Não consegue tirar os olhos de alguém? Culpa do cérebro

Rostos bonitos funcionam como um ímã.

rostos bonitos

É verdade que a beleza está nos olhos de quem vê – você pode achar alguém atraente, enquanto seus amigos não pensam o mesmo.

Mas também é verdade que certos rostos são amplamente considerados bonitos. E, para esses rostos, nós adoramos olhar. Por quê?

Uma nova pesquisa sugere que o nosso cérebro literalmente nos recompensa por isso.

Informações cruciais

A pesquisadora Olga Chelnokova, da Universidade de Oslo, na Noruega, resolveu explorar como nosso sistema visual é capaz de dirigir a atenção para as informações mais importantes em um rosto, como sua tese de doutorado em psicologia.

Seu estudo sugere que a evolução nos tornou especialistas em rostos. Um olhar rápido a um rosto nos fornece muitas informações sobre a pessoa: é homem ou mulher? Está feliz ou com raiva? É atraente ou não? Já nos conhecemos ou não?

No caso de um rosto atraente, é difícil desviar os olhos. Por quê?

A recompensa de ver rostos bonitos

A análise de Chelnokova revelou que o sistema de recompensa do cérebro – um conjunto de regiões profundas do órgão – se mete bastante em nossa avaliação da atratividade de outras pessoas.

“O sistema de recompensa está envolvido na geração da experiência de prazer quando, por exemplo, desfrutamos de uma comida saborosa ou ganhamos na loteria. Acontece que o mesmo sistema também está envolvido na criação de sensações de prazer quando olhamos para um rosto bonito”, explica.

O estudo

Pesquisas anteriores mostraram um alto nível de concordância entre as pessoas quando se tratava de avaliar atratividade facial.

No seu estudo, Chelnokova e colegas pediram que os participantes vissem imagens de rostos pré-classificados como mais atraentes, intermediários ou menos atraentes (a imagem acima foi uma das utilizadas). Isso foi feito depois de os participantes receberem uma pequena dose de morfina, uma droga que estimula o sistema de recompensa do cérebro.

“Os participantes classificaram os rostos mais atraentes como ainda mais atraentes, e estavam dispostos a olhar para a foto por um longo tempo. É importante salientar que comportamentos opostos foram observados quando bloqueamos o sistema de recompensa com outra droga. Por exemplo, os participantes deram notas mais baixas para os rostos mais atraentes”, afirma a pesquisadora.

Não houve efeito notável quando os participantes viram imagens de rostos intermediários ou menos atraentes.

Traço evolutivo

Por que existe essa ligação? De acordo com os cientistas, é possível que o cérebro humano tenha evoluído para reforçar comportamentos favoráveis para nós como uma espécie. Ou seja, pode haver vínculos entre atratividade facial e outros fatores importantes para a propagação evolutiva de nossa espécie, como saúde e potencial reprodutivo.

No entanto, Chelnokova afirma que o sistema de recompensa dá apenas uma resposta imediata, um prazer extra, que não determina nosso comportamento a longo prazo.

“Por exemplo, não podemos comer chocolate o tempo todo, porque não é saudável. Da mesma forma, há muitos fatores que contribuem para um bom relacionamento, muito mais do que a atratividade facial”, fala.

Ligação inquestionável

Estudos anteriores já haviam ligado o sistema de recompensa do cérebro com a nossa experiência da beleza facial dos outros. Porém, nestes estudos, os cientistas digitalizaram o cérebro dos participantes enquanto eles olhavam fotos de rostos, mostrando que a visualização passiva de rostos bonitos aumenta a atividade no sistema.

Essa evidência é apenas correlacional, o que significa que os cientistas não testaram de fato se esse aumento de atividade realmente afeta o quanto as pessoas gostam dos rostos que veem.

Os resultados da pesquisa atual são os primeiros a demonstrar que a alteração dos níveis de atividade dentro do sistema de recompensa do cérebro resulta em mudanças no comportamento, tais como achar o rosto ainda mais bonito e querer olhá-lo por mais tempo. [MedicalXpress]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta