Energia escura é observada nos colossos do universo

Cientistas encontraram mais evidências intrigantes da existência de energia escura, um dos fenômenos mais confusos da natureza.

Cerca de 74% do universo é feito de energia escura, enquanto a matéria escura, uma misteriosa forma de matéria que os cientistas podem apenas detectar observando sua força gravitacional atuando sobre objetos, forma cerca de 22%. Sobram apenas 4% do universo composto por coisas que podemos ver e tocar; os prótons elétrons e nêutrons normais chamados de matéria bariônica.

Os cientistas ainda não sabem o que é a energia escura, mas eles observam que seu puxão causa a aceleração da expansão do universo. Agora eles conseguiram ver esta força misteriosa atuando em algumas das maiores estruturas conhecidas pelo homem: os super-agrupamentos de galáxias e os super-vazios intergalácticos.

Super-agrupamentos são áreas do espaço particularmente lotadas, cada uma com muitas galáxias espremidas em uma região de apenas 500 milhões de anos-luz, enquanto os super-vazios são o oposto: partes áridas do espaço sem galáxias.

O astrônomo István Szapudi e colegas da Universidade do Hawaii observaram a energia escura se esticando nestas áreas ao detectar mudanças nos raios de luz de microondas antes e depois de passarem através das regiões.

“Quando a microondas entra em um super-agrupamento, ela ganha alguma energia gravitacional, e portanto vibra um pouco mais rápido”, disse István. “Em seguida, quando sai do super-agrupamento, deve perder exatamente a mesma quantidade de energia. Mas se a energia escura faz com que o universo se expanda a uma taxa mais acelerada, o super-agrupamento se espalha pelo mesmo meio bilhão de anos que a luz microondas leva para atravessá-lo. Desse modo a onda consegue manter uma parte da energia que ganhou antes, quando entrava no super-agrupamento.”

O grupo analisou um mapa da variação da força da radiação microondas espalhada pelo Big Bang – chamada de radiação cósmica de fundo microondas – pelo universo. Eles compararam seus dados a um mapa do universo com os 50 maiores super-vazios e os 50 maiores super-agrupamentos.

Na imagem acima os pesquisadores compararam as direções no céu onde encontraram super-agrupamentos (círculos vermelhos) e super-vazios (círculos azuis) com a força da radiação Cósmica Microondas de Fundo.

Como previsto pelos pesquisadores, as microondas eram um pouco mais fortes se tivessem passado através de um super-agrupamento, e um pouco mais fracas se tivessem passado através de um super-vazio.

“Com este método, pela primeira vez pudemos ver o que super-agrupamentos e super-vazios fazem quando as microondas passam através deles”, disse Granett.

A equipe irá detalhar as suas descobertas na revista científica Astrophysical Journal Letters de agosto ou setembro. [LiveScience]

Por: Cezar RibasEm: 4.08.2008 | Em Espaço, Outras  | Tags:  
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 4,50 de 5)
Curta no Facebook:

9 respostas para “Energia escura é observada nos colossos do universo”

  1. As partículas são puntuais ou filamentos? Quais das mais de quinze teorias derivadas do Big Bang (standard) é a mais coerente com a realidade? Porque existe uma fronteira entre o nosso ‘mundo físico imediato’ onde os fatos são mais ou menos previsíveis, e o ‘mundo dito quântico’ onde os ‘fatos’ são fugidios e discutíveis? Qual a relação entre a vida e a consciência, e entre estas e a energia e os campos das forças atuantes moldantes do que denominamos realidade? E mais recentemente matéria escura e energia escura?! Ora, alguém sendo minimamente honesto e inteligente, admite que estes tópicos da ciência atual ( e não necessariamente da filosofia ou metafísica) simplesmente não têm nenhuma resposta satisfatória. Portanto, o que entendemos da realidade com certeza, quando muito chega a quase nada…!!

  2. Se cerca de 74% do universo é feito de energia escura (ou seja, mais da metade do universo)e a energia escura tende a separar as coisas, isso significa que, ao contrário do que alguns livros de física dizem (que o universo está se expandindo e desacelerando) na verdade o universo está se expandindo e acelerando?

  3. NEUTRONS3 corrigido

    A Gênese do nosso universo

    Fase das estrelas colossais

    Fase das estrelas imensas

    Fase do equilíbrio heteronênio

    Fase da consolidação das galáxias

    Fase da expansão acelerada (atual)

    Fase futura

    O multiverso é composto de um número infinito de espaços-universo e o nosso é apenas um deles.

