Princípio antrópico: o universo só está aqui porque nós existimos

Publicado em 12.09.2012

Quem se debruçar um pouco sobre os números e leis na natureza, vai encontrar uma série de coincidências que os cosmólogos chamam de “coincidências antrópicas”, ou as coincidências que permitem que exista vida e, em última instância, que nós existamos. Entre as coincidências antrópicas, podemos citar a relação entre a força eletromagnética e a força gravitacional, ou a relação entre a massa do elétron e do próton, ou mesmo a relação de carga entre elétron e próton.

Os valores das constantes e as leis da natureza no universo são tais que permitem que as estrelas existam, que elas produzam elementos mais pesados que o hidrogênio, que elas tenham um tempo de vida inverso à sua massa (quanto maior a estrela, mais curta a vida, e mais pesado o elemento que ela é capaz de produzir), que o carbono tenha quatro ligações, que as ligações químicas sejam possíveis e mais uma série de fatores necessários para que exista vida.

Ou seja, tudo isso torna o universo possível, e, em última instância, torna a existência de seres humanos possível.

Princípio antrópico

Da constatação destas coincidências antrópicas, o astrônomo Brandon Carter apresentou em 1974 o princípio antrópico fraco e forte.

O princípio antrópico fraco afirma que, se nosso universo não fosse compatível com a vida, não estaríamos aqui para nos maravilhar com ele. Já o princípio antrópico forte usa o princípio copernicano de que, como não devemos supor que ocupamos uma posição privilegiada no universo, e o nosso universo suporta a vida, então só os universos que suportam a vida são possíveis.

Barrow e Tipler, na década de 1980, estenderam o princípio antrópico forte dizendo que o universo existe para que nós, seres humanos baseados no carbono e inteligentes, viéssemos a fazer a pergunta “por que o universo existe”.

O físico Fred Hoyle chegou a afirmar que qualquer um que examinasse as leis da física nuclear chegaria à conclusão que elas foram concebidas de forma intencional.

Outros ainda pegaram a interpretação de Copenhague da mecânica quântica, que afirma que a superposição quântica acaba quando um fenômeno superposto é observado (“a função de onda entra em colapso quando é medida”), e afirmam que o universo precisa de um observador inteligente para existir, e portanto “foi feito” pensando em nós, observadores inteligentes.

Segundo os defensores do princípio antrópico, a coincidência de todos os valores de constantes e as leis da natureza serem apropriadas para a vida é tão improvável que não dá para pensar em coincidência: teria que ser algo proposital, e o propósito seria para que nós viéssemos a existir para admirar este universo.

Críticas ao princípio antrópico

Existem muitas críticas ao princípio antrópico, principalmente ao princípio antrópico forte.

O astrônomo Carl Sagan foi um dos que criticou o princípio antrópico. Ao mesmo tempo que concorda com o princípio antrópico fraco, ao afirmar que só estamos examinando o universo por que o universo tem condições que permitiram o surgimento de vida e inteligência neste planeta, ele critica o que chama de princípio antropogênico (seres baseados em água líquida e carbono afirmando que a água líquida e o carbono são essenciais à vida) apontando que ele é incompatível com a experimentação.

Não só isto: as mesmas condições que permitem que existam seres humanos também permitem a existência de pedras, o que poderia servir de mote para a criação do “princípio lítico”.

Neil deGrasse Tyson é outro astrônomo a criticar tal ideia. Segundo Neil, o princípio antrópico parte de uma premissa errada – a de que o universo “é amigável” à vida. Segundo as observações astronômicas, a maior parte do universo é totalmente hostil e incompatível com a vida: frio demais, radiação demais, calor demais, ausência virtual de matéria (a maior parte do universo, hoje, é de vácuo), estrelas explodindo, jatos de matéria a velocidades relativísticas destruindo galáxias, explosões de raio gama esterilizando regiões inteiras de galáxias, colisões de asteroides e cometas. E a gente ainda se pergunta por que nenhuma civilização alienígena fez contato até hoje…

Sobre a mecânica quântica, em 1957, o físico Hugh Everett propôs a interpretação de vários mundos, e nesta interpretação a função de onda não entra em colapso e a superposição quântica não é resolvida por um observador. Segundo a IVM, todos os estados quânticos possíveis e todas as combinações possíveis acontecem, gerando uma infinidade de universos possíveis.

Ou, dito de uma outra forma, quando um estado de superposição seria alcançado, o universo se ramificaria em vários universos alternativos, ou histórias alternativas, um para cada um dos estados de superposição possíveis. O experimento do gato de Schroedinger, por exemplo, geraria dois universos, um em que o gato está vivo, e outro em que ele está morto. O observador é dispensado.

Finalmente, sobre a probabilidade extremamente baixa da coincidência, o matemático John Allen Paulos, no seu livro “Inumerismo: o analfabetismo matemático e suas consequências”, alerta contra conclusões baseadas em probabilidades depois do evento acontecido.

Segundo ele, a improbabilidade não é necessariamente prova de qualquer coisa: quando você recebe uma mão de cartas de bridge de 13 cartas, a probabilidade de ter recebido aquela mão específica é de uma em 600 bilhões, uma probabilidade extremamente baixa, mas seria absurdo concluir que aquela mão não deveria ter sido distribuída por que é extremamente improvável.[Wikipedia, HSW – 1, HSW -2, Dicionário do Cético, The Skeptic’s Dictionary, How Stuff Works, Ensadio do Prof. Daniel Berger, The Skeptical Intelligencer, Anthropic Principle, Reason.com]

Autor: Cesar Grossmann

Sou formado em Engenharia Elétrica, mas trabalho no setor público, gosto de xadrez e fotografia.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo