“Estrelarremotos” revelam segredos internos dos astros

Por , em 15.12.2011

Terremotos estelares – que podem ir até o coração dos gigantes vermelhos – agora revelam que os núcleos das estrelas giram muito mais rápido do que as superfícies.

Essa descoberta pode ajuda a entender como o interior das estrelas evolui com o tempo. Gigantes vermelhas representam o destino de estrelas como o nosso sol, quando começam a ficar sem seu combustível: o hidrogênio. Quando isso começa a acontecer, o núcleo contrai e o exterior expande e resfria.

Daqui a aproximadamente cinco bilhões de anos, esse processo vai forçar nosso sol a aumentar mais de 100 vezes seu tamanho atual, transformando-o em um gigante vermelho.

O encolhimento do núcleo deveria fazer com que ele girasse mais rápido. Mas, até agora, os cientistas tiveram pouca evidência desse evento.

Ao analisar terremotos estelares, pesquisadores descobriram que o centro dessas estrelas gira pelo menos dez vezes mais rápido do que a parte externa.

“Estrelarremotos”

Estrelas experimentam tremores violentos que geram ondas de som. Essas ondulações chegam até o interior e causam pequenas variações rítmicas em seu brilho. Ao estudar essas mudanças, cientistas podem compreender melhor o núcleo estelar – um campo científico emergente, chamado de astrosismologia.

Usando a nave Kepler, da NASA, e telescópios terrestres, pesquisadores observaram três gigantes vermelhas por mais de 500 dias. Variações na luminosidade, causadas por vibrações, mostraram a velocidade dos núcleos.

Para quantificar essa velocidade, eles procuraram por impressões digitais dos elementos dos astros, que aparecem como linhas negras no espectro de sua luz, espalhados entre os vários comprimentos de ondas.

Conforme uma estrela gira, uma face se mostra pra nós e outra não. A luz do lado que está para nós aparece azul, e a que está indo para longe como vermelha. Isso forma as linhas negras, que revelam a velocidade do movimento.

A superfície das gigantes vermelhas leva cerca de um ano para completar a rotação. Em comparação os núcleos giram muito mais rápido, completando a rotação em um mês.

O trabalho interior de uma estrela influencia sua evolução, e a rotação influencia como o interior se comporta. “Entender como uma estrela gira ajuda a compreender como nosso sol vai envelhecer”, comenta o pesquisador Paul Beck.

Beck espera analisar mais gigantes vemelhas, de diferentes idades, e verificar se a rotação dos núcleos e superfícies muda com o tempo.[LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

42 comentários

  • Tibulace:

    Glauco, gostaria que vc explicasse, COMO é possível, a GERAÇÃO das IMENSAS pressões e temperaturas, necessárias à fusão do hidrogênio, SE essa fusão acontecesse na SUPERFÍCIE das estrelas?Hidrogênio que FUNDISSE na superfície das estrelas, estaria a MILHÕES de graus Célsius.As medições das temperaturas das superfícies estelares, mostram MILHARES de graus Célsius, não MILHÕES.Como se explica?

  • Glauco:

    Matheus,

    1-) Não precisa. Você cria um modelo que explique as observações realizadas. Se ele faz isso sozinho, sem precisar de alterações – como é o caso do McCanney -, então o modelo é científico.

    2-) Correntes elétricas criam campos elétricos, que criam campos eletromagnéticos. Desligue a corrente elétrica e o campo eletromagnético desaparece. Ponto final.

    3-) Campos eletromagnéticos causados por convecção solar nada mais são do que remendos da teoria da fusão nuclear no nũcleo das estrelas. No modelo da fusão nuclear na atmosfera estelar, os campos eletromagnéticos surgem de maneira muito mais elegante e teoricamente sustentável, além de também ser fator indispensável em inúmeros outros fenômenos estelares, desde a fusão do hidrogênio até a formação da Corona e de manchas, CME’s e jatos solares. Navalha de Occam desfila, gira e corta o modelo mais simples e portanto o mais científico: Universo Elétrico do Prof. James McCanney.

    4-) Provavelmente nem o físico mais ilustre da NASA responderia essa. Mas não tenha dúvidas que, de acordo com E=MC2, o Sol já deveria ter desaparecido a muito tempo.

    4.1-) Não sei, mas o que não falta é jato de matéria sendo expelido pelo Sol.

    5.1-) A matéria escura nunca foi detectada diretamente, apenas evidências de sua existência.

    5.2-) A Energia Escura é parente da Matéria Escura, e a segunda só foi criada na mente dos astrofísicos para explicar a simetria dos braços galácticos.

    5.3-) Não precisa ter medo do ocultismo: o modelo do Universo Elétrico do McCanney não tem nada a ver com o “éter luminífero”, é só corrente elétrica.

    6-) Por acaso a Corona Solar é feita de material mágico, e portanto armazena mais calor que recebe com o tempo? Não, a corona solar é eletron relativístico puro, e prá manter isso aquecido a mais de 2 milhões de graus centígrados, você ia precisar de um corpo de igual temperatura aquecendo-o ou que a corona tenha formas próprias de criar esse calor excessivo. Essa corona é centenas, talvez milhares de vezes mais quente do que vocês imaginam que seja a temperatura do núcleo do Sol. Pense bem, qualquer coisa diferente disso é ir contra as leis da termodinâmica.