    ATENÇÃO:Vou definir como universo as galáxias dentro deste espaço-universo que

    conhecemos e é importante ter em mente que o fluxo de expansão do material

    desde o início permanece, como se fosse o ar enchendo um balão, dentro do nosso espaço-universo.

    Estrelas colossais, foram as primeiras estrelas formadas a partir de grande quantidade de

    hidrogênio em grande densidade. Foram criadas bilhões destas estrelas que possuiam massa

    inimaginável, entorno de bilhões da massa do sol.

    Estrelas imensas, foram as estrelas formadas na segunda fase, quando a densidade

    do universo já havia diminuido após a explosão em cadeia das estrelas colossais.

    Foram criadas trilhões destas estrelas que possuiam massa entorno de milhões da massa do sol.

    Estas estrelas colossais e as imensas, como consequência de sua massa com pressões gravitacionas

    e temperaturas gigantescas colapsaram rapidamente. Como estas foram criadas quase ao

    mesmo tempo houve um reação em cadeia com bilhões de estrelas colossais na primeira fase e

    logo a sequir, de trilhões de estrelas imensas, criadas com a quantidade ainda muito grande do

    hidrogêneo remanescente da fase anterior, destruídas também em uma explosão em cadeia.

    Tanto na fase um quanto na sequinte, a parte sólida composta dos buracos negros e estrelas de neutrons

    foram atirados para fora do universo pela explosão em cadeia e o que permaneceu era composto dos

    gases e materiais mais leves que basicamente deram origem ao universo visivel que conhecemos

    atualmente.

    Grande parte da materia original que entrou no nosso espaço-universo foi jogado para fora do universo,

    e a partir do que restou foi criado o universo que conhecemos.

    O resultante das fases um e dois foi um universo ( sempre que eu falo em universo é o que atualmente

    conhecemos) muito heterogêneo, com áreas de grande densidades e áreas de menor densidade de gases

    e outros elementos.

    Houve então a fase do equilíbrio heterogêneo, quando nas áreas de maiores densidades estrelas imensas

    ainda eram geradas (e até mesmo estrêlas colossais) dando em consequência a explossões em cadeia em

    áreas localizadas, enquanto nas outras áreas, de menor densidade já começava a serem criadas

    proto-galáxias entorno de buracos negros. Creio que as galáxias são consequência da ação gravitacional

    dos buracos negros que atrairam os gases e estrelas, limpando os espaços intergaláticos. Ao final desta fase o universo ficou mais homogêneo, expandido que foi as áreas de maior densidade, até o relativo

    equilíbrio que vemos atualmente. Os trilhões de proto-galaxias formados se uniram, ao longo do tempo,

    em galáxias e isso somente é possível porque buracos negros não explodem, se unem, porque não são

    formados por átomos e moléculas como todas as demais coisas do universo.

    Existe matéria escura? Qual é a situação atual? Existe energia escura?

    Entendemos que não existe matéria escura que seja a responsável por manter as galáxias unas. É a ação

    gravitacional dos buracos negros que exerce esta capacidade devido seu magnetismo. Os buracos negros

    massivos que manteem as galaxias deveriam ter o nome de estrelas neutron-bóson porque é disto que

    elas são compostas. O bóson possivelmente não será encontrado através de colisões em aceleradores de

    partículas. só é possível encontra-los nas estrêlas neutron-bóson, devidos as condições muito próprias

    que lhe dão origem.

    A situação atual: dentro do nosso espaço-universo de centenas de bilhões de anos-luz o nosso universo

    ocupa uma pequena parte de algumas dezenas de bilhões de anos-luz, ainda próximo ao ponto de ruptura

    do choque com outro espaço-universo que deu origem a materia do nosso universo.

    Entorno do universo, existe a orla-negra, com massa muito superior ao universo, formado pelos buracos

    negros e estrelas de neutron, jogados para fora do universo nas fases um e dois. Esta orla-negra é a

    chamada energia escura e expande o nosso universo cada vez mais rápido.

    Fim do universo: como a orla-negra também esta em processo de expansão, dois finais podem acontecer

    dependendo das velocidades de expansão. De qualquer forma, junto com a orla-negra ou muito depois,

    com o universo já “morto” sem qualquer energia ou calor, e formado basicamente de neutrons,

    engrossaremos a “casca” do nosso espaço-universo.

