10 impressionantes descobertas recentes sobre os neandertais

Por , em 10.11.2018

Os neandertais são nossos parentes humanos mais próximos. Por conta desta ligação genética, eles são alvos atraentes para pesquisa.

Confira algumas descobertas recentes sobre esses hominídeos extintos:

10. Características faciais


Por que os rostos neandertais parecem tão diferentes dos nossos? Em comparação com os humanos modernos, seus rostos são protuberantes com bochechas distintamente altas e narizes grandes.

Uma teoria proeminente sugeria que essas características davam aos neandertais uma mordida mais forte. Evidências mostraram que eles usavam suas mandíbulas como uma terceira mão para segurar algo, talvez ao fazer armas ou peças de roupa.

No entanto, um estudo de 2018 com crânios humanos e neandertais concluiu que os humanos modernos tinham uma mordida mais forte e ainda possuíam rostos mais estreitos.

A nova hipótese é de que as diferenças podem ter algo a ver com necessidades físicas. Os neandertais tinham corpos mais poderosos que usavam mais energia – até 4.480 calorias diárias. Eles viajavam muito e às vezes viviam em ambientes frios. O estudo descobriu que as características faciais dos neandertais acomodam passagens nasais 29% maiores que as dos humanos. Isso permite uma ingestão muito melhor de oxigênio e ar quente, os quais poderiam ter ajudado a sustentar os hominídeos altamente ativos durante o inverno.

9. Ancestral


A árvore genealógica humana é incrivelmente complexa. Os cientistas ainda não conhecem a história completa da evolução dos hominídeos. Um osso duro de roer é o ancestral comum dos humanos modernos e dos neandertais.

Ainda não está claro quando eles se dividiram em diferentes espécies. O registro fóssil indica que os humanos modernos evoluíram 300 mil anos atrás, enquanto a mais antiga evidência dos neandertais é mais complicada. Existem vestígios de 400.000 anos, enquanto alguns estudos genéticos encontraram evidências de uma separação há 650.000 anos.

Em 2018, cientistas encontraram dentes fósseis que emergiram em dois locais na Península Itálica. O estudo encontrou características distintas da linhagem neandertal. Ambos os dentes também tinham 450.000 anos de idade. Isso reforçou descobertas de DNA, sugerindo que a separação aconteceu há mais de meio milhão de anos.

8. Desenvolvimento infantil


Em 2010, um menino neandertal de sete anos foi encontrado entre um grupo de 12 adultos e crianças na Gruta El Sidron, na Espanha. A família morreu há 49 mil anos.

O estudo do menino revelou dados interessantes. Por exemplo, não houve diferença entre sua taxa de crescimento e a de uma criança moderna de sete anos de idade. Essa semelhança pode estar entre as razões pelas quais as duas espécies se cruzaram tão facilmente (é sabido que humanos modernos e neandertais fizeram sexo e trocaram DNA).

Embora já se saiba que os neandertais tinham cérebros maiores, o do garoto ainda estava se desenvolvendo. Tinha 87,5% do volume de um adulto. Hoje, uma criança da mesma idade tem uma média de 95%. As crianças neandertais amadureciam mais lentamente, o que sugere que recebiam um período maior de cuidado e aprendizado com os adultos. Ainda não está claro se isso era uma vantagem biológica.

Outra diferença foi encontrada nas vértebras do menino. Elas não estavam todas fundidas. As dos humanos modernos se fundem por volta dos 4 aos 6 anos de idade. Não havia doença no fóssil, o que indica que a fusão tardia era normal para uma criança neandertal.

O grupo familiar da caverna de El Sidron é muito importante para a ciência: como representa diferentes fases da vida e gerações, detêm a chave para finalmente entendermos o completo desenvolvimento físico dos neandertais.

7. Mãos delicadas


Existe uma imagem (errônea) de que os neandertais eram brutos, apesar de diversas evidências do contrário. Por exemplo, em 2018, um estudo descobriu que os neandertais usavam as mãos como alfaiates e pintores, com um comando preciso e delicado.

Os cientistas examinaram as mãos de trabalhadores da construção civil, artistas e até mesmo açougueiros. Em seguida, observaram como as enteses se manifestavam (cicatrizes ósseas indicando o uso muscular a longo prazo). Por fim, examinaram 12 mãos pré-históricas, divididas igualmente entre seres humanos e neandertais que viveram cerca de 40.000 anos atrás.

Apenas metade dos humanos pré-históricos mostravam enteses no polegar e no dedo indicador indicativos de trabalho delicado. O resto indicava trabalho duro, com força bruta no polegar. Em comparação, todos os neandertais mostraram cicatrizes de movimentos finos.

6. Práticas médicas


Um fator frequentemente negligenciado na história neandertal é a sua capacidade médica. Esses hominídeos existiram por milhares de anos, mas em pequenos grupos, onde cada indivíduo era visto como valioso. Logo, os neandertais não poderiam ter sobrevivido por tanto tempo sem desenvolver suas próprias práticas de saúde.

Em 2018, os restos mortais de mais de 30 neandertais foram escolhidos para pesquisa por uma razão especial: todos sobreviveram a algum tipo de problema físico, de ferimentos menores a mais graves, incluindo ossos quebrados. Cada indivíduo se recuperou de diferentes traumas ao longo de sua vida.

Essa é a primeira prova sólida de que os neandertais tinham um sistema médico avançado em funcionamento. Não apenas como uma prática cultural, mas como uma importante estratégia de sobrevivência. Os pesquisadores acreditam que os curandeiros neandertais incluíam até parteiras qualificadas.

