro, já ajuda.

    • André Muniz:

      Tava rolando muito textão

    • EvandroJGC:

      André Muniz
      Essa é a parte ruim… mas a quantidade que disse não dá pra um textão.

  • Danilo Alves:

    Optima matéria!! A tradução ficou ótima!

Deixe seu comentário!