    7-) O Phil Plait nunca leu uma linha do site ou dos livros do McCanney, qualquer um que já leu o que os dois dizem sabem disso. Eu já você não, e confesso que a primeira coisa que fiz ao saber da existência do Prof. McCanney foi ler o site do Bad Astronomy e depois conhecer a defesa do Prof. pois isso seria o mais correto. Não sei qual foi a intenção do Phil, mas que ele só falou abobrinha nessa matéria, disso vc pode ter certeza!

    😎 Cancelado.

    9-) Você precisa de muita energia direcionada em um único ponto para provocar jatos ou CME’s – os dois quase sempre relacionados a manchas. O processo de convecção solar da forma que a astronomia imagina não é um tipo de energia concentrada, é difusa e dispersa pela superfície solar. Como a mesma Segunda Lei da Termodinâmica diz, você não pode tirar sistemas de energia direcionadas de sistemas de energia difusa e dispersa. Logo esses fenômenos – manchas, jatos e CME’s -, só podem ter origem eletromagnética.

    10-) Não adianta botar palavras na minha boca prá diminuir o que eu digo: eu falei sobre cometas caindo no Sol, e não meteoros. Se você duvida disso vai contra a própria ciência que acredita, pois o próprio site soho possui dúzias de compilações de cometas causando reações ao redor do Sol. O único problema é que eles dizem que é coincidência.

    • Matheus H.:

      Glauco,

      1- Mas suas implicações devem ser observadas, caso elas não se apliquem a realidade, o modelo está errado.

      2- Não, uma corrente elétrica dá origem a um campo elétrico, um campo elétrico variante da origem a um campo eletromagnético (sem a baboseira de “ficar alimentando o campo eletromagnético”), mas um imã se movimentando dá origem a um campo magnético, campo que se variar, tambem dá origem a um campo eletromagnético.

      3- Não, o modelo do campo magnético devido às convecções é baseado nas OBSERVAÇÕES feitas do Sol (alem de só ficar repetindo isso, prove que o modelo é um remendo), além disso, a Navalha de Occam não se aplica, se o modelo estiver errado (de novo, se ele estivesse correto, deveríamos detectar muito mais radiação de raios-x do Sol), além disso, você ainda não provou que o Efeito Pinch serve de algo além de produzir jatos de matéria.

      4- Prove.
      4.1- Não importa os jatos de matéria, deveríamos detectar mais raios-x vindos do Sol (no comentário anterior eu expliquei o porquê).

      5.1(.2)- Realmente não detectamos diretamente a matéria escura (tambem há a possibilidade dela ser formada de neutrinos), mas ela é a melhor maneira (no próximo item vou mostrar o porquê do modelo do McCanney estar errado em relação a esse tópico) de se explicar o fato das galáxias não se desmancharem devido às suas rotações e a energia escura não tem nada a ver com isso, ela é só o mecanismo que se acha ser responsável pela expansão do universo.

      5.3- Primeiramente, o “éter luminífero” foi só uma comparação, agora, não importa se é uma corrente elétrica ou um plasma, se o espaço fosse preenchido por isso já deveríamos ter detectado (e esse é o motivo do modelo do McCanney não explicar corretamente o motivo das galáxias não se desfazerem).

      6- A descoberta que eu mostrei explica muito bem o porquê da corona solar ter essa temperatura (a alta energia cinética das partículas expelidas é dissipada rapidamente, logo contribuindo para a alta temperatura), além disso o equilíbiro hidrostático (que você não refutou) mostra que a temperatura no núcleo do sol é de aprox. 15 milhões de graus.

      7- Pesquisei e não achei a resposta do McCanney ao Phil Plait, se puder ponha um link. Agora, prove que Plait falou abobrinha alem de só “garantir isso”.

      9- O que isso prova? Prova que ocorrem eventos eletromagnéticos no Sol. Prova que a fusão nuclear ocorre devido a esses eventos? Não!

      10- Sim, sim, os astrônomos assumem que foi uma coincidência porque os modelos aceitos não preveem que estrelas sejam afetadas por cometas, mas você pode dizer “o modelo do McCanney explica isso”, porém essa afirmação encontra vários problemas:
      – Esse modelo falha em diversas outras formas, logo não se pode assumir que ele esteja correto nesse caso.
      – Para cometas poderem causar tais eventos em estrelas seria necessário que eles tivessem fortes campos eletromagnéticos, algo que teria sido detectado.
      – É preciso explicar por que só uns poucos cometas “causam” esses eventos e não todos.
      – Para provar que não é uma coincidência, seria necessário observar tal fenômeno muito mais vezes.

  • Matheus H.:

    Glauco,

    “Não são os campos eletromagnéticos, são as descargas elétricas as responsáveis pela fusão nuclear”

    Nunca disse que os campos são responsáveis pela fusão nuclear, disse que eles são responsáveis por vários efeitos solares, além disso, prove que as descargas causam a fusão nuclear, pois mesmo que o modelo atual esteja errado, o seu não ficará automaticamente certo.

    “pelos campos eletromagnéticos”

    Os campos eletromagnéticos são intrínsecos às estrelas pelo simples fatos de seus compotentes possuírem cargas eletromagnéticas.

    “além de ser responsável também pela Corona Solar. […]portanto o calor da Corona Solar ainda é uma pedra no seu sapato.”

