Pais subestimam o uso do álcool e drogas pelos filhos

Por , em 14.09.2011

Quando o assunto é drogas e álcool na adolescência, a maior parte dos pais prefere acreditar que o problema existe, mas com o vizinho, e não com os próprios filhos. Isso é o que sugere um novo estudo norte-americano, que descobriu que a maior parte dos pais crê que mais da metade dos adolescentes ingerem álcool – mas eles não incluem os próprios filhos nessa estatística.

Apenas 10% dos pais acreditam que os seus filhos ingeriram álcool no último ano, e 5% acham que seus filhos adolescentes fumaram maconha nesse período.

Esses números reduzidos contrastam com a realidade, já que um levantamento recente mostrou que 52% dos adolescentes pesquisados relataram ter ingerido bebidas alcoólicas e 28% afirmaram uso de maconha no último ano. Essa pesquisa foi realizada com cerca de 420 escolas públicas e privadas de ensino médio e ensino fundamental dos Estados Unidos, o que forneceu uma representação bastante precisa dos estudantes de diferentes níveis no país.

Mas enquanto os pais parecem acreditar que seus filhos estão longe das drogas e do álcool, eles certamente não acreditam que os colegas de seus filhos são tão inocentes assim. De acordo com o estudo, 60% dos pais afirmaram que acreditam que colegas de seus filhos beberam álcool e 40% crê que eles usaram maconha no último ano.

O quadro que indica que os pais esperam que os problemas com drogas e álcool não acontecerão dentro de casa mostra a necessidade de conscientização sobre o uso dessas substâncias na adolescência. A sugestão dos pesquisadores é a de que os pais abordem o assunto com os filhos adolescentes de uma forma não ameaçadora, e que falem com eles sobre a importância de resistir à pressão negativa dos colegas.

Os pesquisadores também sugerem que os pais acompanhem a vida dos filhos e procurem sinais do uso dessas substâncias. Mas sem exageros: se os pais descobrirem que o filho já passou por uma experiência do tipo, a oportunidade deve ser aproveitada para conversar com os adolescentes, e não para puni-los. O mais importante é sempre o diálogo e o jogo limpo – tanto da parte dos pais quanto dos filhos. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 3,00 de 5)

3 comentários

  • Francisco:

    Pais subestimam o uso do álcool e drogas pelos filhos.

    Stephanie, permita-me um comentário:

    A Super segue a mesma linha de toda a imprensa usando “álcool E drogas”, o que induz ao erro. Álcool É droga e deve ser incluída no rol delas.
    Trata-se de mensagem subliminar nociva e deve ser corrigida.
    E, socialmente falando, o álcool é a droga mais nociva que existe (basta acompanhar pela imprensa ou conversar com médicos que atendem emergências em hospitais).

    • Rosana Oliveira:

      Sim, você está certo, mas não andianta dizer “drogas” simplesmente, pois as pessoas pensarão que o álcool não se enquadra. Há muito tempo o álcool não é visto como droga pela sociedade, sendo que na verdade ele é.
      Primeiro acho que devemos educar as pessoas, começando pelas crianças e aí sim, gradativamente inserindo a palavra “droga” sozinha em artigos, caso contrário, muita gente dirá “ah, mas não tinha ‘álcool’ alí.”

  • burro:

    -Depois ficam desesperados procurando clínica de reabilitação em primeiro lugar(na melhor da hipóteses),presídios e ou IMLs…

Deixe seu comentário!