Usina eólica de 300 metros vai gerar energia para 80 mil casas

Por , em 8.06.2021
Para ter uma sensação de escala, a WCS imaginou a grade Windcatcher ao lado da Torre Eiffel coisas. Crédito: Wind Catch Systems

A empresa Wind Catching Systems (WCS) da Noruega fez a espetacular estréia de uma colossal matriz de turbinas eólicas flutuantes que poderá gerar cinco vezes mais energia por ano do que as maiores turbinas únicas do mundo – ao mesmo tempo em que reduz os custos.

Com mais de 324 metros de altura, essas redes caça-vento gigantescas vão ter várias turbinas menores (117 de acordo com as imagens renderizadas) em uma formação no topo de uma plataforma flutuante ancorada no fundo do oceano usando práticas já estabelecidas pela indústria de petróleo e gás.

Apenas uma dessas matrizes, diz a WCS, poderia oferecer o dobro da área de captação em comparação com as maiores turbinas eólicas convencionais do mundo — as Vestas V236 de 15 MW — e seus rotores menores poderiam ter um desempenho muito melhor em ventos com velocidades acima de 40 a 43 km/h, já que nessa velocidade as turbinas maiores tendem a começar a freiar sua rotação limitando a produção para proteger as pás contra danos. O efeito global, diz o WCS, é um aumento de 500% na produção anual de energia, com cada matriz gerando energia suficiente para abastecer 80 mil casas europeias.

Em vez de usar componentes únicos massivos, os Windcatchers são construídos com peças menores que são muito mais fáceis de trabalhar. Uma vez instalada a base flutuante, a maior parte do restante da instalação pode ser feita no convés, sem guindastes ou embarcações especializadas, e o design da rede permite fácil acesso para manutenção contínua. A WCS diz que essas matrizes estão prontas para uma vida útil de 50 anos, contra os 30 anos de uma única turbina grande.

De acordo com a empresa cada matrix eólica produz a mesma quantidade de energia do que 5 gigantescas turbinas eólicas de 15 MW. Crédito: WCS

Na Noruega o custo da energia fica na média de cerca de US$ 105 (cerca de R$ 555 na cotação atual) por megawatt-hora. As estimativas é que o custo da produção chegue a R$ 526 até 2026.

Portanto, esta ainda será uma maneira relativamente cara de gerar eletricidade, especialmente em comparação com a energia eólica e solar terrestre, mas ainda pode cortar custos em projetos eólicos offshore. E a WCS diz que suas projeções são baseadas em uma projeção inicial mas acredita que se tornará significativamente mais barata à medida que se amplia.

Cabeamento e amarração sob o mar. Crédito: WCS

A WCS ainda não divulgou mais detalhes sobre protótipos ou primeiras instalações, por isso, embora tenha a aparência de uma tecnologia legítima, teremos que esperar algum tempo antes que prove suas alegações. [Wind Catching Systems, Big Think]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!