O que acontece quando um raio cai na areia

Por , em 3.07.2013

Antes da ciência, acreditava-se que a luz vista após um trovão era a vontade dos deuses gregos. Agora, sabemos um pouco mais sobre relâmpagos: que eles podem ser mais quentes do que a superfície do sol, que podem cair duas vezes absolutamente no mesmo lugar e que, quando caem na areia, podem criar obras de arte.

Você pode já ter visto a foto acima rodando na internet. A imagem foi intitulada “O que acontece quando um raio atinge a areia”. Mas parece muito com castelos feitos pelas crianças, com areia molhada, não?

Incrivelmente, um raio pode de fato criar algo incrível quando bate na areia, mas as condições precisam ser perfeitas. Quando atinge a areia da praia, rica em sílica ou quartzo, e a temperatura ultrapassa 1.800 graus Celsius, a iluminação pode fundir a areia em vidro de sílica.

scimall-usa_2268_39728583

O raio pode se ramificar pela areia como o sistema de raiz de uma árvore para fazer esta bela anomalia. Apesar do que as imagens podem sugerir, no entanto, o relâmpago cria um tubo de vidro pelo chão, não acima dele. A obra vai parar acima do solo por causa da erosão. Um pedaço de um raio petrificado pode ficar debaixo do solo ao longo de décadas, séculos até. Com o tempo, a areia acima, eventualmente, desloca-se para revelar os tubos e formas.

Fulgurite

Esses exemplares raros são oportunidades incríveis de vislumbrar o valor científico da natureza. Mas mesmo que o impulso constante de erosão coloque em exposição essas maravilhas subterrâneas, elas ainda são frágeis, necessitando de uma cuidadosa escavação para descobrir um espécime inteiro sem quebrá-lo.

Isto leva-nos de volta para a foto viral acima (a primeira). É falsa.

Primeiro, a foto supostamente mostra um espécime que não se parece com qualquer um dos outros inumeráveis e catalogados exemplos que você pode facilmente encontrar no Google. Em segundo lugar, quando um raio petrificado é exposto pela erosão, é numa zona relativamente calma (justamente pela fragilidade). A foto viral está à beira de uma praia com tráfego de pedestres e maré. Isso não aconteceria sem uma uma equipe de geólogos para escavar a obra rapidamente. Em terceiro lugar, olhando de novo para todos os outros exemplos de espécimes, o objeto na foto viral foi adulterado. As torres no topo foram colocadas lá depois. Mesmo que fosse subterrâneo, o peso extra certamente iria derrubá-las ou quebrá-las. [ScientificAmerican]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

3 comentários

  • Ênio Fontenele:

    Parece que a autora do texto não sabe a diferença entre relâmpago (apenas o clarão formado, a luz) do raio (descarga elétrica).

  • Victor Brígido:

    Ana,

    Relâmpagos não caiam na terra, apenas raios. Existe uma diferença ai…

  • Dvd Franco:

    “Antes da ciência, acreditava-se que a luz vista após um trovão era a vontade dos deuses gregos”

    Falando em ciência, acho que eu posso afirmar com muita segurança que nenhum grego jamais viu a luz de um raio APÓS o trovão 😉
    Antes, aí podemos conversar…

Deixe seu comentário!