5. Sistema de informação?


A caverna Kiik-Koba, na Crimeia, é recheada de descobertas neandertais. Pesquisadores já encontraram um neandertal adulto e um bebê lá dentro. Em 2018, descobriram um pedaço de pederneira com 13 marcas. O artefato tinha cerca de 35.000 anos, e as linhas não eram aleatórias ou acidentais. Em vez disso, um neandertal com excelente coordenação entre tato e visão usou várias ferramentas de pedra pontiagudas para criar os ziguezagues.

Esse tipo de esforço também exige grande foco mental. A pequena pederneira não era feita de pedra local, levantando a possibilidade de ter sido trazida de outro local, talvez levando alguma mensagem.

Os cientistas concordaram que as marcações eram muito trabalhosas para serem rabiscos de um neandertal entediado. Também descartaram a chance de que as marcas indicassem a propriedade da ferramenta, porque outras pederneiras foram encontradas sem qualquer entalhe. Pode ter sido informação numérica. Honestamente, ninguém sabe o que foi comunicado e se o tamanho pequeno significa que o público-alvo também não era grande.

4. Sistema imunológico


Um estudo de 2018 da Universidade de Stanford (EUA) sugeriu que os humanos modernos correram o risco de extinção devido à gripe. O que os salvou? Acasalamento com os neandertais.

É uma notícia antiga que a maioria dos europeus vivos hoje anda com cerca de 2% de DNA neandertal. Durante o estudo de Stanford, os pesquisadores analisaram 4.500 genes humanos que interagem com vírus. Surpreendentemente, 152 foram herdados dos neandertais e nos defendem da hepatite C e da gripe moderna.

Quando os humanos chegaram pela primeira vez à Europa, os neandertais já viviam na região há milênios. Seu código genético já estava bem adaptado para combater doenças europeias infecciosas. Não era o caso dos novos imigrantes saídos da África. Se os dois grupos nunca tivessem se encontrado, os humanos teriam que evoluir naturalmente sua própria resistência. No entanto, a gripe poderia tê-los eliminado antes disso. Felizmente, o cruzamento com neandertais produziu descendentes com defesas genéticas prontas que se espalharam pela população humana bem mais rápido do que a evolução natural levaria.

3. Caça


Cerca de 120.000 anos atrás, dois veados morreram. Seus restos foram descobertos em 1988 e 1997 em Neumark-Nord, na Alemanha, e revelaram algo notável sobre os neandertais.

Os pesquisadores analisaram os esqueletos e descobriram que ambos eram cervos machos saudáveis e jovens. Em outras palavras, o melhor jantar para um homem das cavernas faminto. Os ossos tinham marcas consistentes com lanças neandertais, sugerindo que os animais foram mortos por um grupo qualificado de caçadores (mais uma evidência contra a imagem de “hominídeos estúpidos”).

Em 2018, os cientistas deram réplicas das lanças para voluntários escolarizados nesta linha de armamento. Eles “caçaram” esqueletos de veados reais envoltos em gel de balística para simular tecidos moles. O dano ósseo correspondia ao encontrado nos cervos antigos. Sensores ligados às lanças mediram a velocidade e mostraram que os neandertais usavam impulsos de curto alcance para matar, em vez de lançamento de uma distância segura.

Um mistério permanece: um cervo tinha poucas marcas de abate, e o outro não tinha nenhuma. Era quase como se pouca ou nenhuma carne tivesse sido colhida. Para um povo dependente de caça e coleta, é um comportamento curioso.

2. Perigos


Em 2018, cientistas encontraram partes do esqueleto de uma criança neandertal de 115 mil anos na caverna Ciemna, na Polônia. O indivíduo faleceu com 5 a 7 anos de idade. Ainda não está claro como, mas ele ou ela pode ter sido morto por uma enorme ave predatória.

Nos tempos pré-históricos, esse era um perigo real. Os ossos dos dedos da criança mostravam danos consistentes com ter passado pelo trato digestivo da criatura. Também é possível que algo diferente tenha causado a morte da criança e que o corpo tenha sido comido pelo predador depois.

Além de ser o único caso de um neandertal da Idade do Gelo se tornando almoço de pássaro, os ossos também são os restos humanos mais antigos descobertos na Polônia.

1. Mini cérebro neandertal


O desenvolvimento mais bizarro no campo dos estudos neandertais veio de um laboratório da Califórnia. Em 2018, durante uma tentativa de entender por que os neandertais foram extintos enquanto os humanos modernos prosperaram, os cientistas decidiram se concentrar em pistas neurológicas.

O genoma completo neandertal já era conhecido. Com alguns ajustes genéticos para transformar as células-tronco humanas em células cerebrais semelhantes às do extinto hominídeo, os pesquisadores desenvolveram um “organoide neandertal” (uma versão menor de um órgão, neste caso, do cérebro).

Levou de 6 a 8 meses para os “mini cérebros” amadurecerem e alcançarem cerca de 0,5 centímetros. A diferença mais imediata foi na forma. Os organoides do cérebro humano são redondos, mas a versão neandertal desenvolveu uma aparência incomum mais parecida com uma pipoca. A rede e os caminhos neurais também eram menos sofisticados que os dos humanos. Isso não implica necessariamente que eles fossem mais burros.

As implicações do estudo são impressionantes, no entanto, mais análises são necessárias antes de podermos culpar diferenças cerebrais pela extinção dos neandertais. [Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (39 votos, média: 4,82 de 5)

Deixe seu comentário!