Papa Inocêncio VIII morreu bebendo sangue humano

Por , em 23.10.2013

Há mais de 500 anos, em 1492, o Papa Inocêncio VIII estava à beira da morte. Para tentar salvá-lo, um médico sugeriu uma transfusão de sangue – a primeira da história. Mas, como na época o funcionamento do sistema sanguíneo não era conhecido, a transfusão foi feita via oral. Sim, o Papa bebeu sangue humano. Para tornar essa história vampiresca ainda mais aterrorizante, o final dela foi triste para o líder da Igreja Católica da época e para os doadores: todos morreram.

Relata-se que três meninos de dez anos de idade ofertaram seu sangue ao Papa, em troca de um ducado prometido pela Igreja. O primeiro menino faleceu logo após retirarem seu sangue, mas o Papa mostrou uma ligeira melhora após beber o “remédio” bizarro.

Depois da primeira morte, os médicos retiraram menos sangue do segundo “voluntário”, acreditando que o outro tinha morrido devido a grande quantidade de sangue retirada. Após a segunda transfusão oral, o Papa Inocêncio teve febre alta, seus rins pararam de funcionar e ele faleceu – para a sorte da terceira criança, que não teve o sangue retirado. Mas, de acordo com o escritor italiano Stefano Infessura, as outras duas crianças morreram pouco tempo depois.

O Papa Inocêncio VIII não é conhecido apenas pela sua morte digna de filme de terror. Ele é famoso por ter tido 16 filhos com mulheres casadas e ter dado início a “caça às bruxas”, concedendo poderes à Inquisição para prender, torturar e punir suspeitos de feitiçaria. Mesmo após sua morte, ele indiretamente causou outras histórias tenebrosas e derramamento de sangue de milhares de supostos bruxos e bruxas do século XV. [io9/Wikipedia/Mistérios do Mundo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 4,00 de 5)

5 comentários

  • Valério Brusamolin:

    Muito da ciência médica ainda se faz dessa forma medieval: experimentando. Sofro de uma doença crônica e tomo diariamente um remédio conhecido desce essa época medieval. Trata-se do extrato de uma planta, e é muito eficaz, mas até hoje não se sabe por quê. Numa fase em que o conhecimento científico e o religioso estão convergindo, o Hypescience deveria revisar seus posts e barrar qualquer discurso preconceituoso, inclusive o contra a religião.

  • Paula Ribeiro:

    Eu não acho depreciativo, porque se fosse uma pessoa do povo e não da igreja, provavelmente tinha ardido na fogueira por bruxaria.

  • JOTAGAR:

    É interessante a forma que este artigos foi publicado. Ele força o leitor, quase de forma inconsciente, a uma interpretação depreciativa da personagem, no caso o papa Inocêncio VIII, como um monstro bebedor de sangue de criancinhas, quando na verdade ele foi submetido a tratamento médico duvidoso, mas único disponível pela ciência daquela época.
    Já vi muitos artigos como este aqui e em outros sites de divulgação científica. Não entendo por não tratar os assuntos de forma imparcial…seria esta uma forma de alienação científica?

    • Wagner Nascimento:

      Contra fatos, não há argumentos…

    • Pedro Basilio:

      Não… O cara era gente finíssima, só deu inicio a Inquisição que matou alguns milhares de pessoas inocentes e engravidou algumas mulheres casadas. Mas tudo para honra de glória de Deus!

Deixe seu comentário!