Beleza é pessoal ou universal?

Por , em 17.04.2012

A beleza está nos olhos de quem vê, certo? Graças a Deus os gostos não são os mesmos, ou todo mundo acharia uma só criatura bonita. Isso não favoreceria muito a reprodução, não?

Sim, a beleza é relativa. Porém, a experiência de ser movido pela estética parece universal. Um novo estudo neurológico oferece alguns insights sobre esse paradoxo da beleza.

Os resultados indicam que se conectar profundamente com uma obra de arte ativa a mesma parte do cérebro em todas as pessoas. No entanto, a parte do cérebro ativada pelo forte apelo estético está associada à reflexão pessoal.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Nova York mostrou aos participantes do estudo 109 imagens de obras de arte de uma variedade de culturas, períodos históricos e estilos.

Usando ressonância magnética funcional, os pesquisadores monitoraram o fluxo sanguíneo nos cérebros dos sujeitos conforme eles viam as imagens e as classificavam em uma escala de 1 a 4, com 4 sendo a maior, em resposta à pergunta: “Quão fortemente esta pintura o toca?”.

Para explorar as diferenças individuais nas reações estéticas, os pesquisadores pediram aos indivíduos que avaliassem o grau em que cada obra de arte evocou nove emoções: alegria, prazer, tristeza, confusão, temor, medo, nojo, beleza e o sublime.

As experiências confirmaram o velho ditado. “Julgamentos estéticos de quadros são altamente individuais, pois eles tocaram as pessoas de formas muito diferentes”, disseram os pesquisadores.

As imagens do cérebro ofereceram alguns insights na origem da experiência estética. Se uma pintura mereceu um 4, padrões distintos surgiram nos exames. Em particular, um aumento da atividade em regiões do cérebro pertencentes à “rede de modo padrão”, uma rede de áreas associadas com a contemplação interior e autoavaliação.

Parece que as experiências estéticas ativam o cérebro da mesma maneira para todos, mas as partes ativadas incluem aquelas relacionadas com a natureza intensamente subjetiva e pessoal da estética, ajudando a explicar por que essas experiências são igualmente universais e altamente individualizadas.[LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

6 comentários

  • gloria:

    Beleza e procriação acasalamento ñ tem nada a ver c\ o aumento das raças no mundo, tem sim o instinto.Ñ fosse assim as pessoas e seres vivos feios e defeituosos ñ teriam crias.E ñ é o q vemos acontecer,AS mulheres belas são as assediadas ,mas são as q menos procriam.Para se ter prole envolve muitas outras coisas importantes tais como prazer, vontade, fertilidade, saúde , maturida sexual concenso e em alguns caso forla e poder(estupro)beleza ñ é nem cogitada.

  • Cesar Crash:

    E vocês, o que sentem ao olhar esta obra?
    Eu sinto que esta bela adolescente, não conseguiria segurar este anãozinho musculoso se não tivesse este baita biceps mais largo que a própria cabeça.

  • Edmar Batista Do Nascimento:

    Falar sobre beleza sem saber o que é ela produz apenas soberba, portanto, vamos ao conceito: Beleza é o sentimento que o sujeito (domínio) tem quando vê um objeto (contradomínio) que reflete suas características.
    Exemplos, o malvado vê a maldade, o bondoso vê a bondade, o preguiçoso vê a preguiça, o trabalhador vê o trabalho, (o triste vê a tristeza), (alegre – alegria, cobiçador-a cobiça, rico-riqueza, blá blá blá) e por aí vai.
    Como todos são diferentes ela é diferente para todos.

    Puramente individual e pessoal mas moldada pelos padrões familiares, tribais, grupais, regionais, nacionais, religiosos ou não religiosos e materiais ou espirituais.

  • Marte:

    A beleza é universal, posto que é pura matemática. Phi.
    O que é pessoal é a emoção que esta proporciona ao indivíduo.

    Uma estátua grega será sempre bela, porque foi feita matematicamente, no papel – seguindo a proporção áurea –, antes de se usar o cinzel no mármore. Mas a sensação que essa causará ao observador é única, porque também contam valores culturais.

    No Brasil o branco é interpretado como paz, no Japão, como luto. Mas uma métrica áurea aplicada numa música será bem-vinda e terá sua beleza assegurada em qualquer lugar do planeta. A percepção da beleza é universal, a sensação não.

    • Andre Luis:

      Muito legal citar o Phi!

  • Miguel:

    Como dizia um de meus professores: “Concinnitas é a origem da beleza.” Ela explica o porque de você achar algo incrivelmente agradavel e belo.

Deixe seu comentário!