    Segundo a descoberta feita recentemente (http://scienceblogs.com.br/chivononpo/2011/01/a_atmosfera_do_sol/.), os campos eletromagnéticos do Sol aceleram várias partículas, logo aumentando seu calor e ao chegarem na Corona Solar, contribuem para a temperatura dela, sem violações da termodinâmica.

    “São inúmeros os eventos que esse modelo explica de forma mais satisfatória”

    Não, pois como eu disse várias vezes, se a fusão ocorresse na superfície, detectaríamos muito mais radiação e o Efeito Pinch só serve para fusão nuclear em espaços pequenos.

    “desde a simetria dos braços galácticos até a formação de furações”

    Eventos que são explicados por modelos que, diferente do seu, possuem evidências que os comprovem.

    “O Equilíbrio Hidrostático depende de muitos fatores que são influenciados se o núcleo da mesma for rochoso, e não gasoso;”

    Não, o Equilíbrio Hidrostático se basea na pressão, raio e massa do Sol.

    “Nunca enviamos um termômetro prá lá, e as suposições sobre suas temperaturas são baseadas num modelo teórico, não na prática”

    Sério? Se for assim não tem como comprovar o seu modelo tambem!
    Agora, calculamos essa temperatura atravéz de modelos que tem se mostrado corretos em diversas situações, nenhuma observação do Sol feita mostra que esses modelos não podem ser aplicados para explicar o funcionamento das estrelas.

    “Se não está, então explique o fenômeno que vem ocorrendo entre o Sol e um cometa passante desde o dia 15/12 com o modelo tradicional sem as descargas elétricas”

    Que eu saiba nenhum fenômeno vem ocorrendo.

    “Um átomo não pode ser absorvido, pequenas porções de moléculas sim. Foi isso que eu quis dizer;”

    Então, como pequenas porções de moléculas podem ser absorvidas?

    “O modelo não tem nada a ver com as manchas pq não as prevê – o que deveria ser sua obrigação.”

    Uma coisa não tem nada a ver com a outra, o modelo de fusão nuclear explica como as estrelas obtem sua energia, ponto, esse modelo não precisa explicar nenhum outro evento solar.

    “eletromagnéticos não poderiam existir sem os campos elétricos, e no caso de estrelas eles precisam sem muuuuito maiores do que os campos eletromagnéticos;”

    Isso é o mesmo que dizer:
    “o fogo não poderia existir sem o fogo, e no caso das explosões, precisa ser muuuuuuuuito maior que o fogo”

    “Você está invertendo as bolas do Maxwell: sem campos elétricos não existe eletromagnetismo, e não vice-versa;”

    Pelo contrário! Veja bem: Um campo eletromagnético é tanto um campo elétrico quanto um magnético (mesmo?), isso de “campo elétrico” só é citado quando estudamos eletricidade separadamente, mas não é assim na realidade.

    • João Mendonça:

      Nem adianta perder tempo explicando alguma coisa pro Glauco. O elemento acredita em rocha sólida no núcleo de uma estrela com milhões de graus centígrados, acredita que tem ETs em Marte, e acredita em gnomos e na existência de vários deuses…

    • Glauco:

      Não adianta mesmo. Eu já conheço essa explicação que ele me passa com todas as vírgulas a mais de quinze anos. Ela simplesmente não funciona.

    • Matheus H.:

      Diga que o porquê de minha explicação “simplesmente funcionar”, mas sem fazer rodeios e mostrando todas as evidências que confirmam tudo o que você diz…será que é tão difícil assim?
      Ou você acha que realizar esquivos sem mostrar provas de que você está certo ou que minhas explicações são falhas e dizer “você está errado” sem nenhum porquê vale de alguma coisa em um debate ou no meio científico?

    • Matheus H.:

      PS- Durante esse debate você não mostrou UMA evidência de que o modelo que você defende está certo(dizer “o modelo explica melhor esses eventos” é só enrolação).

    • Glauco:

      Calma, tá respondido ali…

    • Glauco:

      Não vou repetir suas palavras senão fica impossível ler. Mas respondo seus comentários.

      1-) Eu sei que você não disse isso, fui eu q falei algo parecido e vc confundiu, só esclareci. E eu não preciso provar um modelo científico, e deve ser fazer isso sozinho. E é o que ocorre com o Modelo do Universo Elétrico do Prof. McCanney.

      2-) Não existe carga eletromagnética sem uma corrente elétrica. O modelo atual diz que os campos eletromagnéticos são causados por consequência do processo de fusão nuclear, mas na verdade os dois são consequência dos campos elétricos.

      3-) A Corona Solar é puro elétron relativístico. Os campos eletromagnéticos ao redor do Sol não são capazes de excitar essa nuvem tão intensamente. Os donos dessa matéria publicada estão forçando a idéia de que esses campos são gerados por fusão nuclear, por isso conseguem encaixar suas explicações no que já é dito como certo. Sendo que qualquer segundo anista sabe que campos eletromagnéticos são provocados por correntes elétricas, por nada mais.

      4-) Quanto mais radiação? Cuidado, vc tá indo mais longe do q devia! O Efeito Pinch só ocorre em espaços pequenos em laboratórios na Terra pq não possuímos o confortável vácuo sideral para realizar esses experimentos.

