Os 10 mais bizarros prédios já construídos

Por , em 13.05.2013

Prédios gigantescos, símbolos do poder e da modernidade, os arranha-céu chamam a atenção das pessoas; é inevitável. Mas, na lista que separamos a seguir, não é só a altura das construções que impressiona. Veja, com exemplos de Londres a Dubai, os 10 arranha-céus mais bizarros do mundo, que misturam modernidade, design e inovação na arquitetura:

10. Sede da Televisão Central da China – Pequim, China

10

Localizado em Pequim, este é o prédio da Sede da Televisão Central da China, com 44 andares e 234 metros de altura. Teve a construção iniciada em 2004, mas só foi concluída no início do ano passado – um incêndio no Centro Cultural de Televisão adjacente em 2009 adiou o projeto -, e recebeu o apelido de “grande bermudão” dos moradores da cidade.

A forma incomum, combinação de inovação e engenharia chinesa e europeia, é uma homenagem ao processo interligado de fazer televisão. Na torre 1 fica a edição e a área de escritório, enquanto a parte inferior da torre, torre 2, é usada para a transmissão.

9. Ocidental City Gate – Belgrado, Sérvia

9

Com 140 metros e 35 andares, é considerada um santuário Orwelliano para a era industrial. A construção foi concluída em 1980, mas nos anos 70 o arquiteto Mihajlo Mitrovi imaginou um arranha-céu futurístico, como um portal que cumprimentaria as pessoas que chegassem à cidade.

A mais alta das duas torres é um bloco residencial e a outra abriga o espaço de escritório vertical. E a ponte de dois andares, que liga as duas torres, tem um deck de observação e um restaurante giratório, situado acima dela.

8. Sede da União Nacional dos Arquitetos – Bucareste, Romênia

8

Talvez um dos arranha-céus mais bizarros da lista, o prédio da Sede da União Nacional dos Arquitetos é, basicamente, uma construção de estilo renascentista francês do século XIX com um arranha-céu moderno em cima.

O edifício original já foi residência de Grigore Paucescu, um político da segunda metade do século XIX. Em 1914, o prédio foi parcialmente demolido. Ainda assim, a estrutura restante poderia ser descrita como notável. Nos anos 2000, a União Nacional dos Arquitetos ocupou o prédio e, ao invés de restaurá-lo ou demolir e construir um novo, decidiu criar um estranho tributo ao passado e, ao mesmo tempo, um aceno ao futuro progressista da cidade.

A opinião dos moradores sobre a construção, no entanto, é dividida: alguns veem com um insulto a herança bucaresta e um símbolo de fracasso das autoridades locais em preservar o passado. Já outros enxergam como uma eclética combinação de antigas e novas representações arquitetônicas e admiram este contraste.

7. Lippo Centre Admiralty, Hong Kong

7

Uma série de coalas subindo em árvores. Esta foi a ideia inicial do projeto das torres gêmeas da Ilha de Hong Kong. O arquiteto Paul Rudolph, responsável pela obra, projetou o edifício com a ideia de fazê-lo parecer mais suave e menos duro do que outros arranha-céus modernos: não um prédio que “arranhasse” o céu, mas que, talvez, fizesse apenas cócegas.

Concluída em 1988, a construção abriga 48 andares, sendo que a torre mais alta possui 186 metros e a outra, um pouco menor, 172 metros.

6. HSB Corpo Torcido – Malmš, Suécia

6

Com uma altura de 190 metros, o HSB Corpo Torcido é o arranha-céu mais alto na Suécia. Concluído em agosto de 2005, o edifício torcido, de 54 andares, foi projetado pelo escultor, arquiteto e engenheiro Santiago Calatrava.

Ilustrando o quão próximas estão as linhas entre arte e arquitetura moderna, o edifício foi inspirado na escultura O Corpo Torcido, do próprio arquiteto, que projetou o arranha-céu para ser observado como um corpo humano contorcido. Uma coluna estrutural exposta em um dos lados do edifício enfatiza sua predisposição anatômica.

5. Edifício Robot – Bangkok, Tailândia

5

O Edifício Robot foi projetado para o Banco da Ásia em meados dos anos 80, pelo arquiteto tailandês Sumet Jumsai, que foi convidado para representar o mundo informatizado do sistema bancário moderno. O edifício foi concluído em 1986, o que explica por que ele se parece muito com o famoso robô R2-D2, da saga Star Wars.

Jumsai se inspirou em um de seus robôs de brinquedo Sonos. Sua ideia era ilustrar a fusão de sucesso da raça humana e da tecnologia, desafiando a ideia de que a tecnologia moderna era remota para a humanidade. Jumsai explicou que tornar a tecnologia uma parte de nossas vidas diárias nos ajudaria a facilitar a união inevitável da humanidade e máquinas.

