O Japão acabou de pousar uma sonda em um asteroide, e as fotos são demais

Por , em 12.07.2019

O Japão pousou com sucesso sua sonda Hayabusa-2 no asteroide Ryugu na última quarta-feira (10).

A missão da JAXA (a agência espacial japonesa) começou há muito tempo, em dezembro de 2014. A sonda chegou à Ryugu, um asteroide primitivo a 211 milhões de quilômetros de nós, em junho de 2018. Desde então, coletou algumas amostras superficiais e fez diversas fotos da rocha espacial.

Em uma preparação para o pouso de quarta-feira, os cientistas da JAXA “explodiram” o asteroide em abril, a fim de soltar pedras antes enterradas sob sua superfície. A ideia era coletar material que ainda não havia sofrido com exposição a elementos do espaço.

Se tudo correr bem, a Hayabusa-2 começará sua jornada de 9 milhões de quilômetros de volta à Terra no final deste ano, tornando-se a primeira sonda a trazer para o nosso planeta amostras de um asteroide.

A NASA lançou sua sonda OSIRIS-REx em uma missão semelhante ao asteroide Bennu ano passado, mas ela só deve retornar com materiais coletados para a Terra em 2023.

Novas fotos

A Hayabusa-2 fez fotos incríveis enquanto pousava e deixava a superfície do asteroide.

“Estas imagens foram tiradas antes e depois do pouso pela pequena câmera CAM-H. A primeira é 4 segundos antes da aterragem, a segunda é na aterragem e a terceira é 4 segundos após a aterragem. Na terceira imagem, você pode veja a quantidade de rochas que se elevam”, escreveu a JAXA na rede social Twitter.

Asteroides e a vida na Terra

Alguns asteroides são tão antigos que datam do início do nosso sistema solar, ou seja, 4,5 bilhões de anos atrás, quando materiais residuais da formação de planetas se tornaram pedaços de rocha espacial vagando pelo espaço.

Por esse motivo, asteroides podem servir como “cápsulas do tempo” para a ciência: seus elementos e histórias podem revelar mais sobre a própria história do sistema solar.

O Ryugu é um asteroide do tipo C, o mais comum do sistema solar – cerca de três quartos dos nossos asteroides são deste tipo. Tais rochas são ricas em moléculas orgânicas de carbono, água e possivelmente aminoácidos.

Uma das teorias sobre o desenvolvimento da vida na Terra envolve a possibilidade de asteroides terem trazido aminoácidos para o planeta. Neste sentido, as missões em Bennu e Ryugu poderiam nos ajudar a compreender melhor as origens da vida, dependendo dos materiais orgânicos que as amostras contiverem. [ScienceAlert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (61 votos, média: 4,82 de 5)

Deixe seu comentário!