      5-) A simetria dos braços das galáxias nunca foram explicados, o que existe é a possibilidade da Matéria e Energia Escura – entidades que não podem ser vistas, medidas ou reproduzidas em laboratório, como Deus -, e que possuem mais massa do que o resto do Universo multiplados por dez – pq então não orbitamos essa Matéria tão mais abundante? -, serem as responsáveis por moldar esses braços galácticos. Onde estão as evidências dessas teorias que você acredita então? E esse modelo não é meu, é do Prof. James McCanney.

      6-) Termine de ler a matéria que vc me mandou o link e depois pense melhor.

      7-) O modelo de fusão nuclear no núcleo das estrelas é bom, mas não explica várias observações como os cometas, os cometas e as CME’s, e as diversas interações climáticas entre a Terra, o Sol, a Lua e os planetas e os furacões, por exemplo. O modelo do McCanney consegue unificar tudo isso.

      😎 Claro que você não sabe, não se mantém informado como a maioria dos leitores desse site. O nome do cometa é Lovejoy, apenas um da dúzia de cometas que excitaram incrivelmente a atmosfera solar somente esse ano. Está na primeira página do site sohowww.nascom.nasa.gov. Se vc for tão esperto qto pensa que é, vai perceber que a NASA cortou o vídeo por duas horas no momento mais emocionante.

      9-) Você cozinha bem o material e deixa descansar junto com outros de mesma densidade.

      10-) Então deixa eu explicar melhor: o modelo de fusão nuclear no nũcleo não permite a existência desses eventos, mas eles existem. O modelo de fusão nuclear elétrica permite.

      11-) Não é a mesma coisa. Isso é Lei da Física: campos eletromagnéticos precisam de campos elétricos para existirem. Mas se quer analogia barata, é como o fogo q também não pode existir sem calor!

      12-) Campos elétricos sempre formam campos eletromagnéticos, e campos eletromagnéticos não podem existir sem um campo elétrico que os alimente. Mas eles são entidades separadas que podem ser medidas separadamente.

    • Matheus H.:

      1- Não se precisa provar um modelo científico? Sério?

      2- Bem, uma carga elétrica é causada por uma corrente elétrica é por ser uma carga, logo possui um campo elétrico em volta de si, um campo que ao variar dá origem a um campo magnético, mas um campo magnético que varia dá origem a um campo elétrico, essa variação, sendo contínua, dá origem a um campo eletromagnético, ponto.

      Ou seja para um campo eletromagnético existir, não é necessário “um campo elétrico o alimentando”,alem de que, se um objeto ou corpo possui um campo eletromagnético, não tem com existir um campo elétrico ou magnético que provém desse mesmo objeto separadamente (Isso tambem responde aos números 11 e 12).

      3-Bem, na matéria não se diz que o campo eletromagnético do Sol é causado pela fusão nuclear, e, na verdade, o modelo mais aceito é que o campo é resultante das convecções no Sol (caso não saiba inglês, está traduzido)-
      http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&tl=pt&u=http%3A%2F%2Fen.wikipedia.org%2Fwiki%2FStellar_magnetic_field&anno=2

      Agora repito- o modelo de fusão nuclear não possui relação com os campos eletromagnéticos solares e logo não necessitam prever eventos como o surgimento das chamas solares (respondendo ao número 10).

      4- Não sei quanto mais, pois não sou físico, apesar de querer me formar nessa área, mas com certeza deveríamos detectar mais radiação, pois o efeito pinch deveria estar agindo continuamente para gerar a energia necessária para o Sol se manter estável, o que deveria acarretar em maior emissão de raios x do Sol.
      4.1- Alguma pesquisa confirmada por diversos grupos de cientistas por acaso prova que o efeito pinch no vácuo não acarretaria num jato de matéria? Senão isso só é especulação.

      5.1 Matéria Escura foi detectada de diversas formas –
      http://eternosaprendizes.com/2009/06/09/hubble-encontra-evidencias-da-materia-escura-nas-galaxias-anas-do-aglomerado-perseus/
      http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=45859&op=all
      http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=mapa-da-materia-escura&id=020130101112
      http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=telescopio-hubble-censo-materia-escura&id=030175111013
      http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=010130060823

      5.2 Energia Escura não tem nada a ver com a simetria
      das galáxias e uma evidência de sua existência é os diferentes graus de desvio para o vermelho das galáxias.

      5.3 O modelo do McCanney para a simetria das galáxias envolve quase um substituto ao éter luminífero E fala de um plasma que nunca foi detectado (você tambem tem que mostrar evidências).

      6- Imagino que você esteja falando da segunda lei da termodinâmica, se esse for o caso, a matéria cita um dos astrônomos e ele diz que o rápido desaparecimento do jato significaria que a energia rapidamente se dissipou, logo garantindo um aumento da temperatura, se não for o caso, me diga a que você se referiu.

      7- Um astrônomo refutando várias partes do modelo do McCanney-http://www.badastronomy.com/bad/misc/mccanney/index.html

      8-Você mede meu grau de informação pelo fato de eu não conhecer UMA notícia, ou pelo fato de eu não concordar com suas afirmações?
      Agora, a questão é- NÃO HOUVE CORTE, se você observar cuidadosamente, pode ver que a hora 15 passa rapidamente (que nem a hora 1 ou a hora 20), alem disso, nenhum cientista de universidade ou centro de pesquisa identificou alguma excitação solar ocorrendo.