Estando apenas a 20 andares de altura, o edifício Robot certamente não é tão imponente verticalmente como os demais arranha-céus da lista. Mas ele é único. Sua aparência agradável e encantadora levou o Museu de Arte Contemporânea de Los a colocar a criação de Jumsai como um dos cinco edifícios seminais do século.

4. Edifício Chang – Bangkok, Tailândia

4

Pairando sobre Bangkok como um elefante gigante de Lego, o Edifício Chang é outra das criações bizarras do arquiteto tailandês Sunet Jumsai. Concluído em 1997, o Edifício Chang é um tributo bidimensional, de 32 andares, ao animal nacional da Tailândia. E, naturalmente, uma vez que é um elefante de 102 metros, é também um dos edifícios mais famosos e emblemáticos do país.

Composto por sete seções, o Edifício Chang é usado tanto para fins residenciais quanto para comércio. Entre as principais características, o local possui uma suíte de luxo, uma piscina, um shopping, um banco e uma agência dos correios.

Estilisticamente, a construção robusta e de cor cinza é incrivelmente pouco atraente. Mas, ao mesmo tempo, a criação é impressionante pela audácia e a poderosa imagem que projeta sobre a cidade. E de alguma forma, com o horizonte logo atrás, há beleza em sua rigidez angular.

3. Torre Cápsula de Nakagin – Tóquio, Japão

3

A peculiar Torre Cápsula de Nakagin, em Tóquio, parece um monocromático Cubo de Rubik abandonado. Estranho por dentro e por fora, o edifício é composto por duas torres interligadas que abrigam 140 apartamentos compactos pré-fabricados, ou cápsulas, como queiram.

Desenhados por Kisho Kurokawa e concluídos em 1972, os apartamentos são minúsculas cápsulas, originalmente destinadas a estudantes japonesas, e foram equipadas com as mais modernas conveniências, como geladeiras, TVs e até mesmo leitores de fita cassete. Com um banheiro do tamanho de um banheiro de aeronave, o espaço era definitivamente um problema.

Estranhamente, as cápsulas de aparência espacial foram construídas em uma fábrica, enviadas para o local do prédio e, em seguida, ligadas às torres de concreto individualmente. Cada cápsula pode ser retirada sem afetar as outras.

Ultimamente, a torre caiu em desuso. Em 2007, os moradores se queixaram das condições de vida “apertadas” e criou-se uma preocupação sobre o uso de amianto. Houve uma votação para demolir o edifício e substituí-lo por um maior, mais espaçoso e mais contemporâneo. No entanto, por enquanto, o prédio ainda continua de pé.

O crítico arquitetônico do The New York Times, Nicolai Ouroussoff, escreveu em oposição à demolição programada da Torre Cápsula de Nakagin, descrevendo sua importância para o mundo da arquitetura moderna: a sua existência também se destaca como um poderoso lembrete de caminhos que não devem ser tomados, por diferentes conjuntos de valores.

2. Portão Capital – Abu Dhabi

2

O arranha-céu Portão Capital, em Abu Dhabi, foi certificado pelo Livro dos Recordes Mundiais Guinness em 2010 como a torre inclinada mais alta do mundo, e é certamente uma visão impressionante. Possui 35 andares, dispostos em 158 metros de massa de concreto, aço e vidro. O edifício apresenta ainda uma inclinação de 18 graus a oeste, o que significa que se inclina quatro vezes mais do que a mais famosa Torre de Pisa, na Itália.

Quer saber como isso é possível? Para contrariar a pressão gravitacional imposta por uma tão audaciosa inclinação, o prédio tem um núcleo pré-curvado. Essencialmente, a construção utiliza um núcleo de concreto reforçado com aço, que, neste caso, foi construído ligeiramente fora de seu centro, o que permite que o prédio se sustente.

1. Casa Sutyagin – Arkhangelsk, na Rússia

1

Parece algo saído do filme “O Tigre e o Dragão”, mas a Casa Satyagin é uma construção de madeira, 100% real. Ou costumava ser. O fascinante edifício foi demolido em 2008 e a estrutura restante, de quatro andares, foi posta ao chão em 6 de maio de 2012.

Com 13 andares e 43 metros de altura, esta “construção Frankenstein” de madeira foi erguida pelo excêntrico gangster e empresário russo Nikolai Petrovich Sutyagin, sem quaisquer planos formais ou licenças de construção. Sutyagin descreveu o edifício como a oitava maravilha do mundo.

Segundo relatos, o estado do edifício deteriorou-se drasticamente quando Sutyagin passou vários anos na prisão sob a acusação de extorsão. A estrutura, no entanto, sempre foi muito instável e, em 2008, as autoridades finalmente ordenaram que a casa de Satyagin fosse destruída.[College Degree Search]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

6 comentários

Deixe seu comentário!