Partícula subatômica nova e misteriosa pode quebrar regras da física

Por , em 19.06.2013

Enquanto faziam experimentos com a partícula subatômica Y(4260), duas equipes de físicos (uma no Japão e outra na China) encontraram uma possível nova partícula subatômica , nomeada Z(3900).

A nova partícula subatômica

Em nível sub-atômico, existem seis tipos de partículas chamadas quarks, que servem como “blocos de construção” para boa parte da matéria que conhecemos (como elétrons e nêutrons), e que são mantidas juntas graças a partículas chamadas glúons, que geram forças de atração.

Até hoje, só haviam sido detectadas partículas formadas por três quarks ou menos – as próprias Y(4260), por exemplo, seriam formadas por dois (embora isso ainda não tenha sido experimentalmente comprovado). Já as partículas Z(3900), ao contrário de tudo o que já foi visto, são teoricamente formadas por quatro quarks.

Ainda falta confirmar, porém, a natureza dessas partículas (se existem de fato, ou se os aparelhos identificaram pares de partículas formadas por dois quarks, e não partículas formadas por quatro). Assim, existe a chance de estarmos diante de um tipo muito especial de matéria.[Gizmodo, Wired, Physics]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

8 comentários

  • Allan Christian:

    Acredito que onde diz que os quarks formam os elétrons e nêutrons, o autor quis dizer prótons e nêutrons. O elétron é um tipo de lépton, que por sua vez, é um tipo de férmion. Os léptons (elétrons, neutrinos, muons e taus) não são formados por quarks. Apenas os hádrons são formados por quarks (prótons, nêutrons, etc).

  • Alessandro Silveira:

    Prezado, para acrescentar a seu artigo.
    O Zc(3900) é de fato um candidato a tetraquark resultante de um decaimento anômalo.
    Contudo não quebra nenhuma regra da física, pois ele decai em um Méson Píon carregado e um Méson J/Psi, uma condição permitida pela Cromodinâmica Quântica.
    Sob estas condições a Cromodinâmica Quântica permite até pentaquarks.

  • Gabriel Souza:

    interessante, mas, nada surpreendente…

    • Cesar Grossmann:

      Nada? Tem certeza? Quer dizer, só os físicos acham que isto é uma surpresa total, você já sabia que teria uma coisa assim?

    • Gabriel Souza:

      rsrsrs… não Cesar, isso realmente é algo novo, mas não quebra, lei nenhuma da física, pois na física probabilística isso não é quase nada, um exemplo disso, é se alguém me dissesse que chutou uma bola na parede, e a mesma atravessou a parede sem problemas e sem almenos fazer diferença para parede (como uma onda de energia), eu diria: interessante, mas nada surpreendente, é algo difícil de acontecer mas não impossível.

    • Cesar Grossmann:

      Gabriel, você tem um conceito bizarro de “surpreendente”. Se uma bola atravessasse uma parede sem ao menos perturbar a mesma eu acharia isto surpreendente, já que não é algo que aconteça corriqueiramente. “Surpreendente” é isto, é o que é surpresa, é o inesperado, o não-trivial, o que está fora da rotina.

      E sim, esta nova partícula é surpreendente.

    • Rodrigo Ranzan:

      Desculpe minha ignorância, mas não vejo como uma a bola poderia virar onda de energia, não importa quantas vezes alguém a chute.

    • Cesar Grossmann:

      Rodrigo, você parece ser o sujeito que quando alguém aponta para a Lua, só consegue ver o dedo…

Deixe seu comentário!