      9- Certo, mas você tinha dito num comentário anterior que devido a essa partícula ser absorvida e re-absorvida (o que eu não sei se realmente ocorre no plasma) não existiriam manchas solares, mas isso não tem nada a ver com a fusão nuclear, isso é relacionado ao campo eletromagnético solar que, segundo a teoria atual, é formado devido a conveccções no Sol e por isso varia tanto (o link que eu postei explica isso)

    • Matheus H.:

      Nossa! No item 8 eu cometi um erro ridículo, confundi o “corte” das 22 às 24 horas com o fato de algumas horas passarem rápido, mas errar é humano…

      Agora, eu tenho certeza que existem explicações muito melhores para isso do que a teoria-da-conspiração-de-cientistas-do-mal-contra-o-McCanney-que-odeiam-chocolate, além disso, como eu havia dito acima, nenhum cientista de universidade ou centro de pesquisas identificou algum evento como o que você havia descrito, nem nesse caso nem “na dúzia de meteoros que passaram perto do Sol”

  • LacrymosaEv:

    Nossa está certo que não sabemos quando o mundo vai acabar se é que vai acabar , mais me parece que as pessoas são tão preguiçosas e acomodadas quando dizem : “só deus sabe , deus isso deus aquilo , … aff

    • Jonatas:

      Isso sem falar num velho recurso de caloteiros: que deus lhe pague…

  • Glauco Zoinho Vermelho:

    Atividade vulcânica no Sol…não sabia que tinha vulcões e magma – rocha derretida – saíndo da superfície de uma estrela, que é praticamente composto de gases…só mesmo o Glauco pra soltar umas pérolas desta. haja beck pra tanta nóia…

    • Gabriel:

      cara uma extrela é formada primordialmente por ‘gases extrelares ou pueira extrelares (tanto fas)

      mais ocorre transformações nela e etc… você não entende de exterlas né?

    • Glauco:

      No. As estrelas não são bolas de gases, são corpos rochosos e o processo de fusão ocorre na atmosfera graças a imensas descargas elétricas e fortíssimos campos eletromagnéticos. Por isso já apresentou sinais de atividade vulcânica recente.

    • Matheus H.:

      Glauco,

      “As estrelas não são bolas de gases, são corpos rochosos e o processo de fusão ocorre na atmosfera graças a imensas descargas elétricas e fortíssimos campos eletromagnéticos.”

      Mostre evidências do que você diz e eu repito, se o processo de fusão nuclear acontecesse na atmosfera das estrelas, detectaríamos uma radiação muito maior do que a que detectamos, além disso, os calculos e evidências mostram que a temperatura e a pressão nas estrelas são grandes demais para permitir existência de substâncias sólidas nelas.

    • Gabriel:

      sim mais toda extrela morre e o que você acha que acontece com ela?

      se não for massiva vira o que?

    • Glauco:

      Nós não conhecemos corretamente o mecanismo de morte de uma estrela.

  • julia:

    eu acho que o mundo ñ vai acabar em 2012 pq nimguem sabe ,
    e tambem pode ate ser verdade mais eu ñ acredito pq só Deus sabe o dia e a hora ………
    QUE ELE IRA VOLTAR .

    • Deus:

      Ainda não decidi.

  • Tundra:

    aeeee o Glauco voltou!!

  • Matheus H,:

    Glauco,

    Por favor escreva sua refutação abaixo desse comentário, para podermos escrever textos maiores sem criar uma grande coluna como meu último comentário ficou.

    • Glauco:

      1-) O Efeito Pinch e qualquer outro efeito eletromagnético não existiriam se não houvesse um campo elétrico forte o bastante para criá-lo. No caso do Efeito Pinch especificamente, no modelo do McCanney, ele seria forte demais para ser uma “reconexão elétrica” originada no Vento Solar. Ele seria a causa, não a consequência;

      2-) A Temperatura no núcleo do Sol é estimada baseando-se no modelo atual de fusão nuclear no núcleo da estrela. Nunca enviamos um termômetro até lá. Como o modelo está errado, a temperatura no centro também está. A única forma de se medir corretamente a temperatura no centro é analizando espectros de raios-x vindos do Sol, mas infelizmente isso só foi feito pelos russos;

      3-) Imagine que uma partícula de hidrogênio entrasse em fusão no núcleo do Sol. Ao ser expulso do núcleo, no primeiro momento ele seria reabsorvido pelo material ao redor, aquecendo-o. Depois entraria novamente em fusão, mas seria reabsorvido de novo e de novo até alcançar a superfície. Se esse fosse o modelo real, a superfície do Sol não apresentaria manchas, erupções ou tempestades, seria tão lisa quanto uma mesa de bilhar.

      Os efeitos de “reconexão eletromagnética” que são flagrados no Sol ocorrem devido ao sistema de “fogo elétrico (ou plásmico)” que o Sol realiza para a fusão nuclear. Uma “reconexão eletromagnética” não seria possível se não houvesse uma força elétrica muito mais forte do que a própria reconexão. E tal fenômeno mostra que é a eletricidade, e não o magnetismo, o verdeiro causador dos fenômenos observados pelo Sol. Como os próprios astrônomos insistem em dizer, não existe carga elétrica potencial no Sol ou ao seu redor. Mas seus próprios equipamentos dizem o contrário, como eu já mostrei aqui mas o Cesar teve preguiça de confirmar nos registros da própria NASA.

