Promovido: asteroide Vesta é considerado “protoplaneta”

Por , em 11.05.2012

Cientistas da missão Dawn, da NASA, que orbita o asteroide Vesta, informaram em artigo da revista Sience que ele foi considerado um “protoplaneta”, ou seja, um planeta em formação, porque seu crescimento foi interrompido.

O Vesta é o único astro conhecido que sobreviveu a formação do nosso sistema solar, sendo uma chave para a compreensão do início do universo. Depois de Ceres, Vesta é o maior asteroide do sistema solar, com aproximadamente 530 quilômetros de diâmetro.

Vesta, o segundo maior objeto do cinturão de asteroides, tem um núcleo de ferro, uma superfície variada, camadas de rocha e, possivelmente, um campo magnético – todos sinais de um planeta em formação, e não um asteroide”. Essa foi a conclusão de uma equipe internacional de cientistas que examinaram dados da missão Dawn.

De acordo com observações da NASA, os restos aglomerados rochosos do asteroide aqueciam com a decadência de elementos radioativos, e esse calor levou à separação do corpo primordial em uma crosta rochosa, um manto rochoso, e um núcleo metálico central, características do planeta Terra e outros planetas rochosos.

Então, os pesquisadores acreditam que o Vesta estava a caminho de se tornar um planeta e, por várias razões, ele simplesmente nunca cresceu o suficiente.

Por enquanto, os cientistas apenas sugerem que Júpiter possa ser o culpado. Quando o planeta gasoso gigante se formou, objetos próximos como o Vesta tiveram suas órbitas perturbadas.

O planeta provavelmente fez asteroides próximos se “esbarrarem” e se “quebrarem”, e nada cresceu na região, e sim começou a encolher. Que egoísmo, hein, Júpiter?[Abril, Terra, Science, BoingBoing]

Agradecemos ao leitor Jonatas pela dica de artigo.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 4,00 de 5)

12 comentários

  • Junior:

    parece muito com a lua, não teria ela e os asteroides um berço em comum?

  • Jonatas:

    Vesta não é um estranho pra nós. Junto com Marte e Lua, temos pedaços dele aqui na Terra devido a meteoritos arrancados de suas massas durante impactos cósmicos.
    Ainda não está definida a classificação definitiva de Vesta, protoplaneta é uma natureza física, não uma classificação, apesar de já bastar pra que não seja mais um asteróide. Vesta deve vir a integrar a vasta lista de Planetas Anões, junto com o já reconhecido Dwarf Planet Ceres, que também parece ser um protoplaneta formado e interrompido em circunstâncias similares.
    A certeza da natureza de Ceres será conhecida quando a mesma sonda que está em Vesta ir até lá.

    • Marcelo Ribeiro:

      Olá, Jonatas, obrigado pela dica. Da próxima vez que tiver uma dica pode escrever diretamente para a Nat.

    • Glauco Santos:

      temos pedaço do Vesta na terra?

    • Jonatas:

      Sim. Possivelmente centenas. Um grande impacto do passado formou uma colossal cratera em Vesta e lançou milhões de pedaços no espaço, formando toda uma categoria de asteróides chamados vestóides. Muitos caíram na Terra, como esse:
      Meteorito Vestoide Condricte

  • Glauco Ramalho:

    Núcleo metálico? Tá mais prá pedaço de estrela explodida a longo tempo atrás.

    • ricardo:

      mas o cinturão ali era pra ser um planeta, segundo aquela matemática perfectionista de fibonacci

    • Glauco Ramalho:

      Ah, acho q não dá prá depender de Fibonacci prá td. Além do que, isso só funcionaria no caso dos planetas se só existissem nove planetas (sendo que há centenas), e se o modelo protoplanetário estivesse correto. Mas na verdade novos planetas e luas são capturados em nosso Sistema Solar de tempos em tempos.

    • Jonatas:

      A massa de todo o Cinturão de Asteróides mal chega a 3 vezes Ceres, cerca de 1/3 da massa da Lua, e a Lua é 80 vezes menos massiva que a Terra ou cinco vezes menos massiva que Mercúrio, o menor dos planetas. Assim, se somássemos todos os asteróides teríamos um planetinha pouco maior que Ceres 15 vezes mais leve que Mercúrio. A não ser que a maior massa dessa região tenha se perdido, talvez formando planetesimais nas órbitas de Júpiter e Saturno, que posteriormente virariam seus satélites gigantes que vemos hoje.

  • Douglas:

    tinha pensado em algo para comentar porem até eu fazer o loguin eu esqueci!!!
    o cabeça

    • Flor de Lis:

      Não te avexes… isso também me acontece…rs!

    • Edmar Batista Do Nascimento:

      Há tantos bons comentários sem reconhecimento e comentários insignificantes bem votados.
      Que tipo de leitores temos aqui?

Deixe seu comentário!