    <<>>

  4. Considerações sobre o meu artigo “Neutrons”.

    Não estamos procurando a maçã que caiu do cesto. Nós somos a maçã caida

    querendo saber para que lado foi o cesto.

    É claro que a teoria que formulei no artigo “Neutrons” é

    especulativa, porém tem a sua lógica.

    Vejamos: a matéria e energia escura, se existirem, não

    foram criadas recentemente. Logo sempre teriam existido.

    Se elas sempre existiram e representam

    96% do todo, e na forma como estão procurando (entre as galáxias

    e até mesmo dentro das galáxias), teriam de ser antigravitacionais,

    visto que provocam aceleração na expansão do universo. Pergunto:

    Como foi possível a criação das estrêlas, sistemas planetários

    e galáxias com estas forças antigravitacionais sendo majoritárias

    na relação 25/1 comparadas com o restante da matéria bariônica?

    Vou até mais longe, nem mesmo átomos seriam formados, diante

    dessas forças antigravitacionais muito fortes, desde o início.

    Outro aspecto a considerar é a conclusão, a meu ver circunstancial, que

    houve o “BIG BANG”. Ao se constatar que o universo estava em expansão,

    em todas as direções, concluiram por um modelo simples, que

    consequentemente houve um início em um único ponto focal, a partir do

    qual houve o “BIG BANG”, que necessariamente teria de ser o início de tudo

    (espaço e tempo) visto que não teria sentido tal concentração de materia

    em um universo vazio.

    É como ao se escutar um disparo de uma arma e um grito e, minutos depois ao ver

    algém correndo com a arma na mão e concluir que necessariamente que seja o

    assassino. Qualquer um pode formular dezenas de hipótese que provem

    que necessariamente não seja o caso.

    Contudo, no caso do “BIG BANG” parece que aconteceu. A partir daí,

    qualquer outra hipótese foi desconsiderada, ainda mais quando não

    possibilitava ao menos, o “dedo de deus” para dar início ao processo.

    Outra aspecto a considerar é que a teoria era

    completa, somente permanecendo obscuro o que teria acontecido antes,

    ou seja, tudo o que realmente importava era sabido, satisfazendo

    seus formuladores.

    Agora, com o desconhecimento do motivo da crescente expansão, deixa

    a nú a conclusão puramente circunstancial, permitindo que finalmente

    outras hipóteses sobrevivam.

    Até agora o que temos de palpável das leis astronômicas são o limite

    criado pela velocidade da luz e as leis gravitacionais. Ambas foram

    anuladas em favor do “BIG BANG”. Pois a velocidade inicial de expansão

    seria muitas vezes superior a velocidade da luz e agora, quando se pesquisa

    materia antigravitacional com existência preponderante no universo.

    Quando no final levanto hitóteses sobre a gênese do universo é pura

    viagem especulativa . O que importa nas minhas idéias é o não crédito

    de que exista matéria/energia escura dentro e entôrno das galáxias e

    sejam antigravitacionais visto que aceleram a expansão do universo e não

    freêm sua expansão com a ação da gravidade, terminando em um “Big Crunch”,

    como se pensava antes, em uma das hitóteses para o “fim do universo”.

    A idéia do “espaço-universo” finito (“com casca”), e que seus limites exercerem

    ação gravitacional provocando a expansão do universo, é pois, uma consequência.

