Ondas gravitacionais do Big Bang foram detectadas PELA PRIMEIRA VEZ!

Por , em 17.03.2014

Depois que Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian anunciou a convocação de uma coletiva de imprensa para hoje, a vida de astrofísicos e curiosos do mundo inteiro passou a andar mais devagar do que nunca. As horas pareceram se recusar a passar e os ponteiros dos relógios começaram a carregar uma tonelada cada, de tão lentos. E essa coletiva parecia que não ia chegar nunca.

Mas chegou e, para a felicidade geral, não decepcionou ninguém. O anúncio fez de hoje um dia histórico para a física! Tudo porque a expectativa da comunidade científica foi correspondida: John Kovac e sua equipe anunciaram que detectaram “ondas gravitacionais” do Big Bang pela primeira vez.

O que tem de tão fantástico nisso?

As ondas gravitacionais são a última parte da Teoria Geral da Relatividade de Einstein que foi prevista, mas até agora não havia sido comprovada. Com essa incrível descoberta, podemos ter uma visão muito mais clara sobre o início do universo!

Como as ondas gravitacionais foram detectadas?

Elas foram observadas pelo telescópio Background Imaging of Cosmic Extragalactic Polarization 2 (Bicep2), situado no Polo Sul, que detectou a radiação cósmica de fundo do Big Bang de 2003 a 2008. Mas levou muito tempo para os astrofísicos processarem e analisarem os dados, principalmente porque tudo o que tinham em mãos era um sinal fraco e distorcido por vários objetos como estrelas e buracos negros.

Mas por que os astrofísicos foram procurar por ondas gravitacionais bem lá na radiação cósmica de fundo do Big Bang é o que deixa toda essa descoberta ainda mais interessante! Bom, eles foram pesquisar lá porque acreditavam que em seus primeiros instantes de vida, o universo passou por um “período de inflação”, que amplificou as ondas gravitacionais a ponto de elas serem detectadas.

E eles estavam certos!

Segundo Kovac, o que estamos vendo é uma fotografia do universo há 380.000 anos após o Big Bang, quando a radiação foi transmitida pelo espaço pela primeira vez. Mas o sinal de ondas gravitacionais foi impresso na radiação de fundo cósmico uma fração de segundo depois do nascimento do universo.

Ou seja, se esses resultados prevalecerem, terão implicações significativas tanto na física, como em tudo o que sabemos sobre cosmologia. [io9, Nature]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

18 comentários

  • Everson Schneider:

    Essa descoberta prova o Big bang ou estamos longe de prova-lo ?

    • Cesar Grossmann:

      Infelizmente a descoberta foi retratada, haviam problemas. Mas esta seria mais uma evidência da Inflação. O Big Bang é aceito como fato.

  • José Antônio Alves Tabajara:

    Uma questão de alta precedência deve ser considerada, antes de se admitir pacificamente que o Universo se originou da explosão de uma pequena partícula: Era o resultado de uma explosão, ou a constatação de um “momento” cósmico de expansão? Segundo Stephen Hawking, é admissível a hipótese de que o Universo seja “oscilante” – o que prefiro denominar “pulsante”. Em meu artigo denominado Cosmoatomismo, aprofundo essa hipótese: Galáxias e átomos são estruturas idênticas!

    • Marcelo Ribeiro:

      Segundo esta última descoberta a teoria do universo que se expande e contrai caiu por terra.

    • Cesar Grossmann:

      Acho que esta suposição do Hawking é anterior à última descoberta, a de ondas gravitacionais no universo primordial, comprovando a inflação e enterrando de vez um universo oscilante ou pulsante.

      E galáxias são estruturas completamente diferentes de átomos, a começar pelas forças que os dominam e pela escala das interações…

  • Renan Deztro:

    Mais uma vez a mecânica quântica é comprovada.

  • Anderson Thiago:

    Muito interessante.

    PS: É devagar, e não “de vagar”…

    • Marcelo Ribeiro:

      Corrigido. Grato pelo aviso.