      E ainda falta o problema da Corona Solar que é milhares de vezes mais quente do que o próprio Sol. Ela só pode existir se algum fenômeno elétrico fora do Sol for o responsável, e não por simples transferência térmica.

    • Matheus H.:

      Glauco,

      “O Efeito Pinch e qualquer outro efeito eletromagnético não existiriam se não houvesse um campo elétrico forte o bastante para criá-lo.”

      Exato, e isso prova que estrelas possuem fortes campos eletromagnéticos, não que esses campos são responsáveis pela fusão nuclear.

      “No caso do Efeito Pinch especificamente, no modelo do McCanney, ele seria forte demais para ser uma “reconexão elétrica” originada no Vento Solar. Ele seria a causa, não a consequência;”

      Veja muito bem, “no modelo do McCanney” esse modelo por acaso possui explica eventos que não podem ser explicados de outra maneira?

      “A Temperatura no núcleo do Sol é estimada baseando-se no modelo atual de fusão nuclear no núcleo da estrela.”

      Não, ela é estimada atravéz da equação do equilíbrio hidrostático:http://astro.if.ufrgs.br/evol/node13.htm

      “Nunca enviamos um termômetro até lá.”

      Temos outros meios de descobrir a temperatura no núcleo do Sol.

      “Como o modelo está errado, a temperatura no centro também está.”

      Prove que o modelo está errado.

      “A única forma de se medir corretamente a temperatura no centro é analizando espectros de raios-x vindos do Sol”

      Não, podemos medi-la atravéz das outras formas de radiação que o Sol emite.

      “Imagine que uma partícula de hidrogênio entrasse em fusão no núcleo do Sol. Ao ser expulso do núcleo, no primeiro momento ele seria reabsorvido pelo material ao redor, aquecendo-o.”

      Como um átomo poderia ser absorvido?

      “Se esse fosse o modelo real, a superfície do Sol não apresentaria manchas, erupções ou tempestades, seria tão lisa quanto uma mesa de bilhar.”

      O modelo de fusão nuclear não tem nada a ver com as manchas solares, elas são causadas pelos campos eletromagnéticos do Sol.

      Sobre a reconexão magnética, eu vou me informar um pouco mais antes de dar uma opinião, mas vou resaltar uma parte:

      “E tal fenômeno mostra que é a eletricidade, e não o magnetismo, o verdeiro causador dos fenômenos observados pelo Sol.”

      Eletricidade É magnetismo e vice-versa, como foi mostrado experimentalmente várias vezes e pela teoria de Maxwell; não tem como você envolver eletricidade sem envolver magnetismo.

      “E ainda falta o problema da Corona Solar que é milhares de vezes mais quente do que o próprio Sol. Ela só pode existir se algum fenômeno elétrico fora do Sol for o responsável, e não por simples transferência térmica.”

      Uma descoberta recente mostrou que são jatos de plasma vindos do Sol que dão à Corona Solar sua alta temperatura: http://scienceblogs.com.br/chivononpo/2011/01/a_atmosfera_do_sol/.

    • Glauco:

      Matheus,
      Não são os campos eletromagnéticos, são as descargas elétricas as responsáveis pela fusão nuclear, pelos campos eletromagnéticos e pelas reconexões eletromagnéticas, além de ser responsável também pela Corona Solar. COmo eu já disse, é impossível que um corpo mais frio mantenha um outro corpo com um temperatura mais elevada do que a dele mesmo. Qualquer coisa contrária a isso viola a 2º Lei da Termodinâmica, portanto o calor da Corona Solar ainda é uma pedra no seu sapato;

      São inúmeros os eventos que esse modelo explica de forma mais satisfatória, desde a simetria dos braços galácticos até a formação de furações, apenas usando-se as Leis já conhecidas da Física de forma inteligente, sem adição de novas teorias complicadas e sensíveis à Navalha de Occam;

      O Equilíbrio Hidrostático depende de muitos fatores que são influenciados se o núcleo da mesma for rochoso, e não gasoso;

      Nunca enviamos um termômetro prá lá, e as suposições sobre suas temperaturas são baseadas num modelo teórico, não na prática;

      A formação de cometas já é comprovação suficiente para dizer que o modelo tradicional está errado. Se não está, então explique o fenômeno que vem ocorrendo entre o Sol e um cometa passante desde o dia 15/12 com o modelo tradicional sem as descargas elétricas.

      As diferentes formas de radiação são pouco sem considerar o modelo elétrico de seu funcionamento, mas confesso que ajudam!;

      Um átomo não pode ser absorvido, pequenas porções de moléculas sim. Foi isso que eu quis dizer;

      O modelo não tem nada a ver com as manchas pq não as prevê – o que deveria ser sua obrigação. Os campos eletromagnéticos não poderiam existir sem os campos elétricos, e no caso de estrelas eles precisam sem muuuuito maiores do que os campos eletromagnéticos;

      Você está invertendo as bolas do Maxwell: sem campos elétricos não existe eletromagnetismo, e não vice-versa;

      Como eu já disse, a Segunda Lei da Termodinâmica não permite que a Corona seja mais quente do o a estrela envolvida apenas por transferência de calor da estrela para a área ao seu redor.

  • Jonatas:

    Temos Carbono em abundância suficiente para a vida orgânica na Terra? Devíamos então ser agradecidos as Gigantes Vermelhas. Depois da sequência principal, a fase atual do Sol, a estrela se expande e suas camadas exteriores mais longe do centro ficam menos quentes e com espectro vermelho. As reações nucleares agora geram um novo elemento, o Carbono, e novos elementos surgirão em sua evolução, nitrogênio e oxigênio, até a estrela se tornar uma bela Nebulosa planetária, liberando esses elementos no espaço.