  5. Neutrons é o que resta de materia, quando toda a energia que pode ser “queimada” pela estrêla acaba, exaurindo a sua existência luminosa. Dependendo da sua massa ela termina
    como estrela anã, estrela de neutrons ou buraco negro. As galáxias também terminarão consumidas por buracos negros massivos. E, quando o “atual” universo chegar ao seu destino
    final, seja qual for, estará “morto”.
    A materia/energia escura representa perto 96% do Universo e a matéria luminosa, 4%.
    Qualquer explicação de que a matéria/energia se localiza “dentro” do universo não explicaria a sua expansão, e a possibilidade que temos de observar distância colossais, a mais de 12 bilhões de anos-luz de distância não seria possível, se toda essa matéria/energia estivesse entre as galáxias, ou dentro delas.
    Logo, se não esta dentro do universo, que pela teoria atual, criado a partir do Big-Bang, então a matéria/energia escura estaria “fora” do universo, ou seja, anterior ao Big-Bang,
    e consequentemente, o Big-Bang não existiu, pelo menos na sua concepção de início de tudo.
    Como a expansão do universo se faz de modo homogêneo, a explicação lógica é que a matéria/energia se distribui de forma homogênea. Para que isso aconteça, somente um envoltório por sobre todo o universo explicaria, OU SEJA, uma “casca”.
    Não creio que existência de matéria/energia escura possa ser explicada de outra forma visto que estas teriam que estar “entorno” do atual universo, e não em outro lugar, como
    o permiando, para prococar a sua expansão.
    Não houve “Big Bang” nem haverá um “Big Crasch”, apenas a “morte” do nosso atual universo em muitos bilhões de anos, em região totalmente fora do horizonte dos eventos observáveis.
    Na “singularidade”, prevista pelo Big-Bang, com toda a materia concentrada em um ponto de absoluta densidade, seria homogêneo e estável, e consequentemente não haveria a “explosão”, como não explodem os “buracos negros”, que possuem altíssima densidade, e apenas “regurgitam” o
    excesso de matéria que não conseguem “absorver”, dependendo do que foi atraido por ele.
    Creio que o resto de universos anteriores que já existiram neste nosso “espaço universo”, ajudaram a compor a “casca”, basicamente de neutrons, deste nosso “espaço universo” e provoca por ação da gravidade a expansão do atual universo visível.
    Creio que o “nosso universo” seja finito, e o multi-universo não, devendo existir muitos outros universos, simultaneamente.
    A criação do “atual universo visível” deve ter ocorrido perto de 14 bilhões de anos a partir de um evento exógeno, possivelmente com a colisão com outro “espaço universo” que rompeu a “casca” do nosso “espaço universo”, permitindo o ingresso “explosivo” de matéria (gasosa que intermediam os “espaço universos”?), principalmente elementos sub-atômicos, hidrogênio e elementos leves, evoluindo para elementos mais pesados a partir da criação e explosão de estrêlas massivas.

  6. Como sabemos, a gravidade de um corpo é o somatório das gravidades de todas as partículas que compõem este corpo. Podemos ver também que o centro de gravidade de uma galáxia (buraco negro) é, grosso modo, o somatório das gravidades de todas as estrelas que compõem esta galáxia. O mesmo se aplica ao universo, ou seja: o centro de gravidade do universo (grande attractor vigor), seria grosso modo, o somatório das gravidades de todas as galáxias que compõem este universo. Portanto, teremos um fortíssimo campo gravitacional, que agiria proporcionalmente em todas as galáxias, influindo em seu movimento giratório, justificaria a gravidade total dos aglomerados de galáxias e explicaria outros fenômenos correlacionados. Isto seria uma gravidade extra, interferindo na gravidade das galáxias. Assim, seu efeito seria como se fosse uma massa extra, imaginária, denominada matéria escura, que é nada mais nada menos que a força de gravidade do universo e por este motivo não pode ser detectada, pois se trata de uma energia.
    Agora aparecem astrônomos dizendo que a matéria escura podem não existir. Isto foi citado no “boletim eletrônico em inovações tecnológicas”, no dia 30/11/09, sob o título de: A lei da gravidade revisada pode dispensar a matéria escura.
    Eu já dizia isto a muito tempo e sempre fui ignorado.
    ENERGIA ESCURA
    Como não existe expansão do universo, também não existe a tal da energia escura.
    Isto poderá ser entendido melhor no blog: http://www.olhandoouniverso.blogspot.com
    Iria tomar muito espaço e não diria quase nada.

  7. Mecholsky, consciência? Eu gostaria de colocar as mãos em um único estudo sério que fale sobre isso. Misturar consciência e matéria escura é que confunde.

    Se existe matéria escura dentro dos átomos, talvez devêssemos chamá-la de matéria clara.

  8. Não existe nada de confuso; a matéria escura nada mais é do que o “campo”. Vide a Teoria de Einstein, a Teoria da Correlação de elétrons, que após terrem sido unidos, e depois separados, não importando a distância, mudam seu spin, ao mesmo tempo que o seu par muda a rotação. A matérica escura, é por onde a “consciência” atua, e será mais “intrigante” ou “confuso” quando descobrirem que a “matéria escura”, permeia toda a matéria. Ou por acaso, alguém acredita que existe espaço vazio entre os elétrons de um átomo?

Deixe uma resposta