1% de todas as gestantes tiveram concepções imaculadas nos EUA

Por , em 18.12.2013

Segundo um novo estudo (totalmente desprovido de ironia) da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill (EUA), cerca de 1% das jovens mulheres americanas dizem ter engravidado como virgens.

Tais alegações cientificamente impossíveis mostram que os pesquisadores devem ter cuidado ao interpretar o comportamento autorrelatado. Muitos estudos dependem ou se baseiam no que os participantes falam sobre o que aconteceu com eles, e memória falível, crenças e desejos podem levar as pessoas a passar informações erradas.

Ao entrevistar 7.870 mulheres com idades entre 15 a 28 anos, os cientistas descobriram que 45 das 5.340 gravidezes neste grupo (0,8%) ocorreram em mulheres que relataram ter concebido a criança sem a ajuda de um homem. O número não inclui gravidezes resultantes de fertilização in vitro ou outra tecnologia de reprodução assistida.

As mulheres que participaram do estudo foram acompanhadas durante 14 anos. Elas entraram na pesquisa quando tinham 12 a 18 anos de idade, nos anos de 1994 e 95, e foram entrevistadas periodicamente sobre sua saúde e comportamento, incluindo através do computador, como uma forma de incentivá-las a ser sinceras ao responder perguntas sobre seu histórico sexual.

As 45 mulheres que disseram engravidar apesar de se declararem virgens diferiram em diversos aspectos das meninas que reconheceram que homens tiveram um papel na sua procriação.

Das que disseram que engravidaram virgens, 31% também disseram que tinham assinado promessas de castidade (contra 15% das que engravidaram não virgens), em que uma menina jura não ter relações sexuais até casar.

Elas também foram mais propensas a dizer que seus pais nunca ou raramente falavam sobre sexo e controle de natalidade com elas. Cerca de 28% dos pais das “mães virgens”, que também foram entrevistados, indicaram que não tinham conhecimento suficiente para discutir sexo e contracepção com suas filhas, em comparação com 5% dos pais de meninas que engravidaram e disseram que tinham tiveram relações sexuais.

As mães que se diziam castas também foram menos propensas a saber como usar preservativos.

Os pesquisadores concluíram que, embora as mães em questão eram mais propensas a ter meninos do que meninas, e a estar grávida durante as semanas que antecedem o Natal, nenhuma similaridade com a Virgem Maria foi estatisticamente significativa. [Reuters]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

13 comentários

  • Will Lamounier:

    Desculpe, não aguento… kaakkk!
    A “santa ciência” de uma lado, a “santa ignorância” do outro e o “santo preconceito” aí nesse nosso meio acadêmmmmico, também… kaakkk
    Pena a “mecânica quântica” ainda estar apenas nos “porões”…

  • Henrique Guedes:

    A famigerada ” Gozada na portinha” tb dá ( e como dá! rsrs) nisso!

  • Fábio Rech:

    Neste caso o bebê teria que ter 100% do DNA da mãe, então não seria apenhas uma filha, mas também um clone.
    mas provavelmente algumas dessas “virgens” se enquadram no famoso “fazer nas coxas”.

  • Ciselizio Souza:

    Se for desse jeito, vou acabar acreditando queo INRI CRISTO é Jesus Reencarnado….. KKKKKKKKKKKKK

  • tijolin:

    Não será um erro de interpretação seguido de algum problema de redação da Reuters? Digo, talvez o que a pesquisa quis dizer, ou pelo menos quis saber das entrevistadas, é se a concepção ocorreu no primeiro ato sexual. Ou seja, virgem até o momento. Faria mais sentido.

  • Kara:

    Pelo que eu sri para se tornar grávida, a mulher não precisa necessariamente ter feito sexo.Ela pode por exemplo beijar um homem e esse homem liberar um orgasmo e o orgasmo sem querer cair na calcinha dela e a mulher não retirar a calcinha e o orgasmo ficar dentro do corpo dela.

    • Eduardo Araújo:

      Cuidado!
      Quem te disse isto estava te contando uma grande lorota! Até a estória de “nas coxinhas” é extremamente difícil. Na calcinha só se for o SPTZ do Cesar Cielo para nadar tanto… kkk

  • Stallone Sylvester:

    “Das que disseram que engravidaram virgens, 31% também disseram que tinham assinado promessas de castidade (contra 15% das que engravidaram não virgens), em que uma menina jura não ter relações sexuais até casar.
    Elas também foram mais propensas a dizer que seus pais nunca ou raramente falavam sobre sexo e controle de natalidade com elas. Cerca de 28% dos pais das “mães virgens”, que também foram entrevistados, indicaram que não tinham conhecimento suficiente para discutir sexo e contracepção com suas filhas, em comparação com 5% dos pais de meninas que engravidaram e disseram que tinham tiveram relações sexuais.

    Está explicado 🙂

  • JOTAGAR:


    “Tais alegações cientificamente impossíveis mostram que os pesquisadores devem ter cuidado ao interpretar o comportamento autorrelatado.”

    Neste caso, utilizando-se rigorosamente o método cientifico, deveria ser conduzido um experimento empírico qualitativo por amostragem com intervalo de confiança de 95% para verificação em loco da presença ou não de hímen no grupo de estudo.

    • Cesar Grossmann:

      Depois do nascimento? Não seria um pouco impossível encontrar um hímen intacto depois de passar uma criança pelo canal do nascimento?

  • Eduardo Araújo:

    Mas é claro que é verdade!!!
    Trata-se da partenogênese, também conhecida como partogênese, ou ainda telitoquia, que é o crescimento e desenvolvimento de um embrião sem que ocorra a fertilização, ou seja, ocorre por reprodução assexuada (ou seja gravidez das virgens).
    Há casos em insetos (em especial na abelhas) mas não é comum em mamíferos e não há casos em que o embrião tenha sido viável (principalmente e muito menos em humanos). exceto em certas comunidades religiosas.
    O último caso relatado aconteceu em Belém (não, não é Belém do Para /// É belém na Palestina) há pouco mais de 2000 anos. Nasceu mais ou menos nesta época do ano, entretanto parece que a coisa não deu muito certo para ele (teve morte precoce).
    Mas isto não é o pior: já há casos em que a tecnologia é responsável, como no caso da esposa de um soldado americano que estava a serviço nas guerras do oriente e engravidou ao assistir um filme pornô 3D.

    ( http://www.sensacionalista.com.br/2010/05/04/mulher-engravidou-vendo-filme-porno-3d/ )

    • Oswaldo Ferreira:

      Isso é bem comum mesmo veja só Horus ,Mitra, Krishinu nasceram de uma virgem mais ou menos nessa época do ano também impressionante né.

    • Anderson Thiago:

      HAUHAUAHAU, no começo eu achava que você estava falando sério!!! KKKK
      No caso dessa senhora (a nossa senhora) em Belém, vai além da Ciência. Em tese, a partenogênese humana resultaria em indivíduos do sexo feminino, já que as mulheres são XX, resultando apenas em XX. Mais milagroso ainda, nascer um homem! Abraços.

Deixe seu comentário!