Secularismo e tolerância a minorias predizem a prosperidade de um país

Por , em 13.02.2020

Pesquisadores da Universidade de Bristol (Reino Unido) e Universidade do Tennesse (EUA) analisaram dados de quase 500 mil pessoas de 109 países e concluíram que mudanças na cultura geralmente vêm antes da melhora na riqueza, educação e democracia.

Os cientistas sociais frisaram que os três ótimos indicadores são consequência direta da tolerância, e não o contrário. Eles utilizaram dados globais para mostrar que o secularismo e abertura em relação a minorias pode ser usado estatisticamente para prever o Produto Interno Bruto per capita, nível de educação e democratização.

O resultado mostra que valores culturais pré-existentes são fatores de previsão de níveis de crescimento econômico e prosperidade. Uma das conclusões da análise é que o planejamento de desenvolvimento de um país também deve levar em consideração os valores culturais.

Por exemplo, para promover a democracia em um país, é necessário não só realizar mudanças econômicas e de regime, mas também promover abertura e tolerância a minorias.

Os primeiros locais a observarem aumento dramático em riqueza, saúde, educação e democracia foram os países Ocidentais. É importante notar que neste estudo, são considerados Ocidentais os países da Europa, os Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, ou seja, países desenvolvidos e com alfabeto romano.

Quanto mais avermelhados, mais seculares são os países; quanto mais amarelos ou brancos, menos seculares são.

“Esta pesquisa mostra que – pelo menos no século XX – locais que tiveram as principais melhoras também tenderam a ter culturas seculares e tolerantes pré-existentes”, diz nota da Universidade sobre o estudo.

O estatístico do estudo, Daniel Lawson, da Escola de Matemática da Universidade de Bristol, afirma que o método utilizado permitiu a eles apreender valores culturais a partir dos dados e compará-los com estatísticas históricas.

“Com acesso a bancos de dados gigantescos, a história está se tornando ciência. Nossa análise guiada por dados apoia a noção que uma ‘boa’ sociedade – que valoriza diversidade, tolerância e abertura – pode também ser uma sociedade ‘produtiva’, o que é motivo para se ter esperança sobre o futuro”, diz ele.

O artigo chamado “Pré-requisitos culturais para o desenvolvimento socioeconômico” detalha a pesquisa e está disponível em inglês no portal da Royal Society. [Royal Society, University of Bristol]

3 comentários

  • Bogdan Vilicic Neto:

    ” analisaram dados de quase 500 mil pessoas de 109 países e concluíram que mudanças na cultura geralmente vêm antes da melhora na riqueza, educação e democracia. ”

    O OBVIO.
    Muito tempo e dinheiro gasto com pesquisa para deduzir o obvio, e não seria preciso toda esta pesquisa para saber isto, inclusive seria só olhar para a China e ver que após a mudança de cultura de um pais isolado para um pais aberto, a riqueza, educação e democracia está se tornando prospera.

    O OPOSTO.
    Mas também o oposto e verdadeiro, a mudança de cultura de um povo pode leva-lo a pobreza, analfabetismo e ditadura, como o comunismo e as radicalizações religiosas.

    NÃO E A CULTURA QUE MELHORA OU PIORA UMA SOCIEDADE.
    O que realiza esta mudança de vida e o homem que promove e coloca em pratica estas mudanças culturais, para o bem, Abraham Lincoln ou Deng XiaoPing ou para o mal, Josef Stalin ou Mao Tse-Tung.

    • Cesar Grossmann:

      Bogdan, não existe o óbvio. O que existe é o que as pessoas comuns acham que é óbvio. O cientista sabe que existem muitas formas que as pessoas se enganam acerca do mundo que as cerca.

  • Epicuro de Samos:

    Pois é, e nós aqui com a gangue de milicianos proto fascistas e seu séquito fanático religioso…

Deixe seu comentário!