    Uma única gigante vermelha pode ser o ponto da alquimia universal básica da vida na Terra, mas as Supergigantes Vermelhas vão mais além. Elas surgem de estrelas mais massivas que o Sol, e com maior pressão interior geram elementos de números atômicos cada vez maiores, acredita-se que até Ferro. Elas não agonizam na calma das Nebulosas Planetárias, elas explodem na forma de Supernovas, e violentamente espalham esses elementos no espaço. No advento de uma supernova, um colossal estado de pressão e temperatura inimaginável gera elementos diferentes numa violência reação, liberando compostos mais raros como urânio.

    • Gabriel:

      o fato não é que o sol esta siplesmente apagando e sim que muito antes disto ele vai ‘emgolir os tres primeiros planetas (incloindo a terra)

      mais isto mais ou menos daqui um 30 bilhões de anos ( eu acho que é mais ou menos isto) pois quando chegar algums mil quilometros a gravidade puchara a terra…

      e apos seu apagamento e a terra morta ai ele explode e vira uma extrela ipermaxiva (expreção boa esta) de apnas 500 metros ou 1 kLm de circunferecia. ( teóricamente ) ela só não virará um buraco negro porque não esta coprimido suficiente-mente para ocorrer algo assim.

    • Jonatas:

      Presume-se na verdade a expansão dentro de cinco ou seis bilhões de anos, o Sol crescerá gradualmente, tornando-se gigante vermelha. Mas a extinção da vida terrestre já ocorreu bem antes. Na verdade, daqui apenas 1 bilhão de anos o calor maior do Sol elevará drasticamente a temperatura da Terra, a atmosfera tornar-se-a saturada de vapôr de água dos oceanos, é o fim da vida terrestre.

    • Gabriel:

      só uma pergunta, calor maior? o seu pico de calor ja foi atinjido e se foi…

      agora é só expandir e esfriar e morrer,, n/ao é isto?

    • Jonatas:

      Vai esfriar e assim aquecer mais a Terra. Estranho? um contrasentido? Não, uma estrela de uma massa solar envelhecida é mais fria na superfície, mas sua atmosfera, a corona, se expande drasticamente e chega mais perto dos planetas, aquecendo-os, em apenas 1 ou 2 bilhões de anos, a vida na Terra será insustentável. A coroa, a atmosfera externa do Sol que gera o vento Solar, tem 2.000.000 °C, contra os humildes 5.800 °C da superfície (fotosfera)

  • nelson gomes:

    O que mais assusta à humanidade, não é o fato que o nosso sol está envelhecendo, e sim: ATÉ ESTA DATA, NÃO INVENTARAM NAVES DO TIPO CARGUEIRA, OU SEJA QUE POSSA LEVAR ASTRONAUTAS PARA ALGUM EXOPLANETA HABITÁVEL, SÓ EXISTE ALGUNS PROTÓTIPOS QUE NO MÁXIMO VÁ ATÉ A ESTAÇÃO ESPACIAL, E SE OS CIENTISTAS CHEGAREM À CONCLUSÃO QUE NOSSA ESTRELA ESTÁ MORRENDO, VAI FICAR ASSISTINDO DE CAMAROTE À EXTINÇÃO EM MASSA DE NOSSA RAÇA, TENHO À SENSAÇÃO QUE ESTUDAM EXAUSTIVAMENTE ESTRELAS, PLANETAS, METEÓROS, COMETAS E LUAS, MAS ESTAMOS PRESOS E CONDENADOS À SORTE, SÓ VAMOS EVOLUIR TECNOLOGICAMENTE QUANDO TODOS OS PAÍS DO GLOBO INVENTAR UMA ESPÉCIE DE IMPOSTO PARA FINS ESPACIAIS, DAÍ PARA FRENTE VAMOS DAR UM SALTO GIGANTESCO PARA AS VIAGENS PLANETÁRIAS, POIS SÓ COM VERBAS DOS ESTADOS UNIDOS, JAPÃO, CHINA E ALGUM PAIS RICO, NÃO VAMOS SAIR DO PAPEL, TEM QUE TER DINHEIRO DE TODOS!!!!!!!!!!!!!!!

    • Arthur:

      cara, isso não é amanhã ou ano que vem, tem milhões de anos pra gente criar algo nessa proporção.

  • Glauco:

    Terremotos estelares sem placas tectônicas? Só se for na França.

    Esses terremotos não são exclusividade de estrelas “velhas” – se é que elas são velhas realmente. O modelo de onde surgiu essa nova área – a astrosismologia -, surgiu da observação do nosso próprio Sol, que já apresentou atividade sísmica recente e até vulcânica.

    A única explicação para isso é o Modelo do Universo Elétrico do Prof. James McCanney. Nesse modelo o núcleo das estrelas é sólido, e a pressão necessária para a fusão do hidrogênio vêm do chamado Efeito Pinch, em que campos eletromagnèticos fortíssimos criam a pressão e o calor necessários para que o hidrogênio e outros componentes entrem em fusão nuclear.