  • Victor:

    Legal, pelo que eu entendi as ondas gravitacionais do big bang sugerem que a grande inflação de fato ocorreu. Pelo que sei vagamente, o universo expandiu-se mais rápido do que a luz durante o período da inflação. Parece que estamos abrindo caminho para uma nova física, pois se pudermos replicar o feito, expandindo o tecido do espaço-tempo, podemos, algum dia, romper os limites da velocidade da luz em tese. Se nada pode ser mais veloz do que luz, o mesmo não se aplica espaço tempo.

  • Diego Silva:

    Caraca ainda fiquei confuso, muita coisa para minha leiga mente, mas irei reler o artigo…

  • Danilo WT:

    Não era o Big Bang que um dia destes estava sendo questionado??

    • Marcelo Ribeiro:

      SEMPRE. É isso que os cientistas fazem. Uma valia o trabalho do outro. Questiona. Criam hipóteses diferentes e fazem experimentos para ver se se sustentam. Mas esta evidência é avassaladora para os concorrentes. Uh-hú!

  • Thiago Da Silva:

    Interessante, porém ainda vago. foi encontrado assinatura de ondas gravitacionais por grávitons ou por distorção do espaço-tempo(ondas espaciais)?

    • Cesar Grossmann:

      Através da polarização dos fótons da radiação cósmica de fundo. O padrão que eles apresentavam, chamado de “B-mode”, é o indício esperado da passagem de ondas gravitacionais no Universo, no início da inflação.

      O “B-mode” indica não só a passagem de ondas gravitacionais, mas também a quantização da gravidade. Um monte de hipóteses estão caindo aos pedaços com esta descoberta (foram falseadas), quase dá para ouvir o barulho.

      Os investigadores ainda querem confirmação do telescópio Planck, mas tem muito astrofísico considerando que o trabalho feito foi muito meticuloso e provavelmente será confirmado pelo Planck. E tem gente falando em Prêmio Nobel.

    • Charlie Timao Timao:

      ola, que neura essa , colega, ou és muito entre aspas ta revoltado porque a religiao morreu com essa noticia klkkkkkkk é , eles so descobridores devem e vao ganhar PREMIO NOBEL,,, acorde va estudar kkkkkkkkk

    • Marcelo Ribeiro:

      Diziam que morreu com a Seleção Natural de Darwin a 150 anos atrás. Mas eles continuam por aí.

    • Thiago Corrêa:

      Analisando o caso, ondas gravitacionais por grávitons fariam os fótons apresentarem esse padrão também, só que apenas se os fótons fossem atraídos pelos grávitons(particula hipotética da gravidade), o mesmo aconteceria com as lentes gravitacionais e com os buracos negros. A maioria não acredita nisso ainda, eu acredito.

      Em relação a ondas gravitacionais como a teorizada pela TR, onde existe a onda de espaço-tempo, a teoria de a gravidade existir em decorrencia da curvatura do espaço-tempo, etc. Ainda não acredito, não acredito justamente por aquilo que eu já disse pra você sobre a instabilidade que o espaço poderia ter. Acho que é necessário mais experimentos…

    • Thiago Corrêa:

      Eu fiz uma analise sobre lentes gravitacionais por atração de grávitons e por deformação do espaço-tempo, fiz até um desenho ilustrando, depois eu te mando.

      Evidentemente no caso onde a lente gravitacional existe por deformação do espaço-tempo mais informação é desviada pela lente do que no caso de lente gravitacional por grávitons, a questão é, como iremos descobrir se a informação que passa pela lente vem em menor ou maior escala para confirmarmos uma das hipóteses?

      A analise é simples, vou tentar demonstrar em palavras, no caso dos grávitons os fótons só serão atraídos pelo corpo, então somente aqueles fótons que estão passando mais afastados do corpo massivo sofrerão o desvio e se curvarão até o observador. Já no caso de curvatura de espaço-tempo, não só os fótons que estão mais afastados como também os fótons que estão indo em direção ao corpo massivo sofrerão o desvio, uma parte não se chocará com o corpo mas acompanhará a curvatura do espaço-tempo ao redor do corpo.

Deixe seu comentário!