    Não que haja algum problema com o modelo de fusão nuclear no núcleo das estrelas. Essa teoria nos ajudou na criação da Energia e Bomba nucleares, sistemas de radar e até no microondas. O problema é que a Natureza escolheu outra forma mais simples de fazer suas estrelas brilharem.

    • Matheus H.:

      Glauco,

      1- Esse modelo sequer possui evidências que o comprovem?
      2- Você chegou a pensar que “terremotos estrelares” podem ser apenas uma analogia?
      3- Só se observou o Efeito Pinch em ventos solares e como ele poderia ser usado na fusão nuclear das estrelas, se em laboratório o espaço para tal reação tem que ser pequeno caso contrário esse efeito só serviria para emitir um jato de matéria?

    • Glauco:

      1-) Sim, claro! As propriedades elétricas do Vento Solar e temperatura mais baixa com menor emissão de Raios-X no núcleo das estrelas comprova isso;

      2-) Não sei se é só analogia, mas terremotos estelares no nosso Sol é comum, tanto que foram dessas observações que esses estudos surgiram;

      3-) O Efeito Pinch não foi observado em Ventos Solares pois eles ocorrem na atmosfera das estrelas, próximo à superfície. Na verdade, assim como o processo de fusão nuclear no núcleo das estrelas, ele nunca foi observado diretamente. Entretanto, os efeitos colaterais do Efeito Pinch podem ser observados no nosso próprio Sol.

    • Matheus H,:

      Glauco,

      1- Os ventos solares provam que o Efeito Pinch ocorre nas estrelas, não que esse efeito realiza a fusão nuclear e a temperatura no núcleo das estrelas é maior, não menor do que na superfície e os raios x são muito mais intensos (http://www.ensinodeastronomia.com.br/textos_estrelas.htm paragrafo “por que as temperaturas são tão altas”).

      2- O Jonatas explicou como um “terremoto estelar” ocorre e a fusão nuclear ocorre no núcleo das estrelas, pois na superfície a energia cinética dos átomos não é sufuciente para vencer a repulsão eletrostática e a força nuclear forte, se a fusão ocorresse a radiação emitida seria muito maior que a observada (alem disso através da equação do equilíbrio hidorstático, sabemos a temperatura no centro do Sol – http://astro.if.ufrgs.br/evol/node13.htm).

      Agora quanto a superfície do Sol possuir manchas, não vejo como isso refuta a fusao nuclear no núcleo, os ventos solares e emissões de jatos ocorrem devido ao próprio efeito pinch (que só realiza fusão nuclear em ambientes confinados).

    • Glauco:

      Na verdade Matheus, não existe comprovação nenhuma que as estrelas executam seu processo de fusão nuclear no núcleo. A aparência do Sol, se isso fosse verdade, seria a de uma bola laranja sem protuberâncias, emissões de jatos ou CMEs. Era essa aparência do Sol esperada pelos astrofísicos até que eles começaram a filmá-lo na década de 80. Cada partícula que entrasse em fusão nuclear no núcleo do Sol demoraria mais de um milhão de anos para chegar à superfície, pois seria absorvida e reabsorvida constantemente pelo mesmo. A superfície do Sol seria a de uma bola bem plana e constante nesse modelo, mas não é o que se vê. E ainda tem a corona solar que é milhões de vezes mais quente que o núcleo ou a atmosfera solar, e dizer que ela existe por estar sendo aquecida pelo Sol é violar a Segunda Lei da Termodinâmica. Esses dois efeitos só podem ser explicados por um modelo em que a fusão estelar ocorre na atmosfera com o hidrogênio presente no espaço ao seu redor, e não por um combustível finito no núcleo das mesmas.

    • Jonatas:

      Os tremores estelares são de origem muito diferente dos da Terra e suas placas tectônicas. Os tremores vêm de suas camadas internas de convecção e fusão nuclear, e causam magníficas ondulações eruptivas nas plasmáticas superfícies das gigantes, análogas a fotosfera solar. Os sismos são mais comuns em gigantes vermelhas do que nas estrelas de sequência principal, porque as gigantes possuem um centro muito mais instável. Mas o maior tremor não veremos nas gigantes, mas nos Magnetares. Os Magnetares são um bizarro estado das estrelas de Nêutrons, e, acredita-se, podem atingir 30 ° na Escala de Richter, e acreditem, é um valor absurdamente alto, já que a Richter é um escala logarítima de base 10.

    • Glauco:

      Isso se o processo de fusão nuclear fosse no núcleo das estrelas. Como não é, então não é possível que seja dessa forma.

  • Jonatas:

    Algumas gigantes e supergigantes vermelhas de alta magnitude aparente (porque que estão próximas da Terra) que podemos ver a olho nu:
    Antares (Escorpião), Betelgeuse (Órion), Arcturus (Boieiro), Aldeberã (Touro)…
    É possível disinguir também a cor das estrelas, a olho nu, mas precisa de um pequeno treinamento. Use dois extremos, encontre a constelação de Órion, que tem duas supergigantes de espectro oposto, Rígel, numa ponta, e Betelgeuse, na outra ponta oposta da constelação, do outro lado das três maria. Fixe os olhos em Rígel, depois em Betelgeuse, depois em Rígel e em Betelgeuse denovo, quantas vezes precisar. Isso servirá pra perceber a diferença, logo perceberá que de fato, uma é Azul, a Rígel, e a outra Vermelha, a Betelgeuse.

Deixe seu comentário!